Ross Brawn jus­ti­fi­ca saí­da da Mer­ce­des

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Ross Brawn afir­ma que as su­as ra­zões de saí­da da Mer­ce­des es­ti­ve­ram re­la­ci­o­na­das com a fal­ta de con­fi­an­ça que ti­nha em re­la­ção a Ni­ki Lau­da (ac­tu­al di­rec­tor não exe­cu­ti­vo) e a To­to Wolff (di­rec­tor exe­cu­ti­vo).

As re­ve­la­ções de Brawn – à al­tu­ra di­rec­tor ge­ral da Mer­ce­des – es­tão no li­vro “To­tal Com­pe­ti­ti­on: Les­sons in Stra­tegy from For­mu­la 1”, que se­rá, es­cri­to em par­cei­ra com o an­ti­go di­rec­tor exe­cu­ti­vo da Wil­li­ams Adam Parr, que se­rá lan­ça­do em No­vem­bro.

Com oi­to tí­tu­los de cam­peão do mun­do de Cons­tru­to­res e oi­to de Pi­lo­tos re­sul­tan­tes do seu tra­ba­lho des­de a Be­net­ton à Brawn GP, o in­glês dei­xou em 2013 a Mer­ce­des – que três anos an­tes ti­nha com­pra­do a sua equi­pa le­van­do-o pa­ra di­ri­gir o re­gres­so ger­mâ­ni­co à Fór­mu­la 1.

“O que acon­te­ceu na Mer­ce­des foi que me eram im­pos­tas pes­so­as em quem não po­dia con­fi­ar. Eu nun­ca sa­bia o que es­ta­vam a ten­tar fa­zer”, con­ta Brawn nu­ma pré-pu­bli­ca­ção vei­cu­la­da pe­lo “GPUp­da­te”.

“O Ni­ki (Lau­da) di­zia-me uma coi­sa e de­pois eu ou­via que ele es­ta­va a di­zer outra coi­sa”, ex­pli­cou o in­glês apon­tan­do o chão mo­ve­di­ço que sen­tiu de­bai­xo dos pés: “Eu es­ta­va a co­me­çar a li­dar com pes­so­as que, em úl­ti­ma ins­tân­cia, sen­tia não po­der con­fi­ar; pes­so­as den­tro da equi­pa, que já me ti­nham fa­lha­do no que res­pei­ta à sua abor­da­gem”.

A con­tra­ta­ção de Paddy Lowe – ac­tu­al di­rec­tor téc­ni­co da Mer­ce­des – foi mais um epi­só­dio que mi­nou a con­fi­an­ça de Brawn: “Em me­a­dos de 2013, des­co­bri que o Paddy Lowe ti­nha si­do con­tra­ta­do e o con­tra­to fora as­si­na­do em Es­tu­gar­da. Qu­an­do con­fron­tei o To­to (Wolff) e o Ni­ki, eles se res­pon­sa­bi­li­za­ram um ao ou­tro. En­con­trei-me com eles pa­ra ti­rar a lim­po e am­bos apon­ta­ram o de­do um ao ou­tro.”

“Eu não po­dia con­fi­ar nas pes­so­as, por is­so, não vi qual­quer fu­tu­ro a não ser que fos­se pa­ra uma guer­ra e as ex­cluís­se. Não vi qual­quer fu­tu­ro em pes­so­as em que não sen­tia po­der con­fi­ar”, re­for­çou Brawn.

Obri­ga­do a fa­lar

Lewis Ha­mil­ton foi con­vo­ca­do pe­la FIA pa­ra com­pa­re­cer na con­fe­rên­cia ofi­ci­al de an­te­vi­são do Gran­de Prémio dos Es­ta­dos Uni­dos, mar­ca­da pa­ra ho­je, em Aus­tin. O pi­lo­to in­glês vai as­sim re­en­con­trar a im­pren­sa após a con­tro­ver­sa con­fe­rên­cia de an­te­vi­são pa­ra o GP do Ja­pão, em que de­mons­trou es­tar abor­re­ci­do com o for­ma­to do even­to, além de ter pas­sa­do o tem­po a brin­car com as apli­ca­ções do Snap­chat no te­le­mó­vel.

Na al­tu­ra foi acu­sa­do de ter ti­do uma ati­tu­de pou­co pro­fis­si­o­nal e in­fan­til. Sen­tin­do-se des­res­pei­ta­do pe­las crí­ti­cas, o pi­lo­to da Mer­ce­des re­cu­sou fa­lar com a im­pren­sa no bri­e­fing da Mer­ce­des, aban­do­nan­do o even­to.

“Quem ri por úl­ti­mo ri me­lhor. Não estou aqui pa­ra res­pon­der às vos­sas ques­tões. (…) Não ten­ci­o­no par­ti­ci­par mais em ac­tos co­mo es­te”, afir­mou na al­tu­ra.

A FIA não gos­tou da ati­tu­de e co­mo “cas­ti­go” con­vo­cou o in­glês pa­ra a ha­bi­tu­al con­fe­rên­cia de an­te­vi­são em Aus­tin. Ca­so fal­te à con­fe­rên­cia, Ha­mil­ton ar­ris­ca-se a san­ção da Fe­de­ra­ção.

O pi­lo­to bri­tâ­ni­co es­tá nu­ma dis­pu­ta re­nhi­da com o ale­mão Ni­co Ros­berg, pe­la con­quis­ta do tí­tu­lo mun­di­al em sua pos­se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.