Apro­va­da re­so­lu­ção po­lé­mi­ca so­bre a ci­da­de de Je­ru­sa­lém

Jornal de Angola - - OPINIÃO - CHARLOTTE PLANTIVE |

Ape­sar da in­dig­na­ção is­ra­e­li­ta, a Unes­co adop­tou for­mal­men­te on­tem uma re­so­lu­ção so­bre Je­ru­sa­lém Ori­en­tal pro­mo­vi­da por paí­ses ára­bes em no­me da pro­tec­ção do pa­tri­mó­nio cul­tu­ral pa­les­ti­ni­a­no que, se­gun­do Is­ra­el, ne­ga o vín­cu­lo mi­le­nar en­tre os ju­deus e a ci­da­de.

O tex­to, pro­pos­to pe­la Ar­gé­lia, Egip­to, Lí­ba­no, Mar­ro­cos, Omã, Qa­tar e Su­dão, foi exa­mi­na­do pe­los 58 mem­bros do Con­se­lho Exe­cu­ti­vo da or­ga­ni­za­ção pa­ra a educação, ci­ên­cia e cul­tu­ra da ONU, na sua se­de em Pa­ris.

A sua adop­ção, na se­ma­na pas­sa­da, nu­ma pri­mei­ra vo­ta­ção em co­mis­são (24 vo­tos a fa­vor, seis con­tra, 28 abs­ten­ções) pro­vo­cou in­dig­na­ção em Is­ra­el on­de o seu go­ver­no anun­ci­ou ime­di­a­ta­men­te a sus­pen­são da sua co­o­pe­ra­ção com a Unes­co, em si­nal de pro­tes­to.

On­tem, ne­nhum dos Es­ta­dos mem­bros do Con­se­lho, reu­ni­dos em assembleia ple­ná­ria, pe­diu a re­a­ber­tu­ra do de­ba­te e o tex­to foi con­fir­ma­do sem a ne­ces­si­da­de de uma no­va vo­ta­ção, ex­pli­cou um por­ta-voz da Unes­co.

Os pa­les­ti­ni­a­nos co­me­mo­ra­ram es­te re­sul­ta­do. “A re­so­lu­ção lem­bra a Is­ra­el que é a po­tên­cia ocu­pan­te em Je­ru­sa­lém Ori­en­tal e pe­de que pa­re com os abu­sos”, de­cla­rou à im­pren­sa o em­bai­xa­dor ad­jun­to pa­les­ti­ni­a­no na Unes­co, Mu­nir Anas­tas.

“Não é um bom lu­gar pa­ra re­sol­ver os pro­ble­mas en­tre paí­ses ou po­vos”, res­pon­deu o em­bai­xa­dor de Is­ra­el na Unes­co, Car­mel Sha­ma Cohen, opi­nan­do que es­ta or­ga­ni­za­ção de­ve ser­vir pa­ra cons­truir pon­tes en­tre pa­les­ti­ni­a­nos e is­ra­e­li­tas.

Ques­tão de alta sensibilidade

Je­ru­sa­lém Ori­en­tal é a par­te pa­les­ti­ni­a­na da ci­da­de ocu­pa­da des­de 1967 por Is­ra­el, e ane­xa­da pos­te­ri­or­men­te, lo­cal que os pa­les­ti­ni­a­nos que­rem que se­ja a ca­pi­tal do seu fu­tu­ro Es­ta­do.

A ONU con­si­de­ra ilegal es­ta ane­xa­ção de Je­ru­sa­lém Ori­en­tal, que abri­ga a ve­lha ci­da­de e as su­as mu­ra­lhas, lo­cal ins­cri­to na lis­ta de pa­tri­mó­nio mun­di­al da Unes­co.

É ali, em ple­no co­ra­ção do con­fli­to is­ra­e­lo-pa­les­ti­ni­a­no, que se en­con­tra a ul­tra-sen­sí­vel Es­pla­na­da das Mes­qui­tas, ter­cei­ro lu­gar san­to do Is­lão, mas tam­bém o lo­cal mais sa­gra­do pa­ra os ju­deus, que o cha­mam de Mon­te do Tem­plo.

Em vir­tu­de de uma he­ran­ça his­tó­ri­ca, a Jor­dâ­nia con­ti­nua a ad­mi­nis­trar a Es­pla­na­da, mas Is­ra­el con­tro­la os seus aces­sos. Em­bo­ra a re­so­lu­ção “afir­me a im­por­tân­cia da ci­da­de ve­lha de Je­ru­sa­lém pa­ra as três re­li­giões mo­no­teís­tas”, a clas­se po­lí­ti­ca is­ra­e­li­ta fi­cou ofus­ca­da pe­las fra­ses usa­das no tex­to. Ele, efec­ti­va­men­te, não se re­fe­re nun­ca à Es­pla­na­da sob a de­no­mi­na­ção Mon­te do Tem­plo, e de­sig­na em pri­mei­ro lu­gar pe­lo seu no­me ára­be (Al Bu­raq) o átrio do Mu­ro das La­men­ta­ções, co­lo­can­do “Mu­ro das La­men­ta­ções” en­tre as­pas. Pa­ra as au­to­ri­da­des po­lí­ti­cas is­ra­e­li­tas, es­ta ter­mi­no­lo­gia equi­va­le a ne­gar o vín­cu­lo en­tre os ju­deus e o Mon­te do Tem­plo.

“Di­zer que Is­ra­el não tem re­la­ção com o Mon­te do Tem­plo e o Ko­te (Mu­ro das La­men­ta­ções) é co­mo di­zer que os chi­ne­ses não têm re­la­ção com a (gran­de) Mu­ra­lha da Chi­na”, ti­nha de­nun­ci­a­do o pri­mei­ro-mi­nis­tro Ben­ja­min Ne­tanyahu na se­ma­na pas­sa­da.

Ame­a­ça de mor­te?

A di­rec­to­ra-ge­ral da Unes­co, Iri­na Bo­ko­va, ha­via ex­pres­sa­do, por sua vez, re­ser­vas an­te a re­so­lu­ção: “o pa­tri­mó­nio de Je­ru­sa­lém é in­di­vi­sí­vel, e ca­da uma das su­as co­mu­ni­da­des tem o di­rei­to de re­co­nhe­ci­men­to ex­plí­ci­to da sua his­tó­ria e do seu vín­cu­lo com a ci­da­de”.

Após es­te co­mu­ni­ca­do, Bo­ko­va te­ria si­do ame­a­ça­da de mor­te, afir­mou na se­gun­da-fei­ra o em­bai­xa­dor is­ra­e­li­ta an­te a Unes­co, al­go que os ser­vi­ços da di­rec­to­ra-ge­ral não con­fir­ma­ram nem des­men­ti­ram.

O con­fli­to is­ra­e­lo-pa­les­ti­ni­a­no cos­tu­ma gi­rar fre­quen­te­men­te em tor­no da Unes­co. Qu­an­do a Pa­les­ti­na foi ad­mi­ti­da na or­ga­ni­za­ção, em Ou­tu­bro de 2011, Is­ra­el e Es­ta­dos Uni­dos dei­xa­ram de pa­gar a sua con­tri­bui­ção fi­nan­cei­ra.

REUTERS

Je­ru­sa­lém es­tá no cen­tro de mais uma po­lé­mi­ca que di­vi­de is­ra­e­li­tas e pa­les­ti­ni­a­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.