Exi­gi­da me­lho­ria nos pro­ces­sos de con­tra­ta­ção do sec­tor pú­bli­co

Jo­sé Ma­ria dos San­tos apon­ta van­ta­gens na ge­ra­ção de no­vas opor­tu­ni­da­des pa­ra os agen­tes eco­nó­mi­cos

Jornal de Angola - - PARTADA - MA­NU­EL FONTOURA | Nda­la­tan­do

O go­ver­na­dor pro­vin­ci­al do Cuanza Nor­te cha­mou aten­ção dos go­ver­nos pro­vin­ci­ais, de­le­ga­ções e di­rec­ções pro­vin­ci­ais, ins­ti­tu­tos, ser­vi­ços e em­pre­sas pú­bli­cas se­de­a­dos na re­gião nor­te do país pa­ra apri­mo­ra­rem os seus ac­tos de ges­tão fi­nan­cei­ra pú­bli­cos, pa­ra a me­lho­ria con­tí­nua dos pro­ce­di­men­tos de con­tra­ta­ção que pos­si­bi­li­tam me­lho­res con­di­ções de vi­da aos ci­da­dãos.

Jo­sé Ma­ria dos San­tos te­ceu tais de­cla­ra­ções du­ran­te o dis­cur­so de aber­tu­ra do se­mi­ná­rio re­gi­o­nal de apre­sen­ta­ção da Lei dos Con­tra­tos Pú­bli­cos, que con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de se­cre­tá­ri­os-ge­rais, di­rec­to­res dos ga­bi­ne­tes de es­tu­do, pla­ne­a­men­to e es­ta­tís­ti­ca, dos ga­bi­ne­tes ju­rí­di­cos, ins­pec­to­res-ge­rais e ad­mi­nis­tra­do­res mu­ni­ci­pais dos go­ver­nos pro­vin­ci­ais do Cuanza Nor­te, Cuanza Sul, Ben­go, Ma­lan­je, Uí­ge e Zai­re.

A Lei dos Con­tra­tos Pú­bli­cos, dis­se o go­ver­na­dor, com­por­ta van­ta­gens que se con­subs­tan­ci­am na sim­pli­fi­ca­ção dos mé­to­dos aqui­si­ti­vos na ge­ra­ção de no­vas opor­tu­ni­da­des pa­ra os agen­tes eco­nó­mi­cos, quer na­ci­o­nais, quer es­tran­gei­ros, atra­vés da me­lho­ria do am­bi­en­te de ne­gó­ci­os, fa­vo­re­cen­do o pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia em cur­so no nos­so país.

Se­gun­do João Ma­ria dos San­tos, o pro­ces­so de mo­der­ni­za­ção da re­fe­ri­da lei permitiu ain­da a in­clu­são de um re­gi­me de exe­cu­ção dos con­tra­tos de aqui­si­ção de bens e ser­vi­ços, am­pli­an­do o re­gi­me pré-exis­ten­te de exe­cu­ção de em­prei­ta­das, o que le­vou à alteração da de­sig­na­ção de Lei da Con­tra­ta­ção Pú­bli­ca pa­ra Lei dos Con­tra­tos Pú­bli­cos.

Re­fe­riu que os ac­tos de con­tra­ta­ção pú­bli­ca, en­quan­to com­po­nen­te es­sen­ci­al da ges­tão or­ça­men­tal, são de tal re­le­vân­cia que es­tão su­jei­tos à fiscalização e au­di­to­ria, sob a égi­de das en­ti­da­des com­pe­ten­tes de­fi­ni­das na lei. Por is­so, “de­ve­mos ter sem­pre pre­sen­te os prin­cí­pi­os de exe­cu­ção do in­te­res­se pú­bli­co, da trans­pa­rên­cia, da igual­da­de, da con­cor­rên­cia, im­par­ci­a­li­da­de, da com­pe­ti­ti­vi­da­de, da efi­cá­cia e da efi­ci­ên­cia”, de­fen­deu Jo­sé Ma­ria dos San­tos, pa­ra qu­em, ten­do em con­ta o ac­tu­al ce­ná­rio ma­cro­e­co­nó­mi­co do país, se de­ve op­ti­mi­zar os es­cas­sos re­cur­sos dis­po­ní­veis, den­tro do prin­cí­pio de “fa­zer mais e me­lhor com me­nos re­cur­sos”, em be­ne­fí­cio da eco­no­mia na­ci­o­nal. Com uma cor­rec­ta in­ter­pre­ta­ção da Lei dos Con­tra­tos Pú­bli­cos, dis­se o go­ver­na­dor, se es­ta­rá a in­cen­ti­var o es­pí­ri­to em­pre­en­de­dor dos di­ver­sos ope­ra­do­res eco­nó­mi­cos da re­gião nor­te, que, nos pro­ce­di­men­tos de con­tra­ta­ção, de­vem ser ava­li­a­dos com ba­se nas su­as ca­pa­ci­da­des téc­ni­cas e na qua­li­da­de da sua ofer­ta de bens e ser­vi­ços, con­tri­buin­do igual­men­te pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to e bem-es­tar efec­ti­vo das fa­mí­li­as e pa­ra um mai­or ní­vel de em­pre­ga­bi­li­da­de. “A pros­se­cu­ção do in­te­res­se pú­bli­co é, de per si, um va­lor que os ór­gãos da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca de­vem cul­ti­var em to­da a ex­ten­são da sua ac­tu­a­ção e, por is­so, a lei que es­ta­be­le­ce os pa­râ­me­tros da con­tra­ta­ção pú­bli­ca cons­ti­tui uma fer­ra­men­ta au­xi­li­a­do­ra in­dis­pen­sá­vel, que de­ve es­tar sem­pre pre­sen­te e à qu­al su­jei­tam os que têm a mis­são de li­dar com os dis­pên­di­os pú­bli­cos ad­mi­nis­tra­ti­vos”, afir­mou Jo­sé Ma­ria dos San­tos, re­fe­rin­do-se à Lei dos Con­tra­tos Pú­bli­cos.

O se­mi­ná­rio vi­sou apre­sen­tar as prin­ci­pais no­vi­da­des da Lei dos Con­tra­tos Pú­bli­cos, com vis­ta a re­for­çar os ins­tru­men­tos pa­ra a ra­ci­o­na­li­za­ção, re­du­ção e con­tro­lo dos gas­tos pú­bli­cos, pro­cu­ran­do con­fe­rir uma me­lhor qua­li­da­de na exe­cu­ção da des­pe­sa pú­bli­ca e ob­ter pou­pan­ças pa­ra o Es­ta­do, sal­va­guar­dan­do sem­pre os prin­cí­pi­os fun­da­men­tais que re­gem a ac­ti­vi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va, com des­ta­que pa­ra a trans­pa­rên­cia, a con­cor­rên­cia e o in­te­res­se pú­bli­co. Na oca­sião, fo­ram dis­ser­ta­dos dois te­mas, de­sig­na­da­men­te “A for­ma­ção dos con­tra­tos pú­bli­cos” e “A exe­cu­ção dos con­tra­tos pú­bli­cos”.

A Lei dos Con­tra­tos Pú­bli­cos, Lei nº9/16, de Ju­nho, re­vo­ga a Lei nº 20/10, de 7 de Se­tem­bro, Lei da Con­tra­ta­ção Pú­bli­ca. o no­vo di­plo­ma, já em vi­gor, é, fun­da­men­tal­men­te, um ins­tru­men­to de ra­ci­o­na­li­za­ção, re­du­ção e con­tro­lo dos dis­pên­di­os pú­bli­cos e da sua dis­se­mi­na­ção a ní­vel lo­cal.

NILO MATEUS | NDA­LA­TAN­DO

Go­ver­na­dor do Cuanza Nor­te (ao cen­tro) re­al­ça van­ta­gens da no­va lei na me­lho­ria do am­bi­en­te de ne­gó­ci­os e na di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.