Jo­vens bus­cam sus­ten­to no tra­ta­men­to das unhas

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - VICTÓRIA QUINTAS |

A bus­ca de mei­os pa­ra ga­ran­tir o sus­ten­to fa­mi­li­ar e in­di­vi­du­al tem le­va­do mui­tos jo­vens às ru­as da ci­da­de do Hu­am­bo a pres­tar ser­vi­ços de “ma­ni­cu­re”e “pe­di­cu­re” nos prin­ci­pais pon­tos da ur­be, cons­ta­tou on­tem a re­por­ta­gem do

Nu­ma ron­da efec­tu­a­do pe­la ci­da­de apu­rou-se que os lo­cais pró­xi­mos das ins­ti­tui­ções públicas, co­mo a Jar­dim da Cul­tu­ra, na par­te alta da ci­da­de, bair­ro Aca­dé­mi­co e ci­da­de bai­xa têm si­do os pre­fe­ri­dos pa­ra o exer­cí­cio de “ma­ni­cu­re”. Os jo­vens, dis­tri­buí­dos em gru­po de cin­co ou se­te em ca­da pon­to, tra­tam, pin­tam e apli­cam unhas a mu­lhe­res e ho­mens que so­li­ci­tam os seus ser­vi­ços.

Num pon­to pró­xi­mo do Jar­dim da Cul­tu­ra, a re­por­ta­gem do Jor­nal de An­go­la abor­dou o jo­vem João Bap­tis­ta, 26 anos, que exer­ce a ac­ti­vi­da­de des­de 2008. Pa­ra ele, o que faz não dá mui­to lu­cro, mas o pou­co que con­se­gue pro­cu­ra ge­rir da me­lhor for­ma pos­sí­vel e co­brir al­gu­mas des­pe­sas.

Por dia, dis­se, o nú­me­ro de cli­en­tes que so­li­ci­tam os seus ser­vi­ços não pas­sa de três a cin­co pes­so­as, mas en­quan­to não en­con­tra um tra­ba­lho me­lhor pre­fe­re con­ti­nu­ar a exer­cer a ac­ti­vi­da­de de “ma­ni­cu­re”.

“Te­mos re­ce­bi­do cli­en­tes de am­bos os se­xos, prin­ci­pal­men­te mu­lhe­res. Só na pin­tu­ra das unhas co­bra­mos 500 kwan­zas por pes­soa, en­quan­to a apli­ca­ção e ma­nu­ten­ção ron­da 1.000 e 1.500 kwan­zas”, dis­se.Ques­ti­o­na­do so­bre o ris­co de trans­mis­são de do­en­ças que os cli­en­tes pos­sam vir a con­trair, o jo­vem re­co­nhe­ceu os pe­ri­gos, mas dis­se que nor­mal­men­te usam ma­te­ri­al des­car­tá­vel. “Usa­mos uma li­ma pa­ra ca­da cli­en­te que, após o uso, dei­ta­mos fo­ra.”

Pou­cos mei­os

Emí­lio da Sil­va é um dos cli­en­tes que por nor­ma cui­da das unhas no sa­lão, mas na­que­le mo­men­to não te­ve ou­tra saí­da se não re­cor­rer aos ser­vi­ços des­tes pro­fis­si­o­nais am­bu­lan­tes. “Con­si­de­ro sa­tis­fa­tó­rio o tra­ba­lho que de­sen­vol­vem, em­bo­ra dis­po­nham de pou­cos mei­os pa­ra es­te­ri­li­za­ção e se­ca­gem de unhas”. O jo­vem lou­vou o tra­ba­lho exer­ci­do pe­los am­bu­lan­tes, pois é daí que con­se­guem ga­nham o seu di­nhei­ro ho­nes­ta­men­te, sem pre­ci­sar de en­ve­re­dar pe­los maus ca­mi­nhos, ao con­trá­rio da­que­les que são ami­gos do alheio e pas­sam a vi­da a pre­ju­di­car os ou­tros. Emí­lio da Sil­va dis­se que nor­mal­men­te le­va con­si­go o seu ma­te­ri­al, lo­go es­tá lon­ge de con­trair qual­quer do­en­ça, co­mo VIH e ou­tras.

“Fa­ço-me acom­pa­nhar de uma li­ma e cor­ta-unhas por uma ques­tão de se­gu­ran­ça”. Vi­to­ri­no Ci­pri­a­no, “ma­ni­cu­re”, dis­se que com o seu tra­ba­lho con­se­guiu jun­tar di­nhei­ro pa­ra com­prar um ter­re­no e uma mo­to­ri­za­da. o gran­de pro­ble­ma apon­ta­do por ele es­tá re­la­ci­o­na­do com a fal­ta de es­pa­ço pa­ra de­sen­vol­ver da me­lhor for­ma a ac­ti­vi­da­de, por is­so é obri­ga­do a tra­ba­lha­rem ao ar li­vre.

“AAd­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal com­pro­me­teu-se a agru­par-nos num úni­co es­pa­ço e até ao mo­men­to es­ta­mos a es­pe­ra. Va­mos ter fé pa­ra que se con­cre­ti­ze o so­nho pa­ra o bem de to­dos os jo­vens que fa­zem des­taêm nes­ta ac­ti­vi­da­de o sus­ten­to das su­as fa­mí­li­as”. A jo­vem que ape­nas se apre­sen­to por Sandra diz ser a se­gun­da vez que so­li­ci­tou os ser­vi­ços dos "ma­ni­cu­res" am­bu­lan­tes pa­ra cui­dar das unhas, mas su­bli­nhou ter fi­ca­do sa­tis­fei­to pe­lo tra­ba­lho.

Num ou­tro pon­to, tam­bém jun­to do Jar­dim da Cul­tu­ra, ha­via ou­tro gru­po “ma­ni­cu­res”. Au­gus­to Sat­chapwa é um de­les. É pai de fa­mí­lia e é com es­ta pro­fis­são que sus­ten­ta a sua ca­sa. Re­cor­dou que às se­gun­das-fei­ras nor­mal­men­te tem ti­do pou­cos cli­en­tes, que apa­re­cem mais nas quintas e sex­tas-fei­ras.

“Nor­mal­men­te fa­ze­mos o tra­ta­men­to e de­pois de du­as se­ma­nas faz­se ma­nu­ten­ção pa­ra ter as mãos sem­pre im­pe­cá­veis. Pe­la ma­nu­ten­ção co­bra­mos 1.000 kwan­zas e os cli­en­tes mos­tram-se sa­tis­fei­tos.”

Riscos de do­en­ças

A téc­ni­ca de di­ag­nós­ti­co do la­bo­ra­tó­rio do Hos­pi­tal Sa­na­tó­rio do Hu­am­bo, Isa­bel da Sil­va, fa­lou da ne­ces­si­da­de de se cri­a­rem con­di­ções pa­ra es­te­ri­li­zar o ma­te­ri­al de tra­ba­lho uti­li­za­dos nes­ta ac­ti­vi­da­de de “ma­ni­cu­re” pa­ra evi­tar a con­ta­mi­na­ção de do­en­ças, so­bre­tu­do o HIV.

A pro­fis­si­o­nal de Ssaú­de re­fe­riu que, ape­sar de usa­rem li­mas des­car­tá­veis, os pro­fis­si­o­nais tam­bém dis­põem de ali­ca­tes e cor­ta-unhas que, ge­ral­men­te, lim­pam com ál­co­ol, mas es­sa lim­pe­za é su­per­fi­ci­al e não é efi­caz. Isa­bel da Sil­va re­co­nhe­ce que os “ma­ni­cu­res” pre­ci­sam de tra­ba­lhar pa­ra o seu sus­ten­to, por is­so é im­por­tan­te apoiá-los na cri­a­ção de con­di­ções de es­te­ri­li­za­ção pa­ra re­du­zir os riscos de con­ta­mi­na­ção.

JOÃO GO­MES

Um ân­gu­lo da ci­da­de do Hu­am­bo on­de nos úl­ti­mos tem­pos se tem as­sis­ti­do um aglo­me­ra­do de jo­vens que se de­di­cam à ac­ti­vi­da­de de ma­ni­cu­re

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.