In­ves­ti­do­res lu­sos acre­di­tam na re­cu­pe­ra­ção

Lí­de­res as­so­ci­a­ti­vos de Portugal di­zem que eco­no­mia an­go­la­na dei­xa de de­pen­der do pe­tró­leo

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

Ape­sar de par­te sig­ni­fi­ca­ti­va de in­ves­ti­do­res op­tar por no­vos mer­ca­dos, em­pre­sas por­tu­gue­sas acre­di­tam na rá­pi­da re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia an­go­la­na, na sequên­cia de vá­ri­as me­di­das em cur­so, afir­mou Ri­car­do Pe­dro­sa Go­mes, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção de Em­pre­sas Por­tu­gue­sas e Obras Pú­bli­cas (AECOPS).

“Se hou­ve mui­tas em­pre­sas por­tu­gue­sas que fo­ram pe­la pri­mei­ra vez pa­ra An­go­la no ‘bo­om’ que exis­tiu há cin­co ou seis anos, tam­bém é ver­da­de que as mai­o­res e mais sig­ni­fi­ca­ti­vas es­tão em An­go­la há dé­ca­das”, acres­cen­tou Ri­car­do Pe­dro­sa Go­mes. “E não vão sair de lá”, ga­ran­tiu, até por­que a si­tu­a­ção ac­tu­al, acre­di­ta, é cíclica. “An­go­la há-de vol­tar a ter mei­os, o mer­ca­do há-de vol­tar a ter opor­tu­ni­da­des. As mai­o­res e mais sig­ni­fi­ca­ti­vas em­pre­sas es­tão em An­go­la há dé­ca­das”, su­bli­nhou.

Bru­no Bo­bo­ne, pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Co­mér­cio e In­dús­tria Por­tu­gue­sa, tem a mes­ma po­si­ção e acre­di­ta que o cres­ci­men­to do mer­ca­do an­go­la­no vai dei­xar de es­tar qua­se ex­clu­si­va­men­te de­pen­den­te do pe­tró­leo, pa­ra pas­sar a ser “nor­mal”. “Um país que tem uma ri­que­za na­tu­ral enor­me, que po­de de­sen­vol­ver gran­de­men­te a sua ca­pa­ci­da­de in­dus­tri­al e que po­de for­ne­cer to­da a zo­na da Áfri­ca Sub­sa­ri­a­na, tem um po­ten­ci­al enor­me de cres­ci­men­to”, afir­mou.

“O que as em­pre­sas têm de com­pre­en­der é que ir pa­ra An­go­la é uma mais-va­lia, mas não po­de ser uma mais-va­lia ex­ces­si­va. Não po­dem ir à pro­cu­ra de ga­nhar di­nhei­ro fá­cil, por­que is­so não exis­te e, quan­do exis­te, dá pro­ble­mas”, acon­se­lhou. A im­pren­sa lu­sa con­si­de­ra que An­go­la dei­xou de ser um re­fú­gio de di­nhei­ro fá­cil pa­ra as em­pre­sas de Portugal, de­vi­do à que­da a pi­que dos pre­ços do pe­tró­leo, que res­pon­de por cer­ca de 40 por cen­to do PIB (Pro­du­to In­ter­no Bru­to).

No fi­nal de Fe­ve­rei­ro des­te ano, as ex­por­ta­ções de Portugal pa­ra o mer­ca­do na­ci­o­nal afun­da­ram 44,6 por cen­to. Fo­ram me­nos 269 mi­lhões de eu­ros em ven­das fa­ce ao mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do, pa­ra um to­tal de 334 mi­lhões de eu­ros. O pe­tró­leo já des­va­lo­ri­zou cer­ca de 70 por cen­to, le­van­do a mo­e­da an­go­la­na a per­der 40 por cen­to do seu va­lor. Do la­do do in­ves­ti­men­to, tam­bém há uma que­bra sig­ni­fi­ca­ti­va. No fi­nal do pri­mei­ro se­mes­tre do ano pas­sa­do, se­gun­do da­dos do Ban­co de Portugal, o stock do ca­pi­tal in­ves­ti­do no mer­ca­do an­go­la­no ti­nha caí­do pa­ra 2.229 mi­lhões de eu­ros, me­nos 41 por cen­to do que os 3.784 mi­lhões no pri­mei­ro se­mes­tre de 2014.

Cons­tru­ção em cri­se

A cons­tru­ção é o exem­plo mais dra­má­ti­co da si­tu­a­ção vi­vi­da pe­las em­pre­sas por­tu­gue­sas em An­go­la. Há, se­gun­do os úl­ti­mos da­dos dis­po­ní­veis, cer­ca de 13 mil cons­tru­to­ras e 200 mil tra­ba­lha­do­res por­tu­gue­ses no país. Mas, até ao iní­cio des­te ano, diz o Sin­di­ca­to da Cons­tru­ção Ci­vil, cer­ca de 80 mil já te­rão re­gres­sa­do.

Em­pre­sas co­mo a Mo­ta-En­gil, que já che­gou a ter 700 tra­ba­lha­do­res em An­go­la, têm vin­do a re­ti­rar pes­so­al das obras no país e a pre­pa­rar a mo­bi­li­za­ção des­tes pa­ra ou­tros sí­ti­os, co­mo a Amé­ri­ca La­ti­na, mer­ca­do on­de a cons­tru­to­ra au­men­tou o vo­lu­me de ne­gó­ci­os em mais de 30 por cen­to no ano pas­sa­do. De­pois da cri­se eco­nó­mi­ca, a Eu­ro­pa vol­ta a ser op­ção pa­ra os em­pre­sá­ri­os, mas é na Amé­ri­ca La­ti­na e no Mé­dio Ori­en­te que es­tão as pró­xi­mas opor­tu­ni­da­des, acre­di­tam os em­pre­sá­ri­os.

Mas a cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra alas­trou a vá­ri­os sec­to­res. As ex­por­ta­ções de cal­ça­do, por exem­plo, so­fre­ram uma que­da de 15 por cen­to, pa­ra 24 mi­lhões de eu­ros, se­gun­do os da­dos da As­so­ci­a­ção dos In­dus­tri­ais de Cal­ça­do, Com­po­nen­tes e Ar­ti­gos de Pe­le (APICCAPS).

“Te­mos de nos vi­rar pa­ra ou­tros mer­ca­dos, co­mo os Es­ta­dos Uni­dos, o Ca­na­dá, ou mes­mo a Aus­trá­lia”, re­fe­re For­tu­na­to Fre­de­ri­co, pre­si­den­te da as­so­ci­a­ção e da Kyaia, em­pre­sa que de­tém a mar­ca Fly Lon­don.

KINDALA MA­NU­EL

Mi­lha­res de cons­tru­to­ras por­tu­gue­sas ga­ran­tem a sua per­ma­nên­cia no mer­ca­do an­go­la­no ape­sar das ac­tu­ais di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.