Lí­bi­os sen­tem fal­ta do tem­po de Kadha­fi

Jornal de Angola - - MUNDO -

Mui­tos lí­bi­os co­me­çam a sen­tir fal­ta da épo­ca em que o país era go­ver­na­do com mão de fer­ro por Mu­am­mar Kadha­fi, cin­co anos de­pois da sua de­po­si­ção e mor­te, num país di­vi­di­do e mer­gu­lha­do no caos.

“A nos­sa vi­da era me­lhor com Kadha­fi”, afir­ma Fai­za al Na­as, uma far­ma­cêu­ti­ca de Tri­po­li, ao lem­brar-se dos 42 anos du­ran­te os quais o lí­der lí­bio per­ma­ne­ceu no po­der. Al Na­as con­fes­sa, em se­gui­da, a ver­go­nha que sen­te em di­zer is­so, qu­an­do pen­sa em to­dos os jo­vens que de­ram a vi­da pa­ra os li­ber­tar de Kadha­fi, re­fe­rin­do-se aos re­bel­des que com­ba­te­ram as for­ças do ex-pre­si­den­te até à sua mor­te, em 20 de Ou­tu­bro de 2011.

Des­de a que­da de Kadha­fi, a Líbia so­fre com in­se­gu­ran­ça e pe­nú­ria. A vi­da quo­ti­di­a­na dos lí­bi­os es­tá pau­ta­da pe­los cor­tes de elec­tri­ci­da­de e pe­las lon­gas fi­las de es­pe­ra di­an­te dos ban­cos de­vi­do à fal­ta de li­qui­dez.

O país es­tá afec­ta­do por lu­tas de in­fluên­cia, tão cruéis qu­an­to im­pu­nes, en­tre as di­ver­sas mi­lí­ci­as e tri­bos que com­põem a so­ci­e­da­de líbia. A Líbia, um ri­co país pe­tro­lí­fe­ro com fron­tei­ras po­ro­sas, con­ver­teu­se nu­ma pla­ta­for­ma de to­do o ti­po de con­tra­ban­do, de ar­mas a dro­gas, pas­san­do, so­bre­tu­do, pe­lo lu­cra­ti­vo tráfico de mi­gran­tes afri­ca­nos que bus­cam che­gar à Eu­ro­pa.

Apro­vei­tan­do o caos pos­te­ri­or à que­da de Kadha­fi, ex­tre­mis­tas de to­do o ti­po, em par­ti­cu­lar do Es­ta­do Is­lâ­mi­co e da Al-Qa­e­da, im­plan­ta­ram-se no ter­ri­tó­rio lí­bio.

No pla­no po­lí­ti­co, o país es­tá di­vi­di­do en­tre du­as au­to­ri­da­des rivais que dis­pu­tam o po­der. Por um la­do, o Go­ver­no de União Na­ci­o­nal (GNA), for­ma­do após um acor­do apa­dri­nha­do pe­las Na­ções Uni­das e ins­ta­la­do em Tri­po­li, a ca­pi­tal do país. Por ou­tro, uma au­to­ri­da­de ri­val ins­ta­la­da no les­te da Líbia, uma zo­na con­tro­la­da em gran­de par­te pe­las for­ças do ma­re­chal Kha­li­fa Haf­tar, que em Se­tem­bro to­mou o con­tro­lo dos ter­mi­nais pe­tro­lí­fe­ros.

Kha­li­fa Haf­tar as­sen­ta a sua le­gi­ti­mi­da­de no Par­la­men­to, ba­se­a­do no les­te, mas re­co­nhe­ci­do tan­to pe­lo GNA, co­mo pe­la co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal. Haf­tar sus­ten­ta que é o úni­co ca­paz de res­ta­be­le­cer a or­dem no país, de sal­var a Líbia, as­sim co­mo re­con­quis­tou uma par­te de Bengha­zi, que es­ta­va nas mãos de gru­pos ex­tre­mis­tas. Os seus opo­si­to­res acu­sam Haf­tar de ter um úni­co ob­jec­ti­vo: to­mar o po­der e ins­tau­rar uma no­va di­ta­du­ra mi­li­tar. “Os lí­bi­os são obri­ga­dos a es­co­lher en­tre dois ex­tre­mos: o caos das mi­lí­ci­as e os ex­tre­mis­tas is­la­mi­tas ou um re­gi­me mi­li­tar”, la­men­ta o ana­lis­ta lí­bio Moha­med El­jarh, do cen­tro Ra­fik Ha­ri­ri pa­ra o Ori­en­te Mé­dio. Kha­li­fa Haf­tar não con­se­gue, no en­tan­to, aca­bar com as mi­lí­ci­as pró­xi­mas à Al-Qa­e­da ain­da pre­sen­tes em Bengha­zi e, por sua vez, as for­ças fa­vo­rá­veis ao GNA, ba­se­a­das em Mis­ra­ta (oes­te), tam­bém não po­dem li­qui­dar os fo­cos de re­sis­tên­cia do Es­ta­do Is­lâ­mi­co em Sir­te.

Os es­pe­ci­a­lis­tas te­mem que, uma vez ter­mi­na­do o com­ba­te aos ex­tre­mis­tas, os dois gru­pos se en­fren­tem di­rec­ta­men­te pa­ra con­tro­lar o país. “É di­fí­cil ima­gi­nar que o país pos­sa al­can­çar a es­ta­bi­li­da­de ra­pi­da­men­te de­vi­do às di­vi­sões, mas tam­bém à von­ta­de dos pro­ta­go­nis­tas de con­tro­lar as lo­ca­li­da­des que opõem re­sis­tên­cia”, afir­ma Mat­tia To­al­do, es­pe­ci­a­lis­ta da Líbia no Eu­ro­pe­an Coun­cil on Fo­reign Re­la­ti­ons.

“Após dé­ca­das do en­tão go­ver­no, os lí­bi­os se re­sig­nam a outra for­ma de au­to­ri­ta­ris­mo, mais des­cen­tra­li­za­do, se­ja sob a au­to­ri­da­de das mi­lí­ci­as ou de Af­tar”, diz o es­pe­ci­a­lis­ta.

As Na­ções Uni­das anun­ci­a­ram, on­tem, a pos­si­bi­li­da­de de uma tré­gua de 72 ho­ras a par­tir de ho­je, à luz de ne­go­ci­a­ções en­tre re­pre­sen­tan­tes das par­tes em con­fli­to com a par­ti­ci­pa­ção da Co­li­ga­ção Ára­be e do Irão.

O anún­cio da tré­gua abriu uma gran­de ex­pec­ta­ti­va no ter­re­no. Os ata­ques bai­xa­ram de rit­mo e o mo­vi­men­to de uni­da­des mi­li­ta­res di­mi­nuiu de in­ten­si­da­de. As par­tes dis­cu­ti­ram a ope­ra­ci­o­na­li­da­de do ces­sar­fo­go na se­gun­da-fei­ra. O me­di­a­dor da ONU pa­ra o con­fli­to no Ié­men, Is­mail Ould Sheikh Ah­med, dis­se que re­ce­beu ga­ran­ti­as de to­das as par­tes pa­ra o res­pei­to da tré­gua.

O Pre­si­den­te ie­me­ni­ta, Abd Rab­bo Man­sour Ha­di, cu­jas tro­pas lu­tam con­tra os re­bel­des xi­i­tas huthis com o apoio de uma co­li­ga­ção li­de­ra­da pe­la Ará­bia Sau­di­ta, acei­tou a tré­gua de 72 ho­ras que po­de ser pro­lon­ga­da. O mi­nis­tro ie­me­ni­ta das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Ab­del­ma­lek al-Mej­la­fi, impôs al­gu­mas con­di­ções: exi­giu a ins­ta­la­ção de um co­mi­té de ve­ri­fi­ca­ção da tré­gua, o fim do cer­co em Ta­ez, im­por­tan­te ci­da­de do su­do­es­te si­ti­a­da pe­los re­bel­des, e a dis­tri­bui­ção sem obs­tá­cu­los da aju­da hu­ma­ni­tá­ria. O che­fe da di­plo­ma­cia sau­di­ta, Adel al-Ju­beir, fez uma de­cla­ra­ção a fa­vor da tré­gua, segundo o jor­nal Asharq alAw­sat. Os re­bel­des ain­da não re­a­gi­ram ao anún­cio do ces­sar-fo­go, o sex­to des­de o iní­cio do con­fli­to, em Mar­ço de 2015, que dei­xou mais 6.900 mor­tos e três mi­lhões de des­lo­ca­dos. As cin­co tré­guas an­te­ri­o­res não con­se­gui­ram ser con­so­li­da­das de­vi­do a vi­o­la­ções sis­te­má­ti­cas.

O emis­sá­rio da ONU pa­ra o Ié­men des­ta­cou que a tré­gua “pou­pa a po­pu­la­ção de no­vos ba­nhos de san­gue e per­mi­te am­pli­ar a aju­da hu­ma­ni­tá­ria aos país.” Pe­lo me­nos, qua­se três mi­lhões de pes­so­as no Ié­men pre­ci­sam de aju­da ali­men­tar ime­di­a­ta e 1,5 mi­lhão de cri­an­ças so­frem de des­nu­tri­ção, de acor­do com o Uni­cef.

Na­ções Uni­das

O me­di­a­dor da ONU pa­ra o con­fli­to no Ié­men, Is­mail Ould Sheikh Ah­med, afir­mou que a no­va tré­gua re­to­ma os ter­mos do acor­do de 10 de Abril, que não foi du­ra­dou­ro, segundo o qual, os be­li­ge­ran­tes “têm a obri­ga­ção de pos­si­bi­li­tar aces­so hu­ma­ni­tá­rio sem obs­tá­cu­los à po­pu­la­ção.” O me­di­a­dor tam­bém pe­diu res­pei­to pe­lo ces­sar-fo­go.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.