Fa­cul­da­de de Di­rei­to no Dun­do as­ses­so­ra administração mu­ni­ci­pal

Jornal de Angola - - PARTADA - AR­MAN­DO SAPALO |

Qua­dros da administração do Dun­do vão be­ne­fi­ci­ar, nos pró­xi­mos di­as, de ac­ções de for­ma­ção, in­for­ma­ção e tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as a ní­vel dos vá­ri­os ra­mos do di­rei­to e da jus­ti­ça, no âm­bi­to de um pro­to­co­lo de co­o­pe­ra­ção ins­ti­tu­ci­o­nal ru­bri­ca­do com o Cen­tro de In­ves­ti­ga­ção Ci­en­tí­fi­ca e As­ses­so­ria Ju­rí­di­ca (CICAJ), da Fa­cul­da­de de Di­rei­to da Uni­ver­si­da­de Lu­e­ji a’Nkon­de.

O pro­to­co­lo de par­ce­ria, as­si­na­do pe­lo ad­mi­nis­tra­dor do Dun­do, Al­te­res Ma­len­ga, e pe­lo de­ca­no da Fa­cul­da­de de Di­rei­to, Adal­ber­to Lu­a­cu­ti, pre­vê que as par­tes im­ple­men­tem um mo­de­lo de go­ver­na­ção vol­ta­do pa­ra a cons­tru­ção de uma so­ci­e­da­de jus­ta, fra­ter­na e so­li­dá­ria.

O ad­mi­nis­tra­dor re­al­çou que, atra­vés da par­ce­ria es­ta­be­le­ci­da com o CICAJ, es­tão cri­a­das as ba­ses pa­ra a ins­ti­tui­ção que di­ri­ge pres­tar um ser­vi­ço pú­bli­co di­nâ­mi­co e ca­da vez mais jus­to aos mu­ní­ci­pes.

Al­te­res Ma­len­ga con­si­de­rou que o pro­to­co­lo de co­o­pe­ra­ção re­ge-se na ba­se do prin­cí­pio de re­ci­pro­ci­da­de de in­te­res­ses e res­pei­to aos es­ta­tu­tos de ca­da uma das par­tes, ali­a­do ao pri­ma­do de to­da a le­gis­la­ção vi­gen­te no país. O ob­jec­ti­vo fun­da­men­tal do pro­to­co­lo tem a ver com a pres­ta­ção de as­ses­so­ria ju­rí­di­ca nas áre­as dos di­rei­tos Ci­vil, Po­lí­ti­co, So­ci­al, Eco­nó­mi­co, Cul­tu­ral e nou­tras de cru­ci­al im­por­tân­cia na or­ga­ni­za­ção e fun­ci­o­na­men­to de qual­quer ór­gão da Administração Lo­cal do Es­ta­do. O ad­mi­nis­tra­dor da se­de pro­vin­ci­al da Lun­da Nor­te su­bli­nhou que o pro­to­co­lo vai aju­dar igual­men­te a cri­ar me­ca­nis­mos efi­ca­zes ten­den­tes a uma me­lhor pres­ta­ção e va­lo­ri­za­ção do ser­vi­ço pú­bli­co por par­te da Administração da ci­da­de do Dun­do.

A apro­xi­ma­ção en­tre a Administração do Dun­do e a Uni­ver­si­da­de na co­mu­ni­da­de ur­ba­na per­mi­te a cons­tru­ção de uma so­ci­e­da­de so­li­dá­ria. “É um mo­de­lo que es­ta­mos a im­ple­men­tar pa­ra pro­por­ci­o­nar ao ci­da­dão um ser­vi­ço ba­se­a­do nu­ma administração mo­der­na”, dis­se. O de­ca­no da Fa­cul­da­de de Di­rei­to da Uni­ver­si­da­de Lu­e­ji a’Nkon­de, Adal­ber­to Lu­a­cu­ti, dis­se que, pa­ra o al­can­ce dos ob­jec­ti­vos es­ta­be­le­ci­dos no pro­to­co­lo de co­o­pe­ra­ção, o CICAJ pro­põe­se con­ce­der vá­ri­os ser­vi­ços à Administração do Dun­do, ten­do o ci­da­dão co­mo o prin­ci­pal be­ne­fi­ciá­rio.

O de­ca­no ex­pli­cou que o CICAJ, foi cri­a­do, em Ju­lho de 2014, no âm­bi­to do pro­jec­to de ex­ten­são uni­ver­si­tá­ria da Fa­cul­da­de de Di­rei­to, com a vo­ca­ção de de­sen­vol­ver ser­vi­ços de as­ses­so­ria e con­sul­to­ria ju­rí­di­ca à pes­so­as sin­gu­la­res e co­lec­ti­vas. Por is­so, Adal­ber­to Lu­a­cu­ti sa­li­en­tou que a co­la­bo­ra­ção com a Administração do Dun­do en­qua­dra-se na pres­ta­ção do ser­vi­ço de as­ses­so­ria ju­rí­di­ca à pes­so­as co­lec­ti­vas, co­mo for­ma de es­trei­ta­men­to de re­la­ções en­tre os or­ga­nis­mos pú­bli­cos e so­li­da­ri­e­da­de ins­ti­tu­ci­o­nal.

O pro­to­co­lo per­mi­te a con­cre­ti­za­ção dos ob­jec­ti­vos pa­ra os quais foi cri­a­do o CICAJ e con­tri­bui pa­ra a re­so­lu­ção dos pro­ble­mas do fó­rum ju­rí­di­co que a po­pu­la­ção en­fren­ta e be­ne­fi­cia di­rec­ta­men­te dos tra­ba­lhos pro­du­zi­dos pe­la Fa­cul­da­de de Di­rei­to. Além do ca­rác­ter ci­en­tí­fi­co, a ins­ti­tui­ção aca­dé­mi­ca tem a mis­são de pres­tar as­ses­so­ria às pes­so­as que apre­sen­ta­rem pro­ces­sos que te­nham im­pli­ca­ções ju­rí­di­cas, co­mo a for­mu­la­ção de con­tra­tos, ela­bo­ra­ção de ter­mos ju­di­ci­ais e re­dac­ção de cor­res­pon­dên­cia.

Ci­da­de do Dun­do

Com 447.3 qui­ló­me­tros qua­dra­dos, em ter­mos de ex­ten­são ter­ri­to­ri­al, Dun­do foi ele­va­do à ca­te­go­ria de ci­da­de à luz da no­va divisão po­lí­ti­ca e ad­mi­nis­tra­ti­va da pro­vín­cia da Lun­da Nor­te, por via do De­cre­to Pre­si­den­ci­al 21/15, de 7 de Ja­nei­ro, com uma no­va es­tru­tu­ra or­ga­ni­za­ci­o­nal que lhe con­fe­re o es­ta­tu­to de se­de do mu­ni­cí­pio do Chi­ta­to e si­mul­ta­ne­a­men­te ca­pi­tal da Lun­da Nor­te, com três dis­tri­tos ur­ba­nos.

Os três dis­tri­tos ur­ba­nos que fo­ram cri­a­dos, no âm­bi­to da no­va es­tru­tu­ra or­ga­ni­za­ci­o­nal da se­de da pro­vín­cia, são o Chi­ta­to, Dun­do e o de Mus­sun­gue.

Tal co­mo Lu­an­da, Dun­do é a ci­da­de do in­te­ri­or do país on­de o Exe­cu­ti­vo cri­ou uni­da­des ter­ri­to­ri­ais, com a ca­te­go­ria de dis­tri­tos ur­ba­nos. A iniciativa vi­sa fun­da­men­tal­men­te im­pul­si­o­nar as ac­ções de ur­ba­ni­za­ção, des­cen­tra­li­za­ção e mo­der­ni­za­ção da Administração Pú­bli­ca, com­ba­te às as­si­me­tri­as re­gi­o­nais, pa­ra o al­can­ce do de­sen­vol­vi­men­to har­mo­ni­o­so.

SAMY MA­NU­EL

Uni­ver­si­da­de Lu­e­ji a’Nkon­de aju­da administração do Dun­do a apos­tar nu­ma ges­tão mo­der­na pa­ra a me­lho­ria dos ser­vi­ços ao ci­da­dão

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.