Ca­pi­tão Jo­sé Caldas qu­er lu­tar pe­lo tí­tu­lo

Jornal de Angola - - CULTURA - ARMINDO PE­REI­RA |

O ca­pi­tão do ve­lei­ro Mus­su­lo 40, Jo­sé Pe­rei­ra Caldas, dis­se, on­tem, acre­di­tar que a em­bar­ca­ção an­go­la­na es­tá em con­di­ções de lu­tar pe­lo tí­tu­lo da sua ca­te­go­ria , quan­do dis­pu­tar a mai­or re­ga­ta tran­sa­tlân­ti­ca do He­mis­fé­rio Sul, de­no­mi­na­da “Ca­pe to Rio 2017”, com iní­cio agen­da­do pa­ra Ja­nei­ro, li­gan­do Áfri­ca do Sul e Bra­sil.

A bor­do de um “Clas­se 40, du­ble hands”, o Te­am An­go­la Ca­ble é com­pos­to por ape­nas dois ve­le­ja­do­res, ao con­tra­rio dos no­ve que, na edi­ção de 2014, con­cor­re­ram com o Mus­su­lo III. Ta­ta-se do an­go­la­no Jo­sé Pe­rei­ra Caldas, de 55 anos, e o bra­si­lei­ro Le­o­nar­do Chi­cou­rel, ve­le­ja­dor pro­fis­si­o­nal.

Em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, o ca­pi­tão Caldas dis­se que a sé­ti­ma po­si­ção al­can­ça­da em 2014 foi um re­sul­ta­do pa­ra es­que­cer, e acre­di­ta na me­lho­ria da clas­si­fi­ca­ção, da­da as es­pe­ci­fi­ci­da­des no no­vo ve­lei­ro que vol­ta a fa­zer o per­cur­so do SACS (South Atlan­tic Ca­ble Sys­tem), sis­te­ma de ca­bos sub­ma­ri­nos de fi­bra óp­ti­ca da An­go­la Ca­bles.

“Va­mos par­ti­ci­par na re­ga­ta com um bar­co de com­pe­ti­ção, ao con­trá­rio do an­te­ri­or que foi adap­ta­do pa­ra tal, o Mus­su­lo II (Ba­va­ria 55 de fa­bri­co ale­mão). Tra­ta-se de uma em­bar­ca­ção de 40 pés de al­ta per­for­man­ce, o “Clas­se 40, du­ble hands”, bap­ti­za­da com o no­me de Mus­su­lo 40, e tem a par­ti­cu­la­ri­da­de de le­var ape­nas du­as pes­so­as a bor­do”, su­bli­nhou.

Dou­to­ra­do em me­di­ci­na, o neu­ro­lo­gis­ta, de 55 anos, tam­bém pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio, não es­con­de a an­si­e­da­de de vol­tar a atra­ves­sar o Oce­a­no Atlân­ti­co pe­la oi­ta­va vez, uma de­las so­zi­nho, em­bo­ra reconheça tra­tar-se de uma “aven­tu­ra que po­de ser ex­tre­ma­men­te pe­ri­go­sa”.

Na úl­ti­ma edi­ção, o Te­am An­go­la Ca­bles era com­pos­to por du­as em­bar­ca­ções: o Bil­le que aban­do­nou a pro­va, de­pois de uma tem­pes­ta­de ter cau­sa­do a mor­te de um dos seus tri­pu­lan­tes, An­tó­nio Bar­to­lo­meu, e o fe­ri­men­to de ou­tros três, de­pois que o mas­tro se par­tiu a 100 mi­lhas náu­ti­cas da Ci­da­de do Ca­bo, pou­cas ho­ras de­pois de ter zar­pa­do.

“O mai­or de­sa­fio é a saí­da de Ca­pe Town, on­de os ven­tos são mui­to for­tes na­que­la al­tu­ra do ano (Ja­nei­ro). Em 2014 che­ga­mos a pe­gar 62 nós de ven­to, o equi­va­len­te a 115 km por ho­ra. Um bar­co afun­dou e ou­tros dez aban­do­na­ram a re­ga­ta”, dis­se o ca­pi­tão Caldas, que con­cluiu que a vi­tó­ria pas­sa por uma boa es­ta­té­gia, e co­mo sa­ber fa­zer a lei­tu­ra do ven­to no meio do Atlân­ti­co e ti­rar o me­lhor pro­vei­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.