Uti­li­za­ção de rai­os ga­ma no com­ba­te à pra­ga dos ca­fe­zais

Jornal de Angola - - OPINIÃO - AN­TO­NIO SÁNCHEZ SOLÍS

A lu­ta con­tra a fer­ru­gem do ca­fé e os seus de­vas­ta­do­res efei­tos nas eco­no­mi­as da Amé­ri­ca Cen­tral tem um no­vo ali­a­do: as mu­ta­ções in­du­zi­das por rai­os ga­ma pa­ra me­lho­rar a re­sis­tên­cia da plan­ta a es­sa do­en­ça. E tu­do sem afec­tar a sua qua­li­da­de.

Em­bo­ra di­ver­sas tec­no­lo­gi­as nu­cle­a­res se­jam apli­ca­das há mui­to tem­po pa­ra me­lho­rar e pro­te­ger to­do o ti­po de cul­ti­vos, o seu uso no ca­fé mal es­tá a co­me­çar.

Os pi­o­nei­ros são a Agên­cia In­ter­na­ci­o­nal de Ener­gia Ató­mi­ca (AIEA) e a Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra a Ali­men­ta­ção e a Agricultura (FAO), que aca­bam de reu­nir em Vi­e­na es­pe­ci­a­lis­tas cen­tro-ame­ri­ca­nos e do Pe­ru pa­ra en­si­nar-lhes co­mo apli­car es­ta ino­va­do­ra tec­no­lo­gia pa­ra com­ba­ter a fer­ru­gem do ca­fé.

Tra­ta-se de uma do­en­ça pro­du­zi­da por um fun­go - com o no­me ci­en­tí­fi­co de He­mi­leia vas­ta­trix que ata­ca prin­ci­pal­men­te as fo­lhas da plan­ta do ca­fé.

A téc­ni­ca, co­nhe­ci­da co­mo “fi­to­tec­nia” por mu­ta­ções, con­sis­te em pro­pa­gar se­men­tes de ca­fé com rai­os ga­ma e in­du­zir mu­ta­ções no seu ge­no­ma pa­ra am­pli­ar a va­ri­e­da­de ge­né­ti­ca da plan­ta e tor­ná-la mais re­sis­ten­te ao fun­go. Es­sas mu­ta­ções acon­te­cem de for­ma es­pon­tâ­nea na na­tu­re­za e tam­bém po­dem ser pro­vo­ca­das ar­ti­fi­ci­al­men­te atra­vés do cru­za­men­to de di­fe­ren­tes va­ri­e­da­des de ca­fé - por exem­plo de ro­bus­ta, re­sis­ten­te à fer­ru­gem do ca­fé, com a ará­bi­ca, que não o é - em­bo­ra es­se pro­ces­so pos­sa du­rar até três dé­ca­das.

O que a tec­no­lo­gia nu­cle­ar faz é ace­le­rar es­se de­sen­vol­vi­men­to, ex­pli­cou à Efe Stephan Ni­e­len, ge­ne­ti­cis­ta do pro­gra­ma AIEA/FAO e res­pon­sá­vel pe­lo se­mi­ná­rio re­a­li­za­do em Vi­e­na. “A es­pe­ran­ça é en­con­trar plan­tas que man­te­nham as ca­rac­te­rís­ti­cas ori­gi­nais de qua­li­da­de, mas que te­nham uma re­sis­tên­cia adi­ci­o­nal”, dis­se.

Es­tas ex­pe­ri­ên­ci­as pa­ra in­du­zir e ace­le­rar a mu­ta­ção co­me­ça­ram em 2013 nos la­bo­ra­tó­ri­os que a AIEA tem em Sei­bers­dorf, a cer­ca de 50 qui­ló­me­tros ao sul de Vi­e­na.

“Es­pe­ro que em cin­co anos te­nha­mos ma­te­ri­al no ter­re­no que pos­sa­mos di­zer que é re­sis­ten­te”, de­cla­rou Ni­e­len du­ran­te uma pau­sa na úl­ti­ma ses­são do cur­so de du­as se­ma­nas.

Os seus alu­nos são 14 es­pe­ci­a­lis­tas de Cos­ta Ri­ca, El Sal­va­dor, Gu­a­te­ma­la, Hon­du­ras, Ni­ca­rá­gua, Pe­ru, Pa­na­má e Ja­mai­ca. Na mai­o­ria des­tes paí­ses, o ca­fé é ho­je o prin­ci­pal pro­du­to agrí­co­la de ex­por­ta­ção. Por is­so, uma re­du­ção da pro­du­ção por cau­sa da fer­ru­gem do ca­fé sig­ni­fi­ca au­to­ma­ti­ca­men­te uma no­tá­vel que­da da re­cei­ta em mo­e­da es­tran­gei­ra.

Ni­e­len lem­bra que es­ta do­en­ça re­pre­sen­ta um pro­ble­ma mui­to gra­ve pa­ra a in­dús­tria lo­cal do ca­fé e que, co­mo no ca­so de ou­tras si­mi­la­res, a mu­dan­ça cli­má­ti­ca pro­vo­ca um au­men­to da sua in­ci­dên­cia.

Ape­sar de re­co­nhe­cer que é cor­rec­to fa­lar de mo­di­fi­ca­ção ge­né­ti­ca, in­sis­te em que es­ta téc­ni­ca não tem na­da a ver com os po­lé­mi­cos trans­gé­ni­cos e “or­ga­nis­mos ge­ne­ti­ca­men­te mo­di­fi­ca­dos” (OGM).

“Nos OGM in­tro­duz-se um ge­ne es­tra­nho no cul­ti­vo, al­go que não per­ten­ce a es­se or­ga­nis­mo. Na fi­to­tec­nia por mu­ta­ções é usa­da a com­po­si­ção ge­né­ti­ca do cul­ti­vo e in­du­zi­das mu­ta­ções nu­ma frequên­cia mai­or da que ocor­re­ria na na­tu­re­za”, ex­pli­cou.

“Me­lho­ra­mos o que já exis­te”, re­su­miu o ci­en­tis­ta ale­mão, an­tes de lem­brar tam­bém que bom­bar­de­ar al­go com rai­os ga­ma não sig­ni­fi­ca tor­ná-lo ra­di­o­a­ti­vo. Nes­se as­pec­to in­sis­te tam­bém No­el Ar­ri­e­ta Es­pi­no­za, co­or­de­na­dor do Pro­gra­ma de Me­lho­ra­men­to Ge­né­ti­co do Ins­ti­tu­to do Ca­fé da Cos­ta Ri­ca e um dos par­ti­ci­pan­tes do se­mi­ná­rio.

“Aqui não es­ta­mos a fa­lar so­bre a uti­li­za­ção da en­ge­nha­ria ge­né­ti­ca co­mo tal. Es­ta­mos ba­si­ca­men­te a re­a­li­zar uma va­ri­a­ção que, em ter­mos ge­rais, é pe­que­na”, as­se­gu­rou em de­cla­ra­ções à Efe.

“A va­ri­a­ção acon­te­ce so­bre o or­de­na­men­to do ge­no­ma pa­ra en­con­trar uma com­bi­na­ção que au­men­te a re­sis­tên­cia”, ex­pli­cou Ar­ri­e­ta.

Ele acha que mais pre­o­cu­pa­ção na opi­nião pú­bli­ca de­ve­ria des­per­tar o uso ex­ces­si­vo da fu­mi­ga­ção quí­mi­ca nos cul­ti­vos. Em to­do ca­so, Ar­ri­e­ta des­ta­cou que as quan­ti­da­des usa­das no ca­fé são mui­to me­no­res que nos ce­re­ais ou nos le­gu­mes.

Lem­brou os efei­tos ca­tas­tró­fi­cos das úl­ti­mas epi­de­mi­as de fer­ru­gem do ca­fé, que cau­sa­ram a per­da de 100 mil em­pre­gos na Gu­a­te­ma­la, uma que­da de 21% das ex­por­ta­ções na Ni­ca­rá­gua em 2013 e que a Cos­ta Ri­ca te­ve em 2014 a pi­or co­lhei­ta de ca­fé em 37 anos.

Se­gun­do Ar­ri­e­ta, a tec­no­lo­gia nu­cle­ar po­de en­cur­tar pe­la me­ta­de es­ses pra­zos de 25 ou 30 anos ne­ces­sá­ri­os pa­ra um pro­gra­ma con­ven­ci­o­nal de me­lho­ra­men­to ge­né­ti­co pa­ra ob­ter uma no­va va­ri­e­da­de de ca­fé.

Tra­ta-se de ob­ter e ofe­re­cer aos pro­du­to­res de ca­fé uma no­va va­ri­e­da­de com re­sis­tên­cia, com al­ta qua­li­da­de de xí­ca­ra, com al­to vi­gor e al­ta pro­du­ção tam­bém", re­su­miu.

O cur­so da AIEA/FAO faz par­te do es­for­ço de cri­ar uma re­de glo­bal de lu­ta con­tra a fer­ru­gem do ca­fé, com es­pe­ci­al fo­co na Amé­ri­ca La­ti­na.

Além de AIEA e FAO, o pro­jec­to é apoi­a­do com di­nhei­ro do Fun­do da Opep pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to In­ter­na­ci­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.