As­si­na­do acor­do his­tó­ri­co em Ki­ga­li pa­ra re­du­ção do aque­ci­men­to glo­bal

Jornal de Angola - - PARTADA -

Mais de 150 paí­ses che­ga­ram on­tem a um acor­do ti­do co­mo “mo­nu­men­tal” pa­ra eli­mi­nar pro­gres­si­va­men­te um dos ga­ses que mais con­tri­bu­em pa­ra o aque­ci­men­to glo­bal. Tra­ta-se dos hi­dro­flu­or­car­bo­ne­tos (HFC) que são usa­dos em fri­go­rí­fi­cos, nos apa­re­lhos de ar-con­di­ci­o­na­do e nos ae­ros­sóis.

Reu­ni­dos na ca­pi­tal do Ruanda, Ki­ga­li, re­pre­sen­tan­tes da­que­les paí­ses acei­ta­ram fa­zer uma emen­da ao Protocolo de Montreal, fi­xa­do em 1987 e que de­ter­mi­nou a pro­gres­si­va proi­bi­ção de pro­du­tos que des­tro­em o ozo­no na es­tra­tos­fe­ra – que obri­ga os paí­ses mais ri­cos a re­du­zi­rem o uso de HFC, já a par­tir de 2019.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do nor­te-ame­ri­ca­no, John Ker­ry, que aju­dou a al­can­çar es­te acor­do, que os go­ver­nos são obri­ga­dos a cum­prir, con­si­de­rou tra­tar-se de uma gran­de vi­tó­ria pa­ra o pla­ne­ta Ter­ra. “É um mo­nu­men­tal pas­so em fren­te, que aten­de às ne­ces­si­da­des de ca­da na­ção, mas que nos da­rá a opor­tu­ni­da­de de re­du­zir o aque­ci­men­to glo­bal”, en­fa­ti­zou, em de­cla­ra­ções à BBC.

As con­ver­sa­ções que re­sul­ta­ram no es­ta­be­le­ci­men­to des­te no­vo acor­do, em Ki­ga­li, não atraí­ram as mes­mas aten­ções que o acor­do so­bre as mu­dan­ças cli­má­ti­cas es­ta­be­le­ci­do em Pa­ris, no ano pas­sa­do. Mas nem por is­so o seu im­pac­to pro­me­te ser me­nor na de­sa­ce­le­ra­ção do aque­ci­men­to do pla­ne­ta. “É pro­va­vel­men­te o pas­so mais im­por­tan­te que po­día­mos ter da­do pa­ra li­mi­tar o aque­ci­men­to glo­bal do nos­so pla­ne­ta e pa­ra as ge­ra­ções vin­dou­ras”, in­sis­tiu Ker­ry.

En­quan­to o acor­do de Pa­ris in­cluía pro­mes­sas de qua­se to­dos os paí­ses pa­ra re­du­zir as emis­sões de dió­xi­do de car­bo­no, o no­vo acor­do de Ki­ga­li tem um úni­co al­vo: os hi­dro­flu­or­car­bo­ne­tos usa­dos em apa­re­lhos de ar­con­di­ci­o­na­do, fri­go­rí­fi­cos e ae­ros­sóis e ou­tros dis­po­si­ti­vos, e que são ga­ses com efei­to de es­tu­fa. Ape­sar de cons­ti­tuí­rem uma pe­que­na per­cen­ta­gem dos ga­ses li­ber­ta­dos pa­ra a es­tra­tos­fe­ra, a sua po­tên­cia é das mais ele­va­das, cal­cu­lan­do-se que se­ja mil ve­zes mais po­ten­te do que o dió­xi­do de car­bo­no. A ideia se­rá as­sim subs­ti­tuí-los com al­ter­na­ti­vas mais fa­vo­rá­veis ao pla­ne­ta.

Por ou­tro la­do, en­quan­to as pro­mes­sas de Pa­ris são va­gas e de ade­são vo­lun­tá­ria, co­mo re­cor­da a CNN, o acor­do de Ki­ga­li in­clui me­tas e ca­len­dá­ri­os adap­ta­dos a ca­da gru­po de paí­ses, pre­ven­do san­ções pa­ra os in­frac­to­res. Por ou­tro la­do, os paí­ses mais ri­cos com­pro­me­te­ram-se a aju­dar a fi­nan­ci­ar a tran­si­ção dos paí­ses mais po­bres pa­ra os pro­du­tos al­ter­na­ti­vos aos HFC. Por­me­no­ri­za­do co­mo é, o acor­do de Ki­ga­li ofe­re­ce mais pro­ba­bi­li­da­des de con­se­guir blin­dar a ac­tu­a­ção da in­dús­tria con­tra o pla­ne­ta, se­gun­do os seus subs­cri­to­res.

E, da­do o po­der de re­ten­ção de ca­lor dos HFC, os ci­en­tis­tas acre­di­tam que o acor­do de Ki­ga­li vai evi­tar um au­men­to das tem­pe­ra­tu­ras at­mos­fé­ri­cas em qua­se um grau Fah­re­nheit. A ideia é evi­tar um au­men­to da tem­pe­ra­tu­ra at­mos­fé­ri­ca de 3,6 graus Fah­re­nheit - o pon­to em que, se­gun­do os es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos, o pla­ne­ta fi­ca­rá com­pro­me­ti­do pe­la su­bi­da das águas do mar, se­cas se­ve­ras, inun­da­ções ge­ne­ra­li­za­das e es­cas­sez de água e fu­ra­ções mais po­ten­tes.

Espera-se, por ou­tro la­do, que es­te acor­do pos­sa con­du­zir a uma re­du­ção dos ga­ses com efei­to de es­tu­fa equi­va­len­te a 70 mil mi­lhões de to­ne­la­das de dió­xi­do de car­bo­no da at­mos­fe­ra – cer­ca de du­as ve­zes a po­lui­ção de car­bo­no pro­du­zi­da anu­al­men­te em to­do o mun­do.

O acor­do de Ki­ga­li fun­ci­o­na co­mo uma emen­da ao protocolo de Montreal que foi cu­ri­o­sa­men­te o que de­ter­mi­nou, em 1987, que os HFC co­me­ças­sem a ser uti­li­za­dos em subs­ti­tui­ção dos clo­ro­flu­or­car­bo­ne­tos (CFC), os quais, além de des­truí­rem o ozo­no na es­tra­tos­fe­ra tam­bém aque­ci­am o pla­ne­ta. Proi­bi­da de con­ti­nu­ar a re­cor­rer aos CFC, a in­dús­tria quí­mi­ca res­pon­deu com os HFC, os quais não agri­dem a ca­ma­da de ozo­no mas re­têm o ca­lor na at­mos­fe­ra.

Tal acor­do não te­ria si­do pos­sí­vel, se ao lon­go dos úl­ti­mos se­te anos Ba­rack Oba­ma não ti­ves­se ele­va­do os até en­tão obs­cu­ros es­for­ços pa­ra al­te­rar o Protocolo de Montreal a pri­o­ri­da­de da Ca­sa Bran­ca. Em 2013, o Pre­si­den­te nor­te-ame­ri­ca­no reu­niu­se com o Pre­si­den­te chi­nês, Xi Jin­ping, con­ven­cen­do-o a re­du­zir a pro­du­ção de HFC, sen­do que a Chi­na era en­tão o mai­or pro­du­tor mun­di­al da­que­le quí­mi­co.

Es­te acor­do de Ki­ga­li es­ta­be­le­ce me­tas di­fe­ren­tes pa­ra os di­fe­ren­tes paí­ses. As eco­no­mi­as mais ri­cas, co­mo a de al­guns paí­ses da União Eu­ro­peia e a dos Es­ta­dos Uni­dos, vão co­me­çar a li­mi­tar o uso de HFC a par­tir de 2018 e com­pro­me­tem-se a, ten­do co­mo re­fe­rên­cia os ní­veis de 2012, re­du­zir o seu uso em 15 por cen­to,até 2036, diz o “New York Ti­mes” – a agência fran­ce­sa AFP, po­rém, diz que a me­ta pa­ra es­tes paí­ses é re­du­zir o uso de HFC em 10 por cen­to até 2019.

Al­guns paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to, co­mo a Chi­na, o Bra­sil e to­dos os paí­ses afri­ca­nos, com­pro­me­tem-se a di­mi­nuir o uso de HFC a par­tir de 2024. O ob­jec­ti­vo é que, por vol­ta de 2045, o seu uso te­nha caí­do 20 por cen­to. Já o Pa­quis­tão, a Ín­dia e o Irão avan­ça­rão a pas­so mais len­to: a me­ta pa­ra es­tes que são dos mais quen­tes do mun­do é re­du­zir o uso da­que­le quí­mi­co só a par­tir de 2028, con­se­guin­do uma di­mi­nui­ção de 10 por cen­to até 2032 em re­la­ção ao pe­río­do 2024-2026.

DR

Um ân­gu­lo de Ki­ga­li ca­pi­tal de Ruanda

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.