Ta­xa de mor­ta­li­da­de ma­ter­na é ele­va­da

He­mor­ra­gi­as pós-par­to e eclamp­sia são as prin­ci­pais cau­sas de mor­te

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

A ta­xa de mor­ta­li­da­de ma­ter­na bai­xou pa­ra 400 se­mi-na­dos vi­vos (fe­tos que du­ran­te a gra­vi­dez são ex­traí­dos do úte­ro com si­nais vi­tais, co­mo res­pi­ra­ção e ba­ti­men­tos car­día­cos), com­pa­ra­ti­va­men­te ao ano de 1994, que era de 1.200 mor­tes.

Ape­sar des­ta re­du­ção, o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção de Ginecologistas e Obstetras de An­go­la (AGOA), Pau­lo Cam­pos, con­si­de­ra que a ta­xa é ain­da de­ma­si­a­do al­ta.

Ao fa­lar no âm­bi­to do 2.º Con­gres­so da AGOA que de­cor­re em Lu­an­da e so­cor­ren­do-se das es­ta­tís­ti­cas in­ter­na­ci­o­nais, Pau­lo Cam­pos dis­se que em mui­tos paí­ses a ta­xa é de 100 se­mi-na­dos vi­vos ou me­nos, mas a as­so­ci­a­ção quer di­mi­nuir os nú­me­ros.

Pau­lo Cam­pos fri­sou que um dos ob­jec­ti­vos da as­so­ci­a­ção é que as mu­lhe­res te­nham acom­pa­nha­men­to mé­di­co du­ran­te a ges­ta­ção.

O mé­di­co lem­brou que mui­tas mu­lhe­res che­gam aos hos­pi­tais com sin­to­mas de hi­per­ten­são, con­vul­sões, ce­fa­lei­as que po­dem pro­vo­car não só a mor­te da mãe co­mo tam­bém do be­bé, daí a im­por­tân­cia das con­sul­tas pré-na­tais.“Se as­so­ci­ar­mos as con­sul­tas pré-na­tais aos par­tos e ao pla­ne­a­men­to fa­mi­li­ar te­re­mos as três co­lu­nas que vão di­mi­nuir a mor­ta­li­da­de ma­ter­na e me­lho­rar a qua­li­da­de de vi­da das mu­lhe­res”, su­bli­nhou.

Gi­ne­co­lo­gis­ta e obs­te­tra, Pau­lo Cam­pos afir­mou que 99 por cen­to das mor­tes nos paí­ses em vi­as de de­sen­vol­vi­men­to são pre­vi­sí­veis e ge­ral­men­te re­gis­tam-se em mu­lhe­res com me­nos es­co­la­ri­da­de, “por­que não têm cons­ci­ên­cia do ver­da­dei­ro sig­ni­fi­ca­do de uma gra­vi­dez de ris­co”. As he­mor­ra­gi­as pós-par­to são a prin­ci­pal cau­sa de mor­te ma­ter­na, se­guin­do­se a eclamp­sia, uma com­pli­ca­ção gra­ve que ocor­re quan­do a pressão ar­te­ri­al es­tá ele­va­da (aci­ma de 140/90 mmHg) a qual­quer mo­men­to após a 20.ª se­ma­na de gra­vi­dez, com de­sa­pa­re­ci­men­to até 12 se­ma­nas pós-par­to.

A gi­ne­co­lo­gis­ta e obs­te­tra Ma­nu­e­la Mendes afir­mou que, anu­al­men­te, cer­ca de tre­zen­tas mu­lhe­res que de­sen­vol­vem a eclamp­sia du­ran­te a gra­vi­dez che­gam às ma­ter­ni­da­des em es­ta­do gra­ve, aca­ban­do por te­rem con­vul­sões que po­dem pro­vo­car o es­ta­do de co­ma.

Do­cen­te da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na, Ma­nu­e­la Mendes re­ve­lou que um dos si­nais mais fre­quen­tes e me­nos va­lo­ri­za­dos pe­las mu­lhe­res du­ran­te a ges­ta­ção é a ocor­rên­cia de ede­mas dos mem­bros in­fe­ri­o­res, que são os in­cha­ços nos pés. “Is­to in­di­ca que a pa­ci­en­te es­tá a de­sen­vol­ver uma hi­per­ten­são na gra­vi­dez mui­to gra­ve”, ex­pli­cou. Ma­nu­e­la Mendes su­bli­nhou que as ta­xas de hi­per­ten­são du­ran­te a ges­ta­ção, nas ma­ter­ni­da­des Lu­cré­cia Paim e Au­gus­to Ngan­gu­la, on­de pres­ta ser­vi­ço, va­ri­am en­tre 10 e 15 por cen­to.

Du­ran­te a gra­vi­dez, a mai­o­ria das mu­lhe­res não tem o há­bi­to de pro­cu­rar os ser­vi­ços de car­di­o­lo­gia. A car­di­o­lo­gis­ta Fi­lo­me­na Cruz aler­ta que a hi­per­ten­são du­ran­te a gra­vi­dez po­de ser fa­tal.“Mui­tas mu­lhe­res apa­re­cem com di­fe­ren­tes es­ta­dos de in­su­fi­ci­ên­cia car­día­ca e por não pro­cu­ra­rem os nos­sos ser­vi­ços em tem­po opor­tu­no”, re­al­çou.

JO­SÉ COLA

Mé­di­cos re­co­men­dam con­sul­tas re­gu­la­res du­ran­te a gra­vi­dez pa­ra evi­tar com­pli­ca­ções no mo­men­to do par­to e ga­ran­tir a saú­de do be­bé

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.