Fac­ção do Bo­ko Ha­ram ad­mi­te li­ber­tar mais me­ni­nas

Jornal de Angola - - MUNDO - ELEAZAR VAN-DÚNEM |

A li­ber­ta­ção, na se­ma­na pas­sa­da, de 21 das mais de 200 me­ni­nas se­ques­tra­das em 2014 pe­lo Bo­ko Ha­ram na lo­ca­li­da­de ni­ge­ri­a­na de Chi­bok, nor­des­te do país, por uma fac­ção do gru­po, que ago­ra diz es­tar dis­pos­ta a li­ber­tar mais 83 ra­pa­ri­gas se o Go­ver­no es­ti­ver dis­pos­to a ne­go­ci­ar, de­mons­tra a divisão no seio do Bo­ko Ha­ram, ini­ci­a­das após o mo­vi­men­to re­bel­de ju­rar le­al­da­de ao Es­ta­do Is­lâ­mi­co.

Após o Bo­ko Ha­ram ju­rar le­al­da­de ao Es­ta­do Is­lâ­mi­co, a divisão den­tro do gru­po foi ex­pos­ta em Agos­to, qu­an­do o no­vo lí­der do mo­vi­men­to, Mu­sab al-Bar­nawi, no­me­a­do pe­lo Es­ta­do Is­lâ­mi­co pa­ra li­de­rar o gru­po na região oci­den­tal de Áfri­ca, foi re­jei­ta­do por Abu­ba­kar She­kau, lí­der tra­di­ci­o­nal do mo­vi­men­to re­bel­de ni­ge­ri­a­no cu­jas ac­ções alas­tra­ram-se pa­ra mui­tos paí­ses da Áfri­ca Oci­den­tal.

Des­de en­tão, exis­tem du­as fac­ções do Bo­ko Ha­ram, uma le­al ao Es­ta­do Is­lâ­mi­co e outra a Abu­ba­kar She­kau, am­bas ba­se­a­das no nor­des­te da Ni­gé­ria. A Reu­ters no­ti­ci­ou na ter­ça-fei­ra, ci­tan­do uma fon­te da Pre­si­dên­cia da Ni­gé­ria, que a fac­ção do Bo­ko Ha­ram li­ber­tou as 21 me­ni­nas, que en­tre­tan­to fo­ram le­va­das de Mai­du­gu­ri, nor­des­te da Ni­gé­ria, à Abu­ja, ca­pi­tal do país, de­pois de a Cruz Ver­me­lha e o Go­ver­no suí­ço me­di­a­rem um acor­do com as au­to­ri­da­des ni­ge­ri­a­nas. Gar­ba Shehu, por­ta-voz do Pre­si­den­te da Ni­gé­ria, Muham­ma­du Buha­ri, dis­se à Reu­ters que “as me­ni­nas li­ber­ta­das fo­ram ori­en­ta­das a in­for­mar ao go­ver­no que a fac­ção tem mais 83 me­ni­nas e es­tá dis­pos­ta a ne­go­ci­ar a sua li­ber­ta­ção se o go­ver­no es­ti­ver aber­to ao diá­lo­go.”

Cri­an­ças trau­ma­ti­za­das

O por­ta-voz do Pre­si­den­te Muham­ma­du Buha­ri ga­ran­tiu que as au­to­ri­da­des ni­ge­ri­a­nas es­tão dis­pos­tas a ne­go­ci­ar com a fac­ção do Bo­ko Ha­ram, an­tes de acres­cen­tar que as res­tan­tes me­ni­nas se­ques­tra­das em Chi­bok “es­tão com a par­te do Bo­ko Ha­ram sob con­tro­lo de Abu­ba­kar She­kau.” O Fun­do da ONU pa­ra a In­fân­cia (Uni­cef) de­cla­rou num co­mu­ni­ca­do que a li­ber­ta­ção de 21 me­ni­nas rap­ta­das pe­lo Bo­ko Ha­ram “é uma boa no­tí­cia”, mas aler­tou que a re­cu­pe­ra­ção do trau­ma se­rá “lon­ga e di­fí­cil” e pe­diu que a pres­são con­ti­nue “pa­ra que se­jam sol­tas to­das as mu­lhe­res e cri­an­ças se­ques­tra­das” por aque­le gru­po. O Uni­cef re­fe­re no do­cu­men­to que o re­tor­no das me­ni­nas às fa­mí­li­as e co­mu­ni­da­des é o iní­cio de uma no­va pro­va­ção, mar­ca­da pe­la es­tig­ma­ti­za­ção, de­pois de te­rem si­do ví­ti­mas de vi­o­lên­cia se­xu­al, que as co­mu­ni­da­des “vi­vem com me­do de que as me­ni­nas te­nham si­do dou­tri­na­das pe­lo Bo­ko Ha­ram” e diz ha­ver ris­co pa­ra as cri­an­ças nas­ci­das co­mo re­sul­ta­do da vi­o­lên­cia se­xu­al.

O Uni­cef, com apoio de par­cei­ros e do­a­do­res, re­a­li­za um pro­gra­ma abran­gen­te de as­sis­tên­cia à rein­te­gra­ção de mais de 750 mu­lhe­res e me­ni­nas ví­ti­mas de vi­o­lên­cia se­xu­al do Bo­ko Ha­ram. Agên­ci­as de no­tí­ci­as con­fir­ma­ram que o gru­po li­ber­ta­do é par­te das mais de 200 es­tu­dan­tes rap­ta­das em Abril de 2014, de um dor­mi­tó­rio es­co­lar, em Chi­bok, nor­des­te da Ni­gé­ria.

Com­ba­tes pros­se­guem

O exér­ci­to ni­ge­ri­a­no anun­ci­ou, ter­ça-fei­ra, que, pe­lo me­nos, tre­ze sol­da­dos fo­ram fe­ri­dos e al­guns es­tão de­sa­pa­re­ci­dos na sequên­cia de con­fron­tos com o Bo­ko Ha­ram em Gashi­gar, ci­da­de do es­ta­do de Bor­no, nor­des­te da Ni­gé­ria, per­to da fron­tei­ra com o Ní­ger. O Bo­ko Ha­ram anun­ci­ou no Twit­ter que 20 sol­da­dos da Ni­gé­ria e do vi­zi­nho Ní­ger fo­ram mor­tos e mui­tos fi­ca­ram fe­ri­dos du­ran­te os con­fron­tos em Gashi­gar. Na se­ma­na pas­sa­da, o mi­nis­tro ni­ge­ri­a­no da In­for­ma­ção, Lai Moham­med, ne­gou re­la­tos segundo os quais o Go­ver­no pa­gou ao Bo­ko Ha­ram pa­ra li­ber­tar sol­da­dos cap­tu­ra­dos pe­lo gru­po e afir­mou que a ope­ra­ção do Exér­ci­to con­tra o mo­vi­men­to re­bel­de ia con­ti­nu­ar.

No iní­cio de 2014, o mo­vi­men­to re­bel­de con­tro­la­va uma fai­xa de ter­ra equi­va­len­te ao ta­ma­nho da Bél­gi­ca, mas o exér­ci­to ni­ge­ri­a­no, au­xi­li­a­do por tro­pas dos paí­ses vi­zi­nhos, re­cu­pe­rou a mai­or par­te des­se ter­ri­tó­rio. O Bo­ko Ha­ram au­men­tou os aten­ta­dos na Ni­gé­ria, no Ní­ger e nos Ca­ma­rões. O gru­po lu­ta há se­te anos pa­ra cri­ar um ca­li­fa­do na Ni­gé­ria, on­de se­ria ob­ser­va­da uma in­ter­pre­ta­ção es­tri­ta das leis is­lâ­mi­cas. O gru­po ma­tou mais de 15.000 pes­so­as e pro­vo­cou mais de dois mi­lhões de des­lo­ca­dos.

AFP

Go­ver­no ni­ge­ri­a­no re­a­giu ao ape­lo do Bo­ko Ha­ram pa­ra par­ti­ci­par de ne­go­ci­a­ções a fim de per­mi­tir a li­ber­ta­ção de mais me­ni­nas sob sua cus­tó­dia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.