É pre­ci­so ur­ba­ni­zar o mus­se­que

RE­PRE­SEN­TAN­TE DA ONU-HA­BI­TAT EM AN­GO­LA Thomaz Ramalho de­fen­de vi­são in­te­gral pa­ra a er­ra­di­ca­ção dos as­sen­ta­men­tos in­for­mais

Jornal de Angola - - PARTADA -

“Con­si­de­ra­mos o exem­plo de An­go­la, da Etió­pia e da Áfri­ca do Sul co­mo pos­si­bi­li­da­des con­cre­tas pa­ra to­do o con­ti­nen­te se es­pe­lhar e co­lo­car a ur­ba­ni­za­ção e a ha­bi­ta­ção no cen­tro da sua agen­da de de­sen­vol­vi­men­to”

É a se­gun­da gran­de en­tre­vis­ta que con­ce­de a um ór­gão de in­for­ma­ção na­ci­o­nal des­de que che­gou a An­go­la, em Ou­tu­bro do ano pas­sa­do, pa­ra re­pre­sen­tar a ONU-Ha­bi­tat, uma agência que es­tá no país a con­vi­te do Exe­cu­ti­vo pa­ra o as­ses­so­rar, por in­ter­mé­dio do Mi­nis­té­rio do Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção, na exe­cu­ção da Po­lí­ti­ca Na­ci­o­nal de Or­de­na­men­to do Ter­ri­tó­rio e Ur­ba­nis­mo e em ques­tões re­la­ci­o­na­das com o vas­to do­mí­nio do ha­bi­tat. A en­tre­vis­ta é uma au­tên­ti­ca au­la so­bre as­sen­ta­men­tos hu­ma­nos e de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no sus­ten­tá­vel, as­sun­to so­bre o qual Thomaz Ramalho, ar­qui­tec­to ur­ba­nis­ta bra­si­lei­ro, ac­tu­al­men­te com 36 anos, fa­la com pai­xão, por ser um te­ma que es­tá no cen­tro das pri­o­ri­da­des dos de­ci­so­res po­lí­ti­cos mun­di­ais, com o ob­jec­ti­vo de tor­na­rem o pla­ne­ta Ter­ra um lu­gar pa­ra se vi­ver ca­da vez me­lhor e de for­ma in­clu­si­va. À pro­cu­ra do so­nho glo­bal, a ONU-Ha­bi­tat, em parceria com os paí­ses-mem­bros das Na­ções Uni­das, dis­cu­te a No­va Agen­da Ur­ba­na, do­cu­men­to pro­gra­má­ti­co que vai ser adop­ta­do na ter­cei­ra Con­fe­rên­cia so­bre Ha­bi­ta­ção e De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no Sus­ten­tá­vel, tam­bém co­nhe­ci­da por Ha­bi­tat III, que a ca­pi­tal do Equa­dor, Qui­to, al­ber­ga du­ran­te qua­tro di­as, a par­tir de ama­nhã. O im­por­tan­te en­con­tro mun­di­al es­tá na ori­gem da en­tre­vis­ta con­ce­di­da ao Jor­nal de An­go­la por Thomaz Ramalho na sua re­si­dên­cia, on­de nos re­ce­beu com a cor­di­a­li­da­de pró­pria dos bra­si­lei­ros. NHUCA JÚNIOR |

Jor­nal de An­go­la - Tem si­do en­ri­que­ce­dor, pa­ra o seu per­cur­so pro­fis­si­o­nal, tra­ba­lhar em An­go­la?

Thomaz Ramalho

- Sem dú­vi­da. Eu vim pa­ra An­go­la mui­to jo­vem. Ago­ra te­nho 36 anos, mas, quan­do vim pe­la pri­mei­ra vez, ti­nha 25 anos. An­go­la é a mi­nha se­gun­da mis­são in­ter­na­ci­o­nal pro­fis­si­o­nal de­pois do Cam­bod­ja. Quan­do che­guei a An­go­la pe­lo Pro­gra­ma das Na­ções Uni­das pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to (PNUD), fui pa­ra a pro­vín­cia do Uí­ge tra­ba­lhar num pro­jec­to so­bre des­cen­tra­li­za­ção e go­ver­na­ção lo­cal. Por cau­sa do tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do, re­gres­sei a Lu­an­da, de on­de le­vei a ex­pe­ri­ên­cia que ti­ve no Uí­ge pa­ra o res­to do país, com o apoio do Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio. O en­tão vi­ce­mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, Mota Liz, li­de­ra­va na al­tu­ra o pro­ces­so de des­cen­tra­li­za­ção, que es­te­ve na ori­gem da cri­a­ção da Lei n.º 17/10 de 29 de Ju­lho, que tra­ta das or­gâ­ni­cas das ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais, a fim de se­rem trans­for­ma­das fu­tu­ra­men­te em au­tar­qui­as. Na­que­la al­tu­ra, en­vol­vi­me tam­bém no sec­tor do en­si­no em An­go­la. Em re­la­ção à mi­nha ex­pe­ri­ên­cia pro­fis­si­o­nal, de­vo bas­tan­te a An­go­la. Te­nho a sor­te de tra­ba­lhar num país que tem mui­tos la­ços com o meu país de ori­gem, o Bra­sil.

Jor­nal de An­go­la - O Mun­do es­tá pre­pa­ra­do pa­ra al­can­çar até 2030 o ob­jec­ti­vo 11 da Agen­da de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel, que é “tor­nar as ci­da­des e os as­sen­ta­men­tos hu­ma­nos in­clu­si­vos, se­gu­ros, re­sis­ten­tes e sus­ten­tá­veis”?

Thomaz Ramalho

- O ob­jec­ti­vo de de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel nú­me­ro 11 foi uma con­quis­ta. Mui­tos cha­mam tam­bém ao ob­jec­ti­vo 11 de ob­jec­ti­vo de de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel ur­ba­no, por­que tra­ta das ci­da­des es­pe­ci­fi­ca­men­te e de to­das as su­as me­tas. É um ob­jec­ti­vo bas­tan­te am­bi­ci­o­so. Tem de ha­ver uma con­cer­ta­ção mui­to gran­de da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal pa­ra que con­si­ga­mos terminar com os mus­se­ques, os cha­ma­dos as­sen­ta­men­tos in­for­mais, di­mi­nuir os ris­cos das ci­da­des a ca­tás­tro­fes, que é uma das ques­tões pa­ra a re­si­li­ên­cia, tor­nar as ci­da­des mais se­gu­ras, com me­lhor se­gu­ran­ça pa­ra to­dos os ci­da­dãos, e so­bre­tu­do mais in­clu­si­vas, sem as di­fe­ren­ças so­ci­ais e de as­sen­ta­men­tos que exis­tem ho­je. Eu sou op­ti­mis­ta. Par­te do tra­ba­lho da ONU-Ha­bi­tat é apoi­ar os go­ver­nos na ma­te­ri­a­li­za­ção des­te ob­jec­ti­vo mais es­pe­cí­fi­co. Eu pre­ten­do, nos pró­xi­mos 15 anos de car­rei­ra pro­fis­si­o­nal, apoi­ar não só An­go­la co­mo ou­tros paí­ses na ma­te­ri­a­li­za­ção des­te ob­jec­ti­vo. É de fac­to um ob­jec­ti­vo bas­tan­te am­bi­ci­o­so.

Jor­nal de An­go­la - Quan­do diz que o ob­jec­ti­vo é acabar com os mus­se­ques, es­te pro­ces­so pas­sa pe­la sua re­qua­li­fi­ca­ção ou pe­la cons­tru­ção de uma no­va área ha­bi­ta­ci­o­nal?

Thomaz Ramalho

- Tem que se ter uma vi­são mui­to in­te­gral so­bre a er­ra­di­ca­ção dos mus­se­ques. A ONU-Ha­bi­tat de­fen­de du­as abor­da­gens. Te­mos que ter uma abor­da­gem pre­ven­ti­va, que não per­mi­ta que sur­jam no­vos mus­se­ques, e uma abor­da­gem cor­rec­ti­va. Den­tro da abor­da­gem pre­ven­ti­va es­tá a cons­tru­ção de mo­ra­di­as de in­te­res­se so­ci­al, pa­ra os seg­men­tos mais po­bres da so­ci­e­da­de, que não têm ca­pa­ci­da­de de pou­pan­ça pa­ra en­tra­rem nos me­ca­nis­mos for­mais de aqui­si­ção de ha­bi­ta­ção. Es­sas pes­so­as pou­pam mui­to pou­co por mês e não con­se­guem um em­prés­ti­mo ban­cá­rio pa­ra com­prar uma ca­sa. Tem que ha­ver um tra­ta­men­to es­pe­ci­al pa­ra es­sa ca­ma­da da po­pu­la­ção, por ter um ní­vel de po­bre­za ou in­ca­pa­ci­da­de de pou­pan­ça. So­bre a abor­da­gem cor­rec­ti­va, já che­gá­mos à con­clu­são de que a me­lhor ma­nei­ra não é o re­a­lo­ja­men­to em no­vas áre­as, mas sim a ma­nu­ten­ção nas pró­pri­as áre­as.

Jor­nal de An­go­la - Porquê? Thomaz Ramalho

- Há uma in­te­li­gên­cia quan­do as pes­so­as se lo­ca­li­zam num de­ter­mi­na­do ter­ri­tó­rio. To­do o mun­do ten­ta op­ti­mi­zar al­gu­mas ques­tões. A ques­tão es­sen­ci­al pa­ra a ca­pa­ci­da­de de pou­pan­ça, prin­ci­pal­men­te dos mais po­bres, é o que eles gas­tam com o trans­por­te. Mui­tas ve­zes, quan­do se re­sol­ve um pro­ble­ma de mo­ra­dia de uma pes­soa mais po­bre, que é re­a­lo­ja­da no Zan­go, on­de re­ce­be uma ca­sa com me­lho­res con­di­ções do que o ca­se­bre que ti­nha, por exem­plo, na Ilha de Lu­an­da, ela fi­ca com a vi­da com­pli­ca­da, por­que ago­ra pas­sa a gas­tar, di­ga­mos, cin­co “can­don­guei­ros” pa­ra vir e cin­co pa­ra vol­tar, o que dá mais ou me­nos 1.500 kwan­zas, que, se fo­rem mul­ti­pli­ca­dos por vin­te di­as úteis, vão dar trin­ta mil kwan­zas, que é mai­or do que o sa­lá­rio mí­ni­mo na­ci­o­nal. Fi­ca com­pli­ca­da a ca­pa­ci­da­de de pou­pan­ça das pes­so­as, quan­do são re­ti­ra­das de um lu­gar on­de ini­ci­al­men­te es­co­lhe­ram pa­ra vi­ver, por­que há uma in­te­li­gên­cia na­que­la es­co­lha.

Jor­nal de An­go­la - O que faz exac­ta­men­te a ONU-Ha­bi­tat nos paí­ses on­de tem re­pre­sen­ta­ção?

Thomaz Ramalho

- Apoi­a­mos os go­ver­nos, de uma ma­nei­ra ge­ral, nas ques­tões que es­tão in­trín­se­cas ao

“Con­si­de­ra­mos o exem­plo de An­go­la, da Etió­pia e da Áfri­ca do Sul co­mo pos­si­bi­li­da­des con­cre­tas pa­ra to­do o con­ti­nen­te se es­pe­lhar e co­lo­car a ur­ba­ni­za­ção e a ha­bi­ta­ção no cen­tro da sua agen­da de de­sen­vol­vi­men­to”

“An­go­la é um país es­tra­té­gi­co pa­ra a ques­tão da ha­bi­ta­ção e ur­ba­ni­za­ção em Áfri­ca. Que­re­mos con­ti­nu­ar em An­go­la. A nos­sa in­ten­ção é que An­go­la fun­ci­o­ne co­mo uma es­pé­cie de es­cri­tó­rio su­bre­gi­o­nal pa­ra a Áfri­ca Lu­só­fo­na”

nos­so man­da­to. Es­tão in­trín­se­cas ao nos­so man­da­to as ques­tões li­ga­das ao ter­ri­tó­rio e à ur­ba­ni­za­ção, em to­dos os seus as­pec­tos e di­men­sões. Sa­be­mos que a ur­ba­ni­za­ção é um pro­ces­so com­ple­xo e am­plo, com li­ga­ções, por exem­plo, à eco­no­mia, à so­ci­o­lo­gia e à ge­o­gra­fia. Nós te­mos um man­da­to que, na re­a­li­da­de, em ter­mos de te­mas, é bas­tan­te am­plo, mas sem­pre cir­cuns­cri­to à ques­tão ter­ri­to­ri­al, da pla­ni­fi­ca­ção e da ur­ba­ni­za­ção. O nos­so man­da­to, de­fi­ni­do há vin­te anos no Ha­bi­tat II, era “ga­ran­tia de mo­ra­dia dig­na pa­ra to­dos e pro­mo­ver o de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no sus­ten­tá­vel”. Não é à toa que o no­me do Ha­bi­tat III é Con­fe­rên­cia das Na­ções Uni­das so­bre Ha­bi­ta­ção e De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no Sus­ten­tá­vel. O Ha­bi­tat II te­ve co­mo de­sig­na­ção Con­fe­rên­cia das Na­ções Uni­das so­bre os As­sen­ta­men­tos Hu­ma­nos.

Jor­nal de An­go­la - Não é uma uto­pia pen­sar-se em de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no sus­ten­tá­vel quan­do sa­be­mos que o Mun­do ain­da es­tá cheio de con­tras­tes so­ci­ais e eco­nó­mi­cos?

Thomaz Ramalho

- É uma uto­pia de fac­to, por­que te­mos di­ver­sas ques­tões pa­ra se­rem re­sol­vi­das. Há uma pergunta que sem­pre acho in­te­res­san­te fa­zer, que é a se­guin­te: o que é mais im­por­tan­te en­tre co­lo­car pri­mei­ro a fi­bra óp­ti­ca ou o es­go­to? O que é mais im­por­tan­te en­tre de­sen­vol­ver a Bai­xa de Lu­an­da e Ta­la­to­na co­mo pó­los eco­nó­mi­cos e me­lho­rar os mus­se­ques? Na ver­da­de, não há uma res­pos­ta con­cre­ta. As du­as coi­sas têm que ser fei­tas em pa­ra­le­lo, em ci­da­des dos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to co­mo An­go­la, Bra­sil e boa par­te da Ásia. Na re­a­li­da­de, te­mos que ir à pro­cu­ra do de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no sus­ten­tá­vel, ao mes­mo tem­po em que me­lho­ra­mos os as­sen­ta­men­tos in­for­mais, que são ex­tre­ma­men­te pre­cá­ri­os. Uma coi­sa não anu­la ne­ces­sa­ri­a­men­te a ou­tra. A abor­da­gem tem que ser con­jun­ta.

Jor­nal de An­go­la - Co­mo a ONU-Ha­bi­tat ava­lia o grau de exe­cu­ção do Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção?

Thomaz Ramalho

- O Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção é bas­tan­te am­bi­ci­o­so e co­ra­jo­so. A me­ta de um mi­lhão de ca­sas, anun­ci­a­da pe­lo Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, em 2008, no Dia Mun­di­al do Ha­bi­tat, é bas­tan­te am­bi­ci­o­sa. Em ter­mos quan­ti­ta­ti­vos, o pro­gra­ma foi mui­to bem exe­cu­ta­do na sua com­po­nen­te de ha­bi­ta­ção pro­du­zi­da pe­lo Go­ver­no. A cons­tru­ção de ha­bi­ta­ção pe­lo Es­ta­do já ul­tra­pas­sou in­clu­si­ve a me­ta. O que fal­ta ain­da no Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção é uma mai­or pro­du­ção de ha­bi­ta­ção pe­lo sec­tor pri­va­do, com o con­cur­so dos ban­cos, que in­fe­liz­men­te não ade­ri­ram pa­ra o fi­nan­ci­a­men­to co­mo se es­pe­ra­va. Há ne­ces­si­da­de de ha­ver um qua­dro le­gal pa­ra que os ban­cos se sin­tam se­gu­ros pa­ra fa­zer em­prés­ti­mos. Es­se é o gran­de cons­tran­gi­men­to. A se­gun­da com­po­nen­te tem a ver com a au­to-cons­tru­ção di­ri­gi­da, que de­ve­ria ser a mai­or par­te de ha­bi­ta­ções. Es­sa com­po­nen­te ain­da não ar­ran­cou de ma­nei­ra efec­ti­va. Nós, ONU-Ha­bi­tat, va­mos con­ti­nu­ar a apoi­ar o Go­ver­no atra­vés da as­ses­so­ria téc­ni­ca.

Jor­nal de An­go­la - A ONU-Ha­bi­tat afir­mou pu­bli­ca­men­te que o pro­jec­to de cons­tru­ção de um mi­lhão de ca­sas em An­go­la é um exem­plo pa­ra Áfri­ca. Qual é a re­a­li­da­de de Áfri­ca no que to­ca à ha­bi­ta­ção?

Thomaz Ramalho

- Es­ta­mos pre­sen­tes em vá­ri­os paí­ses afri­ca­nos. À se­me­lhan­ça de An­go­la, a Etió­pia e a Áfri­ca do Sul tam­bém in­ves­ti­ram se­ri­a­men­te na ha­bi­ta­ção nos úl­ti­mos anos. Nós con­si­de­ra­mos sem­pre o exem­plo de An­go­la, da Etió­pia e da Áfri­ca do Sul co­mo pos­si­bi­li­da­des con­cre­tas pa­ra to­do o con­ti­nen­te afri­ca­no se es­pe­lhar e co­lo­car a ur­ba­ni­za­ção e a ha­bi­ta­ção no cen­tro da sua agen­da de de­sen­vol­vi­men­to. O pro­gra­ma de cons­tru­ção de um mi­lhão de ca­sas re­pre­sen­ta um in­ves­ti­men­to con­cre­to na par­te ha­bi­ta­ci­o­nal, ain­da que não te­nha be­ne­fi­ci­a­do, na nos­sa vi­são, os mais po­bres. Re­sol­veu uma ques­tão ha­bi­ta­ci­o­nal pa­ra a ju­ven­tu­de, que con­se­guiu ad­qui­rir mo­ra­di­as nas no­vas ur­ba­ni­za­ções. An­go­la é um país es­tra­té­gi­co pa­ra a ques­tão da ha­bi­ta­ção e ur­ba­ni­za­ção em Áfri­ca. Que­re­mos con­ti­nu­ar em An­go­la. A nos­sa in­ten­ção é que An­go­la fun­ci­o­ne co­mo uma es­pé­cie de es­cri­tó­rio sub-re­gi­o­nal pa­ra a Áfri­ca Lu­só­fo­na.

Jor­nal de An­go­la - Quan­do se fa­la em de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no sus­ten­tá­vel, fi­co, co­mo lei­go, com a im­pres­são de que os de­ci­so­res po­lí­ti­cos no Mun­do co­lo­cam num pla­no se­cun­dá­rio os direitos das pes­so­as do meio ru­ral. O que se en­ten­de, afi­nal, por de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no sus­ten­tá­vel?

Thomaz Ramalho

- Quan­do fa­la­mos em di­rei­to à ci­da­de e em de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no sus­ten­tá­vel, pen­sa-se sem­pre no meio ru­ral. Por que não in­ves­tir nas zo­nas ru­rais pa­ra as pes­so­as con­ti­nu­a­rem ali? A gen­te con­si­de­ra que es­se in­ves­ti­men­to nas áre­as ru­rais, na me­lho­ria da qua­li­da­de de vi­da das po­pu­la­ções ru­rais, tam­bém é ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te. Mas o que a gen­te per­ce­be é que a ten­dên­cia de ur­ba­ni­za­ção é con­tí­nua, até que os paí­ses atin­jam um pa­ta­mar de 80 a 85 por cen­to, às ve­zes um pou­co me­nos ou, às ve­zes, um pou­co mais, a de­pen­der da es­tru­tu­ra ru­ral. Por exem­plo, se há ou não es­tru­tu­ras tra­di­ci­o­nais nas zo­nas ru­rais e o que é se con­si­de­ra co­mo ci­da­de. A ur­ba­ni­za­ção é um pas­so sem vol­ta. To­dos os paí­ses do Mun­do se ur­ba­ni­za­ram. To­da a Eu­ro­pa se ur­ba­ni­zou em pa­ta­ma­res ele­va­dos. To­da a Amé­ri­ca La­ti­na se ur­ba­ni­zou em pa­ta­ma­res ele­va­dos. Os paí­ses mais de­sen­vol­vi­dos da Ásia já se ur­ba­ni­za­ram em pa­ta­ma­res ele­va­dos. A ur­ba­ni­za­ção é um fim em si mes­mo, por­que as pes­so­as, quan­do vão pa­ra as ci­da­des, vão atrás dos seus so­nhos. É nas ci­da­des on­de es­tão as me­lho­res opor­tu­ni­da­des de em­pre­go, as me­lho­res opor­tu­ni­da­des de edu­ca­ção, as me­lho­res opor­tu­ni­da­des de re­la­ções so­ci­ais. É nas ci­da­des on­de es­tá a di­ver­si­da­de, on­de es­tá a to­le­rân­cia. Uma pes­soa en­con­tra um am­bi­en­te mui­to mais to­le­ran­te cul­tu­ral­men­te na ci­da­de do que nas zo­nas ru­rais. A mi­gra­ção pa­ra as ci­da­des não é um fe­nó­me­no que acon­te­ce só em An­go­la, nem em Áfri­ca. Acon­te­ce em to­dos os paí­ses do Mun­do.

Jor­nal de An­go­la - Te­mos que es­tar pre­pa­ra­dos pa­ra a ur­ba­ni­za­ção?

Thomaz Ramalho

- A ur­ba­ni­za­ção é uma re­a­li­da­de. Te­mos, sim, que es­tar pre­pa­ra­dos pa­ra a ur­ba­ni­za­ção. Por mais que in­vis­ta­mos na área ru­ral, as pes­so­as vão con­ti­nu­ar a mi­grar, por­que nin­guém pá­ra os so­nhos. Mes­mo paí­ses co­mo a Chi­na, que cri­a­ram bi­lhe­tes pa­ra com­pras no mer­ca­do lo­cal, não con­se­gui­ram re­fre­ar a ur­ba­ni­za­ção. O de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no sus­ten­tá­vel sig­ni­fi­ca pen­sar que es­sa ur­ba­ni­za­ção tem que ser pla­ni­fi­ca­da e têm que ser mi­ti­ga­dos os efei­tos ad­ver­sos. A sus­ten­ta­bi­li­da­de, a in­clu­são, a se­gu­ran­ça e a re­si­li­ên­cia são exac­ta­men­te os qua­tro pon­tos que tor­nam a ur­ba­ni­za­ção sus­ten­tá­vel a lon­go pra­zo.

Jor­nal de An­go­la - Há exem­plos de as­sen­ta­men­tos hu­ma­nos sus­ten­tá­veis?

Thomaz Ramalho

- Na­da é per­fei­ta­men­te sus­ten­tá­vel. Mas há ci­da­des que são mais sus­ten­tá­veis do que ou­tras. O que é pa­ra nós uma ur­ba­ni­za­ção sus­ten­tá­vel? Ela tem que ter uma cer­ta den­si­da­de, não po­de ser uma ur­ba­ni­za­ção que se es­praia pe­lo ter­ri­tó­rio e que crie den­si­da­des mui­to bai­xas, on­de fi­ca in­sus­ten­tá­vel ter um trans­por­te de mas­sa. Ou­tro as­pec­to de sus­ten­ta­bi­li­da­de na ur­ba­ni­za­ção é as pes­so­as po­de­rem an­dar a pé, te­rem um ex­ce­len­te sis­te­ma de trans­por­te, que faz com que ab­di­quem do car­ro pró­prio. Acho im­por­tan­te que as pes­so­as te­nham car­ro pró­prio, mas que não o usem na ho­ra de pon­ta, pa­ra não ter­mos ci­da­des con­ges­ti­o­na­das e po­lui­do­ras. São di­ver­sos os as­pec­tos que com­põem a ur­ba­ni­za­ção sus­ten­tá­vel. Pos­so di­zer que, por exem­plo, Ma­nhat­tan [em No­va Ior­que] é um exem­plo de ur­ba­ni­za­ção sus­ten­tá­vel. A área mais cen­tral de Pa­ris tam­bém é um exem­plo de ur­ba­ni­za­ção sus­ten­tá­vel. Um exem­plo de ur­ba­ni­za­ção in­sus­ten­tá­vel é Los An­ge­les, uma ci­da­de que se lo­co­mo­ve prin­ci­pal­men­te pe­lo au­to­mó­vel e cria áre­as su­per-com­pli­ca­das pa­ra o pe­des­tre e pa­ra o pas­seio das pes­so­as. De­troit é ou­tro exem­plo de ur­ba­ni­za­ção in­sus­ten­tá­vel. A in­sus­ten­ta­bi­li­da­de po­de ser en­con­tra­da in­clu­si­ve nos paí­ses mais ri­cos.

Jor­nal de An­go­la - Em An­go­la, on­de es­tá o me­lhor exem­plo de ci­da­de sus­ten­tá­vel?

Thomaz Ramalho

- Em An­go­la, a ur­ba­ni­za­ção mais sus­ten­tá­vel é a do Hu­am­bo, de acor­do com o nos­so es­tu­do. É uma ur­ba­ni­za­ção que, nos úl­ti­mos anos, não se ex­pan­diu tan­to em ter­mos de man­cha ur­ba­na. E a mais in­sus­ten­tá­vel em An­go­la é a ur­ba­ni­za­ção de Lu­an­da, on­de hou­ve uma dis­per­são ur­ba­na. A man­cha ur­ba­na de Lu­an­da cres­ceu, de 1980 a 2008, pou­co me­nos de du­as ve­zes e meia. Fo­ram 28 anos, dos quais 22 de guer­ra, o que pro­vo­cou uma gran­de pressão mi­gra­tó­ria pa­ra Lu­an­da. De 2008 a 2014, pe­río­do em que hou­ve in­ves­ti­men­tos ma­ci­ços e rein­ves­ti­men­tos, a ur­ba­ni­za­ção de Lu­an­da cres­ceu du­as ve­zes e meia. Cres­ceu mais num pe­río­do de seis anos de paz do que nos 28 anos an­te­ri­o­res. Es­se pa­drão é com­ple­ta­men­te in­sus­ten­tá­vel, por cri­ar, en­tre ou­tras coi­sas, a fun­ção mo­ra­dia lon­ge da fun­ção tra­ba­lho, por cri­ar ne­ces­si­da­des de des­lo­ca­men­tos e con­ges­ti­o­na­men­tos.

Jor­nal de An­go­la - Tec­ni­ca­men­te, qual é a so­lu­ção pa­ra Lu­an­da?

Thomaz Ramalho

- A prin­ci­pal ma­nei­ra de tor­nar Lu­an­da sus­ten­tá­vel é ago­ra aden­sar o cen­tro. Ten­tar cri­ar tam­bém nas áre­as cen­trais “mix-so­ci­al”, que é a mis­tu­ra de di­fe­ren­tes ní­veis de ren­da. A pro­du­ção de ha­bi­ta­ções so­ci­ais não po­de ser res­tri­ta só ao Zan­go. Ela tem que ser fei­ta tam­bém nas áre­as pró­xi­mas dos cen­tros. A pro­du­ção de es­tru­tu­ras de trans­por­te de mas­sa é ou­tra ma­nei­ra de me­lho­rar Lu­an­da. E o Pla­no Me­tro­po­li­ta­no Ge­ral da Ci­da­de de Lu­an­da já tra­ba­lha al­guns as­pec­tos do que es­tou a fa­lar.

Jor­nal de An­go­la - As na­ções mais po­bres do Mun­do nun­ca vão atin­gir o de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no sus­ten­tá­vel sem a aju­da in­ter­na­ci­o­nal. O que se pre­vê na No­va Agen­da Ur­ba­na, cu­jo es­bo­ço foi pu­bli­ca­do em Ju­nho des­te ano?

Thomaz Ramalho

- A No­va Agen­da Ur­ba­na tem uma com­po­nen­te que fa­la dos cri­té­ri­os de im­ple­men­ta­ção, da fun­ção da ONU-Ha­bi­tat co­mo agência de as­sis­tên­cia téc­ni­ca, dos me­ca­nis­mos de fi­nan­ci­a­men­tos ne­ces­sá­ri­os e de mo­bi­li­za­ção de re­cur­sos. São as­pec­tos que são le­va­dos em con­ta. Ho­je em dia, há um con­sen­so da União Afri­ca­na so­bre o que de­se­ja pa­ra a No­va Agen­da Ur­ba­na. Há uma dis­pu­ta de in­te­res­ses. Os paí­ses mais ri­cos têm a sua pró­pria agen­da. Há uma ideia do for­ta­le­ci­men­to da ONU-Ha­bi­tat por par­te dos paí­ses mais po­bres e uma ideia de que es­se for­ta­le­ci­men­to pre­ci­sa de ser fei­to com mais cal­ma por par­te dos paí­ses ri­cos. Pa­ra os paí­ses me­nos de­sen­vol­vi­dos, é mui­to im­por­tan­te o for­ta­le­ci­men­to do pa­pel da ONU-Ha­bi­tat. Na COP-21, Con­fe­rên­cia so­bre o Clima, re­a­li­za­da em Pa­ris, em 2015, An­go­la foi lí­der dos paí­ses me­nos de­sen­vol­vi­dos. Ago­ra, eu es­pe­ro que An­go­la tam­bém to­me a li­de­ran­ça pa­ra o for­ta­le­ci­men­to do pa­pel da ONU-Ha­bi­tat e dos me­ca­nis­mos de fi­nan­ci­a­men­to e de co­o­pe­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal, pa­ra o apoio aos paí­ses mais po­bres na ma­te­ri­a­li­za­ção dos ob­jec­ti­vos li­ga­dos à No­va Agen­da Ur­ba­na.

Jor­nal de An­go­la - O de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no sus­ten­tá­vel de­ve es­tar ade­qua­do à re­a­li­da­de so­ci­al e eco­nó­mi­ca de ca­da país ou de­fen­de um úni­co pa­ra­dig­ma?

Thomaz Ramalho

- É uma ques­tão fun­da­men­tal. Há uma “in­ter­na­li­za­ção” da No­va Agen­da Ur­ba­na por ca­da país, por­que os paí­ses têm re­a­li­da­des dis­tin­tas. Por is­so, a No­va Agen­da Ur­ba­na tra­ba­lha nos prin­cí­pi­os ge­rais e ci­ta a im­por­tân­cia de se le­var em con­ta os as­pec­tos cul­tu­rais, as re­a­li­da­des lo­cais, so­ci­ais, eco­nó­mi­cas e ét­ni­cas.

Jor­nal de An­go­la - Quan­do a ex­pan­são das zo­nas ur­ba­nas não é acom­pa­nha­da pe­la cri­a­ção de ser­vi­ços bá­si­cos à al­tu­ra do seu cres­ci­men­to, co­mo os li­ga­dos aos trans­por­tes e à se­gu­ran­ça pú­bli­ca, po­de cau­sar um ca­os so­ci­al. A

JOÃO GOMES

Re­pre­sen­tan­te da ONU-Ha­bi­tat Thomaz Ramalho de­fen­de vi­são in­te­gral pa­ra er­ra­di­ca­ção dos as­sen­ta­men­tos in­for­mais

Thomaz Ramalho quan­do apre­sen­ta­va a es­te jor­nal o do­cu­men­to do “Pro­gra­ma-País” que a ONU-Ha­bi­tat vai de­sen­vol­ver nos pró­xi­mos três anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.