Mus­su­lo com tu­ris­mo sus­ten­tá­vel

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - MAZARINO DA CU­NHA |

Os cin­co prin­cí­pi­os ori­en­ta­do­res pa­ra a mu­dan­ça sus­ten­tá­vel do Mus­su­lo fo­ram apre­sen­ta­dos na quar­ta-fei­ra, na pri­mei­ra ses­são da con­sul­ta pú­bli­ca so­bre a re­qua­li­fi­ca­ção ur­ba­na da pe­nín­su­la da pro­vín­cia de Lu­an­da.

O en­con­tro, or­ga­ni­za­do pe­lo Ga­bi­ne­te Téc­ni­co de Ges­tão da Re­qua­li­fi­ca­ção e De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no do Pe­rí­me­tro Cos­tei­ro da Ci­da­de de Lu­an­da, Fu­tun­go de Belas e Mus­su­lo, ser­viu pa­ra o or­ga­nis­mo in­te­ra­gir com re­pre­sen­tan­tes da so­ci­e­da­de ci­vil, em­pre­sá­ri­os, po­lí­ti­cos e en­ti­da­des tra­di­ci­o­nais.

O di­rec­tor do pro­jec­to, Ro­dri­go dos San­tos, dis­se que o pla­no de ur­ba­ni­za­ção sus­ten­tá­vel do Mus­su­lo tem co­mo ob­jec­ti­vo a me­lho­ria do meio am­bi­en­te e da qua­li­da­de de vi­da dos mo­ra­do­res e vi­si­tan­tes.

O Mus­su­lo, acres­cen­tou, pre­ci­sa de pre­ser­var, de for­ma sus­ten­tá­vel, a sua be­le­za, pa­ra im­pul­si­o­nar um tu­ris­mo sus­ten­tá­vel.

Ro­dri­go dos San­tos sa­li­en­tou ain­da que a pe­nín­su­la pre­ci­sa de uma ges­tão sus­ten­tá­vel, a car­go de uma en­ti­da­de que de­ve ga­ran­tir a pro­tec­ção da pai­sa­gem e ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas pa­ra os co­fres do Es­ta­do. Du­as das qua­tro eta­pas de exe­cu­ção da re­qua­li­fi­ca­ção da pe­nín­su­la do Mus­su­lo já es­tão con­cluí­das.

A ter­cei­ra fi­ca con­cluí­da em fi­nais de No­vem­bro de 2016, dis­se o di­rec­tor do Ga­bi­ne­te Téc­ni­co de Ges­tão da Re­qua­li­fi­ca­ção e De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no do Pe­rí­me­tro Cos­tei­ro da Ci­da­de de Lu­an­da, Fu­tun­go de Belas e Mus­su­lo. Após a con­clu­são das qua­tro eta­pas, a pe­nín­su­la do Mus­su­lo vai dis­por de es­co­las, cen­tros de saú­de, re­cin­tos des­por­ti­vos, uni­da­des dos Ser­vi­ços de Pro­tec­ção Ci­vil e Bom­bei­ros e da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, cen­tros cul­tu­rais, co­mer­ci­ais, re­sorts e res­tau­ran­tes.

O Pré­mio No­bel da Li­te­ra­tu­ra foi con­ce­di­do es­te ano ao can­tor Ro­bert Al­len Zim­mer­man, mais co­nhe­ci­do por Bob Dy­lan, por ter cri­a­do no­vas for­mas de ex­pres­são poé­ti­cas no qua­dro da gran­de tra­di­ção da mú­si­ca ame­ri­ca­na.

O anún­cio foi fei­to, na ma­nhã de on­tem, em Es­to­co­lo­mo, pe­la Aca­de­mia Su­e­ca, que des­ta­cou as qua­li­da­des de Bob Dy­lan co­mo com­po­si­tor, pin­tor, ac­tor e es­cri­tor.

Em 2015, a bi­e­lor­rus­sa Sve­tla­na Ale­xi­e­vit­ch foi a pre­mi­a­da e, no ano an­te­ri­or, o ven­ce­dor foi o fran­cês Pa­trick Mo­di­a­no. Nas­ci­do no es­ta­do de Min­ne­so­ta, ne­to de imi­gran­tes ju­deus rus­sos, aos 10 anos, Dy­lan es­cre­veu os seus pri­mei­ros po­e­mas e, ain­da ado­les­cen­te, apren­deu pi­a­no e gui­tar­ra so­zi­nho.

Co­me­çou a can­tar em gru­pos de rock, imi­tan­do Lit­tle Ri­chard e Buddy Holly, mas, quan­do foi pa­ra a Uni­ver­si­da­de de Min­ne­so­ta em 1959, vol­tou-se pa­ra a folk mu­sic, im­pres­si­o­na­do com a obra mu­si­cal do len­dá­rio can­tor folk Wo­ody Guth­rie, a quem foi vi­si­tar em No­va Ior­que, em 1961.

Em 2004, foi elei­to pe­la re­vis­ta Rol­ling Sto­ne o sé­ti­mo mai­or can­tor de to­dos os tem­pos e, pe­la mes­ma re­vis­ta, o se­gun­do me­lhor ar­tis­ta da mú­si­ca de to­dos os tem­pos, fi­can­do atrás so­men­te dos Be­a­tles. Uma das su­as prin­ci­pais can­ções, Li­ke a Rol­ling Sto­nes, foi es­co­lhi­da co­mo uma das me­lho­res de to­dos os tem­pos.

Em 2012, Dy­lan foi con­de­co­ra­do com a Me­da­lha da Li­ber­da­de pe­lo Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Ba­rack Oba­ma.

M. MACHANGONGO

Es­pe­ci­a­lis­tas anun­ci­am os prin­cí­pi­os ori­en­ta­do­res pa­ra a mu­dan­ça sus­ten­tá­vel do Mus­su­lo

AFP

Aca­de­mia Su­e­ca es­co­lheu es­te ano Bob Dy­lan

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.