Gru­po de paí­ses mais evo­luí­dos

Go­ver­no des­ta­ca pro­gres­sos na re­du­ção do dé­fi­ce ha­bi­ta­ci­o­nal e ga­ran­te mais aces­so à ener­gia eléc­tri­ca e água po­tá­vel

Jornal de Angola - - PARTADA - KUMUÊNHO DA RO­SA |

O Go­ver­no de­fi­niu co­mo me­ta fa­zer com que até 2025 o país fa­ça par­te do Gru­po de Paí­ses de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no Ele­va­do (GPIDE). Es­se objectivo foi anun­ci­a­do na se­gun­da-fei­ra pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, du­ran­te o dis­cur­so so­bre o Es­ta­do da Na­ção, na cerimónia que mar­cou a aber­tu­ra do 5º Ano Le­gis­la­ti­vo.

O Go­ver­no angolano de­fi­niu co­mo me­ta fa­zer com que até 2025 o país fa­ça par­te do Gru­po de Paí­ses de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no Ele­va­do (GPIDE). Es­se objectivo foi anun­ci­a­do na se­gun­da-fei­ra pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, du­ran­te o dis­cur­so so­bre o Es­ta­do da Na­ção.

Na cerimónia que mar­cou a aber­tu­ra do 5º Ano Le­gis­la­ti­vo da III Le­gis­la­tu­ra da Assembleia Na­ci­o­nal, o Che­fe de Es­ta­do angolano ga­ran­tiu que ape­sar do am­bi­en­te eco­nó­mi­co ad­ver­so, de­vi­do à que­da acen­tu­a­da das re­cei­tas pe­tro­lí­fe­ras, o Go­ver­no vai con­ti­nu­ar a ter o com­ba­te à po­bre­za na pri­mei­ra li­nha de pri­o­ri­da­des.

Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos dis­se que mes­mo com o “rit­mo po­si­ti­vo” em que se de­sen­ro­la o com­ba­te à po­bre­za em An­go­la, o Go­ver­no es­pe­ra re­for­çar as me­di­das que vão me­lho­rar o ren­di­men­to per ca­pi­ta e a qua­li­da­de de vi­da dos an­go­la­nos.

“Adop­ta­mos um Pro­gra­ma de For­ma­ção e Re­dis­tri­bui­ção do Ren­di­men­to de mo­do a cri­ar con­di­ções que pos­si­bi­li­tem uma mai­or in­clu­são so­ci­al”, dis­se o Pre­si­den­te, que de­fen­deu a uti­li­za­ção de for­ma “ar­ti­cu­la­da e con­ver­gen­te” dos prin­ci­pais ins­tru­men­tos de po­lí­ti­ca de re­dis­tri­bui­ção do ren­di­men­to, co­mo a po­lí­ti­ca tri­bu­tá­ria e a des­pe­sa pú­bli­ca, de mo­do a ga­ran­tir que se­ja “mais jus­ta a re­par­ti­ção da ri­que­za e do ren­di­men­to e um ní­vel de be­mes­tar mais ele­va­do”. O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca con­si­de­rou a ha­bi­ta­ção uma “área de­ci­si­va” pa­ra o bem-es­tar das po­pu­la­ções, e des­ta­cou os re­sul­ta­dos sa­tis­fa­tó­ri­os do Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção que en­tre 2013 e 2015, be­ne­fi­ci­an­do de uma con­jun­tu­ra or­ça­men­tal mais fa­vo­rá­vel, per­mi­tiu que o Go­ver­no in­ves­tis­se for­te­men­te na cons­tru­ção de no­vas ci­da­des com re­sul­ta­dos po­si­ti­vos na re­du­ção do dé­fi­ce ha­bi­ta­ci­o­nal. Na ac­tu­al con­jun­tu­ra eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra, com a re­du­ção dos re­cur­sos or­ça­men­tais, re­fe­riu o Pre­si­den­te, hou­ve um im­pac­to for­te no pro­gra­ma ha­bi­ta­ci­o­nal, pe­lo que es­tão em cur­so “me­di­das ac­ti­vas de po­lí­ti­ca” que vão per­mi­tir que os pro­jec­tos em cur­so em vá­ri­as pro­vín­ci­as se­jam con­cluí­dos. Sem es­pe­ci­fi­car que me­di­das es­tão a ser to­ma­das, o Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo ga­ran­tiu que es­tá sal­va­guar­da­da a con­ti­nui­da­de dos pro­gra­mas de au­to-cons­tru­ção di­ri­gi­da. Tam­bém re­la­ci­o­na­do com a aten­ção que o Go­ver­no tem da­do ao bem-es­tar das po­pu­la­ções, e ten­do em aten­ção os pro­pó­si­tos em re­la­ção à me­lho­ria do de­sem­pe­nho do país quan­to ao Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca fa­lou dos pro­jec­tos es­tru­tu­ran­tes de in­ves­ti­men­to pú­bli­co, em que se in­clui o au­men­to da ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção da Bar­ra­gem de Cam­bam­be, que pas­sa a ter uma po­tên­cia de 780 me­gawatts, e a de Laú­ca, a ter­mi­nar no pró­xi­mo ano, com uma po­tên­cia de 2 mil e 67 ‘me­gawatts’. Jun­ta-se a es­ses dois pro­jec­tos, a cons­tru­ção da Cen­tral do Ci­clo Com­bi­na­do do Soyo, uti­li­zan­do gás na­tu­ral pa­ra ge­rar uma po­tên­cia de 750 ‘me­gawatts’, que tam­bém en­tra pa­ra as con­tas a par­tir do pró­xi­mo ano, den­tro de um pro­gra­ma de de­sen­vol­vi­men­to que apon­ta pa­ra que até 2025 An­go­la te­nha ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção ins­ta­la­da de no­ve mil Me­gaWatts.

O Che­fe de Es­ta­do sa­li­en­tou os si­nais de cres­ci­men­to do Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no dos an­go­la­nos, nos úl­ti­mos anos, que es­tá ac­tu­al­men­te aci­ma da mé­dia dos paí­ses da Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na. E num tom con­fi­an­te, dis­se es­pe­rar por uma “trans­for­ma­ção da es­tru­tu­ra eco­nó­mi­ca na­ci­o­nal”, ten­do em con­ta o re­fle­xo na vi­da das fa­mí­li­as an­go­la­nas do au­men­to da po­tên­cia eléc­tri­ca, mui­to aci­ma das ne­ces­si­da­des in­ter­nas, da pro­du­ção de água po­tá­vel e o me­lho­ra­men­to do sis­te­ma de Te­le­co­mu­ni­ca­ções e Trans­por­tes.

Os paí­ses com um de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no re­la­ti­va­men­te alto, mas ain­da com de­sa­fi­os a en­fren­tar, so­bre­tu­do a dis­tri­bui­ção da ren­da em fa­ce da ele­va­da pro­du­ção eco­nó­mi­ca, in­te­gram o GPIDE. Nes­te gru­po, que An­go­la es­pe­ra in­te­grar até 2025, fa­zem par­te al­guns paí­ses con­si­de­ra­dos co­mo de­sen­vol­vi­dos e mui­tos dos paí­ses con­si­de­ra­dos emer­gen­tes, com des­ta­que pa­ra o Bra­sil e o Mé­xi­co.

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Um por­me­nor da aber­tu­ra do no­vo Ano Le­gis­la­ti­vo du­ran­te o qual o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca di­ri­giu uma men­sa­gem so­bre o es­ta­do da Na­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.