As­si­na­do pro­to­co­lo com ban­cos co­mer­ci­ais

Jornal de Angola - - OPINIÃO - AR­MAN­DO ES­TRE­LA |

Um me­mo­ran­do de en­ten­di­men­to en­tre a Co­mis­são do Mer­ca­do de Ca­pi­tais (CMC) e al­guns ban­cos co­mer­ci­ais do país foi as­si­na­do on­tem, em Lu­an­da, no qua­dro do pro­gra­ma de emis­são de obri­ga­ções des­ti­na­das ao fi­nan­ci­a­men­to de in­fra-es­tru­tu­ras pú­bli­cas.

O pro­jec­to de­ve ser efec­ti­va­do por in­ter­mé­dio de par­ce­ri­as pú­bli­co-pri­va­das, de­sig­na­do Pro­gra­ma de Emis­são de Pro­ject Bonds, de acor­do com um co­mu­ni­ca­do da CMC. Pe­los ban­cos co­mer­ci­ais, vão ru­bri­car o acor­do os re­pre­sen­tan­tes dos ban­cos Eco­nó­mi­co e do Mil­len­nium Atlân­ti­co, Stan­dard Bank An­go­la e do Cai­xa Ge­ral An­go­la.

O me­mo­ran­do vi­sa, en­tre ou­tros as­pec­tos, pro­mo­ver a par­ti­lha de in­for­ma­ção con­fi­den­ci­al en­tre a CMC e os ban­cos co­mer­ci­ais do mer­ca­do in­ter­no, pa­ra per­mi­tir a iden­ti­fi­ca­ção de pro­jec­tos de in­fra-es­tru­tu­ras pú­bli­cas de­fi­ni­dos no âm­bi­to do Pla­no Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to (PND) 20122017. O do­cu­men­to diz tra­tar-se de pro­jec­tos ap­tos a se­rem fi­nan­ci­a­dos e, des­te mo­do, con­tri­buir pa­ra a di­na­mi­za­ção e di­ver­si­fi­ca­ção dos sec­to­res eco­nó­mi­cos e, con­se­quen­te­men­te, im­pul­si­o­nar o de­sen­vol­vi­men­to do te­ci­do em­pre­sa­ri­al na­ci­o­nal.

No qua­dro do acor­do, os ban­cos co­mer­ci­ais que par­ti­ci­pam no pro­gra­ma de­vem fa­zer a iden­ti­fi­ca­ção do pro­jec­to e a es­tru­tu­ra­ção das ope­ra­ções de emis­são das obri­ga­ções, en­quan­to a CMC de­ve ga­ran­tir que os po­ten­ci­ais emi­ten­tes pos­su­am as con­di­ções mí­ni­mas exi­gi­das pa­ra a emis­são de va­lo­res mo­bi­liá­ri­os. Com is­so, a Co­mis­são do Mer­ca­do de Ca­pi­tais cum­pre com as su­as atri­bui­ções de en­ti­da­de pro­mo­to­ra, re­gu­la­do­ra e su­per­vi­so­ra do Mer­ca­do de Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os em An­go­la.

Mer­ca­do ac­ci­o­nis­ta

A CMC de­ve co­lo­car em mar­cha, no pró­xi­mo ano, o mer­ca­do ac­ci­o­nis­ta. Além dis­so, a CMC pre­ten­de dar mai­or pro­fun­di­da­de ao mer­ca­do da dí­vi­da pú­bli­ca e di­na­mi­zar o mer­ca­do de dí­vi­da cor­po­ra­ti­va.

A pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da CMC, Ve­ra Da­ves, in­for­mou há di­as que a ins­ti­tui­ção de­ve tra­ba­lhar em prol da im­ple­men­ta­ção de um con­jun­to de ini­ci­a­ti­vas, que vi­a­bi­li­zem o fi­nan­ci­a­men­to de ac­ti­vi­da­des que con­tri­bu­am pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da economia na­ci­o­nal. Ve­ra Da­ves dis­se tam­bém que a CMC de­ve tra­ba­lhar no sen­ti­do de con­cre­ti­zar os ob­jec­ti­vos que cons­ti­tuíam os pon­tos ba­si­la­res da es­tra­té­gia da an­te­ri­or ad­mi­nis­tra­ção, tor­nan­do mais efi­ci­en­tes os me­ca­nis­mos que es­ta­vam a ser uti­li­za­dos pa­ra pro­mo­ver os mais di­fe­ren­tes seg­men­tos do mer­ca­do.

O pro­gra­ma de li­te­ra­cia fi­nan­cei­ra é ou­tro de­sa­fio a que se pro­põe aten­der a no­va ad­mi­nis­tra­ção da CMC que, em par­ce­ria com o Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA) e com a Agên­cia An­go­la­na de Re­gu­la­ção e Su­per­vi­são de Se­gu­ros (ARSEG), de­ve dar uma ou­tra di­nâ­mi­ca a ac­ções des­ta ini­ci­a­ti­va.

Em re­la­ção aos fun­dos de in­ves­ti­men­to, Ve­ra Da­ves dis­se ser um ins­tru­men­to que de­ve ser en­ca­ra­do co­mo um ele­men­to que mais de­mo­cra­ti­za o aces­so ao mer­ca­do de ca­pi­tais. “Va­mos tra­ba­lhar, pa­ra que es­te ins­tru­men­to fi­nan­cei­ro es­te­ja dis­po­ní­vel à po­pu­la­ção”, dis­se, ao re­cor­dar a exis­tên­cia de um qua­dro re­gu­la­dor que ape­nas pre­ci­sa de in­cen­ti­vo pa­ra o seu sur­gi­men­to.

Ve­ra Da­ves ad­mi­tiu que a CMC vai di­a­lo­gar com to­das as par­tes in­te­res­sa­das, já que o re­gu­la­dor não po­de cri­ar pro­du­tos. “O que te­mos de fa­zer é mos­trar o ca­mi­nho, iden­ti­fi­can­do as even­tu­ais di­fi­cul­da­des que os ope­ra­do­res do mer­ca­do pos­sam apre­sen­tar, tra­ba­lhar ne­las e aju­dá­los, pa­ra que os ins­tru­men­tos fi­nan­cei­ros sur­jam, de mo­do a dar for­ça à com­po­nen­te do mer­ca­do”, con­cluiu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.