Ren­di­do tri­bu­to a Sa­mo­ra Ma­chel

Jornal de Angola - - PARTADA - RA­QUEL BETLEHEM |

A Áfri­ca do Sul e Mo­çam­bi­que ren­dem ho­je ho­me­na­gem a Sa­mo­ra Ma­chel, no dia em que re­cor­dam o trá­gi­co acon­te­ci­men­to que le­vou à mor­te do pri­mei­ro Pre­si­den­te de Mo­çam­bi­que. Trin­ta anos são pas­sa­dos des­de o fa­tí­di­co 19 de Ou­tu­bro de 1986.

Os Go­ver­nos da Áfri­ca do Sul e de Mo­çam­bi­que ren­dem ho­je uma pro­fun­da ho­me­na­gem a Sa­mo­ra Moi­sés Ma­chel, no dia em que re­cor­dam o trá­gi­co acon­te­ci­men­to que le­vou à mor­te o pri­mei­ro Pre­si­den­te de Mo­çam­bi­que.

Trin­ta anos são pas­sa­dos des­de o fa­tí­di­co 19 de Ou­tu­bro de 1986, qu­an­do o avião em que se fa­zia trans­por­tar o Mais Alto Man­da­tá­rio da Re­pú­bli­ca de Mo­çam­bi­que se des­pe­nhou, cau­san­do a mor­te de 32 pes­so­as que com ele se­gui­am.

De um to­tal de 40 pas­sa­gei­ros a bor­do do Tu­po­lev de fa­bri­co rus­so, oi­to so­bre­vi­ve­ram ao aci­den­te que ocor­reu em ter­ri­tó­rio sul-afri­ca­no, na pro­vín­cia de Mpu­ma­lan­ga, nor­te do país. Sa­mo­ra Ma­chel re­gres­sa­va de uma con­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal de lí­de­res afri­ca­nos, qu­an­do o seu avião se des­pe­nhou nas mon­ta­nhas de Le­bom­bo, pró­xi­mo a Mbu­zi­ni, Áfri­ca do Sul.

Uma no­ta ofi­ci­al tor­na­da pú­bli­ca pe­lo Go­ver­no sul-afri­ca­no re­fe­re que as co­me­mo­ra­ções do “tri­gé­si­mo ani­ver­sá­rio da mor­te do ex-Pre­si­den­te de Mo­çam­bi­que ti­ve­ram co­mo pon­to mais alto uma cerimónia re­a­li­za­da no dia 17, no “Mu­seu Sa­mo­ra Ma­chel”, um edi­fí­cio er­gui­do em sua me­mó­ria, em Mbu­zi­ni, mu­ni­cí­pio de Nko­ma­zi, pro­vín­cia de Mpu­ma­lan­ga, Áfri­ca do Sul, lo­cal da tra­gé­dia.

O Vi­ce-Pre­si­den­te da Áfri­ca do Sul, Cy­ril Ra­mapho­sa, ori­en­tou o ac­to, em re­pre­sen­ta­ção do Che­fe de Es­ta­do, Jacob Zu­ma, que se en­con­tra­va em Goa, Ín­dia, a par­ti­ci­par na Ci­mei­ra do BRICS, gru­po com­pos­to pe­lo Bra­sil, Rús­sia, Ín­dia, Chi­na e Áfri­ca do Sul. O Exe­cu­ti­vo mo­çam­bi­ca­no con­tou com a pre­sen­ça do pri­mei­ro-mi­nis­tro, Car­los Agostinho do Ro­sá­rio, bem co­mo de al­tas per­so­na­li­da­des do xa­drez po­lí­ti­co e cul­tu­ral da­que­le país.

Re­pre­sen­tan­tes da Fe­de­ra­ção Rus­sa de on­de o avião era ori­gi­ná­rio mar­ca­ram, igual­men­te, pre­sen­ça, bem co­mo fa­mi­li­a­res do fa­le­ci­do Pre­si­den­te Sa­mo­ra Ma­chel e das de­mais 32 pes­so­as com os quais pe­re­ceu no aci­den­te.

Ain­da de acor­do com o do­cu­men­to ofi­ci­al do Exe­cu­ti­vo sul-afri­ca­no a que a im­pren­sa te­ve aces­so, “fo­ram le­van­ta­das for­tes sus­pei­tas de que o des­pe­nha­men­to do apa­re­lho foi um ac­to de­li­be­ra­do e de sa­bo­ta­gem di­ri­gi­do pe­lo en­tão re­gi­me se­gre­ga­ci­o­nis­ta do apartheid que vi­go­ra­va na Áfri­ca do Sul.”

Em 1994, de­pois de a Áfri­ca do Sul ter en­ve­re­da­do pe­lo sis­te­ma de­mo­crá­ti­co, foi aber­ta uma investigação pe­la Co­mis­são da Ver­da­de e Re­con­ci­li­a­ção Na­ci­o­nal (TRC) cu­jo tra­ba­lho con­clu­si­vo não en­con­trou evi­dên­ci­as que pu­des­sem apon­tar o re­gi­me do apartheid co­mo cau­sa­dor do aci­den­te de avi­a­ção.

Apoio à lu­ta do ANC

Du­ran­te a sua li­de­ran­ça, o Pre­si­den­te Sa­mo­ra Ma­chel, à se­me­lhan­ça de ou­tros Es­ta­dis­tas da re­gião, pres­tou apoio e au­to­ri­zou os re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os com­ba­ten­tes pe­la li­ber­da­de a ope­ra­rem a par­tir de Mo­çam­bi­que e is­to in­cluía tam­bém o “Umkhon­to we sizwe”, bra­ço ar­ma­do do Con­gres­so Na­ci­o­nal Afri­ca­no (ANC), ac­tu­al­men­te no po­der na Áfri­ca do Sul. Is­to fez com que o en­tão re­gi­me do apartheid se tor­nas­se inimigo dos paí­ses da Li­nha da Fren­te e, du­ran­te vá­ri­os anos, lu­tas­se pe­la de­ses­ta­bi­li­za­ção des­tes. O mi­nis­tro sul-afri­ca­no das Ar­tes e Cul­tu­ra, Nathi Mthethwa, fez sa­ber que es­te ano o le­ma das co­me­mo­ra­ções do tri­gé­si­mo ani­ver­sá­rio des­ta tra­gé­dia foi: “Ce­le­bran­do 30 anos com ele­va­da ab­ne­ga­ção, de­di­ca­ção pa­ra com os po­vos da Áfri­ca Aus­tral; se­rão sem­pre lem­bra­dos”.

“Es­te le­ma faz-nos re­cor­dar com imen­sa gra­ti­dão e hon­ra to­dos aque­les que de­di­ca­ram as su­as vi­das com o pro­pó­si­to de que os nos­sos paí­ses al­can­ças­sem a li­ber­da­de e a de­mo­cra­cia que ho­je to­dos po­dem des­fru­tar”, dis­se o go­ver­nan­te.

Es­te even­to é par­te de um le­ga­do de pro­jec­tos le­va­do a ca­bo pe­la mais alta ins­ti­tui­ção das ar­tes e cul­tu­ra, com o objectivo de en­co­ra­jar, res­ta­be­le­cer o equi­lí­brio e trans­for­mar es­te es­pa­ço em pa­tri­mó­nio his­tó­ri­co e cul­tu­ral que ex­pres­sa o ver­da­dei­ro si­nó­ni­mo da lon­ga jor­na­da pe­la li­ber­da­de, des­de a épo­ca co­lo­ni­al, a lu­ta de li­ber­ta­ção até à era de­mo­crá­ti­ca.

“É par­te do nos­so man­da­to fa­zer com que am­bas his­tó­ri­as e cul­tu­ras se­jam pre­ser­va­das, pro­mo­vi­das e usa­das co­mo veí­cu­lo, pa­ra cri­ar uma so­ci­e­da­de de co­e­são so­ci­al, on­de to­dos os ci­da­dãos se pos­sam sen­tir par­tí­ci­pes do de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co”, acres­cen­tou.

A Áfri­ca do Sul, afir­mou Nathi Mthethwa, de­ve aqui en­fa­ti­zar to­do o apoio e so­li­da­ri­e­da­de, pro­vi­den­ci­a­dos pe­los paí­ses vi­zi­nhos du­ran­te os anos de opres­são.

Uma vez mais, pros­se­guiu, acre­di­ta­mos que ao co­me­mo­rar­mos os 30 anos do de­sa­pa­re­ci­men­to fí­si­co de Sa­mo­ra Moi­sés Ma­chel, os po­vos mo­çam­bi­ca­no e sul-afri­ca­no de­ve­ri­am ti­rar li­ções da his­tó­ria, dos sa­cri­fí­ci­os e da sig­ni­fi­can­te con­tri­bui­ção da­da por to­dos os que nos an­te­ce­de­ram, pe­la to­tal li­ber­ta­ção do con­ti­nen­te afri­ca­no.

Re­la­ção de ir­man­da­de

O ac­tu­al Go­ver­no de­mo­crá­ti­co da Áfri­ca do Sul con­ti­nua a be­ne­fi­ci­ar des­ta for­te re­la­ção de ir­man­da­de pa­ra com o po­vo e Exe­cu­ti­vo mo­çam­bi­ca­nos, ba­se­a­da igual­men­te na pro­xi­mi­da­de ge­o­grá­fi­ca.

Mo­çam­bi­que de­sem­pe­nhou um pa­pel cru­ci­al du­ran­te os tem­pos di­fí­ceis da lu­ta de li­ber­ta­ção con­tra o re­gi­me do apartheid e de opres­são co­lo­ni­al, fri­sou o mi­nis­tro que enu­me­rou as di­ver­sas áre­as de co­o­pe­ra­ção en­tre os dois Go­ver­nos e po­vos.

Es­tas bo­as re­la­ções são con­du­zi­das atra­vés do Fó­rum Eco­nó­mi­co e Bi­la­te­ral (de Che­fes de Es­ta­do), es­ta­be­le­ci­do em 1997, as­sim co­mo a Co­mis­são Con­jun­ta de Co­o­pe­ra­ção (JCC). Até ao pre­sen­te mo­men­to, mais de 70 acor­dos em vá­ri­os sec­to­res fo­ram ru­bri­ca­dos en­tre as du­as na­ções, de­mons­tran­do o es­trei­ta­men­to e o apro­fun­da­men­to des­tas re­la­ções bi­la­te­rais. Is­to, adi­an­tou Nathi Mthethwa, “é em con­sequên­cia dos sa­cri­fí­ci­os con­sen­ti­dos pe­lo po­vo mo­çam­bi­ca­no, li­de­ra­do pe­lo ex-Pre­si­den­te Sa­mo­ra Ma­chel a qu­em ho­je ren­de­mos es­ta pro­fun­da ho­me­na­gem.”

A in­te­gra­ção da Co­mu­ni­da­de de De­sen­vol­vi­men­to da Áfri­ca Aus­tral (SADC) de­ve-se man­ter es­tá­vel e fir­me na bus­ca do re­al de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co da re­gião, con­cluiu Nathi Mthethwa.

Le­ga­do pa­ra to­das as idades

O an­ti­go mi­nis­tro da De­fe­sa de Mo­çam­bi­que, du­ran­te os 11 anos da pre­si­dên­cia de Sa­mo­ra Ma­chel, Al­ber­to Chi­pan­de, con­si­de­rou, se­gun­da-fei­ra, em Ma­pu­to, que o Es­ta­dis­ta dei­xou uma he­ran­ça pa­ra to­das as idades e a lu­ta pe­la pros­pe­ri­da­de de to­dos os mo­çam­bi­ca­nos co­mo um gran­de ideal.

“A re­cor­da­ção de Sa­mo­ra Ma­chel é enor­me. Ele dei­xou uma he­ran­ça pa­ra to­das as idades, des­de as cri­an­ças, que con­si­de­ra­va as flo­res que nun­ca mur­cham, até à ju­ven­tu­de, que di­zia que era “sei­va da na­ção”, afir­mou Chi­pan­de, em de­cla­ra­ções à im­pren­sa.

A de­ter­mi­na­ção de Ma­chel na lu­ta pe­la “in­de­pen­dên­cia to­tal e com­ple­ta” de Mo­çam­bi­que, re­al­çou o an­ti­go mi­nis­tro da De­fe­sa, é um exem­plo de bra­vu­ra que as ac­tu­ais e fu­tu­ras ge­ra­ções de­vem se­guir. Ele es­tá con­nos­co, na men­ta­li­da­de e na ca­be­ça. Ele já dei­xou um gran­de le­ga­do e fez tu­do o que po­dia. Em to­das as ge­ra­ções, em to­das as idades, Sa­mo­ra vi­ve. Fal­ta a pre­sen­ça fí­si­ca, mas Sa­mo­ra vi­ve, 24 ho­ras so­bre 24 ho­ras”, su­bli­nhou Al­ber­to Chi­pan­de.

Chi­pan­de é con­si­de­ra­do pe­la his­to­ri­o­gra­fia ofi­ci­al em Mo­çam­bi­que co­mo o au­tor do pri­mei­ro ti­ro que mar­cou o iní­cio da lu­ta ar­ma­da con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês, em 25 de Se­tem­bro de 1964, que se pro­lon­gou até à as­si­na­tu­ra do Acor­do de Lu­sa­ka, que pre­pa­rou as con­di­ções pa­ra a in­de­pen­dên­cia, em 25 de Ju­nho de 1975.

Sa­mo­ra Moi­sés Ma­chel per­ma­ne­ceu no po­der des­de Ju­nho de 1975 (pou­co de­pois da in­de­pen­dên­cia) até ao mo­men­to da sua mor­te.

Lí­der do mo­vi­men­to de li­ber­ta­ção, FRELIMO, des­de 1966, Ma­chel per­deu a vi­da qu­an­do re­gres­sa­va de uma reu­nião de tra­ba­lho com ou­tros al­tos man­da­tá­ri­os da re­gião re­a­li­za­da em Ndo­la, na Zâm­bia.

O avião que o trans­por­ta­va des­pe­nhou-se co­mo re­sul­ta­do de uma ex­plo­são em ter­ri­tó­rio sul-afri­ca­no, a cin­co qui­ló­me­tros da fron­tei­ra com Mo­çam­bi­que. As au­to­ri­da­des mo­çam­bi­ca­nas man­têm, até ao mo­men­to, a ver­são de que o avião foi der­ru­ba­do in­ten­ci­o­nal­men­te pe­la Áfri­ca do Sul.

DOMBELE BER­NAR­DO

Pra­ça cen­tral em Ma­pu­to ho­me­na­geia a fi­gu­ra do pri­mei­ro Pre­si­den­te de Mo­çam­bi­que trin­ta anos de­pois da sua mor­te num aci­den­te de avi­a­ção

DR

Che­fe de Es­ta­do mo­çam­bi­ca­no gran­je­ou sim­pa­tia na re­gião e em to­do o con­ti­nen­te afri­ca­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.