Téc­ni­cos ga­nham co­nhe­ci­men­tos

Cur­so tem co­mo ob­jec­ti­vo au­men­tar o ní­vel dos trei­na­do­res

Jornal de Angola - - DESPORTO - ANAXIMANDRO MA­GA­LHÃES |

O cur­so de ní­vel três pa­ra trei­na­do­res, a ser mi­nis­tra­do de 20 a 30 do cor­ren­te, em Ben­gue­la, pe­la Es­co­la Na­ci­o­nal de For­ma­ção de Qua­dros da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Basquetebol (FAB), em par­ce­ria com a ho­mó­lo­ga por­tu­gue­sa, é a úl­ti­ma ac­ção for­ma­ti­va pro­mo­vi­da pe­lo ór­gão rei­tor nes­te ano.

A ac­ção for­ma­ti­va, cu­jos pre­lec­to­res são an­go­la­nos e por­tu­gue­ses cer­ti­fi­ca­dos pe­la FIBA, ma­te­ri­a­li­za uma pre­ten­são dos trei­na­do­res, so­bre­tu­do da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal de Trei­na­do­res de Basquetebol (ANTB), que, com a FAB, tem tra­ba­lha­do no sen­ti­do de apro­var um do­cu­men­to pa­ra re­ger a car­rei­ra dos téc­ni­cos.

Ou­tro ob­jec­ti­vo é de­fi­nir a bre­ve tre­cho, por via de um re­gu­la­men­to, que as equi­pas se­ni­o­res se­jam trei­na­das ape­nas por téc­ni­cos com o ní­vel três. As du­as ins­ti­tui­ções têm en­vi­da­do ain­da es­for­ços no sen­ti­do de cri­ar con­di­ções pa­ra os pro­fis­si­o­nais do ra­mo.

As ins­cri­ções são des­ti­na­das a to­dos os trei­na­do­res e ter­mi­nam na pró­xi­ma ter­ça-fei­ra, 18 de Ou­tu­bro, bas­tan­do pa­ra o efei­to pa­gar dois mil kwan­zas, pre­en­cher uma fi­cha, apre­sen­tar du­as fo­to­gra­fi­as, ori­gi­nal e có­pia do cer­ti­fi­ca­do de ha­bi­li­ta­ções li­te­rá­ri­as, cur­ri­cu­lum vi­tae des­por­ti­vo, có­pia do bi­lhe­te de iden­ti­da­de, re­gis­to cri­mi­nal ac­tu­a­li­za­do e de­cla­ra­ção do clu­be ou es­co­la. En­tre os prin­ci­pais re­qui­si­tos, a Es­co­la de For­ma­ção de Qua­dros exi­ge que os can­di­da­tos pos­su­am o ní­vel dois de trei­na­do­res e te­nham dis­po­ni­bi­li­da­de to­tal pa­ra par­ti­ci­par no cur­so a tem­po in­tei­ro. Os can­di­da­tos com me­nos de 95 por cen­to de as­si­dui­da­de na pri­mei­ra fa­se não pas­sam pa­ra a se­guin­te.

Ou­tras obri­ga­ções, con­sis­tem em pos­suir boa con­du­ta so­ci­al, não ter an­te­ce­den­tes cri­mi­nais, es­tar en­vol­vi­do com a mo­da­li­da­de ou exer­cer a fun­ção de pro­fes­sor de Edu­ca­ção Fí­si­ca, go­zar de boa saú­de e ter ca­pa­ci­da­de de su­por­tar for­ma­ções in­ten­si­vas, em dois ou três pe­río­dos do dia.

A fe­de­ra­ção in­for­ma que só se­rão ins­cri­tos 25 can­di­da­to, e es­tes de­vem dar en­tra­da das can­di­da­tu­ras den­tro do pra­zo es­ti­pu­la­do, de for­ma a per­mi­tir a ava­li­a­ção pe­lo ór­gão rei­tor. Se for cons­ta­ta­da in­co­e­rên­cia ou frau­de na do­cu­men­ta­ção, o as­pi­ran­te não se­rá ad­mi­ti­do.

O cur­so te­rá a du­ra­ção de um ano lec­ti­vo, que com­pre­en­de na pri­mei­ra fa­se cur­ri­cu­lar, de for­ma in­ten­si­va, ma­té­ri­as ge­rais e es­pe­cí­fi­cas. Na se­gun­da eta­pa, os can­di­da­tos fa­rão uma épo­ca de es­tá­gio.

O pro­to­co­lo en­tre as ins­ti­tui­ções rei­to­ras da mo­da­li­da­de nos dois paí­ses foi as­si­na­do em Se­tem­bro, em Si­nes, Por­tu­gal, pe­los pre­si­den­tes da FAB, Pau­lo Ma­dei­ra, e da Fe­de­ra­ção Por­tu­gue­sa de Basquetebol (FPB), Ma­nu­el Fer­nan­des.

JO­SÉ SO­A­RES

Can­di­da­tos têm de pos­suir o ní­vel dois pa­ra se­rem ad­mi­ti­dos à frequên­cia da ac­ção for­ma­ti­va

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.