Ur­ba­nis­mo e sus­ten­ta­bi­li­da­de

Jornal de Angola - - OPINIÃO - RUI LUÍS ALBERTINA SIL­VA

Ter­mi­na ho­je na ci­da­de de Qui­to, ca­pi­tal do Equa­dor, a III con­fe­rên­cia so­bre a Ha­bi­ta­ção e De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no Sus­ten­tá­vel, tam­bém co­nhe­ci­da co­mo Ha­bi­tat III, em que An­go­la par­ti­ci­pou com uma de­le­ga­ção mul­ti­sec­to­ri­al, che­fi­a­da pe­la mi­nis­tra do Ur­ba­nis­mo e Ha­bi­ta­ção, Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to. A go­ver­nan­te, que re­pre­sen­tou o Che­fe de Es­ta­do, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, li­de­rou uma equi­pa vas­ta que es­te­ve na­que­la im­por­tan­te con­fe­rên­cia nu­ma al­tu­ra em que An­go­la dá pas­sos se­gu­ros na ma­te­ri­a­li­za­ção da Po­lí­ti­ca Na­ci­o­nal de Or­de­na­men­to do Ter­ri­tó­rio e Ur­ba­nis­mo.

Na­que­le en­con­tro in­ter­na­ci­o­nal, a de­le­ga­ção an­go­la­na le­vou ex­pe­ri­ên­ci­as já acu­mu­la­das nos úl­ti­mos anos, em ma­té­ria de cons­tru­ção e ges­tão ur­ba­nís­ti­ca, em que so­bres­sai tam­bém a ex­ce­len­te par­ce­ria com a ONU-Ha­bi­tat. A re­fe­ri­da agên­cia das Na­ções Uni­das, que se en­con­tra em An­go­la a con­vi­te do Exe­cu­ti­vo pa­ra aju­dar na ma­te­ri­a­li­za­ção da po­lí­ti­ca ha­bi­ta­ci­o­nal e trans­for­mar-se num im­por­tan­te cen­tro re­gi­o­nal em Áfri­ca, tem si­do ins­tru­men­tal na aju­da pa­ra pas­sar­mos a en­ca­rar a ques­tão ter­ri­to­ri­al, a pla­ni­fi­ca­ção, a ur­ba­ni­za­ção. An­go­la pre­ci­sa de con­tar com a pre­sen­ça des­ta im­por­tan­te agên­cia da ONU, cu­ja No­va Agen­da Ur­ba­na con­tém as­pec­tos que mui­to in­te­res­sam ao país, às su­as ci­da­des e es­pa­ços re­ser­va­dos pa­ra no­vas edi­fi­ca­ções.

In­de­pen­den­te­men­te de es­pa­ços que ca­re­cem de in­ter­ven­ções pa­ra os ade­quar ao for­ma­to de as­sen­ta­men­tos ur­ba­nos mo­der­nos, não há dú­vi­das de que va­mos ain­da a tem­po de fa­zer as cor­rec­ções que se im­põem pa­ra dar sus­ten­ta­bi­li­da­de aos mes­mos. Po­de­mos ain­da con­ter, den­tro dos as­sen­ta­men­tos ur­ba­nos que sur­gem, os in­di­ca­do­res pró­pri­os das ci­da­des in­sus­ten­tá­veis co­mo po­bre­za ex­tre­ma, de­si­gual­da­des e cres­ci­men­to pou­co in­clu­si­vo, en­tre ou­tros. Qu­an­do se tra­ta de es­for­ços pa­ra a cons­tru­ção de ci­da­des sus­ten­tá­veis, An­go­la pos­sui con­di­ções pa­ra co­me­çar em lar­gas par­ce­las do seu ter­ri­tó­rio e fa­zer as de­vi­das cor­rec­ções ali on­de ha­ja es­sa ne­ces­si­da­de.

O fun­da­men­tal é que nes­ta no­va abor­da­gem, co­mo cons­ta do do­cu­men­to­guia que ser­viu de ba­se aos tra­ba­lhos des­ta III con­fe­rên­cia, no­me­a­da­men­te a “De­cla­ra­ção de Qui­to so­bre as ci­da­des e as­sen­ta­men­tos sus­ten­tá­veis pa­ra to­dos”, to­dos os seg­men­tos da po­pu­la­ção es­te­jam in­te­gra­dos. Co­mo de­fen­deu o ur­ba­nis­ta bra­si­lei­ro e re­pre­sen­tan­te da ONU-Ha­bi­tat no nos­so país, Tho­maz Ra­ma­lho, em en­tre­vis­ta ao Jor­nal de An­go­la, “te­mos que ir em bus­ca do de­sen­vol­vi­men­to ur­ba­no sus­ten­tá­vel, ao mes­mo tem­po em que me­lho­ra­mos os as­sen­ta­men­tos in­for­mais, que são ex­tre­ma­men­te pre­cá­ri­os.”

Con­tra­ri­a­men­te à ideia de que a mo­der­ni­za­ção pas­sa ne­ces­sá­ria e obri­ga­to­ri­a­men­te pe­la eli­mi­na­ção dos “mus­se­ques”, a ONU-Ha­bi­tat de­fen­de uma vi­são mais in­te­gral com uma du­pla abor­da­gem, no­me­a­da­men­te a cor­rec­ti­va e a pre­ven­ti­va. O es­pe­ci­a­lis­ta ou­vi­do por es­te diá­rio des­mis­ti­fi­cou a ideia de que os mus­se­ques de­vem ser er­ra­di­ca­dos, ao de­fen­der que os mes­mos po­dem co­nhe­cer pro­ces­sos de ur­ba­ni­za­ção.

Não bas­ta olhar­mos pa­ra os cha­ma­dos as­sen­ta­men­tos in­for­mais co­mo al­vo a aba­ter no pro­ces­so de ur­ba­ni­za­ção, de­sa­lo­ja­men­to e re­a­lo­ja­men­to da po­pu­la­ção, mas fa­zer cor­rec­ções com mo­ra­di­as eco­nó­mi­ca e so­ci­al­men­te viá­veis pa­ra as fa­mí­li­as. Pre­ve­nir o sur­gi­men­to de no­vas cons­tru­ções de­sor­de­na­das, sim, de­ve ser a apos­ta, de­sen­co­ra­ja­da, com­ba­ti­da e, pre­fe­ren­ci­al­men­te, com me­di­das que não one­rem a eco­no­mia das fa­mí­li­as.

Aten­den­do à com­ple­xi­da­de que en­vol­ve o pro­ces­so de ur­ba­ni­za­ção, é pre­ci­so co­lher os me­lho­res pro­ce­di­men­tos no que ao or­de­na­men­to, ur­ba­nis­mo e ha­bi­ta­ção diz res­pei­to pa­ra bem da sus­ten­ta­bi­li­da­de que to­da a so­ci­e­da­de an­go­la­na as­pi­ra ago­ra e de­pois. Es­pe­ra­mos que as re­co­men­da­ções e de­ci­sões saí­das da III con­fe­rên­cia so­bre a Ha­bi­ta­ção e De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no Sus­ten­tá­vel con­tri­bu­am pa­ra que os Es­ta­dos afri­ca­nos em ge­ral e An­go­la em par­ti­cu­lar re­for­cem po­lí­ti­cas ha­bi­ta­ci­o­nais in­clu­si­vas e sus­ten­tá­veis.

Acre­di­ta­mos que com a ma­te­ri­a­li­za­ção da Po­lí­ti­ca Na­ci­o­nal de Or­de­na­men­to do Ter­ri­tó­rio e Ur­ba­nis­mo do Exe­cu­ti­vo, ao la­do da re­le­van­te par­ce­ria com a re­pre­sen­ta­ção da ONU-Ha­bi­tat no país, va­mos ser ca­pa­zes de dar sus­ten­ta­bi­li­da­de às zo­nas ur­ba­nas que nas­cem, às zo­nas ru­rais e ter­mos uma vi­são di­fe­ren­te so­bre os mus­se­ques.

Si­tu­a­ção na RDC

De­se­jo que os pro­ble­mas do Con­go De­mo­crá­ti­co se­jam ra­pi­da­men­te re­sol­vi­dos pe­los po­lí­ti­cos des­te país ir­mão. Sou­be que hou­ve um acor­do pa­ra evi­tar a ins­ta­bi­li­da­de na­que­le ex­ten­so país, cu­jo po­vo já so­freu mui­to. Sou an­go­la­no e vi­vi mui­tos anos na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, on­de es­tu­dei e me for­mei. Mui­to do que sei ho­je, co­mo pro­fis­si­o­nal nu­ma área do sa­ber, de­ve-se em par­te ao que apren­di em ins­ti­tui­ções de en­si­no do Con­go De­mo­crá­ti­co.

Te­nho es­pe­ran­ça de que os po­lí­ti­cos do Con­go De­mo­crá­ti­co hão-de re­sol­ver os pro­ble­mas do seu país. Ain­da bem que a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal es­tá aten­ta ao que se pas­sa na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go e tem to­ma­do po­si­ções pa­ra que não ha­ja um con­fli­to in­ter­no de gra­ves pro­por­ções.

Áfri­ca pre­ci­sa de es­ta­bi­li­da­de pa­ra po­der cres­cer eco­no­mi­ca­men­te e de­sen­vol­ver-se. Áfri­ca tem de ser de fac­to um con­ti­nen­te de opor­tu­ni­da­des e não de cons­tan­tes guer­ras. A pri­o­ri­da­de dos po­lí­ti­cos afri­ca­nos de­ve ser o com­ba­te à po­bre­za. Os afri­ca­nos têm de co­me­çar a cons­truir so­ci­e­da­des em que to­dos pos­sam vi­ver dig­na­men­te.

É tem­po de os po­lí­ti­cos de Áfri­ca con­tri­buí­rem, com tra­ba­lho, pa­tri­o­tis­mo e sen­ti­do de jus­ti­ça, pa­ra que os po­vos do con­ti­nen­te sai­am do sub­de­sen­vol­vi­men­to.

Um po­lí­ti­co de­ve tra­ba­lhar pa­ra o bem co­mum. De­se­jo que os nos­sos ir­mãos do Con­go De­mo­crá­ti­co vi­vam em paz, pa­ra po­de­rem en­ve­re­dar ex­clu­si­va­men­te pe­la cons­tru­ção do de­sen­vol­vi­men­to. A es­ta­bi­li­da­de nos paí­ses afri­ca­nos per­mi­te que os projectos de de­sen­vol­vi­men­to se­jam con­cre­ti­za­dos. On­de há paz há pro­gres­so. Os afri­ca­nos não de­vem es­tar a vi­ver cons­tan­te­men­te em si­tu­a­ções de ins­ta­bi­li­da­de.

Fi­nal do ano lec­ti­vo

O ano lec­ti­vo es­tá pres­tes a ter­mi­nar. Era bom que os en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção das cri­an­ças que es­tão no en­si­no pri­má­rio, em par­ti­cu­lar aque­les que não gos­tam de ir re­gu­lar­men­te a reu­niões com as di­rec­ções das es­co­las em que es­tão os seus fi­lhos ou edu­can­dos, se pre­o­cu­pas­sem em sa­ber co­mo vai o de­sem­pe­nho des­tes.

Não é bom só ir­mos à es­co­la dos nos­sos fi­lhos ou edu­can­dos no fi­nal do ano lec­ti­vo, mas pen­so que sem­pre va­le a pe­na que pais ou en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção te­nham uma con­ver­sa com as di­rec­ções das es­co­las ou com os pro­fes­so­res, no fi­nal do ano lec­ti­vo.

É im­por­tan­te que os pais ou en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção te­nham con­tac­tos re­gu­la­res com os pro­fes­so­res dos seus fi­lhos ou edu­can­dos, pa­ra sa­be­rem do seu apro­vei­ta­men­to e de outra si­tu­a­ções.

A edu­ca­ção dos nos­sos fi­lhos e edu­can­dos é um pro­ces­so que de­ve en­vol­ver pais e pro­fes­so­res. Te­nho co­nhe­ci­men­to de que mui­tos pro­ble­mas com alu­nos de es­co­las pri­má­ri­as são re­sol­vi­dos na sequên­cia de diá­lo­go en­tre pais ou en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção e pro­fes­so­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.