Apre­sen­ta­da a ca­der­ne­ta do tra­ba­lha­dor do­més­ti­co

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - MANUELA MA­TEUS |

O Mi­nis­té­rio da Administração Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al (MAPTSS), apre­sen­tou on­tem, em Lu­an­da, a Ca­der­ne­ta do Tra­ba­lha­dor Do­més­ti­co, num en­con­tro tes­te­mu­nha­do por par­cei­ros so­ci­ais, co­mo sin­di­ca­tos e em­pre­ga­do­res.

A ca­der­ne­ta que ser­ve co­mo do­cu­men­to com­pro­va­ti­vo da re­la­ção ju­rí­di­co-la­bo­ral foi cri­a­da ao abri­go do De­cre­to Pre­si­den­ci­al nº155/16 que apro­va o re­gi­me ju­rí­di­co e de pro­tec­ção so­ci­al do tra­ba­lha­dor do­més­ti­co.

O do­cu­men­to de­fi­ne que os trabalhadores do­més­ti­cos pas­sam a ter di­rei­to a fé­ri­as, oi­to ho­ras de tra­ba­lho diá­rio, di­rei­to à re­for­ma, sub­sí­dio de Na­tal e de ma­ter­ni­da­de.

O di­plo­ma de­fi­ne ain­da que a ta­xa con­tri­bu­ti­va pa­ra o sis­te­ma de Pro­tec­ção So­ci­al Obri­ga­tó­rio do tra­ba­lha­dor do­més­ti­co é pa­ga seis por cen­to pe­lo em­pre­ga­dor e dois pe­lo tra­ba­lha­dor.

O di­rec­tor do ga­bi­ne­te ju­rí­di­co do MAPTSS, Je­sus Mai­a­to, dis­se que a apre­sen­ta­ção da ca­der­ne­ta do tra­ba­lha­dor é uma das ac­ções do con­jun­to de ac­ti­vi­da­des que o mi­nis­té­rio es­tá a de­sen­vol­ver. O pró­xi­mo pas­so vai ser ca­pa­ci­tar os di­rec­to­res pro­vin­ci­ais pa­ra a di­vul­ga­ção do re­gu­la­men­to do tra­ba­lho do­més­ti­co em to­do o país.

Com a en­tra­da em vi­gor do di­plo­ma, o MAPTSS tem en­vi­da­do es­for­ços pa­ra a sua mai­or di­vul­ga­ção. “Os trabalhadores do­més­ti­cos são pes­so­as que de­sen­vol­vem um tra­ba­lho no seio das fa­mí­li­as, por es­te mo­ti­vo, o de­ver do si­gi­lo é fun­da­men­tal no seio do agre­ga­do”, dis­se Je­sus Mai­a­to.

O ju­ris­ta in­for­mou que a ca­der­ne­ta ser­ve co­mo do­cu­men­to do con­tra­to de tra­ba­lho no re­gi­me ge­ral. Por es­ta ra­zão, é um ins­tru­men­to que vai fa­ci­li­tar to­dos os trabalhadores que de­sen­vol­vem es­ta ac­ti­vi­da­de. Pla­no de for­ma­ção O mi­nis­té­rio pre­ten­de im­ple­men­tar um pla­no de for­ma­ção pa­ra os trabalhadores do­més­ti­cos on­de a com­po­nen­te de­on­to­ló­gi­ca e éti­ca se­rão fun­da­men­tais, pa­ra que os mes­mos te­nham for­ma­ção téc­ni­ca e um com­por­ta­men­to dig­no e exem­plar di­an­te do em­pre­ga­dor.

Je­sus Mai­a­to avan­çou que o li­vre­te fi­ca em pos­se do tra­ba­lha­dor do­més­ti­co e não há ne­ces­si­da­de de le­vá-lo to­dos os di­as ao lo­cal de tra­ba­lho. “Ele de­ve ape­nas as­si­nar o con­tra­to, fa­zer o re­gis­to na Se­gu­ran­ça So­ci­al e man­tê-lo guar­da­do. Ca­so ha­ja al­te­ra­ções de sa­lá­rio ou de mu­dan­ça de em­pre­go, o tra­ba­lha­dor tem de vol­tar a levar a ca­der­ne­ta no re­gis­to de Se­gu­ran­ça So­ci­al, pa­ra ac­tu­a­li­zar os da­dos jun­to com o em­pre­ga­dor”, re­fe­riu.

A ca­der­ne­ta é um do­cu­men­to que es­ta­rá dis­po­ní­vel na Im­pren­sa Na­ci­o­nal, que nos pró­xi­mos di­as vai de­fi­nir o seu va­lor de com­pra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.