Se­cre­tá­ria de Es­ta­do re­co­nhe­ce me­lho­ri­as na ges­tão

Ma­ria Au­gus­ta Mar­tins apon­ta for­ma­ção dos do­cen­tes co­mo pon­to de par­ti­da pa­ra a qua­li­da­de

Jornal de Angola - - POLÍTICA - ARMANDO SAPALO |

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do do En­si­no Su­pe­ri­or pa­ra a Ino­va­ção re­co­nhe­ceu, on­tem, o tra­ba­lho que es­tá a ser re­a­li­za­do pa­ra a me­lho­ria da ges­tão do sis­te­ma de en­si­no a ní­vel das uni­ver­si­da­des pú­bli­cas, com vis­ta à ma­te­ri­a­li­za­ção do Pla­no Na­ci­o­nal de For­ma­ção de Qua­dros (PNFQ).

Ma­ria Au­gus­ta Mar­tins, que fa­la­va du­ran­te o en­cer­ra­men­to de uma con­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal pro­mo­vi­da no âm­bi­to do sé­ti­mo ani­ver­sá­rio da cri­a­ção da Uni­ver­si­da­de Lu­e­ji A´Nkon­de, ape­lou pa­ra uma apos­ta ca­da vez mais sé­ria na qua­li­da­de do en­si­no su­pe­ri­or.

Pa­ra a se­cre­tá­ria de Es­ta­do, a for­ma­ção dos do­cen­tes é o pon­to de par­ti­da pa­ra a qua­li­da­de do en­si­no em An­go­la. In­for­mou que, nes­te mo­men­to, o mi­nis­té­rio de tu­te­la tra­ba­lha em ac­ções con­cer­ta­das com os go­ver­nos pro­vin­ci­ais pa­ra me­lho­rar as con­di­ções de fun­ci­o­na­men­to das uni­ver­si­da­des ads­tri­tas às re­giões aca­dé­mi­cas, cri­a­das pe­lo Exe­cu­ti­vo à luz do pro­gra­ma de ex­pan­são da re­de de en­si­no su­pe­ri­or.

Au­gus­ta Mar­tins as­se­gu­rou que o Exe­cu­ti­vo es­tá for­te­men­te apos­ta­do na for­ma­ção de qua­dros su­pe­ri­o­res, ten­do em con­ta que é das prin­ci­pais ca­rên­ci­as que se ve­ri­fi­ca em to­das áre­as so­ci­ais e pro­du­ti­vas do país. “O de­sen­vol­vi­men­to har­mo­ni­o­so e ter­ri­to­ri­al de An­go­la ca­re­ce de qua­dros com for­ma­ção, com­pe­tên­cia e qua­li­da­de com­pro­va­das pa­ra o mer­ca­do de tra­ba­lho”, de­fen­deu a se­cre­tá­ria de Es­ta­do, que re­al­çou o em­pe­nho do Exe­cu­ti­vo na cri­a­ção de me­ca­nis­mos que vi­sam ul­tra­pas­sar as di­fi­cul­da­des que as ins­ti­tui­ções do en­si­no su­pe­ri­or en­fren­tam, por via de re­cur­sos e pro­gra­mas tra­ça­dos pa­ra o al­can­ce da qua­li­da­de de en­si­no.

Ges­tão fi­nan­cei­ra

Au­gus­ta Mar­tins dis­se que se de­ve apos­tar se­ri­a­men­te na ges­tão hu­ma­na e fi­nan­cei­ra das uni­ver­si­da­des, com vis­ta à pro­mo­ção de ini­ci­a­ti­vas que for­ta­le­çam o sis­te­ma de en­si­no su­pe­ri­or. O Pla­no Na­ci­o­nal de For­ma­ção de Qua­dros, es­cla­re­ceu, é um ins­tru­men­to ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te que se afi­gu­ra co­mo es­tra­té­gia de pro­mo­ção de em­pre­go e de va­lo­ri­za­ção de re­cur­sos hu­ma­nos na­ci­o­nais. A se­cre­tá­ria de Es­ta­do ga­ran­tiu que as ins­ti­tui­ções de en­si­no su­pe­ri­or vão con­ti­nu­ar a ser do­ta­das com con­di­ções in­dis­pen­sá­veis pa­ra con­cre­ti­za­ção des­se de­se­jo.

In­ves­ti­ga­ção Ci­en­tí­fi­ca

As Uni­ver­si­da­des de­vem es­tar cons­ci­en­tes de que a par da for­ma­ção aca­dé­mi­ca, ne­ces­si­tam de se afir­mar no cam­po da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca e de ex­ten­são uni­ver­si­tá­ria, de mo­do a re­for­çar a sua res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al jun­to das co­mu­ni­da­des da re­gião em que se en­con­tram in­se­ri­das, de­fen­deu a se­cre­tá­ria de Es­ta­do.

Ma­ria Au­gus­ta Mar­tins acres­cen­tou que as uni­ver­si­da­des de­vem in­ves­tir na con­tra­ta­ção de do­cen­tes, não só que se con­fi­nam em mi­nis­trar au­las, mas tam­bém que apos­tam na in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca e ex­ten­são uni­ver­si­tá­ria. O Pla­no Na­ci­o­nal de For­ma­ção de Qua­dros des­ti­na-se a as­se­gu­rar uma for­ma­ção pro­fis­si­o­nal de ex­ce­lên­cia na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca e ga­ran­tir a ca­pa­ci­ta­ção de qua­dros de­vi­da­men­te qua­li­fi­ca­dos, sus­cep­tí­veis a res­pon­der às exi­gên­ci­as do ac­tu­al con­tex­to so­ci­al e eco­nó­mi­co do país, re­al­çou.

A se­cre­tá­ria do Es­ta­do re­co­nhe­ceu que a rei­to­ria da Uni­ver­si­da­de Lu­e­ji A´Nkon­de, cu­ja re­gião aca­dé­mi­ca com­pre­en­de as pro­vín­ci­as da Lun­da Nor­te, Ma­lan­je e Lun­da Sul, es­tá a de­sen­vol­ver um tra­ba­lho sig­ni­fi­ca­ti­vo, uma vez que, se­gun­do re­fe­riu, ape­sar das di­fi­cul­da­des as su­as uni­da­des or­gâ­ni­cas es­tão em fun­ci­o­na­men­to e com re­sul­ta­dos pal­pá­veis.

No do­mí­nio da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca, a Uni­ver­si­da­de cri­ou, em 2012, o Cen­tro de Es­tu­dos e De­sen­vol­vi­men­to So­ci­al (CEDES), na Lun­da Nor­te, e o Cen­tro de In­ves­ti­ga­ção de Me­di­ca­men­tos e To­xi­co­lo­gia (CIMETOX), na Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na em Ma­lan­je, que fun­ci­o­na des­de 2011. Além de cen­tros de in­ves­ti­ga­ção, a uni­ver­si­da­de con­ta ain­da com uma Edi­to­ra de­sig­na­da por “Lu­e­ji”, vo­ca­ci­o­na­da à pu­bli­ca­ção de obras ci­en­tí­fi­cas e li­te­rá­ri­as de au­to­res vin­cu­la­dos à ins­ti­tui­ção e não só.

A Fa­cul­da­de de Di­rei­to do Dun­do abriu em 2014 o Cen­tro de In­ves­ti­ga­ção Ci­en­tí­fi­ca e As­ses­so­ria Ju­rí­di­ca, (CICAJ), des­ti­na­do a pro­mo­ver ori­en­ta­ção pa­ra a de­fe­sa dos di­rei­tos dos ci­da­dãos e re­a­li­zar pes­qui­sas em ma­té­ria es­pe­ci­a­li­za­da.

A se­cre­tá­ria do Es­ta­do dis­se que as uni­ver­si­da­des não exis­tem pa­ra re­pe­tir co­nhe­ci­men­tos, mas pa­ra es­ta­be­le­cer ba­ses que per­mi­tam a pro­du­ção de no­vos sa­be­res, de acor­do com a re­a­li­da­de de ca­da re­gião.

DR

Se­cre­tá­ria de Es­ta­do re­al­çou o em­pe­nho do Exe­cu­ti­vo na cri­a­ção de me­ca­nis­mos que vi­sam ul­tra­pas­sar as di­fi­cul­da­des no En­si­no Su­pe­ri­or

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.