PRO­JEC­TO VAI RE­DU­ZIR CUS­TOS DE PRO­DU­ÇÃO Inau­gu­ra­da ofi­ci­na de apoio às pe­tro­lí­fe­ras

Jornal de Angola - - DESPORTO - EDIVALDO CRIS­TÓ­VÃO |

An­go­la é o úni­co país da região da Áfri­ca Sub­sa­a­ri­a­na com tec­no­lo­gia ca­paz de re­pa­rar e mon­tar equi­pa­men­to aquá­ti­co uti­li­za­do por em­pre­sas de pro­du­ção pe­tro­lí­fe­ra sem pre­ci­sar de ex­por­tar. A ofi­ci­na foi inau­gu­ra­da on­tem, em Lu­an­da, pe­lo se­cre­tá­rio de Es­ta­do dos Pe­tró­le­os, Aní­bal Sil­va.

As ins­ta­la­ções da ofi­ci­na es­tão lo­ca­li­za­das na ba­se da So­nils, em Lu­an­da. Nes­ta fa­se ini­ci­al, o pro­jec­to te­ve um in­ves­ti­men­to de dez mi­lhões de dó­la­res e per­mi­tiu a cri­a­ção de 200 pos­tos de tra­ba­lho di­rec­tos, nu­ma iniciativa da em­pre­sa an­go­la­na Aker So­lu­ti­ons En­ter­pri­ses.

Os ser­vi­ços de ma­nu­ten­ção e de mon­ta­gem do equi­pa­men­to su­baquá­ti­co, nu­ma pri­mei­ra fa­se, vão ser des­ti­na­dos ao pro­jec­to Ka­om­bo, lo­ca­li­za­do no Bloco 32, no Am­briz, Ben­go, ex­clu­si­va­men­te ex­plo­ra­do pe­la To­tal E & P An­go­la.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do dos Pe­tró­le­os dis­se que o país deu um pas­so im­por­tan­te no de­sen­vol­vi­men­to da in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra. “A mon­ta­gem de pe­ças so­fis­ti­ca­das no país vai per­mi­tir a re­du­ção de cus­tos e be­ne­fi­ci­ar o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co”.

AA­ker So­lu­ti­ons En­ter­pri­ses apos­ta, bre­ve­men­te, na cons­tru­ção de uma ba­se de ser­vi­ços pa­ra as­sis­tên­cia téc­ni­ca (ma­nu­ten­ção e re­pa­ra­ção) do re­fe­ri­do equi­pa­men­to, em Vi­a­na, num in­ves­ti­men­to ava­li­a­do em 25 mi­lhões de dó­la­res, com o ob­jec­ti­vo de alar­gar os ser­vi­ços pa­ra ou­tras em­pre­sas pe­tro­lí­fe­ras do país. Pe­dro Go­di­nho, di­rec­tor da em­pre­sa an­go­la­na Ak­sel, dis­se que o pro­jec­to de­sen­vol­vi­do pe­la sua em­pre­sa é a con­cre­ti­za­ção de uma es­tra­té­gia do Mi­nis­té­rio dos Pe­tró­le­os, que vi­sa as­se­gu­rar que os em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos te­nham aces­so às par­ce­ri­as, in­cluin­do tec­no­lo­gi­as e “knowhow”, pa­ra de­sen­vol­ve­rem projectos es­tru­tu­ran­tes nas in­dús­tri­as que mo­vi­men­tam a eco­no­mia an­go­la­na.

Um dos ob­jec­ti­vos é au­men­tar a in­te­gra­ção e a ca­pa­ci­ta­ção do ca­pi­tal hu­ma­no na­ci­o­nal nos projectos da in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra.

A Aker as­su­miu o com­pro­mis­so de in­ves­tir cin­co mi­lhões de dó­la­res no ape­tre­cha­men­to dos la­bo­ra­tó­ri­os da Fa­cul­da­de de En­ge­nha­ria da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to e do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal dos Pe­tró­le­os. O equi­pa­men­to pa­ra os la­bo­ra­tó­ri­os es­tá nes­te mo­men­to em fa­se de pro­du­ção na Ale­ma­nha.

Em­pre­sa de di­rei­to an­go­la­no que re­sul­ta da fu­são de in­te­res­ses en­tre as em­pre­sas no­ru­e­gue­sa Aker So­lu­ti­ons (49 por cen­to) e a an­go­la­na Pro­di­a­mam Oil Ser­vi­ces (51), a

Aker So­lu­ti­ons En­ter­pri­ses tem um con­tra­to pa­ra for­ne­cer, ao gru­po pe­tro­lí­fe­ro fran­cês To­tal, equi­pa­men­to su­baquá­ti­co pa­ra pro­du­ção de pe­tró­leo (ár­vo­res de Na­tal, jum­pers, ma­ni­folds e ou­tros) des­ti­na­do ao pro­jec­to Ka­om­bo (lo­ca­li­za­do no Bloco 32 do mar de An­go­la).

O Ka­om­bo é um dos mai­o­res projectos de ex­plo­ra­ção pe­tro­lí­fe­ra sub­ma­ri­na a ní­vel mun­di­al. O ar­ran­que da sua pro­du­ção no país es­tá pre­vis­to pa­ra 2018, com uma ex­plo­ra­ção de120 mil bar­ris de pe­tró­leo por dia, com pers­pec­ti­va de che­gar aos 240 mil nos pró­xi­mos anos. Es­tá lo­ca­li­za­do no Am­briz, Ben­go, a 90 mi­lhas da cos­ta de An­go­la.

Fru­to da ce­le­bra­ção des­te con­tra­to, no es­ta­lei­ro da So­na­met, no Lo­bi­to, em Benguela, vão ser cons­truí­dos dez co­lec­to­res de pro­du­ção (ma­ni­folds), 20 ân­co­ras de suc­ção e fun­da­ções, 21 ca­be­ças de po­ço, 35 li­nhas de flu­xos (jum­pers) e ou­tras es­tru­tu­ras, to­ta­li­zan­do mais de qua­tro mil to­ne­la­das.

In­ves­ti­men­tos

Pe­dro Go­di­nho dis­se que faz ain­da par­te des­te com­pro­mis­so, um in­ves­ti­men­to de 25 mi­lhões de dó­la­res que vai tor­nar An­go­la no úni­co país da Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na com uma câ­ma­ra de tes­tes hi­per­bá­ri­ca, tec­no­lo­gia de úl­ti­ma ge­ra­ção, que vai as­se­gu­rar que o equi­pa­men­to su­baquá­ti­co dei­xe de ser re­pa­ra­do no ex­te­ri­or.

“An­tes, as em­pre­sas pe­tro­lí­fe­ras es­tran­gei­ras fa­zi­am o seu tra­ba­lho e ex­por­ta­vam tu­do, sem dei­xa­rem na­da pa­ra o país, mas ago­ra, a cri­a­ção des­tas par­ce­ri­as per­mi­te que as par­tes an­go­la­nas se de­sen­vol­vam, cri­em mais em­pre­gos e fa­çam mais in­ves­ti­men­tos lo­cais”, dis­se.

O em­pre­sá­rio re­fe­riu que ain­da é ce­do pa­ra se fa­zer uma ava­li­a­ção dos lu­cros, por­que o pro­jec­to es­tá nu­ma fa­se evo­lu­ti­va e em­bri­o­ná­ria, “mas, bre­ve­men­te, te­re­mos uma ideia me­lhor dos ren­di­men­tos des­ta par­ce­ria.”

Pe­dro Ri­bei­ro, di­rec­tor-ad­jun­to da To­tal, con­si­de­ra que a cons­tru­ção des­ta ba­se é um mar­co im­por­tan­te pa­ra con­so­li­dar o mai­or pro­jec­to pe­tro­lí­fe­ro de An­go­la, o Ka­om­bo.

A ma­nu­ten­ção, subs­ti­tui­ção do equi­pa­men­to e a ope­ra­ção no Bloco 32 são ser­vi­ços que po­dem du­rar até 20 anos, com ape­nas mão-de-obra na­ci­o­nal. “Ho­je, to­da in­dús­tria es­tá en­ga­ja­da na re­du­ção de cus­tos de ope­ra­ção e de­sen­vol­vi­men­to, pa­ra ga­ran­tir a pe­re­ni­da­de da in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra no mun­do in­tei­ro. Com a cri­a­ção des­ta ba­se, a To­tal po­de re­du­zir os seus cus­tos ope­ra­ci­o­nais em até 30 por cen­to”, dis­se.

Cen­to e vin­te e seis to­ne­la­das de ca­fé ma­bu­ba (com a cas­ca) fo­ram co­mer­ci­a­li­za­das du­ran­te a cam­pa­nha agrí­co­la 2015/016, in­for­mou on­tem o di­rec­tor pro­vin­ci­al da Agri­cul­tu­ra no Ben­go. De acor­do com Faus­ti­no Ngon­ga, fo­ram co­mer­ci­a­li­za­dos pe­la Pro­ca­fé 29.065 to­ne­la­das e pe­lo em­pre­sá­rio Ti­ti Alfredo 97.070 to­ne­la­das. Ex­pli­cou que o ca­fé co­mer­ci­a­li­za­do foi pro­du­zi­do nos mu­ni­cí­pi­os de Bu­la Atum­ba (33.850 to­ne­la­das), Dem­bos (29.385 to­ne­la­das), Nam­bu­an­gon­go (40.500 to­ne­la­das) e Pan­go Aluquém (22.400 to­ne­la­das).

Os so­ci­a­lis­tas es­pa­nhóis anun­ci­a­ram ter­ça-fei­ra que vão de­ci­dir no do­min­go se per­mi­tem que a di­rei­ta go­ver­ne ou se man­têm o seu ve­to, o que con­du­zi­rá a no­vas elei­ções em De­zem­bro, as ter­cei­ras le­gis­la­ti­vas num ano. O co­mi­té fe­de­ral do Par­ti­do So­ci­a­lis­ta (PSOE), com­pos­to por cer­ca de 300 ele­men­tos, vai reu­nir­se no do­min­go em Ma­drid pa­ra to­mar es­sa de­ci­são, con­fir­ma­ram à AFP fon­tes so­ci­a­lis­tas. Os so­ci­a­lis­tas de­vem de­ci­dir se vá­ri­os elei­tos do seu gru­po par­la­men­tar se de­vem abs­ter du­ran­te uma vo­ta­ção pa­ra per­mi­tir ao che­fe do go­ver­no ces­san­te, o con­ser­va­dor Ma­ri­a­no Ra­joy, per­ma­ne­cer no po­der ou man­ter o seu ve­to con­tra a di­rei­ta.

M. MACHANGONGO

Os ser­vi­ços de ma­nu­ten­ção do equi­pa­men­to su­baquá­ti­co são des­ti­na­dos ao pro­jec­to Ka­om­bo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.