Fi­nal escaldante do Girabola Zap

1º de Agos­to e Pe­tro de Lu­an­da po­dem de­ci­dir o tí­tu­lo na úl­ti­ma jor­na­da

Jornal de Angola - - PARTADA - HONORATO SIL­VA |

As emo­ções do fu­te­bol mo­bi­li­zam o país des­por­ti­vo pa­ra a rua. O des­por­to rei, do­no de má fa­ma em An­go­la por for­ça dos re­sul­ta­dos mais re­cen­tes dos Pa­lan­cas Ne­gras, vol­ta a ser mo­ti­vo de aca­lo­ra­das dis­cus­sões. O 1º de Agos­to e o Pe­tro de Lu­an­da es­tão na li­de­ran­ça.

As emo­ções do fu­te­bol mo­bi­li­zam o país des­por­ti­vo pa­ra a rua. O des­por­to rei, do­no de má fa­ma em An­go­la por for­ça dos re­sul­ta­dos mais re­cen­tes dos Pa­lan­cas Ne­gras, vol­ta a ser mo­ti­vo de aca­lo­ra­das dis­cus­sões. O 1º de Agos­to e o Pe­tro de Lu­an­da re­cu­pe­ra­ram a con­di­ção de do­mi­na­do­res den­tro do cam­po.

A re­cor­dar os tem­pos áu­re­os dos dois em­ble­mas no Cam­pe­o­na­to Na­ci­o­nal de Fu­te­bol da I Di­vi­são, Girabola, mi­li­ta­res do Rio Se­co e pe­tro­lí­fe­ros do Ei­xo Viá­rio in­ter­rom­pem o do­mí­nio exer­ci­do nos úl­ti­mos se­te anos por In­ter­clu­be (um tí­tu­lo), Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo (qua­tro), Ka­bus­corp do Pa­lan­ca (um) e Re­cre­a­ti­vo da Caá­la (qua­se cam­peão).

Os dois co­los­sos do des­por­to na­ci­o­nal, afas­ta­dos da con­quis­ta do tro­féu da com­pe­ti­ção há dez e se­te anos, res­pec­ti­va­men­te, es­tão no to­po da ta­be­la clas­si­fi­ca­ti­va do Girabola ZAP des­de o ar­ran­que. A equi­pa ru­bra e ne­gra, co­man­da­da pe­lo bós­nio Dra­gan Jo­vic, es­te­ve fo­ra da li­de­ran­ça da ta­be­la clas­si­fi­ca­ti­va do cam­pe­o­na­to ape­nas na pri­mei­ra jor­na­da, que fe­chou com o cam­peão Re­cre­a­ti­vo no to­po, mer­cê do seu me­lhor sal­do de go­los.

Ro­ber­to Bi­an­chi, trei­na­dor es­pa­no-bra­si­lei­ro cu­ja con­tra­ta­ção che­gou a ser con­tes­ta­da, por ter na fo­lha de ser­vi­ço ape­nas pas­sa­gem pe­lo fu­te­bol de for­ma­ção, co­lo­ca os tri­co­lo­res co­mo can­di­da­tos ao tí­tu­lo de cor­po in­tei­ro, em sen­ti­do con­trá­rio ao dis­cur­so cau­te­lo­so as­su­mi­do pe­lo elen­co pre­si­di­do por To­más Fa­ria, no iní­cio da tem­po­ra­da.

A mai­or dis­tân­cia en­tre as equi­pas foi sem­pre ci­fra­da em oi­to pon­tos, na 11ª, 15ª e 19ª jor­na­das. A apro­xi­ma­ção do Pe­tro de Lu­an­da tor­nou­se efec­ti­va a par­tir da 20ª ron­da, qu­an­do o 1º de Agos­to per­deu (0-1) fren­te ao Pro­gres­so da Lun­da Sul, na ci­da­de de Sau­ri­mo, e em­pa­tou (0-0) na des­lo­ca­ção ao reduto do Li­bo­lo, pa­ra a 22ª jor­na­da, e (1-1) em ca­sa do Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, na se­ma­na ime­di­a­ta­men­te a se­guir.

Em pe­río­do aná­lo­go, os pe­tro­lí­fe­ros em­pa­ta­ram (1-1) na vi­si­ta ao Re­cre­a­ti­vo do Li­bo­lo e ven­ce­ram o Por­ce­la­na FC (1-0), em Nda­la­tan­do, e o Des­por­ti­vo da Huí­la (2-0), em ca­sa, per­fa­zen­do um apro­vei­ta­men­to de se­te pon­tos em no­ve pos­sí­veis, fac­to que le­vou os seus fer­vo­ro­sos adep­tos a tra­zer de vol­ta a can­ção eter­ni­za­da por Di­o­ní­sio Ro­cha: “na ho­ra da ver­da­de/nin­guém se­gu­ra o Pe­tro/com to­da a sin­ce­ri­da­de/nin­guém se­gu­ra o Pe­tro...”, tu­do por­que o 1º de Agos­to pas­sou a es­tar a es­cas­sos três pon­tos.

Na pri­mei­ra vol­ta, por al­tu­ra do clás­si­co dos clás­si­cos dis­pu­ta­do na 15ª jor­na­da, as equi­pas es­ta­vam se­pa­ra­das por cin­co pon­tos.

O 1º de Agos­to ocu­pa­va a li­de­ran­ça com 32 e o Pe­tro o ter­cei­ro lu­gar, 27, números que dei­tam por ter­ra a te­se se­gun­do a qual a van­ta­gem dos mi­li­ta­res é sus­ten­ta­da so­men­te pe­la vi­tó­ria no con­fron­to di­rec­to, com go­lo de Isa­ac, num lan­ce pre­ce­di­do de fo­ra-de-jogo do go­le­a­dor Gel­son. Ci­ên­cia ne­nhu­ma po­de dar por ad­qui­ri­do que a ter­mi­nar igua­la­do o jogo, ru­bros e ne­gros e tri­co­lo­res fa­ri­am as cam­pa­nhas que ru­bri­ca­ram até aqui, com o 1º de Agos­to a per­der fô­le­go so­bre­tu­do nos pe­río­dos pós pa­ra­gem da com­pe­ti­ção, pa­ra aco­lher os com­pro­mis­sos dos Pa­lan­cas Ne­gras, en­quan­to o Pe­tro de Lu­an­da mar­cou o me­lhor re­gis­to da se­gun­da vol­ta do Girabola ZAP.

O ac­tu­al qua­dro com­pe­ti­ti­vo apon­ta pa­ra uma “fi­na­lís­si­ma” no dia 5 de No­vem­bro en­tre os dois co­los­sos, is­so par­tin­do do pres­su­pos­to de que vão fa­zer os mes­mos re­sul­ta­dos nas pró­xi­mas du­as jor­na­das. O 1º de Agos­to vi­si­ta o In­ter­clu­be e re­ce­be o ASA, ao pas­so que o Pe­tro de Lu­an­da me­de for­ças com o Pro­gres­so Sam­bi­zan­ga, “rei dos em­pa­tes”, e o Ben­fi­ca.

As úl­ti­mas de­cla­ra­ções do téc­ni­co do Ka­bus­corp do Pa­lan­ca, Ro­meu Fi­le­mon, ao afir­mar de for­ma pe­remp­tó­ria que so­ci­o­ló­gi­ca e des­por­ti­va­men­te, ape­nas qu­em é ce­go não vê que o 1º de Agos­to vai ser cam­peão, mo­ti­vou vá­ri­as in­ter­pre­ta­ções. Mui­tas con­ver­gi­ram pa­ra um qua­dro de fal­ta de ver­da­de des­por­ti­va, no­me­a­da­men­te ar­bi­tra­gens ten­den­ci­o­sas.

Os ac­to­res so­ci­ais que gra­vi­tam no es­pa­ço des­por­ti­vo de­vem ex­plo­rar os “bons ven­tos” anun­ci­a­dos pa­ra o fu­te­bol in­ter­no, com a re­cu­pe­ra­ção do in­te­res­se do pú­bli­co, que po­de pro­por­ci­o­nar a mai­or en­chen­te do Es­tá­dio Na­ci­o­nal 11 de No­vem­bro num jogo do Girabola.

É che­ga­do o mo­men­to das di­rec­ções dos dois clu­bes, al­go afastadas por cau­sa de ale­ga­da “ca­ça fur­ti­va” dos mi­li­ta­res aos ac­ti­vos pe­tro­lí­fe­ros, com des­ta­que pa­ra o an­de­bol fe­mi­ni­no, has­te­a­rem a bandeira do “fair play”, e as­sim ir­ma­na­rem os seus adep­tos.

MIQUEIAS MACHANGONGO

Mé­dio ofen­si­vo Go­go­ró obri­gou Dra­gan Jo­vic a al­te­rar a lis­ta dos dis­pen­sa­dos nos mi­li­ta­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.