Nem ti­da nem acha­da é des­co­ber­ta

Jornal de Angola - - PARTADA - FI­LI­PE ZAU |* * Ph. D em Ci­ên­ci­as da Edu­ca­ção e Mes­tre em Re­la­ções In­ter­cul­tu­rais

A 16 de No­vem­bro de 1868, uma por­ta­ria mi­nis­te­ri­al do rei D. Luís apro­va a de­ci­são do go­ver­na­dor-ge­ral de An­go­la quan­to aos dois fi­lhos do barão de Ca­bin­da, Ma­nu­el Jo­sé Pu­na, pa­ra se­rem edu­ca­dos por con­ta do Es­ta­do por­tu­guês, em Lis­boa. Mar­tins dos San­tos des­cre­ve do se­guin­te mo­do o barão de Ca­bin­da:

“Mos­trou-se sem­pre mui­to de­di­ca­do a Por­tu­gal; de­ve-se-lhe em boa par­te a in­te­gra­ção das ter­ras do en­cla­ve e dis­tri­to de Ca­bin­da no con­jun­to do pa­tri­mó­nio ter­ri­to­ri­al por­tu­guês, qu­an­do se de­sen­ro­lou a fa­mo­sa Ques­tão do Zai­re. Ele pró­prio ha­via si­do edu­ca­do no Rio de Ja­nei­ro a ex­pen­sas do Go­ver­no de Por­tu­gal, já de­pois da in­de­pen­dên­cia do Bra­sil, o que acon­te­ceu com ou­tros na­tu­rais de An­go­la. Des­lo­cou-se a Lis­boa, em vi­si­ta aos fi­lhos, tal­vez em 1871, ten­do si­do gen­til­men­te hos­pe­da­do pe­lo mo­nar­ca. Re­ce­beu o bap­tis­mo na ca­pi­tal por­tu­gue­sa, apa­dri­nhan­do o ac­to o rei D. Luís e a rai­nha D. Ma­ria Pia.”

De se­gui­da, a 3 de De­zem­bro des­se mes­mo ano, uma ou­tra por­ta­ria mi­nis­te­ri­al co­mu­ni­ca­va que os dois edu­can­dos já ha­vi­am che­ga­do a Lis­boa e si­do con­fi­a­dos a um dos me­lho­res es­ta­be­le­ci­men­tos do en­si­no par­ti­cu­lar da ca­pi­tal por­tu­gue­sa, a Es­co­la Aca­dé­mi­ca. “Mais tar­de re­gres­sa­ram à sua ter­ra [em Ca­bin­da] e exer­ce­ram as fun­ções de pro­fes­so­res do en­si­no pri­má­rio. Um de­les, Vi­cen­te Pu­na, mos­trou pos­suir qua­li­da­des acei­tá­veis, ao con­trá­rio do ir­mão, João Pu­na, cu­jo com­por­ta­men­to me­re­ceu crí­ti­cas e até cas­ti­gos.”

Tam­bém na se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo XIX, um ar­ti­go pu­bli­ca­do no “Jor­nal do Co­mér­cio”, da au­to­ria de Ri­bei­ro Gui­ma­rães, em­bo­ra op­tas­se por pri­vi­le­gi­ar ape­nas o pi­to­res­co, dei­xa es­ca­par, se­gun­do Luís Ra­mos Ti­nho­rão, “o pre­con­cei­to de clas­se do ob­ser­va­dor (ho­mem branco cu­ja po­si­ção de jor­na­lis­ta pres­su­pu­nha uma vin­cu­la­ção à cul­tu­ra de eli­te) ”. Re­la­ta as­pec­tos re­le­van­tes da cul­tu­ra do Kon­go, em Lis­boa, um rei­no afri­ca­no que, a par­tir da in­ter­ven­ção por­tu­gue­sa no pro­ces­so po­lí­ti­co lo­cal, pas­sou a ser ins­ti­tuí­do com ex­ces­so de fi­gu­ras da cor­te, a tí­tu­lo de exem­plo: prín­ci­pes, re­gen­tes, du­que­sas, con­des­sas, ai­as, pro­cu­ra­do­res…

Se­gun­do o cro­nis­ta Rui de Pi­na, em fi­nais do sé­cu­lo XV, “era de­se­jo do rei do Con­go ter coi­sas co­mo as do rei­no de Por­tu­gal”. A op­ção por um pa­ra­dig­ma ins­ti­tu­ci­o­nal de go­ver­na­ção eu­ro­peia, as­so­ci­a­do às pres­sões das in­va­sões dos guer­rei­ros Ja­gas e à dos co­mer­ci­an­tes de es­cra­vos de São To­mé, aca­ba­ra por con­tri­buir pa­ra um pro­ces­so de de­ca­dên­cia do rei­no do Kon­go até à per­da da sua au­to­no­mia po­lí­ti­ca, no sé­cu­lo XVIII, a fa­vor do rei­no por­tu­guês.

A cró­ni­ca de Ri­bei­ro Gui­ma­rães, em fi­nais do sé­cu­lo XIX, in­ti­tu­la­da “O Con­go em Lis­boa”, re­fe­ria o se­guin­te: “On­tem se ve­ri­fi­cou o pri­mei­ro bai­le, no pa­ço re­al da Flo­res­ta, da­do pe­la prin­ce­sa Se­bas­ti­a­na Jú­lia, re­gen­te do rei­no do im­pé­rio do Con­go. Foi mui­to con­cor­ri­do pe­los bran­cos, e a pre­ta­ria es­ta­va es­plên­di­da. A Prin­ce­sa ti­nha o seu tro­no no pal­co, e aí es­ta­va cer­ca­da pe­la cor­te, com­pos­ta por du­que­sas, con­des­sas e ai­as, e com sua guar­da re­al, de ala­bar­das./…/ De­pois da meia-noi­te, saí­ram os con­vi­da­dos, que ha­vi­am pa­go os seus bi­lhe­tes de en­tra­da, e fi­ca­ram só a prin­ce­sa e a sua cor­te, os seus súb­di­tos e súb­di­tas, e al­guns bran­cos. En­tão a prin­ce­sa des­ceu do tro­no, e dig­nou-se a dan­çar com o prín­ci­pe re­gen­te a dan­ça na­ci­o­nal do Con­go, com mui­ta gra­vi­da­de. / E a prin­ce­sa Se­bas­ti­a­na uma gua­pa pre­ta, mui­to ai­ro­sa e es­bel­ta. / A pre­ta­ria dan­çou a sua dan­ça do Con­go, e ou­tras dan­ças da Eu­ro­pa. /Aca­bou o bai­le às três ho­ras da ma­dru­ga­da.”

O tom de bom hu­mor adop­ta­do por Ri­bei­ro Gui­ma­rães nes­te ar­ti­go de jor­nal, não dei­xa de pro­cu­rar evi­den­ci­ar uma apa­ren­te in­ge­nui­da­de da diás­po­ra afri­ca­na em Lis­boa, na sua qua­se ex­clu­si­vi­da­de es­cra­va ou li­ber­ta que, até 1761, al­tu­ra em que o marquês de Pom­bal de­cre­tou a proi­bi­ção de en­tra­da de es­cra­vos em Por­tu­gal, era pro­ve­ni­en­te de por­tos da cos­ta oci­den­tal de Áfri­ca, de­sig­na­dos co­mo: Ar­guim, Ca­bo Ver­de, Be­ze­gui­che, Ca­cheu, São Do­min­gos, Mi­na, Ar­da, Aju­da, Ca­bin­da, Lu­an­da, Ben­gue­la... Al­gu­mas pou­cas fon­tes re­fe­rem-se tam­bém a es­cra­vos do Kon­go, de An­go­la ou ain­da de Mo­çam­bi­que, es­tes úl­ti­mos já cap­tu­ra­dos na cos­ta ori­en­tal de Áfri­ca. “A men­ção pre­ci­sa de uma et­nia é re­la­ti­va­men­te ra­ra na do­cu­men­ta­ção con­sul­ta­da”. Po­rém, se­gun­do Di­di­er Lahon, os es­cra­vos que per­ten­cem a et­ni­as do “gru­po lin­guís­ti­co ban­tu cons­ti­tu­em, pro­va­vel­men­te, o mai­or con­tin­gen­te de es­cra­vos in­tro­du­zi­dos em Por­tu­gal, até 1761.”

Es­cra­vos hou­ve que, in­de­pen­den­te­men­te de te­rem apren­di­do um ofí­cio qua­li­fi­ca­do com o seu pro­pri­e­tá­rio, “ao pon­to de al­gu­mas cor­po­ra­ções (…) te­rem proi­bi­do o aces­so a cer­tas ocu­pa­ções ou pro­fis­sões”, apren­de­ram tam­bém a “ler, es­cre­ver e con­tar, bem co­mo ain­da a fa­lar bem in­glês, fran­cês, es­pa­nhol ou ita­li­a­no, por te­rem acom­pa­nha­do os seus se­nho­res em lon­gas tem­po­ra­das no es­tran­gei­ro”. Ou­tros tor­na­ram-se bons exe­cu­tan­tes de ins­tru­men­tos mu­si­cais, co­mo de flau­ta trans­ver­sa ou do­ce e tam­bém de ra­be­ca. A ne­ces­si­da­de de con­ví­vio e de re­cre­a­ção era re­co­nhe­ci­da­men­te um as­pec­to cul­tu­ral re­le­van­te pa­ra a diás­po­ra afri­ca­na em Por­tu­gal.

Há sem dú­vi­da al­gu­ma, em fi­nais do sé­cu­lo XIX, du­as pos­tu­ras di­fe­ren­ci­a­das em re­la­ção a na­ti­vos de um mes­mo con­ti­nen­te, só ex­pli­ca­das pe­los in­te­res­ses em jo­go em um de­ter­mi­na­do mo­men­to es­pe­cí­fi­co.

Tu­do is­so, por­que nes­tas coi­sas da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca, tro­pe­cei na his­tó­ria do meu pró­prio avô, An­tó­nio Thi­a­ba da Cos­ta, Go­ver­na­dor de Mas­sa­bi, que, com uma cruz (tal co­mo a gran­de mai­o­ria das au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais da épo­ca), foi, em 29 de Se­tem­bro de 1883, um dos as­si­nan­tes do Tra­ta­do de Chin­fu­ma, em re­pre­sen­ta­ção da Rai­nha Sa­ma­no e a 26 de De­zem­bro de 1884, já co­mo ca­pi­tão de 2ª li­nha, do Tra­ta­do de Chi­cam­ba.

Dis­cu­tia-se na Eu­ro­pa a partilha de Áfri­ca, de acor­do com os in­te­res­ses das po­tên­ci­as co­lo­ni­ais, as­si­nan­tes da Con­fe­rên­cia de Ber­lim (19841985) e, pa­ra a qu­al, a par­te afri­ca­na não foi ti­da nem acha­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.