Bai­xo cus­to obri­ga à re­a­va­li­a­ção de pro­jec­tos

Fer­ran­gol in­ter­rom­peu a exe­cu­ção em Cas­sin­ga pa­ra es­tu­dar no­vo mo­de­lo de ges­tão

Jornal de Angola - - CLASSIFICADOS -

A que­da do pre­ço de mi­né­ri­os co­mo fer­ro, man­ga­nês e ou­tros me­tais, no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, in­ter­rom­peu a exe­cu­ção de pro­jec­tos co­mo o de Cas­sin­ga, na pro­vín­cia da Huí­la, e obri­gou a em­pre­sa Fer­ran­gol a re­a­va­li­ar to­do o tra­ba­lho.

A re­ve­la­ção foi fei­ta sex­ta-fei­ra pe­lo pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Fer­ran­gol, Di­a­man­ti­no Aze­ve­do.

O ges­tor dis­se à An­gop que o pre­ço dos mi­ne­rais me­tá­li­cos bai­xou bas­tan­te, o que obri­gou a re­vi­são de to­do o pla­no ela­bo­ra­do, in­cluin­do os es­tu­dos de vi­a­bi­li­da­de, de im­pac­to am­bi­en­tal já apro­va­do e a es­tra­té­gia de im­ple­men­ta­ção dos pro­jec­tos.

A si­tu­a­ção pro­vo­cou a pa­ra­li­sa­ção da mi­na de Cas­sin­ga du­ran­te dois anos, mas a em­pre­sa es­tá ago­ra a ten­tar re­to­mar o pro­jec­to, com ba­se nas con­di­ções ac­tu­ais que im­pli­cam cus­tos ope­ra­ci­o­nais bai­xos e tam­bém uma de­ter­mi­na­da aten­ção do Es­ta­do a de­ter­mi­na­das ta­xas e ta­ri­fas.

O ges­tor ar­gu­men­tou que a aten­ção do Es­ta­do não tem de in­ci­dir ne­ces­sa­ri­a­men­te so­bre os im­pos­tos, mas pa­ra uma sé­rie de va­riá­veis que in­ter­vêm nes­se ti­po de pro­jec­tos mi­nei­ros, que são vo­lu­mo­sos.

“É pre­ci­so olhar pa­ra a ques­tão do trans­por­te do mi­né­rio pa­ra o por­to ou da mi­na pa­ra a si­de­rur­gia, a elec­tri­ci­da­de e o gás, por­que o nos­so pro­jec­to tem vá­ri­as me­tas e a me­ta fi­nal é a pro­du­ção si­de­rúr­gi­ca.

Por­tan­to, há uma sé­rie de va­riá­veis que in­ter­vêm e nós te­mos de tra­ba­lhar com elas pa­ra que pos­sa­mos ter cus­tos ope­ra­ci­o­nais que fa­ci­li­tem o pro­jec­to”, res­sal­tou.Di­a­man­ti­no Aze­ve­do es­cu­sou-se em adi­an­tar ho­ri­zon­tes pa­ra o co­me­ço da pro­du­ção mi­nei­ra, por­que o pro­jec­to es­tá a ser de­sen­vol­vi­do com ba­se nu­ma parceria pú­bli­co- pri­va­da.

Fo­ra do im­pac­to ne­ga­ti­vo da bai­xa do pre­ço dos mi­ne­rais, o pre­si­den­te da Fer­ran­gol re­fe­riu al­guns pon­tos po­si­ti­vos já exis­ten­tes no pro­jec­to de Cas­sin­ga, no­me­a­da­men­te a in­fra-es­tru­tu­ra, es­tu­dos e equi­pa­men­tos que vão fa­ci­li­tar a re­ac­ti­va­ção do ne­gó­cio. Além de Cas­sin­ga, re­fe­riu, existe igual­men­te um pro­jec­to do fer­ro na pro­vín­cia do Cu­an­za Nor­te, cu­jo ar­ran­que de­pen­de da ne­go­ci­a­ção em cur­so com uma em­pre­sa pri­va­da si­de­rúr­gi­ca que o po­de­rá de­sen­vol­ver. “Creio que da­qui a mais al­guns me­ses, te­re­mos con­cluí­do es­sas ne­go­ci­a­ções e, a par­tir da­li, po­de­re­mos apre­sen­tar pra­zos con­cre­tos, de quan­do ar­ran­ca­re­mos com a pro­du­ção”, dis­se.

O pro­jec­to de Cas­sin­ga, in­te­gra­do ao da lo­ca­li­da­de de Ca­te­ru­ca, na pro­vín­cia da Huí­la, de­tém um po­ten­ci­al de 15 mi­lhões de to­ne­la­das de fer­ro. No qua­dro da sua efec­ti­va­ção, vá­ri­as in­fra-es­tru­tu­ras es­ta­vam pre­vis­tas pa­ra im­pul­si­o­nar o de­sen­vol­vi­men­to da zo­na, que vão des­de o sec­tor eléc­tri­co até ao dos trans­por­tes, co­mo o Ca­mi­nho-de-Fer­ro de Mo­çâ­me­des e o por­to co­mer­ci­al do Na­mi­be. A par do fer­ro, a zo­na apre­sen­ta-se co­mo uma po­tên­cia do ou­ro cu­jo tra­ba­lho de pros­pec­ção ti­nha o tér­mi­no pre­vis­to pa­ra es­te ano.

A Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Fer­ros de An­go­la (Fer­ran­gol-EP) tem co­mo ob­jec­to so­ci­al a pros­pec­ção, pes­qui­sa, exploração, tra­ta­men­to e co­mer­ci­a­li­za­ção de re­cur­sos mi­ne­rais me­tá­li­cos (fer­ro­sos, não fer­ro­sos e pre­ci­o­sos), as­sim co­mo ou­tros que cons­ti­tu­em ma­té­ria-pri­ma pa­ra a pro­du­ção de aço.

PAU­LO MULAZA

Em­pre­sa de exploração de fer­ro na Huí­la ten­ta bai­xar os cus­tos ope­ra­ci­o­nais e so­li­ci­ta re­du­ção de en­car­gos fis­cais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.