Trump po­de so­lu­ci­o­nar clima de ten­são mun­di­al

Ofi­ci­ais do Pen­tá­go­no ad­mi­tem con­di­ções pe­ri­go­sas pa­ra Ter­cei­ra Guer­ra Mun­di­al

Jornal de Angola - - MUNDO - ALTINO MA­TOS |

Donald Trump, o can­di­da­to re­pu­bli­ca­no à Ca­sa Bran­ca, es­tá a ser apontado pe­los seus apoi­an­tes co­mo boa pos­si­bi­li­da­de pa­ra evi­tar uma Ter­cei­ra Guer­ra Mun­di­al, de­pois de es­pe­ci­a­lis­tas nor­te-ame­ri­ca­nos ad­mi­ti­rem que a ten­são po­lí­ti­ca e mi­li­tar co­lo­ca o Mun­do mais pró­xi­mo do co­lap­so.

Os es­pe­ci­a­lis­tas em se­gu­ran­ça aler­tam que a Ter­cei­ra Guer­ra Mun­di­al, que pa­ra mui­tos crí­ti­cos já co­me­çou, vai-se de­sen­ro­lar a uma ve­lo­ci­da­de que os se­res hu­ma­nos nem vão con­se­guir acom­pa­nhar, de­vi­do ao fac­to de a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al pro­va­vel­men­te co­or­de­nar to­das as ac­ções.

O nú­me­ro de mor­tos, nes­se ca­so, po­de au­men­tar ex­po­nen­ci­al­men­te. Uma al­ta pa­ten­te do Pen­tá­go­no (Mi­nis­té­rio da De­fe­sa dos EUA) con­fir­mou que existe uma boa pos­si­bi­li­da­de de a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al e “ar­mas in­te­li­gen­tes to­ma­rem con­ta do ce­ná­rio das ope­ra­ções, com lar­ga van­ta­gem de os paí­ses que do­mi­nam es­te ma­nan­ci­al che­ga­rem a lu­ga­res sem se­quer mo­ve­rem uni­da­des hu­ma­nas”.

O Ma­jor-Ge­ne­ral Wil­li­am Hix dis­se que “um con­fli­to con­ven­ci­o­nal num fu­tu­ro pró­xi­mo vai ser ex­tre­ma­men­te le­tal e rá­pi­do e nós mal va­mos con­se­guir cro­no­me­trá-lo”.

“A ve­lo­ci­da­de dos acon­te­ci­men­tos po­de ul­tra­pas­sar a nos­sa ca­pa­ci­da­de hu­ma­na de acom­pa­nhá-la”, in­sis­tiu. O Ma­jor-Ge­ne­ral em ne­nhum mo­men­to faz men­ção aos Es­ta­dos Uni­dos e à Rús­sia, os paí­ses mais avan­ça­dos em tec­no­lo­gia mi­li­tar e que nes­te mo­men­to es­tão mui­to per­to de aper­tar o ga­ti­lho e co­me­çar, na prá­ti­ca, a tão re­ce­a­da Ter­cei­ra Guer­ra Mun­di­al. Os apoi­an­tes de Donald Trump su­ge­rem que “os nor­te-ame­ri­ca­nos têm uma es­co­lha a fa­zer e que a mes­ma, mais do que ele­ger o pró­xi­mo Pre­si­den­te, po­de ser a es­co­lha en­tre a guer­ra e a paz, en­tre a des­trui­ção e a se­gu­ran­ça do Mun­do.” O can­di­da­to re­pu­bli­ca­no mos­trou idei­as bem cla­ras so­bre co­mo evi­tar a guer­ra e co­mo vol­tar a co­o­pe­rar com a Rús­sia e com o Irão. Donald Trump é a fa­vor de um en­ten­di­men­to glo­bal pa­ra com­ba­ter o “Es­ta­do Is­lâ­mi­co”. Ele che­gou a ci­tar, no úl­ti­mo de­ba­te com Hil­lary Clin­ton, o Pre­si­den­te sí­rio Bashar al-As­sad, co­mo o ho­mem que es­tá for­te­men­te em­pe­nha­do em der­ro­tar o “EI”.

As idei­as de Donald Trump su­ge­rem uma al­te­ra­ção subs­tan­ci­al da po­lí­ti­ca ex­ter­na dos Es­ta­dos Uni­dos, o que tor­na pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel a sua elei­ção, mais do que as su­as po­si­ções ex­tre­ma­das con­tra os imi­gran­tes, por exem­plo.

O Ma­jor-Ge­ne­ral Wil­li­am Hix, que re­jei­ta fa­zer um juí­zo so­bre a po­si­ção dos Es­ta­dos Uni­dos em re­la­ção ao con­fli­to na Sí­ria, afir­ma que “a ve­lo­ci­da­de em que as má­qui­nas vão to­mar de­ci­sões no fu­tu­ro pro­va­vel­men­te de­sa­fia a ca­pa­ci­da­de hu­ma­na e exi­ge uma no­va re­la­ção en­tre ho­mem e má­qui­na”. No iní­cio des­te ano, ofi­ci­ais do Pen­tá­go­no ad­ver­ti­ram que o Mun­do es­tá a en­trar nu­ma cor­ri­da a ar­mas ro­bó­ti­cas.

O re­sul­ta­do po­de en­vol­ver ar­mas co­mo o “Ex­ter­mi­na­dor”, fil­me pro­ta­go­ni­za­do por Ar­nold Schwar­ze­neg­ger. O Ge­ne­ral da For­ça Aé­rea, Paul Sel­va, vi­ce-pre­si­den­te dos Che­fes de Es­ta­do-Mai­or no Pen­tá­go­no, ad­mi­tiu que a tec­no­lo­gia po­de le­var os sis­te­mas ro­bó­ti­cos a tor­na­rem-se su­pe­ri­o­res a sol­da­dos hu­ma­nos, “um ver­da­dei­ro pe­ri­go, pe­la fal­ta de cons­ci­ên­cia”.

O ge­ne­ral Paul Sel­va diz que a cha­ve pa­ra o con­tro­lo é ga­ran­tir que as má­qui­nas não pos­sam de­ci­dir ma­tar por si só, sem apro­va­ção de um hu­ma­no. A ONG “Hu­man Rights Wat­ch” ad­ver­te que robôs ca­pa­zes de “to­mar es­sa de­ci­são” por si só po­dem já fa­zer par­te da re­a­li­da­de, ou ser viá­veis, pe­lo me­nos den­tro de al­gu­mas dé­ca­das.

Ata­que ci­ber­né­ti­co

O Go­ver­no dos Es­ta­dos Uni­dos es­tá a pla­ne­ar exe­cu­tar um ata­que ci­ber­né­ti­co “sem pre­ce­den­tes” con­tra a Rús­sia, em re­pre­sá­lia à su­pos­ta in­ge­rên­cia de Mos­co­vo nas eleições pre­si­den­ci­ais nor­te-ame­ri­ca­nas, in­di­ca­ram na sex­ta-fei­ra fon­tes dos ser­vi­ços de in­te­li­gên­cia à ca­deia de te­le­vi­são NBC. Fun­ci­o­ná­ri­os com co­nhe­ci­men­to di­rec­to da si­tu­a­ção ex­pli­ca­ram que a Agência Na­ci­o­nal de In­te­li­gên­cia (CIA) foi in­cum­bi­da de apre­sen­tar op­ções à Ca­sa Bran­ca pa­ra uma ope­ra­ção clan­des­ti­na e de am­plo al­can­ce ci­ber­né­ti­co con­tra os rus­sos. As fon­tes con­sul­ta­das pe­la emis­so­ra NBC não de­ram mais de­ta­lhes so­bre as me­di­das exac­tas con­si­de­ra­das pe­la CIA, mas in­di­ca­ram que a agência já ti­nha co­me­ça­do a se­lec­ci­o­nar al­vos e a fa­zer pre­pa­ra­ti­vos pa­ra o ata­que.

Res­pos­ta de Mos­co­vo

O ce­ná­rio de uma Ter­cei­ra Guer­ra Mun­di­al é re­mo­to, mas qu­em li­gar a te­le­vi­são na Rús­sia vai sur­pre­en­der­se ao sa­ber que, na ver­da­de, ela já co­me­çou. Na prin­ci­pal es­ta­ção pú­bli­ca do país, o apre­sen­ta­dor do prin­ci­pal pro­gra­ma de do­min­go à noi­te anun­ci­ou que as ba­te­ri­as an­ti­aé­re­as rus­sas na Sí­ria vão “der­ru­bar” aviões nor­te-ame­ri­ca­nos.

O ca­nal de no­tí­ci­as 24 ho­ras Ros­sia 24 exi­biu uma re­por­ta­gem so­bre a pre­pa­ra­ção de abri­gos an­ti-nu­cle­a­res em Mos­co­vo. Na rá­dio, de­ba­te­se so­bre exer­cí­ci­os de De­fe­sa Ci­vil, os quais, se­gun­do o Mi­nis­té­rio de Si­tu­a­ções de Emer­gên­cia, mo­bi­li­zam 40 mi­lhões de rus­sos du­ran­te uma se­ma­na. O ob­jec­ti­vo é pre­pa­rar eva­cu­a­ções de edi­fí­ci­os e si­mu­la­ções de in­cên­dio.Se o vi­si­tan­te pre­fe­rir pas­se­ar pe­las ru­as de Mos­co­vo em vez de ver te­le­vi­são, é mui­to pro­vá­vel que es­bar­re num dos imen­sos gra­fi­tes pa­trió­ti­cos so­bre a guer­ra.

Ar­mas nu­cle­a­res e sol­da­dos -ro­bó­ti­cos po­dem au­men­tar ca­pa­ci­da­de de des­trui­ção no Mun­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.