Sei­tas ile­gais pre­o­cu­pam a so­ci­e­da­de

MO­VI­MEN­TO RE­LI­GI­O­SO Al­gu­mas sei­tas ac­tu­am à mar­gem da lei e com com­por­ta­men­tos no­ci­vos à con­vi­vên­cia so­ci­al

Jornal de Angola - - PARTADA - VIC­TOR MAYALA |

O sur­gi­men­to des­con­tro­la­do de sei­tas re­li­gi­o­sas em Mban­za Con­go es­tá a pre­o­cu­par a so­ci­e­da­de lo­cal. Os men­to­res de cer­tos mo­vi­men­tos ecle­siás­ti­cos são, pre­su­mi­vel­men­te, mo­ti­va­dos pe­lo lu­cro fá­cil e, nor­mal­men­te, apre­sen­tam-se co­mo ten­do so­lu­ções ime­di­a­tas pa­ra os pro­ble­mas que afec­tam as fa­mí­li­as. São qua­se sem­pre pes­so­as vul­ne­rá­veis as que se dei­xam en­ga­nar por es­ses fal­sos pro­fe­tas.

O sur­gi­men­to des­con­tro­la­do de sei­tas re­li­gi­o­sas, em Mban­za Con­go, província do Zaire, es­tá a pre­o­cu­par a so­ci­e­da­de lo­cal. Os men­to­res de cer­tos mo­vi­men­tos ecle­siás­ti­cos são, pre­su­mi­vel­men­te, mo­ti­va­dos pe­lo lu­cro fá­cil e, nor­mal­men­te, se apre­sen­tam co­mo ten­do so­lu­ções ime­di­a­tas pa­ra os pro­ble­mas que afec­tam as fa­mí­li­as.

A ní­vel dos bair­ros pe­ri­fé­ri­cos de Mban­za Con­go, é no­tó­ria a pre­sen­ça de vá­ri­as ca­pe­las im­pro­vi­sa­das com cha­pas de zin­co e pa­pe­lões. Mui­tas das ca­pe­las re­a­li­zam cul­tos a al­tas ho­ras da noi­te e os fiéis pro­du­zem um ba­ru­lho en­sur­de­ce­dor que tem si­do um in­có­mo­do pa­ra as fa­mí­li­as re­si­den­tes nos ar­re­do­res.

Re­la­tos dão con­ta de que os res­pon­sá­veis des­tas sei­tas re­li­gi­o­sas, que pro­li­fe­ram em Mban­za Con­go co­mo “co­gu­me­los”, são na sua mai­o­ria in­di­ví­du­os pro­ve­ni­en­tes da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), daí que os cul­tos se­jam fei­tos em lin­ga­la, fa­zen­do re­cur­so a in­tér­pre­tes. Ile­gais ou não, a ver­da­de é que têm pai­ra­do in­for­ma­ções de sei­tas re­li­gi­o­sas que pro­mo­vem prá­ti­cas aten­ta­tó­ri­as da in­te­gri­da­de fí­si­ca e mo­ral das pes­so­as, além de mi­na­rem a boa con­vi­vên­cia no seio das fa­mí­li­as.

A Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca de An­go­la con­sa­gra a li­ber­da­de de cul­to e re­li­gião, ou se­ja, vin­ca a lai­ci­da­de do Es­ta­do an­go­la­no, mas es­te pres­su­pos­to le­gal não de­ve ser­vir de pre­tex­to pa­ra a cri­a­ção de igre­jas em qual­quer es­qui­na, cu­jas ac­ti­vi­da­des ocor­rem em de­so­be­di­ên­cia às leis do país.Con­tac­ta­do pe­lo Jor­nal de An­go­la, o che­fe do de­par­ta­men­to do Pa­tri­mó­nio Cul­tu­ral da Di­rec­ção Pro­vin­ci­al da Cul­tu­ra no Zaire, Lu­ta­di­la Lun­gua­na, in­for­mou que exis­te, a ní­vel da província, um to­tal de 171 igre­jas, den­tre as qu­ais 145 es­tão le­ga­li­za­das. Lu­ta­di­la Lun­gua­na avan­çou que o sec­tor da Cul­tu­ra tem, igual­men­te, re­gis­ta­dos 302 lo­cais de cul­tos, que po­dem ain­da ser cha­ma­dos de pa­ró­qui­as.

“Nós re­gis­tá­mos es­sas pa­ró­qui­as no sen­ti­do de res­pon­sa­bi­li­zar os seus pas­to­res, por­que há si­tu­a­ções que ali acon­te­cem e que po­dem não abran­ger to­da a co­mu­ni­da­de”, in­di­cou, ten­do su­bli­nha­do mais adi­an­te que, dos 302 tem­plos exis­ten­tes, 163 são le­gais, 110 em vi­as de le­ga­li­za­ção, ou se­ja, aque­les que es­tão a fun­ci­o­nar sob a tu­te­la de al­gu­ma pla­ta­for­ma de mo­vi­men­tos re­li­gi­o­sos, 25 não le­gais e dois en­cer­ra­dos, por de­ci­são ju­di­ciá­ria.

Ape­sar de al­guns cons­tran­gi­men­tos que vão sen­do re­gis­ta­dos nes­te do­mí­nio, o res­pon­sá­vel no­tou que, de um mo­do ge­ral, as igre­jas es­tão a de­sem­pe­nhar o seu pa­pel de edu­car o po­vo e tam­bém de acom­pa­nhar o Go­ver­no, so­bre­tu­do, no seu sec­tor so­ci­al. “Sa­be­mos que, fo­ra des­sa con­cer­ta­ção ge­ral, exis­tem al­guns ca­sos de igre­jas cu­jas ac­ti­vi­da­des es­tão à mar­gem da­qui­lo que é re­co­men­da­do. Al­gu­mas igre­jas não es­tão a cum­prir com as ori­en­ta­ções do Go­ver­no, que vi­sam o be­mes­tar das po­pu­la­ções”, re­fe­riu.

Lu­ta­di­la Lun­gua­na deu exem­plo de igre­jas que fa­zem po­lui­ção so­no­ra e ou­tras que in­ter­nam do­en­tes nos seus tem­plos com o pre­tex­to de os sub­me­ter a ses­sões de ora­ções, pa­ra a cu­ra. Ou­tras ain­da proí­bem os seus fiéis de par­ti­ci­pa­rem em cam­pa­nhas de va­ci­na­ção re­a­li­za­das pe­lo Go­ver­no no âm­bi­to dos pro­gra­mas de com­ba­te a cer­tas epi­de­mi­as no país.

Se­gun­do ele, as igre­jas es­tão sub­di­vi­di­das por ca­te­go­ri­as e ca­da uma de­las tem a sua par­ti­cu­la­ri­da­de. Exis­tem, pros­se­guiu, as cha­ma­das igre­jas da ali­an­ça afri­ca­na ou es­pi­ri­tu­ais. A mai­o­ria das igre­jas, pre­ci­sou, que fa­zem par­te des­te gru­po, in­fe­liz­men­te, com­por­ta­se co­mo se ain­da es­ti­ves­se a vi­ver na an­ti­gui­da­de, quer di­zer, di­an­te de uma si­tu­a­ção, elas não vão pri­mei­ro ao en­con­tro dos ór­gãos es­ta­be­le­ci­dos pe­lo Es­ta­do e, nor­mal­men­te, ope­ram nas zo­nas pe­ri­fé­ri­cas ou mes­mo na ma­ta.

Paz so­ci­al

O che­fe do de­par­ta­men­to do Pa­tri­mó­nio Cul­tu­ral da Di­rec­ção Pro­vin­ci­al da Cul­tu­ra no Zaire lem­brou que a po­lí­ti­ca do Es­ta­do an­go­la­no é man­ter a paz no seio da so­ci­e­da­de. E, em ca­so de si­tu­a­ções de con­fli­tu­a­li­da­de nu­ma de­ter­mi­na­da de­no­mi­na­ção re­li­gi­o­sa, a pri­mei­ra ac­ção é apro­xi­mar as alas em con­fli­to e fa­zer com que ha­ja uma so­lu­ção do pro­ble­ma, que é a re­con­ci­li­a­ção. Quan­do não há re­con­ci­li­a­ção, o as­sun­to é re­me­ti­do a uma ou­tra ins­tân­cia.“Nor­mal­men­te, é cons­ti­tuí­da uma co­mis­são mul­tis­sec­to­ri­al, pa­ra ana­li­sar a si­tu­a­ção no sen­ti­do de apro­xi­mar as par­tes an­ta­gó­ni­cas”, re­fe­riu. As igre­jas são um fe­nó­me­no so­ci­al. Num meio em que há si­tu­a­ções de cri­se e ne­ces­si­da­des, a ten­dên­cia é ha­ver uma mul­ti­pli­ca­ção de igre­jas, al­gu­mas das qu­ais com ob­jec­ti­vos me­ra­men­te eco­nó­mi­cos e fi­nan­cei­ros.

“A in­ter­pre­ta­ção di­fe­ren­ci­a­da das dou­tri­nas le­va tam­bém ao sur­gi­men­to de sei­tas. Po­de ha­ver al­guém que não con­cor­de com a for­ma co­mo o pas­tor di­ri­ge a igre­ja e pen­sar em cri­ar a sua ala”, no­tou, acres­cen­tan­do que o pou­co do­mí­nio das sa­gra­das es­cri­tu­ras es­tá tam­bém na ba­se da pro­li­fe­ra­ção que se as­sis­te ho­je, um pou­co por to­do o la­do, ten­do sus­ten­ta­do mais adi­an­te a sua afir­ma­ção, afir­man­do que uma má in­ter­pre­ta­ção po­de cau­sar um con­fli­to de dou­tri­na e pro­vo­car a se­pa­ra­ção dos fiéis em alas an­ta­gó­ni­cas.

“Há tam­bém ca­sos de se­pa­ra­ção que acon­te­cem quan­do os lí­de­res re­li­gi­o­sos se com­por­tam mal. Al­guns pas­to­res con­si­de­ram o pa­tri­mó­nio da igre­ja co­mo sen­do pes­so­al ou pri­va­do, cri­an­do um cli­ma de re­vol­ta no seio dos fiéis e a ten­dên­cia des­tes úl­ti­mos é for­mar uma ou­tra igre­ja”, afir­mou.

Aná­li­se so­ci­o­ló­gi­ca

O so­ció­lo­go Zo­la­na Ave­li­no en­ten­de que a pro­li­fe­ra­ção de sei­tas não é um fe­nó­me­no ex­clu­si­vo de An­go­la, mas que se as­sis­te um pou­co por to­dos os paí­ses do con­ti­nen­te afri­ca­no, on­de os pro­ble­mas so­ci­ais co­lo­cam as fa­mí­li­as nu­ma si­tu­a­ção de vul­ne­ra­bi­li­da­de.

“As pes­so­as quan­do en­fren­tam di­fi­cul­da­des nas su­as vi­das fi­cam vul­ne­rá­veis, po­den­do ade­rir àque­les gru­pos que, su­pos­ta­men­te, lhes apre­sen­tam so­lu­ções pa­ra os seus pro­ble­mas, co­mo é o ca­so das sei­tas re­li­gi­o­sas”, re­fe­riu o aca­dé­mi­co.

Zo­la­na Ave­li­no in­di­cou que em­bo­ra se con­si­de­re a lai­ci­da­de do Es­ta­do an­go­la­no, a so­ci­e­da­de pre­ci­sa de es­tar aten­ta a es­tes mo­vi­men­tos ecle­siás­ti­cos, na me­di­da em que se no­ta da par­te des­tes uma ten­dên­cia de ins­tru­men­ta­li­za­ção dos vá­ri­os pro­ble­mas que apo­quen­tam as fa­mí­li­as. O tam­bém vi­ce-de­ca­no pa­ra a Área Ci­en­tí­fi­ca da Es­co­la Su­pe­ri­or Po­li­téc­ni­ca do Zaire, em Mban­za Con­go, as­se­ve­rou que a pro­li­fe­ra­ção de sei­tas re­li­gi­o­sas de­pen­de mui­to do meio so­ci­al e do ní­vel de ins­tru­ção das pes­so­as ali in­se­ri­das, daí que o fe­nó­me­no tem mai­or pre­do­mi­nân­cia nas zo­nas pe­ri­fé­ri­cas, em de­tri­men­to das ur­ba­nas.

“Ana­li­san­do bem a si­tu­a­ção, va­mos no­tar que o sur­gi­men­to des­sas sei­tas tem a ver com um cer­to meio com mui­tos pro­ble­mas so­ci­ais”, ob­ser­vou o so­ció­lo­go, acres­cen­tan­do que, no con­tex­to de Mban­za Con­go, se pre­su­me que o fe­nó­me­no te­nha pre­do­mi­nân­cia na pe­ri­fe­ria, em de­tri­men­to do cas­co ur­ba­no.

A nos­sa re­por­ta­gem efec­tu­ou uma ron­da a ní­vel da pe­ri­fe­ria de Mban­za Con­go, na ten­ta­ti­va de apu­rar, jun­to dos lí­de­res de dis­tin­tas con­gre­ga­ções re­li­gi­o­sas, as re­ais mo­ti­va­ções que es­ta­rão na ba­se do apa­re­ci­men­to, qua­se que ver­ti­gi­no­so, das sei­tas, mas to­do o es­for­ço foi go­ra­do.Em Ju­lho úl­ti­mo, Mban­za Con­go re­gis­tou uma ce­na de con­fli­to re­li­gi­o­so em que um pas­tor da igre­ja cris­tã “União Es­pí­ri­to San­to”, Ma­nu­el Nvi­ka, de 40 anos de ida­de, foi con­de­na­do, pe­lo Tri­bu­nal Mu­ni­ci­pal de Mban­za Con­go, a três me­ses de pri­são efec­ti­va, por cri­me de de­so­be­di­ên­cia.

De acor­do com a sen­ten­ça do Tri­bu­nal Mu­ni­ci­pal de Mban­za Con­go, li­da na al­tu­ra, Ma­nu­el Nvi­ka ti­nha-se au­to­pro­cla­ma­do lí­der má­xi­mo da re­fe­ri­da igre­ja em An­go­la, em de­so­be­di­ên­cia ao acór­dão do Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al de Luanda.

O re­fe­ri­do acór­dão da­va pro­vi­men­to à li­de­ran­ça do pas­tor Nu­nes Tson­go, nu­ma dis­pu­ta com ou­tro pas­tor, Do­min­gos Fa­ta, am­bos re­si­den­tes na ca­pi­tal do país, si­tu­a­ção apro­vei­ta­da por Ma­nu­el Nvi­ka, que de­ci­diu atri­buir-se a li­de­ran­ça des­sa de­no­mi­na­ção re­li­gi­o­sa a ní­vel do país, ten­do aberto pa­ró­qui­as na província do Zaire, sem a de­vi­da au­to­ri­za­ção das au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes.

GAR­CIA MAYATOKO | MBAN­ZA CON­GO

Ile­gais ou não a ver­da­de é que há sei­tas re­li­gi­o­sas que pro­mo­vem prá­ti­cas aten­ta­tó­ri­as da in­te­gri­da­de fí­si­ca e mo­ral das pes­so­as

GAR­CIA MAYATOKO | MBAN­ZA CON­GO

Mui­tas das ca­pe­las re­a­li­zam cul­tos a al­tas ho­ras da noi­te e os fiéis pro­du­zem um ba­ru­lho en­sur­de­ce­dor que tem si­do um in­có­mo­do pa­ra as fa­mí­li­as

GAR­CIA MAYATOKO | MBAN­ZA CON­GO

So­ció­lo­go Zo­la­na Ave­li­no en­ten­de que a pro­li­fe­ra­ção de sei­tas é pre­o­cu­pan­te na província

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.