AN­GO­LA A CRES­CER Se­gu­ran­ça ali­men­tar es­tá mais re­for­ça­da com pro­jec­tos agrí­co­las

Exe­cu­ti­vo lan­ça pro­gra­ma Te­le-Ali­men­to pa­ra im­pul­si­o­nar a agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar

Jornal de Angola - - PARTADA - EDIVALDO CRIS­TÓ­VÃO |

Pro­gra­ma “Te­le-Ali­men­to” vai per­mi­tir aos agri­cul­to­res pro­du­zi­rem de­ter­mi­na­das cul­tu­ras fo­ra do ci­clo ha­bi­tu­al

A ba­se da pro­du­ção agrí­co­la na­ci­o­nal é pro­ve­ni­en­te das fa­mí­li­as, que são res­pon­sá­veis pe­la pro­du­ção de 80 por cen­to dos ce­re­ais, 90 por cen­to de raí­zes e tu­bér­cu­los, igual per­cen­tu­al pa­ra as le­gu­mi­no­sas e ole­a­gi­no­sas.

O abas­te­ci­men­to do mer­ca­do com pro­du­tos agrí­co­las, pe­cuá­ri­os e tam­bém flo­res­tais de pro­du­ção na­ci­o­nal tem cres­ci­do acen­tu­a­da­men­te. Ten­do co­mo ba­se fun­da­men­tal a pro­du­ção de­sen­vol­vi­da por cam­po­ne­ses que pra­ti­cam ain­da sis­te­mas de agri­cul­tu­ra com uti­li­za­ção de mão-de-obra fa­mi­li­ar, es­co­an­do no mer­ca­do de con­su­mo al­guns dos ex­ce­den­tes da sua pro­du­ção, no­me­a­da­men­te, man­di­o­ca, mi­lho, fei­jão, ba­ta­ta re­na e do­ce, bem co­mo de al­guns pro­du­tos hor­tí­co­las.

An­go­la re­cen­te­men­te foi elo­gi­a­da pe­la Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra a Ali­men­ta­ção e Agri­cul­tu­ra (FAO) jun­to da Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (CPLP), por ter fei­to me­lho­ri­as sig­ni­fi­ca­ti­vas no com­ba­te à fo­me.

Ob­ten­do uma re­du­ção exem­plar, com­pa­ra­ti­va­men­te ao pe­río­do crí­ti­co en­tre 1990 e 1992, em que o nú­me­ro de pes­so­as afec­ta­das pe­la in­se­gu­ran­ça ali­men­tar e nu­tri­ci­o­nal cor­res­pon­dia a 63,5 por cen­to da po­pu­la­ção, ten­do re­du­zi­do ac­tu­al­men­te pa­ra cer­ca de 14 por cen­to.

O Exe­cu­ti­vo tem fei­to es­for­ços pa­ra aten­der as pre­o­cu­pa­ções do sec­tor da agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar, mes­mo com a cri­se que o país vi­ve ac­tu­al­men­te, exis­te uma mai­or dis­po­ni­bi­li­za­ção de di­vi­sas pa­ra os pro­du­to­res na­ci­o­nais, pres­ta­do­res de ser­vi­ços e os em­pre­sá­ri­os do sec­tor.

Pa­ra dar mais im­pul­so à pro­du­ção fa­mi­li­ar o Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra lan­çou re­cen­te­men­te o pro­jec­to “Te­le-Ali­men­to” que se pro­põe tor­nar mais efi­caz e efi­ci­en­te as prá­ti­cas de cul­ti­vo.

Atra­vés do “Te­le-Ali­men­to” os agri­cul­to­res têm a pos­si­bi­li­da­de de pro­du­zir de­ter­mi­na­das cul­tu­ras fo­ra do seu ci­clo ha­bi­tu­al e de­sen­vol­ver ain­da mais a agri­cul­tu­ra. Pa­ra dar avan­ço, es­tão a ser dis­tri­buí­dos kits de re­ga que va­ri­am en­tre os 250 e 500 me­tros qua­dra­dos, com a van­ta­gem de se­rem me­ca­nis­mos po­li­va­len­tes, fá­ceis de se­rem ins­ta­la­dos, e, mais do que tu­do, com um pre­ço im­ba­tí­vel.

Olhan­do pa­ra as múl­ti­plas van­ta­gens do equi­pa­men­to, em termos de eco­no­mia de cus­tos e re­tor­no de ca­pi­tal in­ves­ti­do, os cer­ca de 100 mil kwan­zas, que é o va­lor apro­xi­ma­do do kit, são efec­ti­va­men­te um bom in­ves­ti­men­to pa­ra qual­quer agri­cul­tor que tem pra­ti­ca­men­te as­se­gu­ra­do o re­tor­no do di­nhei­ro apli­ca­do já que ele pro­duz fo­ra do ci­clo e com mais qua­li­da­de.

O mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra Marcos Nhun­ga con­si­de­ra que exis­te um de­sem­pe­nho po­si­ti­vo no qua­dro dos pro­gra­mas di­ri­gi­dos no sec­tor da Agri­cul­tu­ra, fun­da­men­tal­men­te pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia. “Tem che­ga­do ca­da vez mais se­men­tes ao país. Tí­nha­mos uma mé­dia anu­al de im­por­ta­ção de 34 a 40 mil to­ne­la­das por ano. Es­te ano já en­tra­ram mais de 40 mil to­ne­la­das, e es­pe­ra­mos atin­gir até 100 mil, pa­ra tri­pli­car a quan­ti­da­de de fer­ti­li­zan­tes”.

Os trans­tor­nos cau­sa­dos no ini­cio do ano, com o atra­so da com­pra de se­men­tes de­ve­ram-se, fun­da­men­tal­men­te a di­fi­cul­da­des na aqui­si­ção de cam­bi­ais, mas se­gun­do o mi­nis­tro, a si­tu­a­ção já foi ul­tra­pas­sa­da, dai a en­tra­da de gran­des quan­ti­da­des de fer­ti­li­zan­tes o que a par­ti­da pre­nun­cia uma boa cam­pa­nha agrí­co­la.

Mu­dan­ça cli­má­ti­ca

O Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra re­a­li­zou as co­me­mo­ra­ções do Dia Mun­di­al da Ali­men­ta­ção, as­si­na­la­do a 16 de Ou­tu­bro, no Pro­jec­to In­te­gra­do de De­sen­vol­vi­men­to Agrí­co­la e Re­gi­o­nal da Qui­mi­nha, que es­te ano, te­ve sob o le­ma “O Cli­ma es­tá Mu­dan­do: A Ali­men­ta­ção e a Agri­cul­tu­ra Tam­bém”.

Na oca­sião, o mi­nis­tro dis­se que to­dos têm um pa­pel a de­sem­pe­nhar na mi­ti­ga­ção dos efei­tos das al­te­ra­ções cli­má­ti­cas. Os paí­ses pre­ci­sam in­ves­tir na agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar, co­mer­ci­al, agro in­dús­tria e nas in­fra­es­tru­tu­ras, pa­ra fa­ci­li­tar o es­co­a­men­to da pro­du­ção, a mon­ta­gem de sis­te­mas de co­mer­ci­a­li­za­ção pa­ra o au­men­to de for­ma sus­ten­tá­vel da dis­po­ni­bi­li­da­de dos ali­men­tos.

“As pes­so­as mais po­bres do mun­do, mui­tas das quais são agri­cul­to­res, pes­ca­do­res e pas­to­res, são os mais afec­ta­dos por al­tas tem­pe­ra­tu­ras, inun­da­ções e au­men­to da frequên­cia de de­sas­tres re­la­ci­o­na­dos ao cli­ma”, su­bli­nha.

Quan­to ao sec­tor pe­cuá­rio, o mi­nis­tro ga­ran­tiu o au­men­to da ofer­ta de car­ne de pro­du­ção na­ci­o­nal, me­lho­rar o for­ne­ci­men­to de pro­teí­na ani­mal às po­pu­la­ções, pa­ra o re­for­ço da avi­cul­tu­ra, sui­ni­cul­tu­ra e cri­a­ção de pe­que­nos ru­mi­nan­tes.

Mu­lher ru­ral

Con­si­de­ra­da co­mo guar­diã dos va­lo­res an­ces­trais e prin­ci­pal trans­mis­so­ra do co­nhe­ci­men­to tra­di­ci­o­nal agrí­co­la que cons­ti­tui a ba­se de sus­ten­ta­ção de mui­tas fa­mí­li­as, a mu­lher ru­ral as­su­me um pa­pel cru­ci­al na efe­ti­va­ção de qual­quer po­lí­ti­ca de de­sen­vol­vi­men­to do sec­tor agrá­rio. Es­ta ideia foi en­fa­ti­za­da pe­la mi­nis­tra da Fa­mí­lia e Pro­mo­ção da Mu­lher nas de­cla­ra­ções fei­tas du­ran­te as co­me­mo­ra­ções do Dia da Ali­men­ta­ção.

Filomena Del­ga­do as­su­me que ape­sar de to­do o es­for­ço que tem si­do re­a­li­za­do as mu­lhe­res con­ti­nu­am a ser as me­nos be­ne­fi­ci­a­das com as po­lí­ti­cas pú­bli­cas de apoio ao de­sen­vol­vi­men­to, pos­suin­do pou­co me­nos de dois por cen­to da pro­pri­e­da­de so­bre a ter­ra e re­ce­bem ape­nas um por cen­to dos cré­di­tos des­ti­na­dos a agri­cul­tu­ra.

Da­dos mun­di­ais, de­mons­tram a exis­tên­cia de as­si­me­tri­as en­tre zo­nas ur­ba­nas e ru­rais, co­mo con­sequên­cia da in­su­fi­ci­ên­cia de ser­vi­ços e a de­fi­ci­en­te uti­li­za­ção das téc­ni­cas de de­sen­vol­vi­men­to das ter­ras ará­veis. Da­dos da Co­mis­são so­bre o Es­ta­tu­to da Mu­lher das Na­ções Uni­das, cer­ca de 70 por cen­to das pes­so­as em ex­tre­ma po­bre­za nos paí­ses em vi­as de de­sen­vol­vi­men­to, vi­vem nas zo­nas ru­rais e mais de 43 por cen­to des­tas pes­so­as são mu­lhe­res.

Fa­ce a es­tas par­ti­cu­la­ri­da­des es­pe­cí­fi­cas re­la­ci­o­na­das com a mu­lher ru­ral, a Con­ven­ção das Na­ções Uni­das so­bre a eli­mi­na­ção de to­das as for­mas de Dis­cri­mi­na­ção Con­tra as Mu­lhe­res adop­ta­da em 1979, no seu ar­ti­go 14, ins­ta aos Es­ta­dos par­tes, so­bre a ne­ces­si­da­de de te­rem em con­si­de­ra­ção os pro­ble­mas es­pe­cí­fi­cos das mu­lhe­res das zo­nas ru­rais e o pa­pel sig­ni­fi­ca­ti­vo que es­tas de­sem­pe­nham na sobrevivência eco­nó­mi­ca das su­as fa­mí­li­as, in­cluin­do o seu tra­ba­lho em sec­to­res não mo­to­ri­za­dos da eco­no­mia, de­ven­do os Es­ta­dos mem­bros to­ma­rem me­di­das ne­ces­sá­ri­as que ga­ran­tam a apli­ca­ção des­ta dis­po­si­ção, no to­can­te às mu­lhe­res das zo­nas ru­rais.

O Exe­cu­ti­vo re­a­li­za des­de o dia um até 31 do cor­ren­te as Jor­na­das Na­ci­o­nais da Mu­lher Ru­ral, sob o le­ma “Re­for­ça­mos o pa­pel da Mu­lher Ru­ral pa­ra os De­sa­fi­os da Di­ver­si­fi­ca­ção da Eco­no­mia”.

O no­no Fó­rum Na­ci­o­nal da Mu­lher Ru­ral ser­viu pa­ra ava­li­ar as prin­ci­pais re­a­li­za­ções sec­to­ri­ais que con­cor­rem pa­ra a im­ple­men­ta­ção das re­co­men­da­ções saí­das do fó­rum de 2014, sob ori­en­ta­ção di-

do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos.

O fó­rum re­co­men­dou so­bre a ne­ces­si­da­de de se con­ti­nu­ar a con­ju­gar si­ner­gi­as pa­ra a im­ple­men­ta­ção gra­du­al dos cin­co do­mí­ni­os que no ac­tu­al con­tex­to eco­nó­mi­co e fi­nan­cei­ro do país é fo­car as ac­ções nas ac­ti­vi­da­des que con­cor­ram pa­ra a es­tru­tu­ra­ção eco­nó­mi­ca e so­ci­al das mu­lhe­res ru­rais, no apoio às ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas, com des­ta­que pa­ra agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar e pa­ra o fo­men­to de ou­tras pe­que­nas ac­ti­vi­da­des ge­ra­do­ras de ren­di­men­tos nas co­mu­ni­da­des ru­rais.

A or­ga­ni­za­ção so­ci­al das mu­lhe­res e co­mu­ni­da­des foi de igual mo­do apon­ta­da co­mo par­te des­ta es­tra­té­gia, pa­ra que os di­fe­ren­tes pro­jec­tos pro­mo­vi­dos pe­los di­fe­ren­tes ac­to­res en­con­trem in­ter­lo­cu­to­res vá­li­dos nas co­mu­ni­da­des, pres­su­pos­to es­sen­ci­al pa­ra a sus­ten­ta­bi­li­da­de dos mes­mos.

A mu­lher ru­ral exer­ce um pa­pel úni­co na re­a­li­da­de an­go­la­na. O seu con­tri­bu­to é es­sen­ci­al pa­ra a uni­da­de e co­e­são da fa­mí­lia, pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to ru­ral e no com­ba­te à fo­me e a po­bre­za, sen­do uma es­tra­té­gia da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia.

Pro­du­ção da Qui­mi­nha

Ao fa­lar pa­ra a nos­sa re­por­ta­gem, o di­rec­tor ge­ral do Pro­jec­to Qui­mi­nha, Er­nes­to Chi­cu­cu­ma, des­ta­ca o mo­men­to ou fa­se de im­ple­men­ta­ção do mes­mo é a par­ti­cu­la­ri­da­de de ser in­te­gra­do.

A ca­mi­nhar cé­le­re pa­ra úl­ti­ma fa­se de exe­cu­ção, o Pro­jec­to Qui­mi­nha já cum­priu as eta­pas de obras de en­ge­nha­ria e mon­ta­gem de in­fra-es­tru­tu­ras. Des­de Ju­nho que o pro­jec­to Qui­mi­nha co­me­çou a pro­du­zir pa­ra as gran­des su­per­fí­ci­es co­mer­ci­as na pro­vín­cia de Lu­an­da.

Du­ran­te pre­sen­te ci­clo de pro­du­ção que vai de Ju­nho a Ou­tu­bro re­gis­tou-se uma pro­du­ção de 150 to­ne­la­das, com mai­or re­al­ce pa­ra o to­ma­te (80 to­ne­la­das), o re­po­lho (20t) e o pe­pi­no (18t). A ba­ta­ta re­na es­tá im­plan­ta­da nu­ma zo­na de 63 hec­ta­res, que den­tro de apro­xi­ma­da­men­te du­as se­ma­nas co­me­ça a fa­se da co­lhei­ta pa­ra uma pers­pec- ti­va de 40 to­ne­la­das por hec­ta­re. A área de in­ter­ven­ção do pro­jec­to Qui­mi­nha é de cin­co mil hec­ta­res, ne­la já es­tão con­cluí­das as 300 fa­zen­das fa­mi­li­a­res, com ener­gia eléc­tri­ca dis­po­ní­vel, sis­te­ma de ir­ri­ga­ção ins­ta­la­do com pe­que­nas re­gas e pi­vots.

Nas 300 fa­zen­das do ti­po T3, ca­da fa­mí­lia cam­po­ne­sa pos­sui três hec­ta­res de ter­ra pa­ra cul­ti­vo, uma es­tu­fa de 500 me­tros qua­dra­dos.

Além da agri­cul­tu­ra, pre­co­ni­za­se a pro­du­ção de 22 mi­lhões de ovos e vá­ri­os ti­pos de ve­ge­tais em gran­des quan­ti­da­des (apro­xi­ma­da­men­te 25 mil to­ne­la­das de pro­du­tos por ano), cu­jo ar­ran­que es­tá pre­vis­to o fi­nal do ano.

No lo­cal es­tão a ser cons­truí­das in­fra-es­tru­tu­ras pa­ra o sis­te­ma de cap­ta­ção, trans­por­te e abas­te­ci­men­to de água, um cen­tro lo­gís­ti­co e re­des viá­ria e eléc­tri­ca, dez ca­sas pa­ra pro­fes­so­res, téc­ni­cos agrí­co­las, en­fer­mei­ros e um Cen­tro de For­ma­ção e Ges­tão Agrí­co­la.

Em cons­tru­ção es­tá tam­bém um cen­tro so­ci­al in­te­gra­do de es­co­la, pos­to mé­di­co, jar­dim-de-in­fân­cia, ins­ta­la­ções des­por­ti­vas e de apoio à pro­du­ção, cons­ti­tuí­do por ofi­ci­na, ar­ma­zéns, pa­vi­lhões de hor­tí­co­las e de se­lec­ção e em­pa­co­ta­men­to de pro­du­tos.

O pró­xi­mo pas­so do pro­jec­to é a cons­tru­ção das fa­zen­das que vai ter dis­po­ní­vel ca­da 50 hec­ta­res pa­ra agri­cul­tu­ra, nes­te mo­men­to já fo­ram exe­cu­ta­das dez, que se­rão ven­di­das a pro­jec­tos pri­va­dos.

Er­nes­to Chi­cu­cu­ma afir­mou que a Qui­mi­nha é dos mai­o­res pon­tos de dis­tri­bui­ção ali­men­tar de Lu­an­da, nes­ta pri­mei­ra fa­se pro­duz cer­ca de 50 mil to­ne­la­das de pro­du­tos ali­men­ta­res en­tre fres­cos, hor­tí­co­las, ovos e le­gu­mes. Mas o ob­jec­ti­vo é atin­gir as 100 mil to­ne­la­das por ano.

Ini­ci­a­do em 2012, o pro­jec­to com­pre­en­de uma área de cin­co mil hec­ta­res, en­tre as co­mu­nas de Ca­bi­ri e Bom Je­sus, lo­ca­li­za­das a 60 qui­ló­me­tros a nor­te de Lu­an­da. Já em­pre­gou 300 pes­so­as e pre­vê até ao fim do pro­jec­to cri­ar 4.000 pos­tos de tra­ba­lho.

Ges­tão is­ra­e­li­ta

A em­pre­sa Tahal Group In­ter­na­ti­o­nal BV, em par­ce­ria com a em­pre­sa an­go­la­na ZRB, vai ge­rir por se­te anos o pro­jec­to de de­sen­vol­vi­men­to agrí­co­la Qui­mi­nha, nos termos de um con­tra­to as­si­na­do com a Ges­ter­ra - Ges­tão de Ter­ras Ará­veis, uma so­ci­e­da­de anó­ni­ma de ca­pi­tais pú­bli­cos.

O con­tra­to, ava­li­a­do em 370 mi­lhões de dó­la­res, vá­li­do por se­te anos e pa­ra uma ex­ten­são por pos­si­vel­men­te mais cin­co anos, vi­sa ob­ter uma pro­du­ção anu­al de 60 mil to­ne­la­das de pro­du­tos agrí­co­las, que de­vem ser ven­di­dos no mer­ca­do in­ter­no e pro­por­ci­o­nar uma fac­tu­ra­ção anu­al de 52 mi­lhões de dó­la­res. Nos termos do con­tra­to, a Tahal e a ZRB fi­cam res­pon­sá­veis pe­lo for­ne­ci­men­to do equi­pa­men­to ne­ces­sá­rio pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do pro­jec­to Qui­mi­nha.

O pro­jec­to, cu­jas in­fra-es­tru­tu­ras fo­ram cons­truí­das ao lon­go de al­guns anos, ao abri­go de um ou­tro con­tra­to da Tahal com o Go­ver­no de An­go­la. De acor­do com o Ga­bi­ne­te de Es­tu­dos e Pla­ne­a­men­to do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, tra­ta-se de um in­ves­ti­men­to que vi­sa con­cre­ti­zar a apos­ta do Exe­cu­ti­vo na di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia do país, do ren­di­men­to e da cri­a­ção de no­vos pos­tos de tra­ba­lho.

Se­gu­ran­ça Ali­men­tar

O Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra ca­pa­ci­tou 211 téc­ni­cos em ma­té­ri­as so­bre as me­di­das sa­ni­tá­ri­as e fi­tos­sa­ni­tá­ri­as pa­ra re­for­çar a mi­ti­ga­ção e com­ba­ter as pra­gas e do­en­ças nas plan­tas e ani­mais, ga­ran­tin­do a se­gu­ran­ça ali­men­tar da po­pu­la­ção. Os da­dos fo­ram avan­ça­dos pe­lo re­rec­ta pre­sen­tan­te da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra a Ali­men­ta­ção e a Agri­cul­tu­ra (FAO) em An­go­la, Ma­mou­dou Di­al­lo, du­ran­te um se­mi­ná­rio em Lu­an­da, so­bre a im­por­tân­cia da se­gu­ran­ça ali­men­tar, en­qua­dra­do na ce­le­bra­ção do Dia Mun­di­al da Ali­men­ta­ção, as­si­na­la­do a 16 de Agos­to, que es­te ano te­ve co­mo te­ma “O Cli­ma es­tá Mu­dar: A Ali­men­ta­ção e a Agri­cul­tu­ra Tam­bém”.

Os téc­ni­cos fo­ram for­ma­dos em 14 pro­vín­ci­as do país, des­de Agos­to de 2015. A for­ma­ção des­ses pro­fis­si­o­nais en­qua­dra-se no pro­jec­to de fortalecimento das me­di­das dos mei­os de con­tro­lo da se­gu­ran­ça dos ali­men­tos, pra­gas e do­en­ças nas plan­tas e ani­mais pa­ra me­lho­rar a pro­du­ti­vi­da­de agrí­co­la e o co­mér­cio em An­go­la e na Áfri­ca Aus­tral, ten­do em con­ta o com­pro­mis­so de co­o­pe­ra­ção exis­ten­te en­tre An­go­la e a FAO. O pro­jec­to es­tá es­trei­ta­men­te li­ga­do à ca­pa­ci­da­de de mi­ti­gar o im­pac­to das mu­dan­ças cli­má­ti­cas so­bre a pro­du­ção agrí­co­la.

“A se­gu­ran­ça sa­ni­tá­ria dos ali­men­tos cons­ti­tui uma pre­o­cu­pa­ção de to­da Áfri­ca, em par­ti­cu­lar a Áfri­ca Aus­tral, on­deAn­go­la faz par­te”, dis­se. Pa­ra o re­pre­sen­tan­te da FAO em An­go­la, o im­pac­to das pra­gas e do­en­ças nas plan­tas e ani­mais atin­ge mais de 40 por cen­to dos ali­men­tos con­su­mi­dos na re­gião da Áfri­ca Aus­tral.

Ex­pli­cou que a dis­se­mi­na­ção e o po­ten­ci­al do im­pac­to das pra­gas e do­en­ças nas plan­tas e nos ani­mais são uma das con­sequên­ci­as das mu­dan­ças cli­má­ti­cas, que re­pre­sen­tam ris­cos re­le­van­tes pa­ra to­da ca­deia ali­men­tar, pois po­dem com­pro­me­ter a pro­du­ti­vi­da­de agrí­co­la e in­vi­a­bi­li­zar o cul­ti­vo e a pro­du­ção ani­mal e ve­ge­tal.

Ao pe­di­do es­pe­cí­fi­co dos Go­ver­nos pro­vin­ci­ais do Ben­go e Na­mi­be fo­ram re­a­li­za­dos, re­cen­te­men­te, dois se­mi­ná­ri­os de ca­pa­ci­ta­ção so­bre o di­ag­nós­ti­co de con­tro­lo do ví­rus do to­ma­te e da ba­na­na, di­ri­gi­dos por es­pe­ci­a­lis­tas na­ci­o­nais.

Es­tá tam­bém em cur­so a pre­pa­ra­ção de se­mi­ná­ri­os es­pe­cí­fi­cos so­bre o di­ag­nós­ti­co e con­tro­lo do ví­rus da man­di­o­ca, tu­bér­cu­los e das do­en­ças ca­pri­nas, nas pro­vín­ci­as de Ca­bin­da e Cu­an­za Sul.

Me­nos fo­me no país

An­go­la foi elo­gi­a­da re­cen­te­men­te pe­lo re­pre­sen­tan­te da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra a Ali­men­ta­ção e Agri­cul­tu­ra (FAO) jun­to da Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (CPLP), por ter fei­to me­lho­ri­as “mui­to sig­ni­fi­ca­ti­vas” no com­ba­te à fo­me.

“Uma re­du­ção exem­plar”, de­cla­rou Hél­der Mu­teia, pa­ra qu­em An­go­la ti­nha uma si­tu­a­ção crí­ti­ca en­tre 1990 e 1992, pe­río­do em que o nú­me­ro de pes­so­as ví­ti­mas de in­se­gu­ran­ça ali­men­tar e nu­tri­ci­o­nal cor­res­pon­dia a 63,5 por cen­to da po­pu­la­ção, ten­do re­du­zi­do ac­tu­al­men­te pa­ra cer­ca de 14 por cen­to.

Por cau­sa da “re­du­ção drás­ti­ca”, a FAO já atri­buiu uma men­ção hon­ro­sa a An­go­la. O re­pre­sen­tan­te elo­gi­ou to­da a Co­mu­ni­da­de de Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa pe­los avan­ços re­gis­ta­dos no com­ba­te à fo­me e à po­bre­za.

Em três anos, o nú­me­ro de pes­so­as fa­min­tas e ví­ti­mas de in­se­gu­ran­ça ali­men­tar e nu­tri­ci­o­nal re­du­ziu de 28 mi­lhões pa­ra 22 mi­lhões. A agên­cia es­pe­ci­a­li­za­da da ONU e a CPLP adop­ta­ram um pla­no con­jun­to pa­ra com­ba­ter a fo­me, nu­ma ci­mei­ra que de­cor­reu em Ma­pu­to, em 2012.

A in­ci­dên­cia da fo­me na Gui­né-Bissau era de cer­ca de 23 por cen­to e ho­je es­tá em 20,7 por cen­to, São To­mé e Prín­ci­pe saiu de uma in­ci­dên­cia de 22,9 por cen­to pa­ra cer­ca de 6,6 por cen­to. O al­to fun­ci­o­ná­rio da FAO dis­se es­pe­rar que o gru­po de paí­ses lu­só­fo­nos con­ti­nue ac­ti­vo pa­ra en­fren­tar a in­se­gu­ran­ça ali­men­tar.

Em Ca­bo Ver­de, a si­tu­a­ção não era tão crí­ti­ca. Es­ta­va a 16,1 por cen­to nes­sa al­tu­ra e ho­je es­tá em 9,4 por cen­to. Ou­tro va­lor as­si­na­lá­vel foi al­can­ça­do pe­lo Bra­sil. O país es­ta­va com 14,8 por cen­to e re­du­ziu pa­ra cin­co por cen­to e es­tá ao ní­vel dos paí­ses de­sen­vol­vi­dos.

O Bra­sil tem tam­bém um con­jun­to de po­lí­ti­cas pú­bli­cas, adop­ta­das nos úl­ti­mos dez anos, que re­du­zi­ram o es­pe­tro da fo­me até ao ní­vel que te­mos ho­je. A ex­pec­ta­ti­va com a re­a­li­za­ção da Ci­mei­ra dos Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no da CPLP em Bra­sí­lia, de 31 de Ou­tu­bro a 1 de No­vem­bro, é que a se­gu­ran­ça ali­men­tar se­ja uma pri­o­ri­da­de nas dis­cus­sões.

A Es­tra­té­gia Re­gi­o­nal da CPLP pa­ra a Se­gu­ran­ça Ali­men­tar e Nu­tri­ci­o­nal te­ve 500 mil dó­la­res in­ves­ti­dos pe­la FAO pa­ra dar apoio a go­ver­nos, par­la­men­tos e en­ti­da­des não-go­ver­na­men­tais na exe­cu­ção do pla­no na co­mu­ni­da­de lu­só­fo­na.

O nú­me­ro de pes­so­as que so­frem de fo­me no mun­do é in­fe­ri­or a 800 mi­lhões pe­la pri­mei­ra vez des­de o iní­cio da di­vul­ga­ção das es­ta­tís­ti­cas, o que re­pre­sen­ta uma re­du­ção de qua­se 25 por cen­to em 25 anos, anun­ci­ou a Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das pa­ra a Ali­men­ta­ção e a Agri­cul­tu­ra (FAO).

Há um ca­mi­nho per­cor­ri­do, mas há uma lon­ga es­tra­da pa­ra per­cor­rer pa­ra que o com­ba­te à Fo­me, a Re­du­ção da Po­bre­za e a Se­gu­ran­ça Ali­men­tar e Nu­tri­ci­o­nal pos­sam che­gar ao va­lor Ze­ro. O re­la­tó­rio de 2014 apon­ta­va que ain­da ha­via cer­ca de 805 mi­lhões de pes­so­as sem ali­men­tos su­fi­ci­en­tes no pla­ne­ta – um a ca­da no­ve ha­bi­tan­tes do mun­do.

A FAO, com se­de em Ro­ma, des­ta­ca que mais da me­ta­de dos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to (72 de 129 paí­ses) al­can­ça­ram a Me­ta do Mi­lé­nio de re­du­zir pa­ra me­ta­de a Fo­me en­tre os anos 2000 e 2015.

No en­tan­to, a or­ga­ni­za­ção cha­ma a aten­ção pa­ra a per­sis­tên­cia das cir­cuns­tân­ci­as que di­fi­cul­tam a lu­ta con­tra a Fo­me, co­mo as ca­tás­tro­fes na­tu­rais, os con­fli­tos, as mu­dan­ça cli­má­ti­cas e as cri­ses fi­nan­cei­ras.

A fo­me nos paí­ses que co­nhe­cem es­te ti­po de si­tu­a­ção é três ve­zes mai­or que em ou­tros lo­cais. Em 2012, qua­se 366 mi­lhões de pes­so­as vi­vi­am nes­te ti­po de con­tex­to, das quais 129 mi­lhões es­ta­vam su­ba­li­men­ta­das.

A FAO e as de­mais agên­ci­as da ONU que ac­tu­am na ques­tão, co­mo o Pro­gra­ma Mun­di­al de Ali­men­tos (PMA), aler­tam cons­tan­te­men­te pa­ra a in­se­gu­ran­ça ali­men­tar em paí­ses afec­ta­dos por con­fli­tos co­mo Sí­ria e Ira­que, as­sim co­mo o Ma­li, Ié­men, Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na, Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go ou Su­dão do Sul, pa­ra pre­ve­nir e cor­ri­gir, di­a­lo­gar e im­ple­men­tar me­di­das vin­cu­la­ti­vas, co­mo o pon­to de par­ti­da pa­ra uma no­va or­dem de con­cei­tos e es­tra­té­gi­as nes­te e nou­tros do­mí­ni­os do De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no e Sus­ten­tá­vel.

JAIMAGENS

JO­SÉ SOARES

Fa­mí­li­as cam­po­ne­sas são as gran­des be­ne­fi­ciá­ri­as do pro­jec­to agrí­co­la da Qui­mi­nha

JAIMAGENS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.