Vi­o­lên­cia se­xu­al atin­ge ní­veis pre­o­cu­pan­tes

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

A vi­o­lên­cia se­xu­al con­tra cri­an­ças es­tá a to­mar pro­por­ções alar­man­tes, re­ve­lou em Mban­za Con­go, a di­rec­to­ra do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal da Criança (INAC), Nil­za Ba­ta­lha.

Ao in­ter­vir no ac­to de en­cer­ra­men­to da “Se­ma­na de Reflexão so­bre os Direitos da Criança”, Nil­za Ba­ta­lha re­ve­lou que só em 2015, o país re­gis­tou mais de mil ca­sos de vi­o­lên­cia se­xu­al con­tra me­no­res.

A di­rec­to­ra da INAC acres­cen­tou que os da­dos pre­li­mi­na­res re­fe­ren­tes ao pri­mei­ro se­mes­tre do ano em cur­so apon­tam pa­ra um nú­me­ro aci­ma de 500 ca­sos de vi­o­lên­cia se­xu­al no­ti­fi­ca­dos a ní­vel de to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

So­bre a pro­vín­cia do Zai­re, Nil­za Ba­ta­lha dis­se que a re­gião re­gis­tou 18 ca­sos de vi­o­lên­cia se­xu­al con­tra me­no­res em 2015, sen­do que, no pre­sen­te ano, os da­dos apon­tam pa­ra 23 ocor­rên­ci­as em ape­nas seis me­ses. “Os in­di­ca­do­res, só por si, re­co­men­dam-nos a uma ac­ção con­ju­ga­da pa­ra se com­ba­ter es­te mal e de­sen­vol­ver es­for­ços pa­ra pre­ve­nir es­te fe­nó­me­no”, res­sal­tou.

Nor­mal­men­te, ex­pli­cou, o agres­sor é al­guém pró­xi­mo da ví­ti­ma, es­tá no meio da fa­mí­lia ou na vi­zi­nhan­ça, que con­quis­ta a con­fi­an­ça da criança e vai con­so­li­dan­do es­ta apro­xi­ma­ção até con­su­mar o ac­to cri­mi­no­so. “Que­re­mos cha­mar a aten­ção a es­se por­me­nor, pa­ra que to­dos es­te­jam aten­tos e con­ver­sem com as cri­an­ças, pa­ra a ter­mos co­mo prin­ci­pal par­cei­ra e pre­ve­nir me­lhor es­tas si­tu­a­ções. As mães têm um pa­pel fun­da­men­tal nes­te par­ti­cu­lar”, re­for­çou.

Nil­za Ba­ta­lha elo­gi­ou o tra­ba­lho das au­to­ri­da­des da pro­vín­cia do Zai­re pe­los bons in­di­ca­do­res apre­sen­ta­dos em prol da pro­tec­ção dos me­no­res, ten­do re­ve­la­do ser es­sa uma das ra­zões da es­co­lha da re­gião pa­ra aco­lher o ac­to.

As au­to­ri­da­des re­a­li­za­ram um in­ten­so tra­ba­lho de mo­bi­li­za­ção e sen­si­bi­li­za­ção so­ci­al que atin­giu mais de 3.500 pes­so­as, du­ran­te o pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano, um es­for­ço dig­no de lou­vor.

Es­te exem­plo co­lo­ca a pro­vín­cia do Zai­re na con­di­ção de prin­ci­pal ali­a­do do INAC. E o ins­ti­tu­to vai con­ti­nu­ar a pres­tar apoio à re­gião no do­mí­nio da pro­tec­ção à criança. “O Zai­re é um exem­plo de parceria, tra­ba­lho ar­ti­cu­la­do e com­ple­men­tar. Por is­so, fe­li­ci­to mais uma vez a pro­vín­cia”, en­fa­ti­zou.

Nil­za Ba­ta­lha elo­gi­ou tam­bém os ór­gãos de Jus­ti­ça, por não exis­ti­rem ca­sos pen­den­tes de abu­so se­xu­al con­tra a criança sem es­cla­re­ci­men­to.

De­pois do en­cer­ra­men­to da “Se­ma­na de Reflexão so­bre os Direitos da Criança”, en­tre 7 e 14 des­te mês, tem iní­cio ou­tro ci­clo que de­ve es­ten­der-se até 2017.

O ac­to de en­cer­ra­men­to foi pre­si­di­do pe­lo mi­nis­tro da As­sis­tên­cia e Rein­ser­ção So­ci­al, Gon­çal­ves Mu­an­dum­ba, que con­cluiu na sex­ta-fei­ra uma vi­si­ta de tra­ba­lho de 24 ho­ras à pro­vín­cia do Zai­re, on­de se in­tei­rou do fun­ci­o­na­men­to do sec­tor que tu­te­la.

O even­to con­tou ain­da com a pre­sen­ça do go­ver­na­dor pro­vin­ci­al do Zai­re, Jo­sé Jo­a­nes An­dré, da re­pre­sen­tan­te ad­jun­ta da UNICEF em An­go­la, Por­te­la Pa­trí­cia de Sou­sa, e mem­bros do go­ver­no pro­vin­ci­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.