Mi­lha­res de em­pre­gos no sec­tor eco­nó­mi­co

Jornal de Angola - - PARTADA - EDIVALDO CRIS­TÓ­VÃO |

Os sec­to­res da ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca, in­cluin­do o sec­tor pro­du­ti­vo e so­ci­al, ge­ram, des­de 2013 até ao pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano, mais de 800 mil no­vos em­pre­gos. De acor­do com os da­dos do Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al, o sec­tor da Ener­gia e Águas que tem em exe­cu­ção vá­ri­os pro­jec­tos es­tru­tu­ran­tes de im­pac­to eco­nó­mi­co é o que mais ge­rou em­pre­gos, com 172.911, se­gui­do pe­lo Co­mér­cio com 169.897, os Trans­por­tes com 136.107 e a Ho­te­la­ria e Tu­ris­mo com 62.132 no­vos pos­tos de tra­ba­lho. Os da­dos fo­ram apre­sen­ta­dos du­ran­te um en­con­tro de téc­ni­cos do Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al com res­pon­sá­veis das Agên­ci­as Pri­va­das de Co­lo­ca­ção e de Cedência Tem­po­rá­ria de Tra­ba­lha­do­res. O qua­dro evo­lu­ti­vo de no­vos pos­tos de tra­ba­lho ge­ra­dos nos úl­ti­mos três anos de­mons­tra um au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo no côm­pu­to ge­ral, se­gun­do o di­rec­tor do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal e For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal, Le­o­nel Ber­nar­do.

O Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al re­gis­tou de 2013 até es­te ano 803.461 pos­tos de tra­ba­lho, ge­ra­dos pe­los sec­to­res da ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca, in­cluin­do o sec­tor pro­du­ti­vo e so­ci­al em to­do o país.

Os da­dos fo­ram apre­sen­ta­dos du­ran­te um en­con­tro de téc­ni­cos do Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al com res­pon­sá­veis das Agên­ci­as Pri­va­das de Co­lo­ca­ção e de Cedência Tem­po­rá­ria de Tra­ba­lha­do­res.

O qua­dro evo­lu­ti­vo dos pos­tos de tra­ba­lho ge­ra­dos du­ran­te es­te pe­río­do de­mons­tram que hou­ve um au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo no com­pu­to ge­ral, ten­do em con­ta que, em 2013, o nú­me­ro de pos­tos de tra­ba­lho cri­a­dos foi de 158.891, en­quan­to em 2014 fo­ram re­gis­ta­dos 306.677 no­vos em­pre­gos. Da­dos de em­pre­go re­gis­ta­dos no pri­mei­ro se­mes­tre do ano em cur­so in­di­cam que 77.688 ci­da­dãos fo­ram em­pre­ga­dos no sec­tor da eco­no­mia ge­ral. En­tre 20132016, o sec­tor da Ener­gia e Águas é o que mais ge­rou em­pre­gos, com 172.911, se­gui­do pe­lo Co­mér­cio (169.897), Trans­por­tes (136.107) e Ho­te­la­ria e Tu­ris­mo (62.132). O di­rec­tor do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal e For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal, Le­o­nel Ber­nar­do, dis­se que o en­con­tro ser­viu pa­ra aus­cul­tar os cons­tran­gi­men­tos e di­fi­cul­da­des no exer­cí­cio das ac­ti­vi­da­des das Agên­ci­as Pri­va­das de Co­lo­ca­ção, in­cen­ti­var os ope­ra­do­res pri­va­dos no sen­ti­do de con­ti­nu­a­rem a im­ple­men­tar os tra­ba­lhos na ba­se do cum­pri­men­to da le­gis­la­ção e do pro­gra­ma do Exe­cu­ti­vo pa­ra a cri­a­ção de mais em­pre­gos.

Re­cru­ta­men­to de es­tran­gei­ros

Le­o­nel Ber­nar­do in­for­mou que o Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al apu­rou que en­tre as 252 Agên­ci­as Pri­va­das de Co­lo­ca­ção, mui­tas de­las pre­ci­sam de um acom­pa­nha­men­to pa­ra po­de­rem cum­prir com a lei, no­me­a­da­men­te dan­do in­for­ma­ções pe­rió­di­cas so­bre os pos­tos de tra­ba­lho ge­ra­dos, cum­pri­men­to da obri­ga­to­ri­e­da­de que de­fen­de que 70 por cen­to dos qua­dros na em­pre­sa têm de ser na­ci­o­nais.

A le­gis­la­ção na­ci­o­nal exi­ge ain­da que o re­cru­ta­men­to de tra­ba­lha­do­res es­tran­gei­ros só é per­mi­ti­do em ca­sos que não ha­ja mão-de-obra na­ci­o­nal com a ex­pe­ri­ên­cia com­pro­va­da e qua­li­fi­ca­da pa­ra ocu­par as va­gas pre­ten­di­das.

Ain­da as­sim, Le­o­nel Ber­nar­do re­co­nhe­ceu que as agên­ci­as têm si­do par­cei­ras do Exe­cu­ti­vo no cum­pri­men­to da po­lí­ti­ca de ge­rar em­pre­gos. Re­fe­rin­do-se ao nú­me­ro de em­pre­gos re­gis­ta­dos no pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano (77.688), Le­o­nel Ber­nar­do con­si­de­rou que es­te nú­me­ro po­de­ria ter al­te­ra­ção po­si­ti­va se ti­ves­se dis­po­ní­vel to­da a in­for­ma­ção de em­pre­gos ge­ra­dos em to­dos os sec­to­res. Re­co­nhe­ceu ain­da que o sec­tor re­al da eco­no­mia con­ti­nua a pres­tar uma gran­de con­tri­bui­ção na ge­ra­ção de em­pre­go, de­mons­tran­do as­sim que as po­lí­ti­cas so­bre a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia com a pro­du­ção na­ci­o­nal tem sur­ti­do efei­to.

O en­con­tro re­a­li­za­do com o obejc­ti­vo de as­se­gu­rar a con­ti­nui­da­de do bom fun­ci­o­na­men­to das agên­ci­as, di­vul­gar, re­flec­tir e cri­ar um es­pa­ço de diá­lo­go com os vá­ri­os agen­tes e in­ter­ven­to­res nes­ta ac­ti­vi­da­de e não só, tal co­mo as en­ti­da­des pú­bli­cas que cer­ti­fi­cam e as em­pre­sas que exer­cem ac­ti­vi­da­de de co­lo­ca­ção e de cedência tem­po­rá­ria de tra­ba­lha­do­res, bem co­mo as que su­per­vi­si­o­nam a sua ac­ti­vi­da­de.

O en­con­tro ser­viu pa­ra aus­cul­tar as di­fi­cul­da­des, cons­tran­gi­men­tos e de­fi­ci­ên­ci­as no exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de das agên­ci­as, sen­si­bi­li­zar os ges­to­res das agên­ci­as so­bre a ne­ces­si­da­de do cum­pri­men­to das nor­mas jurídicas que re­gu­lam es­ta ma­té­ria, re­for­çar as ca­pa­ci­da­des dos par­ti­ci­pan­tes so­bre a im­por­tân­cia do fun­ci­o­na­men­to cor­rec­to das agên­ci­as, as­sim co­mo di­vul­gar as dis­po­si­ções nor­ma­ti­vas que re­gu­lam as ac­ti­vi­da­des de co­lo­ca­ção de cedência tem­po­rá­ria de tra­ba­lha­do­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.