Tra­var os abu­sos a cri­an­ças

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O nú­me­ro de ca­sos de abu­sos se­xu­ais a cri­an­ças no país é pre­o­cu­pan­te, ten­do-se jus­ti­fi­ca­do uma re­ac­ção da co­mu­ni­da­de por via de uma mar­cha de re­pú­dio a ac­tos de vi­o­lên­cia con­tra me­no­res . É im­por­tan­te que a so­ci­e­da­de es­te­ja per­ma­nen­te­men­te aten­ta a ac­tos vi­o­len­tos, em par­ti­cu­lar quan­do são ví­ti­mas cri­an­ças.

É pre­ci­so que os mem­bros da so­ci­e­da­de de­nun­ci­em ac­ções que vi­o­lam os di­rei­tos das cri­an­ças, pa­ra que os agres­so­res se­jam de­ti­dos e res­pon­sa­bi­li­za­dos cri­mi­nal­men­te. Mui­tos dos cri­mes con­tra as cri­an­ças são co­me­ti­dos no seio fa­mi­li­ar, o que tor­na mais com­ple­xa a des­co­ber­ta dos ilí­ci­tos cri­mi­nais co­me­ti­dos por pes­so­as pró­xi­mas das ví­ti­mas. É por is­so po­si­ti­vo que se in­cen­ti­ve as pes­so­as, fa­mi­li­a­res ou não das cri­an­ças abu­sa­das se­xu­al­men­te, a de­nun­ci­a­rem às au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes prá­ti­cas que aten­tam con­tra a dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na.

Uma cri­an­ça no seio fa­mi­li­ar abu­sa­da se­xu­al­men­te por um pa­ren­te, de for­ma rei­te­ra­da, sem po­der se de­fen­der e sem que nin­guém den­tro da fa­mí­lia a pro­te­ja do agres­sor, é um me­nor trau­ma­ti­za­do que pre­ci­sa de ser de­fen­di­do por qu­em qu­er que se­ja, em par­ti­cu­lar por aque­les que es­tão em con­di­ções de ra­pi­da­men­te le­var ao co­nhe­ci­men­to das au­to­ri­da­des os ac­tos ilí­ci­tos pra­ti­ca­dos con­tra ela.

Uma ci­da­dã che­gou a de­nun­ci­ar há tem­pos a sua pró­pria mãe que mal­tra­ta­va uma cri­an­ça no lar. Es­te fac­to de­via ser­vir de in­cen­ti­vo a to­dos os que, por qual­quer via, têm co­nhe­ci­men­to de ca­sos e vi­o­lên­cia con­tra a cri­an­ça, não só se­xu­al, mas de ou­tro ti­po.

As fa­mí­li­as têm um pa­pel im­por­tan­te a de­sem­pe­nhar na de­fe­sa das cri­an­ças. As fa­mí­li­as de­vem es­tar na pri­mei­ra li­nha da de­fe­sa das cri­an­ças. Co­mo mui­tos dos cri­me s que se co­me­tem con­tra as cri­an­ças ocor­rem no seio da fa­mí­lia, es­ta de­ve de­sem­pe­nhar um pa­pel ac­ti­vo de pro­tec­ção de me­no­res d ví­ti­mas de abu­sos .

As cri­an­ças abu­sa­das não po­dem ser dei­xa­das a mer­cê dos seus agres­so­res, que são em mui­tos ca­sos seus fa­mi­li­a­res. Te­mos de as­se­gu­rar no seio fa­mi­li­ar que os me­no­res vi­vam em am­bi­en­te se­gu­ro, fo­ra de qual­quer pe­ri­go de agres­são fí­si­ca, opres­são ou ex­plo­ra­ção.

As fa­mí­li­as têm de ter a cul­tu­ra da de­nún­cia de ac­tos que po­dem afec­tar o de­sen­vol­vi­men­to har­mo­ni­o­so da cri­an­ça. Há in­fe­liz­men­te ca­sos de fa­mí­li­as que pre­fe­rem es­con­der o que se pas­sa nos seus la­res, per­mi­tin­do as­sim que os agres­so­res de cri­an­ças fi­quem im­pu­nes e con­ti­nu­em a co­me­ter cri­mes, com gra­ve s pre­juí­zos pa­ra a vi­da dos me­no­res. Nil­za de Fá­ti­ma Ba­ta­lha, di­rec­to­ra do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal da Cri­an­ça, dis­se, a pro­pó­si­to, que as “fa­mí­li­as são si­len­ci­a­das pe­la ver­go­nha e pe­lo me­do, e is­so che­ga a ser mais pre­o­cu­pan­te , por­que qu­er a vítima, qu­er a fa­mí­lia não be­ne­fi­ci­am de apoio psi­cos­so­ci­al pa­ra que pos­sam su­pe­rar os trau­mas”.

O fe­nó­me­no da vi­o­lên­cia do­més­ti­ca no país é ain­da gra­ve, e te­mos de tra­ba­lhar mui­to pa­ra re­du­zir­mos o nú­me­ro de ca­sos de vi­o­la­ção de di­rei­tos de pes­so­as que per­ten­cem a uma mes­ma fa­mí­lia. É ter­rí­vel pa­ra uma cri­an­ça vi­ver num am­bi­en­te em que o seu ha­bi­tu­al agres­sor é seu pa­ren­te com qu­em vi­ve, e não po­de e não sa­be co­mo de­nun­ciá-lo. E o pro­ble­ma tor­na-se ain­da mais com­ple­xo quan­do, após to­ma­rem co­nhe­ci­men­to, ou­tros fa­mi­li­a­res da cri­an­ça tu­do fa­zem pa­ra pro­te­ger o agres­sor, dei­xan­do a cri­an­ça com­ple­ta­men­te des­pro­te­gi­da e in­cen­ti­van­do o agres­sor a co­me­ter mais abu­sos.

Pe­ran­te o ac­tu­al qua­dro de abu­sos cons­tan­tes a me­no­res, é ur­gen­te que se crie um me­ca­nis­mo efi­caz que vi­a­bi­li­ze a de­nún­cia cé­le­re às au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes de ac­tos que aten­tam con­tra os di­rei­tos das cri­an­ças.

À mar­cha que se re­a­li­zou sá­ba­do úl­ti­mo em Lu­an­da de re­pú­dio ao abu­so se­xu­al da cri­an­ça de­vem -se se­guir me­di­das con­cre­tas de ac­tu­a­ção con­tra to­dos os que cau­sam so­fri­men­to a mui­tas das nos­sas cri­an­ças em vá­ri­os la­res. As cri­an­ças têm de ser pro­te­gi­das por to­dos nós.

Tem de se en­con­trar uma so­lu­ção que pos­sa de­sen­co­ra­jar prá­ti­cas que põe em ris­co a in­te­gri­da­de fí­si­ca das nos­sas cri­an­ças, às quais de­ve ser ga­ran­ti­do um ple­no de­sen­vol­vi­men­to psí­qui­co e cul­tu­ral. É ho­ra de ac­ção pa­ra a pro­tec­ção to­tal das nos­sas cri­an­ças. Não há mais tem­po a per­der. A gra­vi­da­de dos ca­sos de abu­sos se­xu­ais a cri­an­ças de­ve le­var as au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes e a so­ci­e­da­de a co­or­de­nar ac­ções de de­fe­sa in­tran­si­gen­te dos me­no­res.

Te­mos uma Cons­ti­tui­ção que con­sa­gra a pro­tec­ção da cri­an­ça. Que ha­ja ac­ções con­cre­tas que pos­sam con­cre­ti­zar os pre­cei­tos cons­ti­tu­ci­o­nais que pre­vêem a de­fe­sa dos di­rei­tos das cri­an­ças. Que ha­ja ain­da um ri­go­ro­so tra­ba­lho que pos­sa con­du­zir as au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes ao co­nhe­ci­men­to dos ca­sos de abu­sos a cri­an­ças e ao seus au­to­res, que não de­vem per­ma­ne­cer im­pu­nes. Os au­to­res de abu­sos se­xu­ais a cri­an­ças de­vem sen­tir a mão pe­sa­da da jus­ti­ça.

Se­rá ain­da ne­ces­sá­rio con­si­de­rar o res­ga­te de cri­an­ças em si­tu­a­ção de al­to ris­co, pa­ra as co­lo­car num am­bi­en­te nor­mal. É sa­bi­do que há mui­tas fa­mí­li­as de­ses­tru­tu­ra­das que não es­tão em con­di­ções de pro­por­ci­o­nar um am­bi­en­te fa­mi­li­ar sa­dio às su­as cri­an­ças, pe­lo que o Es­ta­do de­ve as­se­gu­rar que es­tes me­no­res pos­sam des­fru­tar de con­for­to que não têm nos seus la­res.

Cui­dar do am­bi­en­te

Pen­so que era bom que as nos­sas cri­an­ças que es­tão na es­co­la pri­má­ria sou­bes­sem da im­por­tân­cia das zo­nas ver­des. Era uma for­ma de des­per­tar ne­las o sen­ti­do de ama­rem o que faz bem à nos­sa saúde. Em mi­nha opinião, as cri­an­ças de­vem ser edu­ca­das nas es­co­las pa­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.