An­tó­nio Gu­ter­res quer adap­ta­ção aos no­vos tem­pos

An­ti­go pri­mei­ro-mi­nis­tro por­tu­guês vai pri­o­ri­zar uni­da­de e con­sen­so du­ran­te o seu man­da­to

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ELEAZAR VAN-DÚNEM* |

Os 193 paí­ses-mem­bros que in­te­gram a As­sem­bleia Ge­ral da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU) con­fir­ma­ram, on­tem, em No­va Ior­que, por acla­ma­ção, An­tó­nio Gu­ter­res co­mo o no­vo Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das, em subs­ti­tui­ção do sul-co­re­a­no Ban Ki-mo­on, cu­jo man­da­to de dez anos ter­mi­na em 31 de De­zem­bro.

O Se­cre­tá­rio-Ge­ral de­sig­na­do da ONU, cu­jo man­da­to, re­no­vá­vel, co­me­ça em 1 de Ja­nei­ro de 2017 e ter­mi­na em 31 de De­zem­bro de 2021, diz que o fu­tu­ro da ONU é de­ter­mi­na­do pe­la sua “pron­ti­dão pa­ra mu­dar e se adap­tar aos no­vos tem­pos”, ra­zão pe­la qual de­fen­de ino­va­ção, me­nos bu­ro­cra­cia e mais efi­cá­cia e efi­ci­ên­cia, com sim­pli­fi­ca­ção de pro­ces­sos e re­du­ção de cus­tos.

Ao apre­sen­tar pro­pos­tas, ain­da co­mo can­di­da­to, An­tó­nio Gu­ter­res de­fi­niu co­mo pri­o­ri­da­des o com­ba­te à vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos, a pro­mo­ção da au­to­no­mia fe­mi­ni­na, a pre­ven­ção de con­fli­tos, o com­ba­te ao ter­ror e o que cha­mou de “mo­bi­li­za­ção co­lec­ti­va con­tra a in­to­le­rân­cia e a ra­di­ca­li­za­ção.”

Na pri­mei­ra reacção após a con­fir­ma­ção, na se­ma­na pas­sa­da, pe­la As­sem­bleia Ge­ral, da re­so­lu­ção do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça que pro­põe o seu no­me ao car­go de Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU, dis­se en­fren­tar “enor­mes de­sa­fi­os” e es­pe­rar “uni­da­de e con­sen­so” en­quan­to exer­cer o car­go.

Di­plo­ma­ta dos EUA

O ex-em­bai­xa­dor dos EUA nas Na­ções Uni­das e ve­te­ra­no da di­plo­ma­cia nor­te-ame­ri­ca­na, John Bol­ton, es­cre­veu num ar­ti­go de opi­nião no Wall Stre­et Jour­nal que os “bu­ro­cra­tas” da­que­la or­ga­ni­za­ção “pre­ci­sam de um che­fe, não de um so­nha­dor”, jus­ti­fi­can­do a sua opi­nião com os vá­ri­os de­sa­fi­os que An­tó­nio Gu­ter­res vai en­con­trar, quan­do as­su­mir o car­go de se­cre­tá­rio-ge­ral a 1 de Ja­nei­ro de 2017. Pa­ra Bol­ton, An­tó­nio Gu­ter­res te­rá de “re­co­nhe­cer que de­ve a sua no­me­a­ção aos cin­co mem­bros per­ma­nen­tes do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça” e con­for­mar-se com o po­der que aque­les paí­ses (Fran­ça, Rei­no Uni­do, EUA, Chi­na e Rús­sia) têm den­tro da es­tru­tu­ra, fun­ci­o­na­men­to e to­ma­da de de­ci­sões na ONU. “Em­bo­ra ha­ja ou­tros paí­ses po­de­ro­sos e emer­gen­tes nas Na­ções Uni­das, a não ser que eles con­ven­çam um ou mais dos cin­co mem­bros per­ma­nen­tes pa­ra se vi­ra­rem con­tra Gu­ter­res, eles se­rão ine­vi­ta­vel­men­te fac­to­res me­no­res”, es­cre­veu o di­plo­ma­ta nor­te-ame­ri­ca­no.

“Se Gu­ter­res qui­ser ser o Dag Ham­mark­jold [se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU en­tre 1953 e 1961] des­te sé­cu­lo, a flu­tu­ar so­bre o uni­ver­so mun­da­no dos Es­ta­dos-na­ção, is­so po­de va­ler-lhe pon­tos en­tre os ilu­mi­na­dos des­te mun­do, mas vai ga­ran­tir-lhe pou­cos fei­tos”, acres­cen­ta.

As­sim, o di­plo­ma­ta acon­se­lha Gu­ter­res a con­cen­trar-se, so­bre­tu­do, em ar­ru­mar a ca­sa da ONU.

“An­tó­nio Gu­ter­res se­rá mais pro­du­ti­vo se se con­cen­trar no seu ter­ri­tó­rio li­mi­ta­do”, es­cre­ve John Bol­ton, apon­tan­do de­sa­fi­os co­mo a re­du­ção da bu­ro­cra­cia den­tro da or­ga­ni­za­ção e uma re­for­ma das for­ças de ma­nu­ten­ção da paz, que, nes­te mo­men­to, se dis­tri­bu­em em 16 ope­ra­ções (com 119 mil in­di­ví­du­os des­ta­ca­dos e um 7,14 mil mi­lhões de eu­ros de or­ça­men­to anu­al). “As ale­ga­ções de abu­so se­xu­al por sol­da­dos, o sur­to de có­le­ra no Hai­ti e a má ges­tão es­tão a pre­ju­di­car as for­ças de ma­nu­ten­ção das Na­ções Uni­das, cu­ja au­ra de per­fei­ção tem caí­do des­de que ven­ce­ram o pré­mio No­bel da Paz em 1988”, lê-se no tex­to.

“Enor­mes de­sa­fi­os”

Es­pe­ci­a­lis­tas afir­mam que en­tre os “enor­mes de­sa­fi­os” de An­tó­nio Gu­ter­res na li­de­ran­ça da ONU, es­tão a pro­ble­má­ti­ca dos re­fu­gi­a­dos, que pa­ra o aca­dé­mi­co Adri­a­no Mo­rei­ra “de­sa­fia o con­fli­to en­tre os de­ve­res hu­ma­ni­tá­ri­os e as pre­o­cu­pa­ções de se­gu­ran­ça”, e a si­tu­a­ção na Sí­ria, por mui­tos ana­lis­tas con­si­de­ra­da “a gran­de pri­o­ri­da­de de An­tó­nio Gu­ter­res.”

O ter­ro­ris­mo e as “guer­ras não re­sol­vi­das” ou “con­fli­tos con­ge­la­dos” co­mo os da Mol­dá­via, Geór­gia (à vol­ta da Abe­cá­sia) e Ucrâ­nia (em Do­netsk e em Lu­gansk), tam­bém pa­re­cem es­tar en­tre os “enor­mes de­sa­fi­os”, de acor­do com es­pe­ci­a­lis­tas.

A re­for­ma das Na­ções Uni­das, com des­ta­que pa­ra a al­te­ra­ção dos po­de­res da As­sem­bleia Ge­ral, Con­se­lho de Se­gu­ran­ça e do Tri­bu­nal In­ter­na­ci­o­nal de Jus­ti­ça, a re­du­ção da bu­ro­cra­cia e a, há mui­to pe­di­da, re­es­tru­tu­ra­ção no Con­se­lho de Se­gu­ran­ça tam­bém são um “enor­me de­sa­fio” ci­ta­do por es­pe­ci­a­lis­tas.

Is­ra­el, Pa­les­ti­na e o mun­do ára­be, a im­ple­men­ta­ção do Acor­do de Paris so­bre o Cli­ma, bi­o­di­ver­si­da­de e a po­bre­za, a im­par­ci­a­li­da­de, a ge­rên­cia de an­ta­go­nis­mos, a igual­da­de do gé­ne­ro e a des­nu­cle­a­ri­za­ção são ou­tros gran­des de­sa­fi­os pa­ra An­tó­nio Gu­ter­res, re­fe­rem es­pe­ci­a­lis­tas.

Elei­ção con­sen­su­al

Os res­tan­tes can­di­da­tos ao car­go de se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU fe­li­ci­ta­ram An­tó­nio Gu­ter­res, co­mo o seu an­te­ces­sor, Ban Ki-mo­on, que, mes­mo de­pois de pu­bli­ca­men­te afir­mar que pre­fe­ria uma mu­lher pa­ra o su­ce­der, ad­mi­tiu que o an­ti­go al­to co­mis­sá­rio da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra os Re­fu­gi­a­dos “é uma ex­ce­len­te es­co­lha.” A União Eu­ro­peia ma­ni­fes­tou igual­men­te “apoio unâ­ni­me” ao por­tu­guês An­tó­nio Gu­ter­res, ape­sar das crí­ti­cas à ac­tu­a­ção da Co­mis­são Eu­ro­peia, que deu uma li­cen­ça sem ven­ci­men­to a Kris­ta­li­na Ge­or­gi­e­va pa­ra es­ta con­cor­rer ao car­go “no fi­nal da ma­ra­to­na.”

Os cin­co mem­bros per­ma­nen­tes do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça, que po­di­am ter ve­ta­do o no­me de An­tó­nio Gu­ter­res, tam­bém o fi­ze­ram, com mai­or ou me­nor en­tu­si­as­mo. An­tó­nio Gu­ter­res de­cla­rou pu­bli­ca­men­te que os EUA, a Chi­na e a Fran­ça fo­ram os seus mai­o­res apoi­an­tes, mas do Rei­no Uni­do ou­viu pe­las su­as “qua­li­da­des e ex­pe­ri­ên­cia” pa­ra “gui­ar a ONU nos mui­tos de­sa­fi­os” e da Rús­sia por ser al­guém “que fa­la com to­da a gen­te, ou­ve to­da a gen­te e diz aqui­lo que pen­sa.”

E as cer­ca de 750 ONG de to­do o mun­do reu­ni­das na cam­pa­nha “1 por 7 mil mi­lhões” con­si­de­ra­ram que a in­di­ca­ção de An­tó­nio Gu­ter­res “é uma vi­tó­ria da trans­pa­rên­cia pe­la qual tan­to lu­ta­mos”. A reacção in­ter­na­ci­o­nal à es­co­lha de An­tó­nio Gu­ter­res, por con­se­guin­te, aca­bou por ser um ma­ni­fes­to de união.

Ban Ki-mo­on

An­tó­nio Gu­ter­res foi con­fir­ma­do Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das, pre­ci­sa­men­te, dez anos de­pois de o seu an­te­ces­sor, Ban Ki­mo­on, ter si­do elei­to ao car­go.

Ana­lis­tas re­fe­rem que Ban Ki­mo­on dei­xa mui­tas pro­mes­sas por cum­prir, so­bre­tu­do no que a re­for­mas diz res­pei­to, mas tam­bém vi­tó­ri­as re­le­van­tes nos dos­si­ers do nu­cle­ar e das al­te­ra­ções cli­má­ti­cas. Crí­ti­cos o con­si­de­ram “o pi­or Se­cre­tá­rio-Ge­ral de sem­pre, com pou­co ca­ris­ma e fu­ga das de­ci­sões di­fí­ceis”, mas os apoi­an­tes de­fi­nem-no co­mo “há­bil ne­go­ci­a­dor que li­de­rou com es­ta­bi­li­da­de uma dé­ca­da com­ple­xa.

” O Mo­vi­men­to dos Não-Ali­nha­dos e o Gru­po dos 77 (paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to) acu­sam Ban Ki­mo­on de “aco­mo­dar os in­te­res­ses dos Es­ta­dos Uni­dos e os de­se­jos das na­ções mais ri­cas.”

A Sí­ria che­gou mes­mo a acu­sar o Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU de “se afas­tar” da Car­ta das Na­ções Uni­das e que no seu man­da­to a or­ga­ni­za­ção “afas­tou-se do seu pa­pel de pro­cu­rar so­lu­ções pa­ra os pro­ble­mas in­ter­na­ci­o­nais e não con­se­guiu re­sol­ver qual­quer con­fli­to”.

Ana­lis­tas são unâ­ni­mes em afir­mar que o an­ti­go che­fe da di­plo­ma­cia sul-co­re­a­na não con­se­guiu fa­zer es­que­cer o seu an­te­ces­sor, o gha­nen­se Kof­fi An­nan, e que o seu man­da­to fi­ca mar­ca­do por uma “li­de­ran­ça dis­cre­ta” em que “a inércia se so­brepôs ao pa­pel da ONU.”

Um ar­ti­go do jor­nal bri­tâ­ni­co “The Te­le­graph” re­fe­re que, pro­va­vel­men­te, o mun­do não vai ter sau­da­des de Ban Ki-mo­on quan­do es­te dei­xar o car­go, por­que dos dez anos à fren­te da or­ga­ni­za­ção, o lí­der ces­san­te da ONU pou­co mu­dou o sis­te­ma in­ter­no da or­ga­ni­za­ção, ape­sar de con­tí­nu­as pro­mes­sas de re­for­mas.

Ban Ki-mo­on, o lí­der ces­san­te das Na­ções Uni­das, po­de or­gu­lhar-se de al­gu­mas vi­tó­ri­as, en­tre as quais a as­si­na­tu­ra dos Acor­dos de Paris pa­ra o com­ba­te às al­te­ra­ções cli­má­ti­cas, que o pró­prio qua­li­fi­cou de a sua mai­or con­quis­ta, con­clui o jor­nal “The Te­le­graph”. * Com agências

AFP

As­sem­bleia Ge­ral con­fir­mou on­tem por acla­ma­ção o no­me do por­tu­guês An­tó­nio Gu­ter­res pa­ra o car­go de Se­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das

AFP

Pre­ven­ção de con­fli­tos e pro­mo­ção dos Di­rei­tos Hu­ma­nos são pri­o­ri­tá­ri­as pa­ra An­tó­nio Gu­ter­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.