Um mun­do mul­ti­po­lar

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ALE­XAN­DRE SIL­VA LAURINDO SIL­VA MAR­GA­RI­DA JOÃO

Em­bo­ra te­nha vi­ra­do gran­de par­te da sua in­ter­ven­ção pa­ra ques­tões in­ter­nas, co­mo era na­tu­ral e ex­pec­tá­vel, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, não dei­xou de fa­zer abor­da­gens que se im­põem qu­an­do se tra­ta dos es­for­ços de to­dos os Es­ta­dos pa­ra a bus­ca, pre­ser­va­ção da paz e se­gu­ran­ça in­ter­na­ci­o­nais. Afi­nal, são nu­me­ro­sas as res­pon­sa­bi­li­da­des de An­go­la na re­gião e no mun­do, nu­ma al­tu­ra em que, mo­des­ta­men­te, o país pre­ten­de tam­bém jo­gar o seu pa­pel em obe­di­ên­cia à sua Cons­ti­tui­ção, Car­tas e Tra­ta­dos in­ter­na­ci­o­nais. Co­mo dis­se o Mais Alto Ma­gis­tra­do da Na­ção “te­mos de es­tu­dar com mai­or aten­ção e pro­fun­di­da­de os fe­nó­me­nos que acon­te­cem no pla­no in­ter­na­ci­o­nal pa­ra com­pre­en­der me­lhor o mun­do em que es­ta­mos e sa­ber pro­te­ger os nos­sos in­te­res­ses.”

A in­ter­ven­ção do Che­fe de Es­ta­do, re­la­ti­va­men­te ao pla­no ex­ter­no, faz to­do o sen­ti­do por­que, en­tre ou­tras ra­zões, An­go­la pre­si­de à Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre a Re­gião dos Gran­des La­gos (CIRGL), é vi­ce-pre­si­den­te do Ór­gão de Po­lí­ti­ca, De­fe­sa e Se­gu­ran­ça da SADC, cu­ja Troi­ka des­lo­cou­se re­cen­te­men­te à Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC).

Os de­sa­fi­os re­gi­o­nais na bus­ca da paz e es­ta­bi­li­da­de obri­gam a que o nos­so Es­ta­do te­nha o en­ga­ja­men­to es­pe­ra­do pa­ra que, na com­pa­nhia dos ou­tros Es­ta­dos, sai­ba dar res­pos­tas efi­ca­zes e du­ra­dou­ras aos pro­ble­mas. Não po­de­mos per­der de vis­ta que An­go­la é ain­da, até ao fi­nal do ano, mem­bro Não Per­ma­nen­te do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU, atri­bui­ção que au­men­ta as su­as res­pon­sa­bi­li­da­des no pa­no­ra­ma in­ter­na­ci­o­nal. Jun­to da­que­la im­por­tan­te tri­bu­na, pas­sam os prin­ci­pais “dos­si­ers” so­bre a paz e se­gu­ran­ça em mui­tas par­tes do mun­do, nu­ma al­tu­ra em que a com­pre­en­são dos fe­nó­me­nos in­ter­na­ci­o­nais, a pro­mo­ção de uma agen­da mul­ti­la­te­ral na bus­ca da paz e da es­ta­bi­li­da­de cons­ti­tu­em fer­ra­men­tas ca­pa­zes de pro­por­ci­o­nar mai­or sus­ten­ta­bi­li­da­de às ini­ci­a­ti­vas nes­te sen­ti­do. Tal co­mo pro­va a His­tó­ria re­cen­te e ac­tu­al do mun­do, o uso do uni­la­te­ra­lis­mo co­mo for­ma de re­sol­ver di­fe­ren­dos con­tri­buiu e con­ti­nua a con­tri­buir me­nos pa­ra so­lu­ções du­ra­dou­ras.

Vi­ve­mos num mun­do con­tur­ba­do por cri­ses po­lí­ti­cas, mi­li­ta­res, cons­ti­tu­ci­o­nais e de ou­tras di­men­sões, en­vol­ven­do Es­ta­dos en­tre si e, mui­tas ve­zes, aque­les com or­ga­ni­za­ções in­fra-es­ta­tais. Es­ta si­tu­a­ção, em que Es­ta­dos so­be­ra­nos são ame­a­ça­dos por en­tes que pro­cu­ram cri­ar “es­ta­dos den­tro dos Es­ta­dos”, tem si­do uma es­pé­cie de pa­ra­dig­ma dos no­vos con­fli­tos po­lí­ti­cos e mi­li­ta­res em to­do o mun­do. E, não ra­ras ve­zes, fo­men­ta­do por po­tên­ci­as mun­di­ais e re­gi­o­nais que, na ape­tên­cia pe­la con­quis­ta e ma­nu­ten­ção do “seu es­pa­ço vi­tal”, aca­bam por fo­men­tar mais ins­ta­bi­li­da­de e pôr com­ple­ta­men­te em cau­sa a paz e se­gu­ran­ça in­ter­na­ci­o­nais.

O Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos não dei­xou de re­for­çar que os Es­ta­dos mem­bros da União Afri­ca­na de­vem man­ter os prin­cí­pi­os constantes da Car­ta e de­mais re­gu­la­men­tos que pri­vi­le­gi­am me­ca­nis­mos de­mo­crá­ti­cos e le­gais pa­ra a to­ma­da, exer­cí­cio e ma­nu­ten­ção do po­der po­lí­ti­co em Áfri­ca.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca “dei­xou re­ca­do” pa­ra a or­ga­ni­za­ção con­ti­nen­tal, de­fen­den­do a con­tí­nua pro­mo­ção e de­fe­sa dos pro­ces­sos po­lí­ti­cos de­mo­crá­ti­cos, bem co­mo o acom­pa­nha­men­to e fis­ca­li­za­ção dos mes­mos. Não se tra­ta de imis­cuir-se nos pro­ces­sos in­ter­nos dos Es­ta­dos, mas pre­ve­nir que uma si­tu­a­ção, à par­ti­da in­ter­na, aca­be por res­va­lar pa­ra um pro­ble­ma re­gi­o­nal, tal co­mo te­mos nu­me­ro­sos exem­plos em Áfri­ca. Faz to­do o sen­ti­do uma es­pé­cie de agen­da afri­ca­na ou um ro­tei­ro da de­mo­cra­cia co­mo for­ma de le­var os Es­ta­dos mem­bros da União Afri­ca­na a fa­ze­rem uma boa ges­tão dos “sin­to­mas” que de­ge­ne­ram em con­fli­tu­a­li­da­de de di­men­são além Es­ta­do.

São opor­tu­nas e sen­sa­tas as pa­la­vras do Mais Alto Ma­gis­tra­do da Na­ção, se­gun­do as quais “um mun­do mais se­gu­ro só po­de ser ar­qui­tec­ta­do na ba­se do diá­lo­go e do en­ten­di­men­to (...) e uma neu­tra­li­da­de mais ac­ti­va por par­te das Na­ções Uni­das”.

O mun­do ten­de pa­ra o mul­ti­la­te­ra­lis­mo a to­dos os ní­veis, ra­zão pe­la qual de­vem ser abra­ça­dos to­dos os es­for­ços pa­ra a bus­ca de so­lu­ções de paz e re­so­lu­ção de con­fli­tos ba­se­a­dos no con­sen­so alar­ga­do en­tre os Es­ta­dos.

Show fatal

Ben­gue­la acor­dou tris­te de­vi­do às mor­tes ocor­ri­das no sá­ba­do num es­pec­tá­cu­lo mu­si­cal pro­mo­vi­do pe­la LS Re­pu­bli­ca­no no Es­tá­dio do Na­ci­o­nal, di­zia a man­che­te da Rá­dio Mo­re­na, emis­so­ra lo­cal na­que­la pro­vín­cia. Tra­ta­va-se da des­cri­ção do fa­tí­di­co show em que per­de­ram a vi­da se­te pes­so­as, de acor­do com re­la­tos da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, num re­cin­to pe­que­no que não su­por­tou a en­chen­te que ade­riu ao even­to mu­si­cal.

De acor­do com uma das tes­te­mu­nhas, ou­vi­das pe­la emis­so­ra, “o lo­cal, on­de se re­a­li­zou o show, não su­por­tou a en­chen­te, as pes­so­as fo­ram sen­do atro­pe­la­das por ou­tras. O in­ci­den­te acon­te­ceu no fi­nal do show, qu­an­do as pes­so­as re­gres­sa­vam a ca­sa”. Em mi­nha opi­nião, além da res­pon­sa­bi­li­za­ção cri­mi­nal ou ci­vil, as au­to­ri­da­des pro­vin­ci­ais de­vem ser mais rí­gi­das qu­an­do se tra­ta de even­tos com gran­de ade­são do pú­bli­co. Há re­cin­tos ina­de­qua­dos pa­ra re­ce­ber gran­de con­cen­tra­ção de pes­so­as e os or­ga­ni­za­do­res de­vem sem­pre ava­li­ar as ques­tões de se­gu­ran­ça a to­dos os ní­veis. É la­men­tá­vel que, vol­ta e meia, a so­ci­e­da­de ou­ça as mes­mas des­cul­pas se­gun­do as quais “não se pre­via uma ade­são gran­de”. Qu­an­do não exis­tem con­di­ções pa­ra a re­a­li­za­ção de um es­pec­tá­cu­lo que en­vol­va uma gran­de mol­du­ra hu­ma­na não se po­dem mi­ni­mi­zar as ques­tões de se­gu­ran­ça por­que, co­mo sa­be­mos, gran­de par­te do ónus re­cai sem­pre pa­ra qu­em re­a­li­za ou pro­mo­ve o es­pec­tá­cu­lo.

As ins­ti­tui­ções que emi­tem as re­fe­ri­das li­cen­ças pa­ra a re­a­li­za­ção dos es­pec­tá­cu­los de­vi­am ser mais ri­go­ro­sas no pro­ces­so de ins­pec­ção.

Al­fai­a­tes e sa­pa­tei­ros

Te­nho no­ta­do que são pou­cos os jo­vens, pe­lo me­nos no meu bair­ro, que gos­tam da pro­fis­são de al­fai­a­te ou de sa­pa­tei­ro. An­ti­ga­men­te, se qui­sés­se­mos man­dar fa­zer uma cal­ça ou re­men­dar um sa­pa­to tí­nha­mos nos nos­sos bair­ros mui­tos al­fai­a­tes e sa­pa­tei­ros. Não per­ce­bo a ra­zão por que os jo­vens ho­je não que­rem exer­cer aque­las pro­fis­sões, so­bre­tu­do ago­ra que há mui­to de­sem­pre­go. Era bom que hou­ves­se jo­vens a apren­der aque­las pro­fis­sões, até por­que há mui­ta pro­cu­ra dos ser­vi­ços de al­fai­a­te e sa­pa­tei­ro.

Pa­ga­men­to de sa­lá­ri­os

Há em­pre­sas públicas que se atra­sam cons­tan­te­men­te no pa­ga­men­to dos sa­lá­ri­os dos tra­ba­lha­do­res, cau­san­do mui­tos trans­tor­nos a mui­tas fa­mí­li­as. Pen­so que os de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais que su­pe­rin­ten­dem as em­pre­sas públicas com sa­lá­ri­os em atra­so de­vem aju­dar a re­sol­ver ra­pi­da­men­te es­te pro­ble­ma.

Um ges­tor pú­bli­co de­ve es­for­çar­se pa­ra que os tra­ba­lha­do­res da em­pre­sa que di­ri­ge te­nham sem­pre os seus sa­lá­ri­os no fi­nal de ca­da mês. Há tra­ba­lha­do­res que têm de con­trair dí­vi­das pa­ra sus­ten­tar as su­as fa­mí­li­as, por atra­sos no pa­ga­men­to de sa­lá­ri­os em em­pre­sas públicas. Nin­guém gos­ta de vi­ver en­di­vi­da­do per­ma­nen­te­men­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.