Trump ame­a­ça­do por Trump

Jornal de Angola - - PARTADA - JEREMY TORDJMAN |

As rei­te­ra­das con­tro­vér­si­as ge­ra­das pe­lo can­di­da­to pre­si­den­ci­al ame­ri­ca­no Do­nald Trump não cri­am obs­tá­cu­los ape­nas na sua cor­ri­da ru­mo à Ca­sa Bran­ca, mas tam­bém po­dem fra­gi­li­zar o seu im­pé­rio eco­nó­mi­co ao atin­gir o seu bem mais pre­ci­o­so: a sua mar­ca.

Es­tam­pa­da em fren­te aos seus edi­fí­ci­os de lu­xo e ca­si­nos, em ca­mi­sas e cor­tes de car­nes, a mar­ca Trump é a ba­se na qual fun­ci­o­na ac­tu­al­men­te a em­pre­sa que per­mi­tiu que o mag­na­ta acu­mu­las­se uma for­tu­na de bi­liões de dó­la­res.

Mas o per­so­na­gem mu­dou de ca­rác­ter: de­pois de ter en­car­na­do uma his­tó­ria de êxi­tos, con­duz uma cam­pa­nha ru­mo à Ca­sa Bran­ca que po­de mo­ti­var uma fu­ga de cli­en­tes, pre­o­cu­pa­dos pe­las su­as cons­tan­tes po­lé­mi­cas com mu­lhe­res, mi­li­ta­res ou imi­gran­tes.

“É o iní­cio do fim pa­ra Do­nald Trump, não ape­nas na sua cor­ri­da em di­rec­ção à Ca­sa Bran­ca, mas tam­bém pa­ra a sua mar­ca, as su­as pro­pri­e­da­des e os seus ne­gó­ci­os”, afir­mou re­cen­te­men­te o mul­ti­mi­li­o­ná­rio Mark Cu­ban, um fer­vo­ro­so de­fen­sor de Hil­lary Clin­ton.

Na opi­nião de Cu­ban, a de­te­ri­o­ra­ção da mar­ca Trump é de tal na­tu­re­za que o em­pre­sá­rio Ber­nie Ma­doff - de­ti­do por frau­de - “tem ago­ra uma mar­ca me­lhor”.

Con­tac­ta­do pe­la AFP, um por­ta­voz da Or­ga­ni­za­ção Trump, que reú­ne to­das as ac­ti­vi­da­des em­pre­sa­ri­ais do ago­ra can­di­da­to pre­si­den­ci­al, re­jei­tou o som­brio di­ag­nós­ti­co de Cu­ban. “A mar­ca Trump per­ma­ne­ce in­cri­vel­men­te só­li­da e ex­pe­ri­men­ta­mos um enor­me êxi­to em to­dos os nos­sos sec­to­res de ac­ti­vi­da­de”, ex­pres­sou o por­ta-voz.

Co­mo a em­pre­sa de Trump não ne­go­ceia ac­ções na bol­sa, tor­na­se di­fí­cil de­ter­mi­nar com exac­ti­dão se os in­ves­ti­do­res e cli­en­tes já ini­ci­a­ram um re­cuo, mas são ve­ri­fi­ca­dos si­nais in­qui­e­tan­tes.

Aberto em Se­tem­bro pas­sa­do no meio de pro­tes­tos, o no­vo Ho­tel Trump em Washing­ton não con­se­guiu atin­gir a sua ple­na ca­pa­ci­da­de e se­gun­do di­ver­sos mei­os de co­mu­ni­ca­ção pre­ci­sou de ofe­re­cer des­con­tos. Mic­ka­el Da­me­lin­court, di­rec­tor do ho­tel, afir­mou no seu email en­vi­a­do à AFP que es­te ce­ná­rio não é ver­da­dei­ro.

“Com 10 anos de ex­pe­ri­ên­cia nos Ho­téis Trump, pos­so di­zer com tran­qui­li­da­de que a aber­tu­ra (do es­ta­be­le­ci­men­to em Washing­ton) foi o mai­or êxi­to em ter­mos de re­ser­vas”, dis­se. Mas, de qual­quer for­ma, a con­tro­vér­sia não se li­mi­ta a Washing­ton. Uma pes­qui­sa re­a­li­za­da em Abril pe­la re­vis­ta es­pe­ci­a­li­za­da For­bes in­di­cou que cer­ca da me­ta­de dos 500 mi­li­o­ná­ri­os con­sul­ta­dos afir­mou que evi­ta­ri­am os ho­téis e os cam­pos de gol­fe Trump nos pró­xi­mos anos.

Sem as­so­ci­a­ção po­si­ti­va

En­quan­to is­so, de acor­do com um es­tu­do do pro­mo­tor imo­bi­liá­rio Red­fin, os apar­ta­men­tos de lu­xo das tor­res Trump - um seg­men­to cen­tral na ope­ra­ção do gru­po são ne­go­ci­a­dos ao pre­ço de mer­ca­do, sen­do que há um ano eram 7 por cen­to mais ca­ros que ou­tros bens com­pa­rá­veis.

“A mar­ca Trump es­ta­va re­al­men­te as­so­ci­a­da ao lu­xo e a um ní­vel que eram su­fi­ci­en­tes pa­ra jus­ti­fi­car um cus­to adi­ci­o­nal no mer­ca­do. Mas es­ta as­so­ci­a­ção po­si­ti­va de­sa­pa­re­ceu”, dis­se à AFP Ne­la Ri­chard­son, eco­no­mis­ta­che­fe de Red­fin.

Ri­chard­son afir­mou que “ocor­re­ram si­tu­a­ções que man­cha­ram a mar­ca Trump” e por is­so é ra­zoá­vel pen­sar que po­de­rão ar­re­fe­cer o en­tu­si­as­mo de com­pra­do­res es­tran­gei­ros ou fa­zer com que es­te­jam me­nos dis­pos­tos a pa­gar es­te so­bre­pre­ço.

Em es­pe­ci­al, as cons­tan­tes di­a­tri­bes de Trump con­tra a Chi­na po­dem ter um efei­to di­rec­to so­bre os seus ne­gó­ci­os, já que os chi­ne­ses for­mam a mai­or par­te da de­man­da pe­los apar­ta­men­tos de lu­xo. Além dis­so, o mer­ca­do por es­tes apar­ta­men­tos de lu­xo já é, por si só, “mui­to pe­que­no”.

De acor­do com di­ver­sos es­tu­dos, o con­tin­gen­te prin­ci­pal dos elei­to­res de Trump nas ac­tu­ais elei­ções ame­ri­ca­nas es­tá em sec­to­res po­pu­la­res, de for­ma que a em­pre­sa não po­de­rá com­pen­sar com eles as per­das re­gis­ta­das nos ne­gó­ci­os.

Pa­ra Mer­ry Ca­ro­le Powers, au­to­ra de um bem-su­ce­di­do li­vro so­bre es­tra­té­gi­as de mer­ca­do, nos Es­ta­dos Uni­dos mui­tas mar­cas con­se­gui­ram re­cons­truir-se de­pois de gra­ves cri­ses, se­ja por aci­den­tes am­bi­en­tais ou con­tro­vér­si­as po­lí­ti­cas. No en­tan­to, o ca­so de Trump não tem pre­ce­den­tes, acres­cen­tou.

“Em ge­ral, quan­do uma mar­ca fi­ca ex­pos­ta a uma si­tu­a­ção de re­la­ções pú­bli­cas ruim, é por um aci­den­te. Es­tas em­pre­sas não pre­ten­di­am que is­so ocor­res­se”, dis­se à AFP.

Trump, no en­tan­to, “cla­ra­men­te es­tá a di­zer que não se im­por­ta com o que que os outy­ros pen­sam”. Ja­mais vi­mos uma mar­ca agir des­ta for­ma, con­cluiu Powers.

Do­nald Trump vê au­men­ta­rem os seus pro­ble­mas po­lí­ti­cos e em­pre­sa­ri­ais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.