O dis­cur­so do Pre­si­den­te e o de­ver de to­dos

Jornal de Angola - - PARTADA - LU­CI­A­NO RO­CHA |

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, no dis­cur­so so­bre o es­ta­do da Na­ção, fei­to na se­gun­da-fei­ra, fa­lou pa­ra o país, mas tam­bém pa­ra o ex­te­ri­or, lem­bran­do a com­pa­tri­o­tas e es­tran­gei­ros, que An­go­la tem iden­ti­da­de pró­pria.

Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos dis­se, pa­ra os que se es­que­cem ou que­rem es­que­cer, que os an­go­la­nos fo­ram obri­ga­do a tra­var - con­tra ini­mi­gos di­ver­sos - das mais lon­gas e vi­o­len­tas guer­ras de que há memória, pe­lo que “a nos­sa His­tó­ria não é igual à dos ou­tros”.

O Che­fe de Es­ta­do su­bli­nhou que nin­guém se po­de re­fe­rir a An­go­la co­mo se fa­las­se, por exem­plo, de Por­tu­gal, Ca­bo Ver­de ou do Se­ne­gal.

Aten­to, co­mo lhe com­pe­te, re­fe­riu-se à si­tu­a­ção po­lí­ti­ca no res­to do mun­do, on­de gras­sam as guer­ras, e não se coi­biu de men­ci­o­nar cul­pa­dos, co­mo os Es­ta­dos Uni­dos. Pa­ra que não res­tas­sem dú­vi­das, co­mo for­ma de re­a­fir­ma­ção da nos­sa In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, evo­cou os Go­ver­nos nor­te-ame­ri­ca­nos mais re­cen­tes – de Ge­or­ge W. Bush e de Ba­rack Oba­ma – que que­rem im­por em Áfri­ca, Ásia e Mé­dio Ori­en­te “va­lo­res po­lí­ti­cos, com re­sul­ta­dos ad­ver­sos”.

Ain­da no âm­bi­to in­ter­na­ci­o­nal, o Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos pe­diu ao re­cém-elei­to Se­cre­tá­ri­oGe­ral das Na­ções, o por­tu­guês An­tó­nio Gu­ter­res, que ini­cia fun­ções em Ja­nei­ro, que fa­ça com que aque­le or­ga­nis­mo te­nha “pa­pel mais ac­ti­vo”.

O es­ta­dis­ta fa­lou tam­bém, na­tu­ral­men­te, de al­guns dos pro­ble­mas que afec­tam An­go­la, al­guns dos quais cau­sa­dos pe­la des­ci­da drás­ti­ca do pre­ço do pe­tró­leo, o sec­tor mais im­por­tan­te da nos­sa eco­no­mia, re­ve­lan­do que a si­tu­a­ção fez com que o país per­des­se seis mil mi­lhões de dó­la­res de re­cei­ta fis­cal.

Mas o Pre­si­den­te, co­mo ho­mem de­ter­mi­na­do e de es­pe­ran­ça – se as­sim não fos­se a es­ta ho­ra éra­mos, na me­nos má das hi­pó­te­ses, mais um país ne­o­co­lo­ni­al e a Áfri­ca do Sul, a Na­mí­bia e o Zim­babwe, na me­lhor, con­ti­nu­a­vam a lu­tar pe­la li­ber­da­de - re­cor­dou que o po­vo an­go­la­no es­tá ha­bi­tu­a­do a ven­cer ad­ver­si­da­des.

Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, que pro­me­teu um com­ba­te mais efec­ti­vo ao cri­me eco­nó­mi­co, apre­sen­tou co­mo “es­tra­té­gia pa­ra a saí­da da cri­se” a con­ti­nu­a­ção da apos­ta da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia – ini­ci­a­da an­tes do eclo­dir da si­tu­a­ção pro­vo­ca­da pe­la que­bra do pre­ço do pe­tró­leo – e “mai­or trans­pa­rên­cia da coi­sa pú­bli­ca”.

En­tre as pri­o­ri­da­des anun­ci­ou tam­bém o com­ba­te à imi­gra­ção ile­gal – par­te da qual con­tri­bui pa­ra a la­pi­da­ção dos re­cur­sos na­tu­rais do país - e à cri­mi­na­li­da­de vi­o­len­ta pro­vo­ca­do­ra, en­tre ou­tros ma­les, da ins­ta­bi­li­da­de so­ci­al.

No fun­do, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca fa­lou dos te­mas que mais pre­o­cu­pam os an­go­la­nos, di­zen­do­lhes o que tem de ser fei­to pa­ra o país ven­cer mais es­ta ba­ta­lha na edi­fi­ca­ção de um país prós­pe­ro, on­de, ca­da vez mais, ape­te­ça vi­ver. Mas, pa­ra is­so, é ne­ces­sá­rio o em­pe­nho de to­dos, in­de­pen­den­te­men­te das fun­ções que nos es­tão atri­buí­das nos mais va­ri­a­dos sec­to­res. A de­so­nes­ti­da­de, mal an­ti­go co­mo o mun­do, tem de ser de­nun­ci­a­da. A se­gu­ran­ça - so­ci­al e a eco­nó­mi­ca, que es­tão in­ter­li­ga­das - não po­de es­tar à mer­cê de fal­sos va­lo­res de so­li­da­ri­e­da­de, não ra­ro en­vol­ven­do o ne­po­tis­mo, que per­mi­tem que a in­fla­ção de­pen­da tam­bém do câm­bio pra­ti­ca­do na rua, que tem nas kín­gui­las ape­nas “a pon­ta do ice­ber­gue”. Não bas­tam as rus­gas uma vez por outra e a de­ten­ção de quem ne­go­ceia na rua o di­nhei­ro que fal­ta nos ban­cos co­mer­ci­ais e nas ca­sas co­mer­ci­ais au­to­ri­za­das a fa­zê-lo. É pre­ci­so de­tec­tar quem es­tá por trás da vi­ga­ri­ce. As no­tas não apa­re­cem na via pú­bli­ca por “obra e gra­ça do Es­pí­ri­to San­to”. Ur­ge que nos ca­pa­ci­te­mos to­dos de ser pre­ci­so mais do que pro­tes­tar­mos em cír­cu­los de ami­gos con­tra es­ta si­tu­a­ção, mas não re­sis­ti­mos a ad­qui­rir dó­la­res e eu­ros ile­gal­men­te. A cor­rup­ção é mo­e­da de du­as fa­ces: a ac­ti­va e a pas­si­va. Ape­nas uma per­de o va­lor, cai em de­su­so co­mo o “Kwan­za bur­ro”. Li­mi­ta­se a en­cher col­chões e con­ten­to­res, ou a ser quei­ma­da em fo­guei­ras de rai­vas, tam­bém elas la­pi­da­do­ras da eco­no­mia.

O Che­fe de Es­ta­do apre­sen­tou uma es­tra­té­gia – par­te da qual já em exe­cu­ção – pa­ra a saí­da mais rá­pi­da da cri­se, mas é pre­ci­so que os res­pon­sá­veis pe­la sua exe­cu­ção a cum­pram à ris­ca. E to­dos têm a obri­ga­ção de co­la­bo­rar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.