Go­ver­no rus­so acu­sa Oci­den­te de fi­nan­ci­ar as for­ças ter­ro­ris­tas

RO­DRI­GO DUTERTE RE­CE­BI­DO EM PEQUIM Pre­si­den­te anun­cia se­pa­ra­ção dos EUA num mo­men­to de ten­são com Washing­ton

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Pre­si­den­te das Fi­li­pi­nas anun­ci­ou quin­ta-fei­ra, em Pequim, a se­pa­ra­ção dos Es­ta­dos Uni­dos, um ali­a­do tra­di­ci­o­nal no do­mí­nio eco­nó­mi­co e mi­li­tar, e uma mai­or apro­xi­ma­ção da Chi­na.

“Anun­cio a mi­nha se­pa­ra­ção dos Es­ta­dos Uni­dos”, de­cla­rou Ro­dri­go Duterte du­ran­te um fó­rum eco­nó­mi­co, de­sen­ca­de­an­do os aplau­sos do pú­bli­co. Duterte re­a­li­za uma vi­si­ta de Es­ta­do de qua­tro di­as à Chi­na, acom­pa­nha­do por uma de­le­ga­ção de 400 mem­bros.

O re­la­ci­o­na­men­to en­tre Ma­ni­la e Pequim re­gis­tou, nos úl­ti­mos anos, uma for­te de­te­ri­o­ra­ção na sequên­cia do di­fe­ren­do so­bre a so­be­ra­nia de ilhas no mar do Sul da Chi­na.

Mas, Ro­dri­go Duterte afir­mou que­rer “adi­ar (es­te dos­si­er) pa­ra ou­tra al­tu­ra” pa­ra dar pri­o­ri­da­de à co­o­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca, e de­cla­rou na te­le­vi­são chi­ne­sa pro­cu­rar “a aju­da” do gran­de vi­zi­nho nes­te do­mí­nio.

Es­sa po­si­ção foi sau­da­da pe­la Chi­na, cu­jo Pre­si­den­te, Xi Jin­ping, re­ce­beu Duterte no Pa­lá­cio do Po­vo, na pra­ça Ti­a­nan­men.

“É im­por­tan­te tra­tar com diá­lo­go e con­sul­tas bi­la­te­rais as di­ver­gên­ci­as so­bre a ques­tão do mar do Sul da Chi­na”, de­cla­rou Xi Jin­ping, ci­ta­do pe­lo Mi­nis­té­rio dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros chi­nês.

O Che­fe de Es­ta­do chi­nês afir­mou es­tar pron­to a “dei­xar tem­po­ra­ri­a­men­te de la­do as ques­tões di­fí­ceis”. Duterte qua­li­fi­cou a reu­nião com Xi Jin­ping de his­tó­ri­ca: “Ela vai me­lho­rar e de­sen­vol­ver as re­la­ções en­tre os nos­sos dois paí­ses”, con­si­de­rou.

A dis­pu­ta ter­ri­to­ri­al no mar do Sul da Chi­na (pe­lo atol de Scar­bo­rough ou ilhas do ar­qui­pé­la­go das Spra­tly) tem es­tan­ca­do as re­la­ções bi­la­te­rais nos úl­ti­mos anos.

A ten­são agra­vou-se em 2012 de­pois de Pequim ter ocu­pa­do áre­as que Ma­ni­la con­si­de­ra par­te da sua zo­na eco­nó­mi­ca ex­clu­si­va. E, no ano se­guin­te, as Fi­li­pi­nas ini­ci­a­ram um pro­ce­di­men­to con­tra a Chi­na jun­to do Tri­bu­nal de Ar­bi­tra­gem Per­ma­nen­te.O tri­bu­nal in­ter­na­ci­o­nal, com se­de em Haia, deu ra­zão às Fil­pi­nas em Ju­lho úl­ti­mo.

Ape­sar do ve­re­dic­to fa­vo­rá­vel, Ro­dri­go Duterte, que to­mou pos­se em Ju­nho, de­ci­diu dei­xá-lo de par­te e rei­ni­ci­ar o diá­lo­go bi­la­te­ral com a Chi­na, tal co­mo quer Pequim.

“As raí­zes dos nos­sos la­ços são mui­to pro­fun­das e não po­dem ser da­ni­fi­ca­das fa­cil­men­te”, dis­se Duterte, que dei­xou cla­ro, na noi­te de quar­ta-fei­ra, o ob­jec­ti­vo da sua vi­si­ta ofi­ci­al à Chi­na: “Tu­do o que que­ro são ne­gó­ci­os”.

A vi­si­ta de Duterte à Chi­na - a pri­mei­ra que re­a­li­za ao es­tran­gei­ro à mar­gem da ci­mei­ra da As­so­ci­a­ção de Na­ções do Su­des­te Asiá­ti­co (ASEAN) - re­flec­te o in­te­res­se do ac­tu­al Pre­si­den­te fi­li­pi­no em apro­xi­mar-se de Pequim, en­quan­to mul­ti­pli­ca as crí­ti­cas aos Es­ta­dos Uni­dos, o seu prin­ci­pal par­cei­ro co­mer­ci­al e de apoio no do­mí­nio da se­gu­ran­ça no úl­ti­mo sé­cu­lo. Cri­ti­ca­do pe­los Es­ta­dos Uni­dos, UE e ONU pe­la cam­pa­nha an­ti-cri­mi­na­li­da­de, que já fez mais de 3.700 mor­tos, co­mo re­fe­re uma con­ta­gem ofi­ci­al, Duterte po­de con­tar com o apoio da Chi­na.

Pequim “apoia o no­vo go­ver­no fi­li­pi­no na lu­ta con­tra a dro­ga, ter­ro­ris­mo e cri­mi­na­li­da­de e es­tá dis­pos­to a co­o­pe­rar com as au­to­ri­da­des de Ma­ni­la nes­tas ques­tões”, se­gun­do o Mi­nis­té­rio dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros chi­nês.

AFP

Lí­der chi­nês Xi Jin­ping apoia os es­for­ços do Go­ver­no fi­li­pi­no na lu­ta con­tra o trá­fi­co de dro­gas e cri­mi­na­li­da­de bem co­mo o ter­ro­ris­mo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.