Con­go­le­ses elo­gi­am pa­pel de­sem­pe­nha­do por An­go­la

Mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res es­te­ve em Kinsha­sa pa­ra tes­te­mu­nhar o ac­to

Jornal de Angola - - POLÍTICA -

An­go­la, em par­ti­cu­lar o seu Che­fe de Es­ta­do, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, fo­ram cru­ci­ais pa­ra a es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca que, do­ra­van­te, a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go vai vi­ver, em con­sequên­cia da as­si­na­tu­ra, na ter­ça-fei­ra, de um me­mo­ran­do de en­ten­di­men­to en­tre o Go­ver­no, a opo­si­ção e a so­ci­e­da­de ci­vil con­go­le­sa.

O de­sem­pe­nho de An­go­la foi des­ta­ca­do, ter­ça-fei­ra, pe­lo mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Ge­or­ges Chi­ko­ti, que tes­te­mu­nhou o ac­to de as­si­na­tu­ra do acor­do, em Kinsha­sa, ca­pi­tal da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC).

Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, no ae­ro­por­to 4 de Fe­ve­rei­ro, mo­men­tos de­pois de ter re­gres­sa­do de Kinsha­sa, o che­fe da di­plo­ma­cia an­go­la­na sa­li­en­tou que as au­to­ri­da­des e o po­vo con­go­lês re­co­nhe­cem e enal­te­cem os es­for­ços que An­go­la tem es­ta­do a levar a ca­bo pa­ra a paz na Região dos Gran­des La­gos, par­ti­cu­lar­men­te na RDC.

“Eles (con­go­le­ses) ago­ra só têm que se pre­pa­rar pa­ra as elei­ções de 2018. Eu acho que o pa­pel de An­go­la, par­ti­cu­lar­men­te do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, foi enal­te­ci­do e re­co­nhe­ci­do, so­bre­tu­do os es­for­ços que An­go­la tem es­ta­do a levar a ca­bo pa­ra a paz na região e, par­ti­cu­lar­men­te na RDC. E acho que is­to tam­bém é im­por­tan­te pa­ra a nos­sa vi­zi­nhan­ça”, su­bli­nhou.

O acor­do al­can­ça­do na RDC vai per­mi­tir a cri­a­ção de um no­vo Go­ver­no de Uni­da­de Na­ci­o­nal, a ser di­ri­gi­do por um pri­mei­ro-mi­nis­tro da opo­si­ção, com vis­ta a uma go­ver­na­ção con­sen­su­al. O re­fe­ri­do acor­do, segundo Ge­or­ges Chi­ko­ti, tam­bém es­ta­be­le­ce co­mo de­ve­rá de­cor­rer o pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral, até à con­clu­são das elei­ções ge­rais, no­me­a­da­men­te as pre­si­den­ci­ais, le­gis­la­ti­vas e pro­vin­ci­ais, ini­ci­al­men­te mar­ca­das pa­ra Abril de 2018, pa­ra pôr fim ao go­ver­no de tran­si­ção.

Segundo Ge­or­ges Chi­ko­ti, to­dos re­co­nhe­cem o gran­de em­pe­nho de An­go­la pa­ra a ga­ran­tia da as­si­na­tu­ra des­te acor­do, ten­do su­bli­nha­do que, pa­ra o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no, se tra­ta de um bom acor­do, por­que vai evi­tar conflitos, não obs­tan­te a in­di­fe­ren­ça de al­guns par­ti­dos da opo­si­ção que ab­ne­ga­ram do diá­lo­go “O pa­pel de An­go­la foi bom e ago­ra va­mos só es­pe­rar que os con­go­le­ses pos­sam en­tão im­ple­men­tar es­te acor­do que nos pa­re­ce ser um bom pon­to de par­ti­da. E acho que is­to tam­bém é im­por­tan­te pa­ra a nos­sa vi­zi­nhan­ça e a Região dos Gran­des La­gos, que no dia 26 se reú­ne em Lu­an­da, pa­ra ana­li­sar a cri­se na RDC e em al­guns Es­ta­dos mem­bros”, dis­se. Mas o im­por­tan­te nes­te acor­do po­lí­ti­co pa­ra a or­ga­ni­za­ção de elei­ções jus­tas, cre­dí­veis e trans­pa­ren­tes, su­bli­nhou o mi­nis­tro, é que o mes­mo es­tá aber­to pa­ra que aque­les que não o ra­ti­fi­ca­ram o pos­sam fa­zer mais tar­de, ca­so en­ten­dam. No diá­lo­go que le­vou ao acor­do, não par­ti­ci­pou o “Res­sam­ble­ment”, que é uma par­te do UDPS, o par­ti­do de Eti­e­ne Tshis­se­ke­di. Mas a outra par­te, a do se­cre­tá­rio-ge­ral, par­ti­ci­pou. Quem tam­bém não fez par­te do diá­lo­go, por ain­da se en­con­trar au­sen­te do país, é Moi­se Ka­tum­bi. Se­ja co­mo for, An­go­la con­si­de­ra que foi al­can­ça­do um bom acor­do.

An­go­la foi con­vi­da­da a tes­te­mu­nhar a as­si­na­tu­ra do acor­do na qua­li­da­de de pre­si­den­te da CIRGL e de vi­ce-pre­si­den­te do Ór­gão pa­ra a Po­lí­ti­ca, De­fe­sa, Co­o­pe­ra­ção e Se­gu­ran­ça da SADC.

A pro­pó­si­to da ci­mei­ra da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre a Con­fe­rên­cia dos Gran­des La­gos (CIRGL), que se re­a­li­za na pró­xi­ma se­ma­na, em Lu­an­da, Ge­or­ges Chi­ko­ti in­for­mou que mui­tos dos en­vol­vi­dos no acor­do ru­bri­ca­do na ter­ça-fei­ra e ou­tras en­ti­da­des do con­ti­nen­te ma­ni­fes­ta­ram o de­se­jo de par­ti­ci­par da mes­ma.

O che­fe da di­plo­ma­cia an­go­la­na tam­bém não des­car­ta a hi­pó­te­se de que ou­tras en­ti­da­des es­te­jam pre­sen­tes, no­me­a­da­men­te o Pre­si­den­te da Tan­zâ­nia, que di­ri­ge o pro­ces­so de ne­go­ci­a­ção no Bu­run­di e os se­cre­tá­ri­os-ge­rais da Fran­co­fo­nia e da Co­mu­ni­da­de Eco­nó­mi­ca dos Es­ta­dos da Áfri­ca Cen­tral (CEEAC), que par­ti­ci­pa­ram no al­can­ce do acor­do.

A ci­mei­ra é uma pro­mo­ção con­jun­ta da CIRGL, Na­ções Uni­das e União Afri­ca­na e sur­ge da ne­ces­si­da­de de de­ba­ter-se os úl­ti­mos acon­te­ci­men­tos na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go. No en­con­tro, de­ve­rá, igual­men­te, ser dis­cu­ti­da a si­tu­a­ção no Bu­run­di, Su­dão do Sul e na Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na (RCA), que con­ti­nua a pre­o­cu­par a região e o con­ti­nen­te afri­ca­no em ge­ral.

En­tre­tan­to, a ci­mei­ra de Lu­an­da se­rá an­te­ce­di­da de um en­con­tro de pe­ri­tos des­sas or­ga­ni­za­ções, na pró­xi­ma se­gun­da-fei­ra, além de uma outra reu­nião do Ór­gão pa­ra Po­lí­ti­ca, De­fe­sa, Co­o­pe­ra­ção e Se­gu­ran­ça, a re­a­li­zar-se ain­da es­ta se­ma­na, na RDC.

ROGÉRIO TUTI

Ge­or­ges Chi­ko­ti (à di­rei­ta) aquan­do da vi­si­ta a An­go­la do mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros e Co­o­pe­ra­ção da RDC em Agos­to des­te ano

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.