CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - OL­GA FER­NAN­DES FRAN­CIS­CO BEN­TO AN­TÓ­NIO GO­MES

Más no­tí­ci­as

Es­cre­vo por pre­o­cu­pa­ções li­ga­das aos efei­tos que a ac­tu­al cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra es­tá a le­var a nu­me­ro­sas fa­mí­li­as. Se­gun­do o di­rec­tor dos Ser­vi­ços de Psi­co­lo­gia do Hos­pi­tal Amé­ri­co Bo­a­vi­da, João Ta­ti, pe­lo me­nos, 19 pes­so­as fo­ram pa­rar àque­la uni­da­de hos­pi­tal, por­que ten­ta­ram sui­ci­dar-se.

A cri­se li­de­ra a lis­ta de cau­sas, fru­to do en­di­vi­da­men­to, pro­mes­sas de em­pre­go, de­sem­pre­go e pri­va­ções ma­te­ri­ais a to­dos os ní­veis, en­tre ou­tras cau­sas.

Acho que as fa­mí­li­as de­vem es­tar de so­bre­a­vi­so pa­ra me­lhor acom­pa­nha­men­to dos seus en­tes que­ri­dos, nu­ma al­tu­ra em que to­dos pre­ci­sa­mos de apren­der um pou­co mais com a ac­tu­al cri­se.

Afi­nal, não po­de­mos par­tir do prin­cí­pio de que ca­da um de nós es­tá em más con­di­ções, na me­di­da em que é pos­sí­vel en­con­trar pes­so­as em si­tu­a­ção ain­da pi­or. Por is­so, o diá­lo­go in­ter-fa­mi­li­ar é fun­da­men­tal pa­ra que mui­tas bre­chas e ares­tas se­jam li­ma­das.

Que­da de he­li­cóp­te­ro

Es­cre­vo pe­la pri­mei­ra vez pa­ra o Jor­nal de An­go­la pa­ra abor­dar uma si­tu­a­ção com con­tor­nos téc­ni­cos, so­bre os qu­ais não é pe­ca­do ter uma opi­nião. A que­da do he­li­cóp­te­ro no bair­ro do Palanca le­van­ta a ques­tão da cir­cu­la­ção de “má­qui­nas vo­a­do­ras” em es­pa­ços den­sa­men­te po­vo­a­dos. Não sei o que diz o re­gu­la­men­to da IATA, mui­to me­nos a le­gis­la­ção an­go­la­na em ma­té­ria de ae­ro­náu­ti­ca, mas jul­go que não é re­co­men­dá­vel que he­li­cóp­te­ros e ou­tras ae­ro­na­ves cir­cu­lem em áre­as po­vo­a­das sob pe­na de qual­quer ava­ria téc­ni­ca le­var ao seu des­pe­nha­men­to.

Por ou­tro la­do, es­tá na ho­ra de as au­to­ri­da­des que su­pe­rin­ten­dem o sec­tor da avi­a­ção aper­ta­rem o cer­co pa­ra a ins­pec­ção das ae­ro­na­ves que se fa­zem ao es­pa­ço aé­reo na­ci­o­nal, pa­ra que te­nham as re­vi­sões em dia.

Es­pe­ro que o tra­ba­lho téc­ni­co, que se es­tá a fa­zer, pa­ra apu­rar as cau­sas, se­ja ca­paz de apre­sen­tar em tem­po útil re­sul­ta­dos que ates­tem as ra­zões da que­da do re­fe­ri­do apa­re­lho. Acre­di­to os pe­ri­tos tra­ba­lham ar­du­a­men­te e que nos pró­xi­mos tem­pos se­rão ca­pa­zes de apre­sen­tar os re­sul­ta­dos da in­ves­ti­ga­ção pa­ra bem de to­dos nós.

To­ma­da de me­di­das

Sou es­tu­dan­te de me­di­ci­na e acom­pa­nho com in­te­res­se in­for­ma­ções so­bre saú­de e bem-es­tar das po­pu­la­ções. Re­cen­te­men­te, cir­cu­lou pe­lo país in­for­ma­ções so­bre a exis­tên­cia no mer­ca­do an­go­la­no de com­bus­tí­vel em con­di­ções ina­pro­pri­a­das. Na ver­da­de, tra­tou­se de um pro­du­to com ele­va­do grau de to­xi­ci­da­de. Em­bo­ra es­te­jam ain­da por con­fir­mar, as de­nún­ci­as so­bre a hi­po­té­ti­ca cir­cu­la­ção no mer­ca­do de com­bus­tí­vel tó­xi­co, a re­ac­ção do mi­nis­tro do Co­mér­cio so­bre a to­ma­da de me­di­das de ave­ri­gua­ção já é mui­to po­si­ti­va.

Sem­pre pen­sei que as au­to­ri­da­des po­de­ri­am sim­ples­men­te ig­no­rar o tra­ba­lho da or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal suí­ça, Pu­blic Eye, se­gun­do a qual um con­sór­cio eu­ro­peu ven­de de­ri­va­dos de pe­tró­leo de­no­mi­na­do “pa­drão afri­ca­no”, nu­ma alu­são à su­pos­ta má qua­li­da­de dos re­fe­ri­dos pro­du­tos. Se­gun­do a mes­ma pes­qui­sa, tra­ta-se de oi­to paí­ses afri­ca­nos, in­cluin­do An­go­la, em que ao lon­go de três anos, foi ana­li­sa­do com­bus­tí­vel com um per­cen­tu­al ele­va­do de con­cen­tra­ção de en­xo­fre.

Re­la­ti­va­men­te a An­go­la, o ti­tu­lar da pas­ta do Co­mér­cio afir­mou que, até à pre­sen­te da­ta, não há, exac­ta­men­te, con­fir­ma­ção da exis­tên­cia des­se pro­du­to. Mas, ca­so se­ja ver­da­de, as au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes to­ma­rão as de­vi­das me­di­das pa­ra o ti­rar de cir­cu­la­ção.

“Tão lo­go es­sas de­nún­ci­as se­jam con­fir­ma­das, to­mar-se-ão as me­di­das com­pe­ten­tes pa­ra re­por a nor­ma­li­da­de do mer­ca­do”, afir­mou o go­ver­nan­te.

Ter­mi­no, fe­li­ci­tan­do as au­to­ri­da­des an­go­la­nas. Mas, em to­do o ca­so, de­vem fa­zer mui­to mais pa­ra que as me­di­das re­ac­ti­vas te­nham ca­pa­ci­da­de efec­ti­va pa­ra im­pe­dir que tais pro­du­tos, uma vez com­pro­va­do o grau de pe­ri­go­si­da­de, en­trem no país.

ARMANDO PULULO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.