Es­cra­va­tu­ra em re­fle­xão

Jornal de Angola - - CULTURA - RO­QUE SIL­VA |

His­tó­ria da vi­o­lên­cia e da opres­são vi­vi­das em Áfri­ca e na Amé­ri­ca do Sul, na épo­ca pré-co­lo­ni­al, são re­tra­ta­das na mos­tra “A sul. O som­brei­ro”, da ar­tis­ta plás­ti­ca ale­mã Íris Bu­chholz Cho­co­lan­te, pa­ten­te até o dia 27 de No­vem­bro, no Memorial An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to.

A ex­po­si­ção, ins­pi­ra­da no li­vro ho­mó­ni­mo de Pe­pe­te­la, edi­ta­do em 2011, con­vi­da os vi­si­tan­tes pa­ra uma re­fle­xão so­bre a es­cra­va­tu­ra, atra­vés da nar­ra­ção do tráfico de for­ma ar­tís­ti­ca, mos­tran­do a im­por­tân­cia de con­ser­var-se as nar­ra­ti­vas que mar­cam a his­tó­ria da hu­ma­ni­da­de.

A ex­po­si­ção, com cu­ra­do­ria de An­dréCu­nha, é com­pos­ta por cin­co ins­ta­la­ções e ví­de­os, on­de es­tão pa­ten­tes lu­vas de guer­ra, ca­pa­ce­tes, ar­ma­du­ras, man­tas e pe­ru­cas sus­pen­sos e sem cor­po, que evo­cam as três ins­ti­tui­ções do po­der co­lo­ni­al: o se­cu­lar, o ecle­siás­ti­co e o mi­li­tar.

As pe­ças, fei­tas com me­tais, ca­be­lo ar­ti­fi­ci­al, se­da e pe­nas de pa­vão, se­gun­do a ar­tis­ta, per­mi­tem cap­tu­rar a bar­ba­ri­da­de dos pri­mór­di­os da co­lo­ni­za­ção de An­go­la e con­vi­dam a re­vi­si­tar o pas­sa­do dos po­vos na­ti­vos da Amé­ri­ca La­ti­na que se en­tre­la­çam com o tráfico de es­cra­vos. Te­mas co­mo a iden­ti­da­de cul­tu­ral no Nor­te de An­go­la, de­se­nhos dos po­vos cockwe, so­bre o sím­bo­lo de po­der e da mor­ta­li­da­de, a dis­per­são de la­ços cul­tu­rais e fa­mi­li­a­res, a di­nâ­mi­ca ge­o­grá­fi­ca da épo­ca, a bru­ta­li­da­de da co­er­ção, a he­ran­ça an­ces­tral pré-co­lo­ni­al, os sons com­pos­tos por can­tos de pás­sa­ros imi­ta­dos por humanos e os da flo­res­ta tro­pi­cal tam­bém me­re­ce­ram des­ta­que na ex­po­si­ção.

Íris Bu­chholz Cho­co­lan­te dis­se que o tem­po co­lo­ni­al dei­xou tra­ços, den­tre os quais trau­mas, im­por­tan­tes pa­ra a re­fle­xão das pes­so­as, vi­san­do ana­li­sar um fu­tu­ro me­lhor. “A si­tu­a­ção em An­go­la é mui­to si­mi­lar à da Eu­ro­pa, on­de há uma ge­ra­ção cha­ma­da de ne­tos da II Guer­ra Mun­di­al.”

A ex­po­si­ção tem um pro­gra­ma edu­ca­ti­vo, de­no­mi­na­do “A pe­le in­vi­sí­vel”, que re­a­li­za 12 se­mi­ná­ri­os so­bre os te­mas por ela abor­da­dos, por me­di­a­do­res e pro­fes­so­res.

O di­rec­tor na­ci­o­nal de For­ma­ção Ar­tís­ti­ca, An­tó­nio Fe­li­ci­a­no Di­as dos San­tos “Ki­dá”, pro­me­teu mo­bi­li­zar os es­tu­dan­tes do Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ar­tes (Isar­tes) e do Com­ple­xo das Es­co­las de Ar­te (Ce­ar­te) pa­ra in­te­ra­gir com a ar­tis­ta plás­ti­ca e in­cluí-los no pro­gra­ma edu­ca­ti­vo.

A inau­gu­ra­ção da ex­po­si­ção con­tou com uma per­for­man­ce da can­to­ra Iri­na Vas­con­ce­los, in­ti­tu­la­da “O bo­bo da cor­te”, em que os pre­sen­tes fo­ram con­vi­da­dos a re­flec­tir so­bre a in­fe­ri­o­ri­da­de ra­ci­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.