A im­por­tân­cia dos ban­cos no imo­bi­liá­rio

A ministra Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to con­si­de­rou im­por­tan­te o pa­pel das co­o­pe­ra­ti­vas ha­bi­ta­ci­o­nais por se­rem um veí­cu­lo im­por­tan­te pa­ra o aces­so das fa­mí­li­as à ha­bi­ta­ção e uma for­ma de os be­ne­fi­ciá­ri­os par­ti­ci­pa­rem na re­so­lu­ção do seu pro­ble­ma.

Jornal de Angola - - PARTADA - NHUCA JÚ­NI­OR |

A ministra do Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção, Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to, con­ce­deu uma en­tre­vis­ta ao Jor­nal de An­go­la na vés­pe­ra da sua par­ti­da pa­ra Qui­to, ca­pi­tal do Equa­dor, pa­ra on­de vi­a­jou a fim de re­pre­sen­tar o Che­fe de Es­ta­do na ter­cei­ra con­fe­rên­cia so­bre Ha­bi­ta­ção e De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no Sus­ten­tá­vel, que ter­mi­na na quin­ta-fei­ra, dia em que os paí­ses mem­bros da ONU vão apro­var uma No­va Agen­da Ur­ba­na, ten­do co­mo uma das li­nhas de for­ça o di­rei­to hu­ma­no à ci­da­de. Na en­tre­vis­ta, a ministra deu ên­fa­se aos pas­sos que já fo­ram da­dos no âm­bi­to do Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção e des­ta­cou tam­bém o fac­to de An­go­la ter uma po­si­ção de li­de­ran­ça re­gi­o­nal no que diz res­pei­to às ques­tões da ur­ba­ni­za­ção e ha­bi­ta­ção.

Jor­nal de An­go­la - An­go­la es­tá pre­pa­ra­da pa­ra al­can­çar até 2030 o objectivo 11 da Agen­da de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel, que é "tor­nar as ci­da­des e os as­sen­ta­men­tos hu­ma­nos in­clu­si­vos, se­gu­ros, re­si­li­en­tes e sus­ten­tá­veis?

Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to - An­go­la tem en­vi­da­do es­for­ços nes­te sen­ti­do. De acor­do com as me­tas do objectivo 11, tor­nar as ci­da­des e os as­sen­ta­men­tos hu­ma­nos in­clu­si­vos, se­gu­ros, re­si­li­en­tes e sus­ten­tá­veis sig­ni­fi­ca, en­tre ou­tras ques­tões, pri­mei­ro, ga­ran­tir o aces­so de to­dos à ha­bi­ta­ção se­gu­ra, ade­qua­da e a pre­ço aces­sí­vel, se­gun­do, o aces­so aos ser­vi­ços bá­si­cos e à ur­ba­ni­za­ção dos mus­se­ques, ter­cei­ro, a re­du­ção do im­pac­to am­bi­en­tal ne­ga­ti­vo per ca­pi­ta das ci­da­des, pres­tan­do es­pe­ci­al aten­ção à qua­li­da­de do ar, ges­tão de re­sí­du­os mu­ni­ci­pais tam­bém e, fi­nal­men­te, apoi­ar re­la­ções eco­nó­mi­cas, so­ci­ais e am­bi­en­tais positivas en­tre áre­as ur­ba­nas, pe­riur­ba­nas e ru­rais e o re­for­ço do planeamento

na­ci­o­nal e re­gi­o­nal de de­sen­vol­vi­men­to.

Jor­nal de An­go­la - Há uma es­tra­té­gia de de­sen­vol­vi­men­to a lon­go pra­zo?

Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to - Sim, há uma es­tra­té­gia de de­sen­vol­vi­men­to a lon­go pra­zo, que se cha­ma “An­go­la 2025”. A es­tra­té­gia vi­sa al­can­çar uma har­mo­ni­o­sa ocu­pa­ção hu­ma­na do ter­ri­tó­rio e uma dis­tri­bui­ção es­pa­ci­al equilibrada das ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas e so­ci­ais, com ba­se em ei­xos e pó­los de de­sen­vol­vi­men­to. Ba­se­a­do no “An­go­la 2015”, o Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to (PND 2013-2017) de­fi­niu uma sé­rie de po­lí­ti­cas na­ci­o­nais pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to, al­gu­mas das quais re­la­ci­o­na­das com o de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no e ter­ri­to­ri­al, sen­do de des­ta­car o Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção, que pre­vê a cons­tru­ção de ha­bi­ta­ções em vá­ri­as pro­vín­ci­as, tan­to pe­lo Es­ta­do co­mo pe­lo sector pri­va­do e co­o­pe­ra­ti­vas. A cons­tru­ção de 200 fo­gos nas ca­pi­tais mu­ni­ci­pais, a au­to­cons­tru­ção di­ri­gi­da e a re­qua­li­fi­ca­ção ur­ba­na tam­bém fa­zem par­te das sub­com­po­nen­tes do Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção. A cons­tru­ção das ha­bi­ta­ções, no âm­bi­to do pro­gra­ma, con­tri­bui pa­ra o au­men­to do stock ha­bi­ta­ci­o­nal e per­mi­te que ca­da vez mais fa­mí­li­as te­nham aces­so à ha­bi­ta­ção se­gu­ra e ade­qua­da. O au­men­to da ofer­ta con­tri­bui pa­ra a re­du­ção da pres­são so­bre a pro­cu­ra e, ac­tu­al­men­te, as­sis­te-se a uma re­du­ção dos pre­ços tan­to pa­ra a aqui­si­ção co­mo pa­ra o ar­ren­da­men­to. Os pro­gra­mas de re­qua­li­fi­ca­ção ur­ba­na em cur­so têm con­tri­buí­do pa­ra a ur­ba­ni­za­ção dos mus­se­ques, per­mi­tin­do aos mu­ní­ci­pes o aces­so aos ser­vi­ços bá­si­cos. A im­ple­men­ta­ção dos pro­jec­tos des­ta sub­com­po­nen­te bem co­mo a cri­a­ção de ca­pa­ci­da­de das ad­mi­nis­tra­ções lo­cais pa­ra o planeamento e ges­tão dos pla­nos ter­ri­to­ri­ais vão con­tri­buir pa­ra o au­men­to da ur­ba­ni­za­ção in­clu­si­va e sus­ten­tá­vel e as ca­pa­ci­da­des pa­ra o planeamento e ges­tão de as­sen­ta­men­tos hu­ma­nos par­ti­ci­pa­ti­vos.

Jor­nal de An­go­la - Co­mo ava­lia o grau de exe­cu­ção des­se sub­pro­gra­ma do Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção re­la­ti­vo à re­qua­li­fi­ca­ção ur­ba­na, a ní­vel na­ci­o­nal e, em par­ti­cu­lar, em Lu­an­da?

Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to - Em pri­mei­ro lu­gar, im­por­ta re­fe­rir que se en­ten­de co­mo re­qua­li­fi­ca­ção ur­ba­na o con­jun­to de ac­ções le­va­da a ca­bo com o in­tui­to de me­lho­rar as aces­si­bi­li­da­des, mo­bi­li­da­de e os sis­te­mas de in­fra-es­tru­tu­ras e de equi­pa­men­tos so­ci­ais. Ac­ções es­sas que são ma­te­ri­a­li­za­das por pro­jec­tos de in­fra-es­tru­tu­ras bá­si­cas ou in­te­gra­das, qu­an­do são in­ter­ven­ci­o­na­das as vá­ri­as re­des téc­ni­cas ao mes­mo tempo - re­de de abas­te­ci­men­to de água, dre­na­gem plu­vi­al (es­co­a­men­to de guas plu­vi­ais), dre­na­gem das águas re­si­du­ais (es­go­tos), elec­tri­ci­da­de (re­des de mé­dia e bai­xa ten­são e ilu­mi­na­ção pú­bli­ca), te­le­co­mu­ni­ca­ções. Em se­gun­do lu­gar, re­co­nhe­ce­mos que te­mos ain­da mui­to que fa­zer em re­la­ção a es­ta ma­té­ria, mas, em fun­ção do que foi pro­gra­ma­do e dos re­cur­sos fi­nan­cei­ros dis­po­ní­veis, po­de­mos con­si­de­rar no con­tex­to ge­ral a ava­li­a­ção des­te sub­pro­gra­ma a ní­vel na­ci­o­nal co­mo sen­do po­si­ti­va, pois pa­ra além das ac­ções de âm­bi­to cen­tral, que fo­ram e que es­tão a ser exe­cu­ta­das por vá­ri­os de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais, co­mo os Mi­nis­té­ri­os do Ur­ba­nis­mo, Cons­tru­ção e Ener­gia e Águas, a ní­vel dos go­ver­nos pro­vin­ci­ais tem ha­vi­do tam­bém ou­tras ini­ci­a­ti­vas que con­cor­rem pa­ra o al­can­ce das me­tas pre­co­ni­za­das.

Jor­nal de An­go­la - Po­de ci­tar al­guns pro­jec­tos já exe­cu­ta­dos?

Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to - Em ter­mos de re­tros­pec­ti­va, po­de-se fa­zer re­fe­rên­cia a al­guns pro­jec­tos de in­fra-es­tru­tu­ras in­te­gra­das já exe­cu­ta­dos, tais co­mo a re­qua­li­fi­ca­ção da es­tra­da da Sam­ba e do Ro­cha Pin­to, em Lu­an­da; pro­jec­tos de in­fra-es­tru­tu­ras in­te­gra­das de Mban­za Con­go, Nze­to e Soyo, na pro­vín­cia do Zai­re; o pro­jec­to de in­fra-es­tru­tu­ras in­te­gra­das da ci­da­de de Ma­lan­je, na pro­vín­cia de Ma­lan­je; o pro­jec­to de in­fra-es­tru­tu­ras in­te­gra­das da ci­da­de de Ca­bin­da, na pro­vín­cia de Ca­bin­da; in­fra­es­tru­tu­ras in­te­gra­das de Ben­gue­la e Lo­bi­to e in­fra-es­tru­tu­ras in­te­gra­das do Cu­an­za Sul (1ª fa­se). Por ou­tro la­do, mais re­cen­te­men­te, o Ministério do Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção pro­mo­veu o lan­ça­men­to de al­guns con­cur­sos pú­bli­cos que re­sul­ta­ram na ad­ju­di­ca­ção das se­guin­tes em­prei­ta­das de re­qua­li­fi­ca­ção ur­ba­na, no­me­a­da­men­te, in­fra-es­tru­tu­ras in­te­gra­das da ci­da­de de Me­non­gue, na pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go; in­fra-es­tru­tu­ras in­te­gra­das da ci­da­de de Sau­ri­mo, na pro­vín­cia da Lun­da Sul; in­fra-es­tru­tu­ras in­te­gra­das do Uí­ge e Ne­ga­ge, na pro­vín­cia do Uí­ge; re­qua­li­fi­ca­ção ur­ba­na da ci­da­de de Ma­lan­je, na pro­vín­cia de Ma­lan­je; re­qua­li­fi­ca­ção ur­ba­na da ci­da­de do Don­do, na pro­vín­cia do Cu­an­za Nor­te; re­qua­li­fi­ca­ção ur­ba­na da ci­da­de do Hu­am­bo, na pro­vín­cia do Hu­am­bo.

Jor­nal de An­go­la - Há uma no­ção do nú­me­ro de pes­so­as que vão ser be­ne­fi­ci­a­das?

Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to - Por exem­plo, os pro­jec­tos de in­fra-es­tru­tu­ras in­te­gra­das do Uí­ge e Ne­ga­ge, na pro­vín­cia do Uí­ge, Me­non­gue, pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go, e Sau­ri­mo, pro­vín­cia da Lun­da Sul, be­ne­fi­ci­am 51.700 ha­bi­tan­tes, sen­do 45 mil no Uí­ge e Ne­ga­ge, três mil em Me­non­gue e 3.700 em Sau­ri­mo. Os pro­jec­tos de re­qua­li­fi­ca­ção ur­ba­na de Ma­lan­je, Don­do e Hu­am­bo,

A cons­tru­ção das ha­bi­ta­ções, no âm­bi­to do pro­gra­ma, con­tri­bui pa­ra o au­men­to do stock ha­bi­ta­ci­o­nal e per­mi­te que ca­da vez mais fa­mí­li­as te­nham aces­so à ha­bi­ta­ção se­gu­ra e ade­qua­da. O au­men­to da ofer­ta con­tri­bui pa­ra a re­du­ção da pres­são so­bre a pro­cu­ra.

on­de se re­a­li­za­ram in­ter­ven­ções nas re­des de dre­na­gem plu­vi­al e re­si­du­al, nos ar­ru­a­men­tos e pas­sei­os, já be­ne­fi­ci­am a po­pu­la­ção re­si­den­te na­que­las lo­ca­li­da­des.

Jor­nal de An­go­la - Co­mo o Go­ver­no in­cen­ti­va a au­to­cons­tru­ção di­ri­gi­da?

Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to - Im­por­ta re­fe­rir tam­bém que o sector es­tá a in­ter­vir em re­ser­vas fun­diá­ri­as com a exe­cu­ção de pro­jec­tos de in­fra-es­tru­tu­ras in­te­gra­das que vão per­mi­tir, após a con­clu­são das in­fra­es­tru­tu­ras, in­cen­ti­var a au­to­cons­tru­ção di­ri­gi­da e o in­ves­ti­men­to pri­va­do pa­ra a cons­tru­ção das ha­bi­ta­ções e equi­pa­men­tos so­ci­ais, co­lo­can­do des­se mo­do um nú­me­ro mai­or de ter­re­nos in­fra-es­tru­tu­ra­dos e au­men­tan­do a ofer­ta de ha­bi­ta­ções pa­ra co­mer­ci­a­li­za­ção, com des­ta­que nos se­guin­tes: pro­jec­to de in­fra-es­tru­tu­ras in­te­gra­das na re­ser­va fun­diá­ria da Ca­ta­pa, na pro­vín­cia do Uí­ge; pro­jec­to de in­fra-es­tru­tu­ras in­te­gra­das na re­ser­va fun­diá­ria da Qui­ça­ma, na pro­vín­cia de Lu­an­da; pro­jec­to de in­fra-es­tru­tu­ras in­te­gra­das na re­ser­va fun­diá­ria das Ma­bu­bas, na pro­vín­cia do Ben­go; pro­jec­to de in­fra-es­tru­tu­ras in­te­gra­das na re­ser­va fun­diá­ria Ben­gue­la Sul, na pro­vín­cia de Ben­gue­la; pro­jec­to de in­fra-es­tru­tu­ras in­te­gra­das na re­ser­va fun­diá­ria do Mun­go, na pro­vín­cia do Hu­am­bo; pro­jec­to de in­fra-es­tru­tu­ras in­te­gra­das

na re­ser­va fun­diá­ria do Mis­som­bo, na pro­vín­cia do Cu­an­do Cu­ban­go; pro­jec­to de in­fra-es­tru­tu­ras in­te­gra­das na re­ser­va fun­diá­ria do Chi­ta­to, na pro­vín­cia da Lun­da Nor­te.

Jor­nal de An­go­la - Que ele­men­tos in­dis­pen­sá­veis de ava­li­a­ção po­de ci­tar em re­la­ção ao grau de exe­cu­ção do pro­jec­to de re­qua­li­fi­ca­ção em Lu­an­da?

Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to - No ca­so de Lu­an­da, fo­ram re­a­li­za­das vá­ri­as ac­ções que le­va­ram à re­qua­li­fi­ca­ção dos bair­ros Cas­sen­da, Már­ti­res de Ki­fan­gon­do, Bês e Cês, Lar do Pa­tri­o­ta, Ben­fi­ca, Mor­ro Ben­to, Vi­a­na se­de e ou­tros. To­dos es­tes bair­ros fo­ram do­ta­dos de re­des de abas­te­ci­men­to de água, dre­na­gem e elec­tri­ci­da­de, in­cluin­do ilu­mi­na­ção pú­bli­ca, re­de viá­ria pa­vi­men­ta­da e pas­sei­os re­qua­li­fi­ca­dos. De­cor­rem ain­da tra­ba­lhos pa­ra se re­qua­li­fi­car ou­tros bair­ros, co­mo são o ca­so do Bair­ro Po­pu­lar, Ter­ra No­va, Ran­gel, Fu­tun­go de Be­las. Nes­te se­gui­men­to, es­tão em cur­so dois gran­des pro­jec­tos de re­qua­li­fi­ca­ção ur­ba­na, no­me­a­da­men­te Ca­zen­ga e Sam­bi­zan­ga, cu­ja in­ter­ven­ção se cen­tra nu­ma área de cer­ca de 90 hec­ta­res que tem as in­fra-es­tru­tu­ras con­cluí­das e par­te das ha­bi­ta­ções pre­vis­tas de um to­tal de 2.770 ha­bi­ta­ções no Ca­zen­ga (1ª fa­se) e 1.268 ha­bi­ta­ções no Sam­bi­zan­ga (1ª fa­se). Nes­tas ur­ba­ni­za­ções, já fo­ram cons­truí­dos al­guns

equi­pa­men­tos so­ci­ais, com des­ta­que pa­ra o SIAC e es­co­las pri­má­ri­as e se­cun­dá­ri­as.

Jor­nal de An­go­la - A ava­li­a­ção é po­si­ti­va a ní­vel na­ci­o­nal?

Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to - Pa­ra a ava­li­a­ção glo­bal, con­tri­bui ain­da a exe­cu­ção de al­guns es­tu­dos e pro­jec­tos de pla­nos ur­ba­nís­ti­cos e de in­fra­es­tru­tu­ras in­te­gra­das, ten­do nes­te ca­pí­tu­lo si­do cum­pri­das as me­tas e ob­jec­ti­vos pre­co­ni­za­dos. A ava­li­a­ção é po­si­ti­va, vis­to que to­das as pro­vín­ci­as fo­ram con­tem­pla­das. No ca­so de Lu­an­da, tam­bém fo­ram ela­bo­ra­dos es­tu­dos e pro­jec­tos pa­ra a re­con­ver­são ur­ba­na de gran­de par­te dos bair­ros, po­den­do ci­tar, co­mo exem­plos, os bair­ros Ran­gel, Pren­da, Ca­tam­bor, Mar­çal, Vi­la Ali­ce, Pa­lan­ca, Mor­ro Ben­to, Bair­ro Mi­li­tar, Ki­lam­ba Ki­a­xi, Ca­cu­a­co e Ben­fi­ca.

Jor­nal de An­go­la - A cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra que se vi­ve no mun­do, que é re­sul­tan­te do bai­xo pre­ço do pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, afec­tou tam­bém An­go­la, que tem no pe­tró­leo a sua prin­ci­pal fon­te de re­cei­tas pa­ra o OGE. O Exe­cu­ti­vo não re­fre­ou o grau de exe­cu­ção do Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção?

Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to - In­fe­liz­men­te, a cri­se fi­nan­cei­ra, de­ri­va­da da re­du­ção do pre­ço do pe­tró­leo, afec­tou o grau de exe­cu­ção do Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção.

Jor­nal de An­go­la - O de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no sus­ten­tá­vel de­ve es­tar ade­qua­do à re­a­li­da­de so­ci­al e eco­nó­mi­ca de ca­da país ou se de­fen­de um úni­co pa­ra­dig­ma?

Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to - O de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no sus­ten­tá­vel tra­duz-se na con­ci­li­a­ção en­tre a ne­ces­si­da­de de au­men­tar a pro­du­ção e a pro­du­ti­vi­da­de dos fac­to­res e a pre­o­cu­pa­ção de man­ter sal­va­guar­da­das as con­di­ções de per­pe­tui­da­de e de re­ge­ne­ra­ção das ba­ses da vi­da (a água, o so­lo, o ar, a flo­ra e a fau­na), na ló­gi­ca de so­li­da­ri­e­da­de in­ter-ge­ra­ci­o­nal - as ac­tu­ais ge­ra­ções pre­o­cu­pa­rem-se com a qua­li­da­de de vi­da das fu­tu­ras ge­ra­ções. O de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel co­lo­ca o ho­mem no cen­tro das aten­ções e as su­as ne­ces­si­da­des so­ci­o­e­co­nó­mi­cas va­ri­am de ca­so pa­ra ca­so, de co­mu­ni­da­de pa­ra co­mu­ni­da­de e de so­ci­e­da­de pa­ra so­ci­e­da­de. De­ve aten­der, em pri­mei­ro lu­gar, à ca­pa­ci­da­de de car­ga de ca­da aglo­me­ra­do (den­si­da­de, re­si­li­ên­cia, par­ti­ci­pa­ção, go­ver­na­ção), que, por ar­ras­ta­men­to, de­ve be­ne­fi­ci­ar a sua po­pu­la­ção de mo­do equi­li­bra­do. Os aglo­me­ra­dos ur­ba­nos de­vem ser con­ce­bi­dos pa­ra de­sem­pe­nha­rem fun­ções es­tru­tu­ran­tes e a sua es­tra­té­gia de ges­tão de­ve per­mi­tir a ma­te­ri­a­li­za­ção das mes­mas.

Jor­nal de An­go­la - O Exe­cu­ti­vo tem al­gu­ma es­tra­té­gia de re­ver­são da mi­gra­ção do cam­po pa­ra a ci­da­de por via do in­ves­ti­men­to em no­vas cen­tra­li­da­des no in­te­ri­or do país?

Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to - Um dos sub­com­po­nen­tes do Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção é a cons­tru­ção de al­dei­as ru­rais au­to­sus­ten­ta­das, que, as­so­ci­a­das aos pro­gra­mas dos ou­tros sec­to­res vo­ca­ci­o­na­dos à me­lho­ria de con­di­ções no meio ru­ral, co­mo o pro­gra­ma da Mu­lher Ru­ral, pro­gra­ma de Com­ba­te à Po­bre­za, pro­gra­ma Água pa­ra To­dos, en­tre ou­tros, vão con­tri­buir pa­ra a fi­xa­ção das pes­so­as no meio ru­ral.

Jor­nal de An­go­la - Mathi­as Spa­li­vi­e­ro, fun­ci­o­ná­rio sé­ni­or pa­ra os As­sen­ta­men­tos Hu­ma­nos do es­cri­tó­rio re­gi­o­nal pa­ra Áfri­ca da ONU-Ha­bi­tat, de­cla­rou, nu­ma en­tre­vis­ta ao Jor­nal de An­go­la, que o pro­jec­to pa­ra a cons­tru­ção de um mi­lhão de ca­sas, lan­ça­do em 2008 pe­lo Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, ser­viu de exem­plo pa­ra mui­tos paí­ses afri­ca­nos, mas tam­bém de­fen­deu que o Go­ver­no de­ve ava­li­ar já o que fez até ho­je, ten­do em con­ta a ne­ces­si­da­de da re­cu­pe­ra­ção do fi­nan­ci­a­men­to pa­ra a cons­tru­ção de mais mo­ra­di­as. Gos­ta­ria de ou­vir o seu co­men­tá­rio.

Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to - O Exe­cu­ti­vo angolano, atra­vés do Pla­no Na­ci­o­nal de Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção, lan­ça­do, em 2008, pe­lo Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, fez um gran­de es­for­ço com a cons­tru­ção de ha­bi­ta­ções e res­pec­ti­vas in­fra-es­tru­tu­ras. As no­vas ur­ba­ni­za­ções e cen­tra­li­da­des em vá­ri­as pro­vín­ci­as do país, al­gu­mas das quais já con­cluí­das e ha­bi­ta­das, per­mi­ti­ram a re­a­li­za­ção do so­nho da ca­sa pró­pria pa­ra mui­tas fa­mí­li­as an­go­la­nas. Uma ava­li­a­ção do que já foi fei­to é im­por­tan­te, por per­mi­tir iden­ti­fi­car os pon­tos fra­cos e for­tes da me­to­do­lo­gia até ago­ra uti­li­za­da. Co­mo ain­da há mui­to a ser fei­to, é im­por­tan­te a re­cu­pe­ra­ção de par­te do ca­pi­tal in­ves­ti­do. A for­ma de fi­nan­ci­a­men­to de pro­jec­tos fu­tu­ros e o pa­pel do Es­ta­do, do sector pri­va­do e da ban­ca têm que ser re­pen­sa­dos.

Nes­te con­tex­to, o pa­pel do Es­ta­do é o de cri­ar con­di­ções ma­cro­e­co­nó­mi­cas fa­vo­rá­veis pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do sector, o sector pri­va­do for­ne­ce­dor de ser­vi­ços na ca­deia de va­lor dum pro­jec­to imo­bi­liá­rio e o sis­te­ma fi­nan­cei­ro dis­po­ni­bi­li­zar pro­du­tos fi­nan­cei­ros pa­ra a ha­bi­ta­ção. As co­o­pe­ra­ti­vas ha­bi­ta­ci­o­nais tam­bém são um veí­cu­lo im­por­tan­te pa­ra o aces­so das fa­mí­li­as à ha­bi­ta­ção e é uma for­ma de os be­ne­fi­ciá­ri­os par­ti­ci­pa­rem na re­so­lu­ção do seu pro­ble­ma. Ou­tra ques­tão, mui­to im­por­tan­te, é a re­gu­la­ri­za­ção ju­rí­di­ca dos imó­veis, con­di­ção pa­ra o aces­so ao cré­di­to e ga­ran­te da se­gu­ran­ça no pro­ces­so de tran­sac­ção dum imó­vel.

Jor­nal de An­go­la - A ONU-Ha­bi­tat de­se­ja abrir em An­go­la um es­cri­tó­rio sub-re­gi­o­nal pa­ra os paí­ses lu­só­fo­nos, um as­sun­to que acre­di­to ter si­do abor­da­do na au­di­ên­cia

que a se­nho­ra ministra con­ce­deu a Mathi­as Spa­li­vi­e­ro, na vi­si­ta que fez re­cen­te­men­te a An­go­la. Qual é a po­si­ção ofi­ci­al de An­go­la e que ga­nhos po­de ob­ter se al­ber­gar um es­cri­tó­rio sub-re­gi­o­nal pa­ra os paí­ses lu­só­fo­nos?

Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to - An­go­la pos­sui uma po­si­ção ge­o­grá­fi­ca cen­tral em re­la­ção à lu­so­fo­nia, o que re­pre­sen­ta uma pon­te en­tre o Bra­sil e Mo­çam­bi­que, além da fa­ci­li­da­de de co­ne­xão com São To­mé e Ca­bo Ver­de. Com ex­cep­ção da Gui­né-Bissau e Ti­mor Les­te, An­go­la tem vo­os directos pa­ra to­dos os paí­ses lu­só­fo­nos do mun­do. An­go­la faz par­te do ac­tu­al Con­se­lho de Go­ver­na­ção do UN-Ha­bi­tat e tam­bém do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das, o que de­mons­tra o de­se­jo de as­su­mir as res­pon­sa­bi­li­da­des que o seu pro­ta­go­nis­mo na­tu­ral já lhe re­ser­va. Por­tan­to, con­so­li­da a po­si­ção de li­de­ran­ça re­gi­o­nal no que diz res­pei­to às ques­tões da ur­ba­ni­za­ção e ha­bi­ta­ção.

Jor­nal de An­go­la - Co­mo es­tá a de­cor­rer a pre­pa­ra­ção de An­go­la pa­ra a ter­cei­ra con­fe­rên­cia da ONU so­bre Ha­bi­ta­ção e De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no Sus­ten­tá­vel, que vai de­cor­rer, de 17 a 20 de Ou­tu­bro, na ci­da­de de Qui­to, ca­pi­tal do Equa­dor?

As no­vas ur­ba­ni­za­ções e cen­tra­li­da­des em vá­ri­as pro­vín­ci­as do país per­mi­ti­ram a re­a­li­za­ção do so­nho de ca­sa pró­pria pa­ra mui­tas fa­mí­li­as an­go­la­nas

Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to - A con­fe­rên­cia de­cor­re de vin­te em vin­te anos e a pri­mei­ra te­ve lu­gar em Van­cou­ver, no Ca­na­dá, em 1976 (Ha­bi­tat I)e a se­gun­da, em Is­tam­bul, na Tur­quia, em 1996, (Ha­bi­tat II). A pre­pa­ra­ção de An­go­la pa­ra a ter­cei­ra con­fe­rên­cia é um pro­ces­so que já de­cor­re há al­gum tempo e in­cluiu vá­ri­os ti­pos de ac­ti­vi­da­des, que vão des­de a cons­ti­tui­ção da Co­mis­são Na­ci­o­nal do Ha­bi­tat, que te­ve co­mo mis­são a ela­bo­ra­ção do re­la­tó­rio de ba­lan­ço do Ha­bi­tat II, à par­ti­ci­pa­ção nos even­tos in­ter­na­ci­o­nais, pa­ra a dis­cus­são e adop­ção da po­si­ção co­mum afri­ca­na em re­la­ção à No­va Agen­da Ur­ba­na. A re­a­li­za­ção de even­tos na­ci­o­nais, co­mo o Fó­rum Ur­ba­no pa­ra a par­ti­lha com a so­ci­e­da­de do “draft ze­ro” da No­va Agen­da Ur­ba­na e a co­me­mo­ra­ção do Dia In­ter­na­ci­o­nal do Ha­bi­tat, en­qua­dra­da nas ac­ti­vi­da­des do Ou­tu­bro Ur­ba­no 2016. An­go­la far-se-á re­pre­sen­tar por uma de­le­ga­ção mul­tis­sec­to­ri­al e re­pre­sen­tan­tes da so­ci­e­da­de ci­vil. Par­ti­ci­pa­rá na ex­po­si­ção, on­de to­dos os paí­ses mem­bros da ONU vão dar a co­nhe­cer ao mun­do os pro­gres­sos fei­tos des­de Ha­bi­tat II.

SAN­TOS PEDRO

Ministra do Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção de­fen­de po­lí­ti­cas de fo­men­to de co­o­pe­ra­ti­vas e o en­vol­vi­men­to da ban­ca no imo­bi­liá­rio

DO­MIN­GOS CA­DÊN­CIA

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.