Fe­de­ra­ção en­con­tra saí­da pa­ra que­bras

Jornal de Angola - - CULTURA -

A FIA es­tá a de­sen­vol­ver um sis­te­ma au­to­má­ti­co que per­mi­ti­rá abor­tar os pro­ce­di­men­tos de par­ti­da ca­so al­gu­ma pi­lo­to fique, re­pen­ti­na­men­te, com o mo­tor do seu car­ro des­li­ga­do.

Até aqui, o ónus de avi­sar es­ta­va to­do do la­do dos pi­lo­tos, que quan­do o mo­tor ia abai­xo si­na­li­za­vam for­te­men­te, o res­pec­ti­vo Co­mis­sá­rio si­na­li­za­va com ban­dei­ra ama­re­la e o di­rec­tor de Cor­ri­da abor­ta­va a par­ti­da. Mas is­to era no tem­po em que, quan­do os mo­to­res se des­li­ga­vam só com os me­câ­ni­cos a li­gá-lo de no­vo ele tra­ba­lha­va, mas ago­ra os pi­lo­tos po­dem fa­zer “re­set” atra­vés da MGUK e rei­ni­ci­ar o sis­te­ma e foi is­so que le­vou a es­ta al­te­ra­ção.

Na Ma­lá­sia, o mo­tor do To­ro Ros­so de Car­los Sainz foi abai­xo, o es­pa­nhol co­me­çou por si­na­li­zar, mas de­pois, por­que ago­ra po­de fa­zê-lo, ten­tou rei­ni­ci­a­li­zar o sis­te­ma, lo­gi­ca­men­te te­ve que uti­li­zar am­bas as mãos pa­ra o fa­zer, e por is­so o Co­mis­sá­rio pen­sou que o car­ro já es­ta­va no­va­men­te a tra­ba­lhar, o que in­du­ziu em er­ro o di­rec­tor de Cor­ri­da, que deu a par­ti­da.

Por sor­te, o es­pa­nhol con­se­guiu rei­ni­ci­ar o car­ro mes­mo a tem­po e na­da de gra­ve se pas­sou. E co­mo a FIA re­sol­veu o pro­ble­ma? Por­que tem aces­so à te­le­me­tria, es­ta diz se o mo­tor foi abai­xo, e se is­so su­ce­der, há um si­nal que se­gue de ime­di­a­to pa­ra o di­rec­tor de Cor­ri­da que abor­ta a par­ti­da. O car­ro em ques­tão vai pa­ra o fi­nal da gre­lha e o pro­ce­di­men­to de par­ti­da re­co­me­ça.

Mu­dan­ças na Fer­ra­ri

De­pois de ter si­do afas­ta­do por Ser­gio Mar­chi­o­ne da pre­si­dên­cia da Fer­ra­ri, no fi­nal de 2014, Lu­ca di Mon­te­ze­mo­lo não per­de opor­tu­ni­da­des pa­ra dar va­len­tes al­fi­ne­ta­das em qu­em o des­pe­diu, e ten­do em con­ta que o seu des­pe­di­men­to se fez no sen­ti­do de dar à Fer­ra­ri no­vas con­di­ções pa­ra vol­tar a ga­nhar, e os dois úl­ti­mos anos fo­ram ain­da bem pi­o­res do que 2014, Mon­te­ze­mo­lo tem ago­ra to­dos os ar­gu­men­tos que pre­ci­sa pa­ra “dar na ca­be­ça” a Mar­chi­o­ne.

“Na Fór­mu­la 1, é pre­ci­so ser hu­mil­de o su­fi­ci­en­te pa­ra sa­ber que não se ga­nha de um dia pa­ra o ou­tro. Se uma pes­soa não es­tá cer­ta que po­de ga­nhar, não de­ve anun­ciá­lo de for­ma ve­e­men­te! Há que ter pa­ci­ên­cia, aju­dan­do as pes­so­as a me­lho­rar a si­tu­a­ção. Tem de ha­ver con­fi­an­ça na equi­pa e dar-lhes as me­lho­res con­di­ções pa­ra que pos­sam al­can­çar os ob­jec­ti­vos” co­me­çou por di­zer Mon­te­ze­mo­lo que no en­tan­to apoia Se­bas­ti­an Vet­tel. “Des­de a pri­mei­ra reu­nião que ti­ve­mos que per­ce­bi que a Fer­ra­ri es­tá no seu co­ra­ção. É im­por­tan­te pa­ra a Scu­de­ria ter um pi­lo­to que se­ja tão po­si­ti­vo em mo­men­tos tão di­fí­ceis”, dis­se Mon­te­ze­mo­lo que foi du­ro com o CEO da Fia, Ser­gio Mar­chi­on­ne.

Lu­ca di Mon­te­ze­mo­lo te­ve de aban­do­nar a li­de­ran­ça da Scu­de­ria Fer­ra­ri, pos­to que ocu­pa­va des­de o fi­nal de 1991, em Ou­tu­bro de 2014, is­to de­pois das mo­vi­men­ta­ções pa­ra o afas­tar te­rem co­me­ça­do me­ses an­tes, ime­di­a­ta­men­te de­pois de Ste­fa­no Do­me­ni­ca­li ter aban­do­na­do a Scu­de­ria.

Do pon­to de vis­ta co­mer­ci­al, tan­to a Fi­at co­mo Pi­e­ro Fer­ra­ri es­ta­vam sa­tis­fei­tos com os re­sul­ta­dos al­can­ça­dos pe­la Fer­ra­ri, pois a mar­ca ita­li­a­na con­ti­nu­a­va a ba­ter re­cor­des de ven­das, mas foi a in­fluên­cia per­ma­nen­te de Mon­te­ze­mo­lo na ges­tão diá­ria da Scu­de­ria Fer­ra­ri que jo­gou con­tra o ita­li­a­no, pas­san­do a ser con­si­de­ra­do o prin­ci­pal cul­pa­do pe­la au­sên­cia de tí­tu­los des­de que Ki­mi Raik­ko­nen ven­ceu o Mun­di­al de 2007. En­quan­to Je­an Todt e Ross Brawn es­ti­ve­ram na Fer­ra­ri, os dois tra­ba­lha­ram mui­to bem pa­ra man­ter Mon­te­ze­mo­lo fo­ra da ges­tão quo­ti­di­a­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.