Pri­o­ri­da­de pa­ra o sec­tor so­ci­al

EXE­CU­TI­VO APROVA PRO­POS­TA DE LEI DO OR­ÇA­MEN­TO PA­RA 2017

Jornal de Angola - - PARTADA - KUMUÊNHO DA RO­SA |

A pro­pos­ta de Lei do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra 2017 foi on­tem apro­va­da pe­lo ple­ná­rio do Con­se­lho de Mi­nis­tros, nu­ma ses­são ori­en­ta­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. O prin­ci­pal ins­tru­men­to de ges­tão das fi­nan­ças pú­bli­cas, que é sub­me­ti­do ao Par­la­men­to nos pró­xi­mos di­as, pre­vê um vo­lu­me glo­bal de re­cei­tas na or­dem dos 7,3 tri­liões de kwan­zas (o ac­tu­al é de 6,9 tri­liões), sen­do cer­ca de qua­tro tri­liões em re­cei­tas fis­cais e três tri­liões de fi­nan­ci­a­men­to. Uma das no­tas de des­ta­que nes­ta pro­pos­ta de OGE é a fa­tia pa­ra o sec­tor so­ci­al, que ul­tra­pas­sa os dois tri­liões de kwan­zas. “Se­rá na­tu­ral­men­te um or­ça­men­to pos­sí­vel e não o de­se­já­vel ten­do em con­ta a ac­tu­al con­jun­tu­ra eco­nó­mi­ca”, re­su­miu Aia-Eza Na­cí­lia Go­mes da Sil­va, se­cre­tá­ria de Es­ta­do pa­ra o Or­ça­men­to. Se­gun­do Aia-Eza da Sil­va, foi es­sa a con­clu­são a que che­ga­ram os re­pre­sen­tan­tes dos di­fe­ren­tes sec­to­res, que “cer­ta­men­te gos­ta­ri­am de ver as su­as ver­bas au­men­ta­das e mais ro­bus­tas”, mas aca­ba­ram to­dos por con­cor­dar que a si­tu­a­ção obri­ga a al­gu­mas res­tri­ções e a um gran­de ri­gor e dis­ci­pli­na na ges­tão do OGE, que foi ela­bo­ra­do com o pre­ço de re­fe­rên­cia do bar­ril de pe­tró­leo fi­xa­do em 46 dó­la­res.

A pro­pos­ta de Lei do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra 2017 cum­priu on­tem uma fa­se de­ci­si­va an­tes de ser sub­me­ti­da à As­sem­bleia Na­ci­o­nal. O prin­ci­pal ins­tru­men­to de ges­tão pro­gra­má­ti­ca das fi­nan­ças pú­bli­cas foi apre­ci­a­do pe­lo ple­ná­rio do Con­se­lho de Mi­nis­tros, nu­ma ses­são ori­en­ta­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos.

“Se­rá na­tu­ral­men­te um or­ça­men­to pos­sí­vel e não o de­se­já­vel, ten­do em con­ta a ac­tu­al con­jun­tu­ra eco­nó­mi­ca”, re­su­miu Aia-Eza Na­cí­lia Go­mes da Sil­va, a se­cre­tá­ria de Es­ta­do pa­ra o Or­ça­men­to, em de­cla­ra­ções à im­pren­sa após a reu­nião, no Pa­lá­cio da Ci­da­de Al­ta.

Se­gun­do Aia-Eza da Sil­va, foi es­sa a con­clu­são a que che­ga­ram os re­pre­sen­tan­tes dos di­fe­ren­tes sec­to­res, que “cer­ta­men­te gos­ta­ri­am de ver as su­as ver­bas au­men­ta­das e mais ro­bus­tas”, mas aca­ba­ram to­dos por con­cor­dar que a si­tu­a­ção obri­ga a uma abor­da­gem de al­gu­mas res­tri­ções, de dis­ci­pli­na e gran­de ri­gor na ges­tão do OGE.

“Te­mos rá­ci­os a cum­prir, li­mi­tes de en­di­vi­da­men­to que pre­ci­sa­mos de res­pei­tar, um ní­vel de sus­ten­ta­bi­li­da­de das con­tas fis­cais e da dí­vi­da pú­bli­ca que pre­ci­sa­mos de ve­ri­fi­car an­tes de fi­xar o ní­vel de des­pe­sa”, as­si­na­lou a se­cre­tá­ria de Es­ta­do pa­ra o Or­ça­men­to, lem­bran­do ser com es­te pro­pó­si­to que o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças pros­se­gue o seu tra­ba­lho de sen­si­bi­li­za­ção jun­to dos ór­gãos do sis­te­ma or­ça­men­tal.

Aia-Eza da Sil­va dis­se não ha­ver ou­tro ca­mi­nho: “Es­ta­mos nu­ma si­tu­a­ção de cri­se, co­mo to­da a gen­te sa­be, em que os ní­veis de re­cei­tas pú­bli­cas di­mi­nuí­ram dras­ti­ca­men­te da­qui­lo que é o ha­bi­tu­al. Por is­so, tem que ha­ver um exer­cí­cio de aco­mo­da­ção da des­pe­sa pú­bli­ca nes­se sen­ti­do, pri­o­ri­zan­do sem­pre o in­ves­ti­men­to pú­bli­co, mas sem des­cu­rar a ne­ces­si­da­de de sa­tis­fa­ção dos ser­vi­ços mí­ni­mos do fun­ci­o­na­lis­mo do Es­ta­do. É nes­ta ba­se que es­tá a ser ela­bo­ra­do o OGE de 2017”.

O do­cu­men­to que vai ain­da a dis­cus­são na As­sem­bleia Na­ci­o­nal pre­vê um vo­lu­me glo­bal de re­cei­tas na or­dem dos 7,3 tri­liões de kwan­zas (o ac­tu­al an­te­ri­or é de 6.9 tri­liões), sen­do cer­ca de qua­tro tri­liões em re­cei­tas fis­cais e três de fi­nan­ci­a­men­to. Uma das no­tas de des­ta­que nes­ta pro­pos­ta de OGE é a fa­tia pa­ra o sec­tor so­ci­al, que ul­tra­pas­sa os dois tri­liões de kwan­zas. Ou­tros in­di­ca­do­res não me­nos re­le­van­tes da pro­pos­ta de OGE pa­ra 2017 são o dé­fi­ce fis­cal (5.9), o pre­ço de re­fe­rên­cia do bar­ril de pe­tró­leo (46 dó­la­res) e a ta­xa de cres­ci­men­to da eco­no­mia (2.1). “São nú­me­ros de al­gum mo­do con­ser­va­do­res”, dis­se Aia-Eza Sil­va, ten­do em con­ta as al­te­ra­ções ve­ri­fi­ca­das nos prin­ci­pais in­di­ca­do­res ma­cro­e­co­nó­mi­cos do país.

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do fri­sou que exis­tem li­mi­tes de­fi­ni­dos pe­lo pró­prio Exe­cu­ti­vo pa­ra man­ter as con­tas pú­bli­cas em ní­veis sus­ten­tá­veis, co­mo o dé­fi­ce fis­cal na or­dem dos 5.9 por cen­to, que tem em con­ta o ní­vel de en­di­vi­da­men­to a que o Exe­cu­ti­vo se pro­põe atin­gir em ter­mos de ava­li­a­ção da sus­ten­ta­bi­li­da­de de dí­vi­da pú­bli­ca.

À cau­te­la, o Exe­cu­ti­vo pre­vê o cres­ci­men­to da eco­no­mia na or­dem dos 2.1 por cen­to do PIB, con­tan­do uma con­tri­bui­ção mai­or do sec­tor não pe­tro­lí­fe­ro. A apos­ta que es­tá a ser fei­ta no sec­tor pro­du­ti­vo, com a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia no to­po da agen­da, ani­ma o Exe­cu­ti­vo a con­si­de­rar for­tes pro­ba­bi­li­da­des de me­lho­ria no cres­ci­men­to do pro­du­to.

Abor­da­gem pru­den­te

Mas a se­cre­tá­ria de Es­ta­do lan­çou um aler­ta. É que gran­de par­te des­sas con­di­ções de­pen­de de fac­to­res exó­ge­nos à eco­no­mia an­go­la­na, daí a abor­da­gem de cer­ta for­ma con­ser­va­do­ra do Exe­cu­ti­vo. “Ela­bo­rá­mos o Or­ça­men­to com nú­me­ros con­ser­va­do­res, mas é per­fei­ta­men­te nor­mal que al­guém con­si­de­re que po­día­mos es­tar um pou­co aci­ma e tam­bém qu­em en­ten­da que po­de­mos es­tar um pou­co abai­xo”. Mas o que con­ta, su­bli­nhou, é que é es­sa a in­for­ma­ção que o Go­ver­no dis­põe e são os nú­me­ros pos­sí­veis de apre­sen­tar. “Há qu­em pos­sa di­zer que o pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo pro­jec­ta­do pa­ra es­se OGE, de 46 dó­la­res por bar­ril, es­tá su­ba­va­li­a­do, já que al­gu­mas agên­ci­as dão in­di­ca­ções de que o pre­ço do bar­ril po­de­rá si­tu­ar-se aci­ma dos 50 dó­la­res por bar­ril em 2017.”

Aia-Eza Sil­va in­te­grou a de­le­ga­ção an­go­la­na às con­ver­sa­ções em Washing­ton com o FMI e Ban­co Mun­di­al e as­si­na­lou o cep­ti­cis­mo com que es­tas ins­ti­tui­ções de Bret­ton Wo­od olham pa­ra a ques­tão do pre­ço do pe­tró­leo, que é, co­mo re­fe­riu, um “in­di­ca­dor pre­pon­de­ran­te na de­ter­mi­na­ção dos in­di­ca­do­res ma­cro­e­co­nó­mi­cos fis­cais do país”.

A úni­ca cer­te­za que exis­te é que o ac­tu­al qua­dro eco­nó­mi­co e fi­nan­cei­ro in­ter­na­ci­o­nal con­ti­nua a ser de al­gu­ma in­cer­te­za. “É com to­da a cer­te­za que afir­ma­mos is­so e por is­so é sem­pre um exer­cí­cio que nos per­mi­te ter al­gu­ma se­gu­ran­ça no mo­men­to. E é cla­ro que o Exe­cu­ti­vo es­tá pre­pa­ra­do pa­ra re­a­gir ca­so as con­di­ções de mer­ca­do se al­te­rem sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te.”

Pre­pa­ra­ção das elei­ções

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do tam­bém co­men­tou o fac­to de ser um or­ça­men­to pa­ra ano de elei­ções e ga­ran­tiu que boa par­te das des­pe­sas em re­la­ção à re­a­li­za­ção do ac­to elei­to­ral, cer­ca de 60 por cen­to, já cons­ta do Or­ça­men­to de 2016 e que o pró­xi­mo tam­bém in­clui al­gu­ma, mas nu­ma mag­ni­tu­de in­fe­ri­or. Aia-Eza Sil­va ga­ran­tiu igual­men­te es­tar acau­te­la­da a des­pe­sa cor­res­pon­den­te à exe­cu­ção dos pa­ga­men­tos aos par­ti­dos po­lí­ti­cos, as­sim co­mo to­da a des­pe­sa adi­ci­o­nal que o pró­prio Exe­cu­ti­vo pos­sa ter em re­la­ção a es­sa ma­té­ria.

Ape­sar de ser um ano atí­pi­co, uma vez que te­rá que vi­go­rar ape­nas até ao pri­mei­ro tri­mes­tre ou os pri­mei­ros me­ses de 2018, as uni­da­des or­ça­men­tais de­vem pos­suir re­cur­sos mí­ni­mos de fun­ci­o­na­men­to e de apro­vi­si­o­na­men­to por via da exe­cu­ção des­te or­ça­men­to.

Di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do pa­ra o Or­ça­men­to des­ta­cou a aten­ção que o Exe­cu­ti­vo es­tá a pres­tar à ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas no sec­tor não pe­tro­lí­fe­ro e as­si­na­lou que vai ser de­ter­mi­nan­te que o pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca te­nha bons re­sul­ta­dos. “É ver­da­de que exis­tem di­fi­cul­da­des, mas a apos­ta do Exe­cu­ti­vo é gran­de por­que é de fac­to um pro­ces­so que pre­ci­sa de ser fei­to”, de­fen­deu Aia-Eza Sil­va, an­tes de fri­sar que a cri­se po­de ser apro­vei­ta­da pa­ra es­se efei­to. “Há to­do um tra­ba­lho do Exe­cu­ti­vo nes­se sen­ti­do, mas to­dos têm que co­o­pe­rar pa­ra que os re­sul­ta­dos se­jam re­ais e se re­flic­tam a ní­vel so­ci­al, fi­nan­cei­ro e tam­bém eco­nó­mi­co, que se­ria a mai­or ar­re­ca­da­ção de re­cei­ta não pe­tro­lí­fe­ra por via do in­cre­men­to da ac­ti­vi­da­de nes­se sec­tor.”

Con­ta Ge­ral do Es­ta­do

Além da pro­pos­ta de Lei do OGE pa­ra 2017, o Con­se­lho de Mi­nis­tros apre­ci­ou ou­tros do­cu­men­tos. Du­ran­te a ses­são es­te­ve em evi­dên­cia o Re­la­tó­rio da Con­ta Ge­ral do Es­ta­do re­fe­ren­te ao ano de 2015, que apre­sen­ta a exe­cu­ção dos ba­lan­ços or­ça­men­tal, fi­nan­cei­ro e pa­tri­mo­ni­al, bem co­mo as de­mons­tra­ções fi­nan­cei­ras exi­gi­das na lei do OGE, re­la­ti­vas às con­tas dos ser­vi­ços da Ad­mi­nis­tra­ção Cen­tral e Lo­cal do Es­ta­do, dos Ins­ti­tu­tos Pú­bli­cos e Fun­dos Au­tó­no­mos, da Se­gu­ran­ça So­ci­al e dos Ór­gãos de So­be­ra­nia e o in­ven­tá­rio dos bens pú­bli­cos.

Ou­tro di­plo­ma em des­ta­que foi a Pro­pos­ta de Lei de Al­te­ra­ção da Lei do Re­gi­me Ju­rí­di­co da Emis­são e Ges­tão da Dí­vi­da Pú­bli­ca Di­rec­ta e In­di­rec­ta do Es­ta­do. Uma me­di­da que pro­cu­ra uni­for­mi­zar as re­gras uti­li­za­das no sis­te­ma de ges­tão da dí­vi­da pú­bli­ca, cla­ri­fi­car o seu con­cei­to, ex­cluin­do a dí­vi­da con­tra­ta­da pe­lo sec­tor em­pre­sa­ri­al pú­bli­co e a in­tro­du­ção de me­ca­nis­mos que sus­ten­tem o rá­cio dí­vi­da/PIB. To­das es­sas pro­pos­tas de Lei vão à apre­ci­a­ção da As­sem­bleia Na­ci­o­nal.

Ain­da nes­sa ses­são, o Con­se­lho de Mi­nis­tros foi in­for­ma­do de um De­cre­to Exe­cu­ti­vo que aprova as Ins­tru­ções pa­ra o En­cer­ra­men­to do Exer­cí­cio Fi­nan­cei­ro de 2016, di­plo­ma le­gal que con­tém as ins­tru­ções a se­rem adop­ta­das pe­los or­ga­nis­mos da Ad­mi­nis­tra­ção Cen­tral e Lo­cal do Es­ta­do no pro­ces­so de en­cer­ra­men­to das con­tas do exer­cí­cio fi­nan­cei­ro de 2016, as­se­gu­ran­do-se, des­te mo­do, a ela­bo­ra­ção da Con­ta Ge­ral do Es­ta­do no pri­mei­ro tri­mes­tre de 2017.

No âm­bi­to do pro­ces­so de ade­qua­ção da Es­tru­tu­ra Or­gâ­ni­ca da Ad­mi­nis­tra­ção In­di­rec­ta do Es­ta­do à le­gis­la­ção em vi­gor, o Con­se­lho de Mi­nis­tros apro­vou os es­ta­tu­tos or­gâ­ni­cos da Uni­da­de de Ges­tão da Dí­vi­da Pú­bli­ca, uma pes­soa co­lec­ti­va de di­rei­to pú­bli­co com a na­tu­re­za de Ins­ti­tu­to Pú­bli­co do Sec­tor Ad­mi­nis­tra­ti­vo, que tem por mis­são fun­da­men­tal a ne­go­ci­a­ção e con­tra­ta­ção de cré­di­tos ne­ces­sá­ri­os ao fi­nan­ci­a­men­to do Es­ta­do.

Fun­do Agrá­rio

A Uni­da­de tem ain­da por mis­são fun­da­men­tal a ges­tão das dis­po­ni­bi­li­da­des de cré­di­to e do en­di­vi­da­men­to, bem co­mo a con­cep­ção da es­tra­té­gia e a ges­tão da dí­vi­da pú­bli­ca, e do Fun­do de Apoio ao De­sen­vol­vi­men­to Agrá­rio (FA­DA), uma pes­soa co­lec­ti­va de di­rei­to pú­bli­co do­ta­da de au­to­no­mia ad­mi­nis­tra­ti­va, fi­nan­cei­ra e pa­tri­mo­ni­al, a qu­em com­pe­te con­ce­der re­cur­sos fi­nan­cei­ros pa­ra as ac­ções que vi­sam o de­sen­vol­vi­men­to da pro­du­ção ali­men­tar cam­po­ne­sa e do agro­ne­gó­cio.

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos ori­en­tou ses­são do Con­se­lho de Mi­nis­tros que apro­vou pro­pos­ta do OGE

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO

Pro­pos­ta de Lei do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra 2017 do­mi­nou a ses­são or­di­ná­ria do Con­se­lho de Mi­nis­tros na Ci­da­de Al­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.