Do­en­ças pro­fis­si­o­nais afec­tam mi­lhões

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - ALE­XA SONHI |

Cer­ca de 2,2 mi­lhões de pes­so­as em ida­de la­bo­ral mor­rem anu­al­men­te no mun­do ví­ti­mas de do­en­ças pro­fis­si­o­nais, co­mo can­cro, pro­ble­mas gás­tri­cos e hi­per­ten­são ar­te­ri­al, re­ve­lou on­tem em Luanda o se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Saú­de, Eleu­té­rio Hi­vi­likwa, ci­tan­do da­dos da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS).

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Saú­de fa­la­va du­ran­te a ce­ri­mó­nia de aber­tu­ra das pri­mei­ras Jor­na­das Ci­en­tí­fi­cas de Me­di­ci­na de Tra­ba­lho que de­cor­rem sob o le­ma “A Saú­de do Tra­ba­lha­dor co­mo Fac­tor de De­sen­vol­vi­men­to”.

A mai­or par­te das mor­tes ocor­re em paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to, on­de as do­en­ças pro­fis­si­o­nais ten­dem a ser ne­gli­gen­ci­a­das.

Pa­ra tra­var es­ta ten­dên­cia no país, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Saú­de de­fen­deu mai­or apos­ta na for­ma­ção de es­pe­ci­a­lis­tas em me­di­ci­na de tra­ba­lho em An­go­la.

Na sua pers­pec­ti­va, to­das as em­pre­sas de­vem ter no seu qua­dro de pes­so­al pe­lo me­nos um mé­di­co de tra­ba­lho e um ser­vi­ço de emer­gên­ci­as mé­di­cas, pa­ra se ava­li­ar cons­tan­te­men­te o es­ta­do de saú­de do fun­ci­o­ná­rio e sa­ber se a sua con­di­ção fí­si­ca lhe per­mi­te con­ti­nu­ar a exer­cer de­ter­mi­na­da ac­ti­vi­da­de ou ser co­lo­ca­do nu­ma ou­tra.

A saú­de no tra­ba­lho é um di­rei­to bá­si­co de to­dos os tra­ba­lha­do­res e não há ac­ti­vi­da­de la­bo­ral sem ris­co, lem­brou. “É im­por­tan­te que a pre­ven­ção e se­gu­ran­ça no tra­ba­lho se­jam pri­o­ri­da­des nas em­pre­sas”, su­bli­nhou Eleu­té­rio Hi­vi­likwa. As Pri­mei­ras Jor­na­das Ci­en­ti­fi­cas de Me­di­ci­na do Tra­ba­lho cons­ti­tu­em uma ex­ce­len­te opor­tu­ni­da­de e um es­pa­ço de dis­cus­são e in­ter­câm­bio in­te­lec­tu­al das vá­ri­as te­má­ti­cas à vol­ta da se­gu­ran­ça do tra­ba­lha­dor.

“De­ve-se apro­vei­tar es­ta opor­tu­ni­da­de pa­ra se tra­çar es­tra­té­gi­as de co­or­de­na­ção com vis­ta a di­mi­nuir o nú­me­ro de do­en­ças pro­fis­si­o­nais, por­que de cer­ta for­ma, is­so tem um im­pac­to ne­ga­ti­vo no de­sen­vol­vi­men­to da eco­no­mia do país.”

O pre­si­den­te do Co­lé­gio de Me­di­ci­na de Tra­ba­lho, es­tru­tu­ra afec­ta à Or­dem dos Mé­di­cos de An­go­la, Rui Cam­pos, dis­se que as jor­na­das têm o ob­jec­ti­vo de dis­cu­tir o pro­ble­ma de saú­de do tra­ba­lha­dor.

O Co­lé­gio de Es­pe­ci­a­lis­tas em Me­di­ci­na no Tra­ba­lho exis­te há dois anos e ne­le es­tão ins­cri­tos 25 pro­fis­si­o­nais.

“Ape­sar de ser­mos ain­da pou­cos, no­ta­mos que a há ca­da vez mais in­te­res­se em ter mé­di­cos de tra­ba­lho nas em­pre­sas. Es­tas ins­ti­tui­ções já co­me­çam a iden­ti­fi­car a ne­ces­si­da­de de ter al­guém es­pe­ci­a­li­za­do pa­ra cui­dar da saú­de dos seus fun­ci­o­ná­ri­os e aju­dar a pre­ve­nir pos­sí­veis ris­cos de tra­ba­lho”, re­fe­riu.

Um dos de­sa­fi­os do co­lé­gio é apos­tar ca­da vez mais na for­ma­ção e jun­to das uni­ver­si­da­des apre­sen­tar pro­pos­tas pa­ra au­men­tar o le­que de pro­fis­si­o­nais nes­sa área.

“Por is­so, va­mos con­ti­nu­ar a pro­mo­ver pa­les­tras so­bre a me­di­ci­na no tra­ba­lho de mo­do a des­per­tar nos es­tu­dan­tes de me­di­ci­na o gos­to por es­ta es­pe­ci­a­li­da­de.”

Do­en­ças fre­quen­tes

O por­ta-voz do even­to, Fe­li­pe Jor­ge, es­cla­re­ceu que o mé­di­co de tra­ba­lho é o pro­fis­si­o­nal que na em­pre­sa aju­da a pre­ser­var a saú­de dos tra­ba­lha­do­res.

Des­te mo­do, a or­ga­ni­za­ção po­de con­tar com ele pa­ra ava­li­ar se um de­ter­mi­na­do fun­ci­o­ná­rio es­tá a de­sen­vol­ver al­gu­ma pa­to­lo­gia em fun­ção da ac­ti­vi­da­de que exer­ce, con­tri­bui­do des­ta for­ma pa­ra o ren­di­ment o da em­pre­sa.

En­tre as do­en­ça pro­fis­si­o­nais mais fre­quen­tes es­tão a hi­per­ten­são ar­te­ri­al, can­cro da ma­ma, do­en­ças da pe­le (no ca­so dos tra­ba­lha­do­res da cons­tru­ção ci­vil), do­en­ças res­pi­ra­tó­ri­as, sur­dez (de­vi­do aos ruí­dos cons­tan­tes, prin­ci­pal­men­te no ca­so de qu­em tra­ba­lha em ae­ro­por­tos), al­te­ra­ções do so­no (no ca­so de qu­em tra­ba­lha de noi­te de for­ma re­gu­lar), pro­ble­mas gás­tri­cos e fal­ta de vi­são pa­ra qu­em faz uso cons­tan­te de com­pu­ta­do­res sem pro­tec­ção, en­tre dou­tras do­en­ças.

EDU­AR­DO PE­DRO

Es­pe­ci­a­lis­tas em saú­de de tra­ba­lho de­fi­nem es­tra­té­gi­as pa­ra re­du­zir as do­en­ças pro­fis­si­o­nais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.