Di­co­to­mia do ha­ver e do re­me­di­ar

FOR­MA­ÇÃO DE PRO­FES­SO­RES

Jornal de Angola - - PARTADA - FI­LI­PE ZAU |*

No seu li­vro “De­sen­vol­ver a ca­pa­ci­da­de de apren­di­za­gem”, Je­an Ber­baum re­fe­re que apren­der é ajus­tar um com­por­ta­men­to a uma si­tu­a­ção. É cons­truir uma re­pre­sen­ta­ção atra­vés da cri­a­ção de li­ga­ções en­tre os da­dos re­co­lhi­dos e os da­dos ob­ti­dos an­te­ri­or­men­te. Por con­se­guin­te, por “apren­di­za­gem sig­ni­fi­ca­ti­va” en­ten­de-se um ti­po de apren­di­za­gem ob­ti­da pe­lo apren­den­te, quan­do o mes­mo in­te­ri­o­ri­za no­vos co­nhe­ci­men­tos, re­la­ci­o­nan­do-os com os que já pos­sui, fru­to de ex­pe­ri­ên­ci­as an­te­ri­o­res.

Re­pe­ti­da­men­te te­nho afir­ma­do que em to­dos os ní­veis de ins­tru­ção (pri­má­ria, se­cun­dá­ria e su­pe­ri­or), um dos mai­o­res pro­ble­mas do en­si­no es­tá, des­de sem­pre, as­so­ci­a­do à au­sên­cia de uma apos­ta sé­ria na for­ma­ção de pro­fes­so­res, que vi­a­bi­li­ze a aqui­si­ção de sa­be­res e com­pe­tên­ci­as in­dis­pen­sá­veis à do­cên­cia. A “au­sên­cia ou in­su­fi­ci­ên­cia de for­ma­ção pe­da­gó­gi­ca dos do­cen­tes e da for­ma­ção em ges­tão uni­ver­si­tá­ria dos cor­pos di­rec­ti­vos e res­pon­sá­veis ad­mi­nis­tra­ti­vos” é um dos on­ze pro­ble­mas de or­ga­ni­za­ção, ges­tão e fun­ci­o­na­men­to do en­si­no su­pe­ri­or em Áfri­ca, que se­ri­a­men­te con­tri­bui pa­ra a cri­se es­tru­tu­ral e con­jun­tu­ral que vi­ve­mos no nos­so con­ti­nen­te. As prin­ci­pais ra­zões des­ta cri­se fo­ram, de há al­gum tem­po a es­ta par­te, iden­ti­fi­ca­das na Reu­nião Re­gi­o­nal Pre­pa­ra­tó­ria da Con­fe­rên­cia Mun­di­al so­bre o En­si­no Su­pe­ri­or, re­a­li­za­da, em Abril de 1997, em Da­kar.

A com­pe­ti­ti­vi­da­de no mer­ca­do de tra­ba­lho, em paí­ses não su­fi­ci­en­te­men­te in­dus­tri­a­li­za­dos e em era de co­nhe­ci­men­to, vem des­per­tan­do nos jo­vens um mai­or in­te­res­se pe­la aqui­si­ção de uma for­ma­ção su­pe­ri­or, que lhes ga­ran­ta, pos­te­ri­or­men­te, um em­pre­go bem re­mu­ne­ra­do e uma me­lhor qua­li­da­de de vi­da. Con­tu­do, per­sis­te a di­fi­cul­da­de de re­cru­tar do­cen­tes, que, nu­ma vi­são triá­di­ca, reú­nam as con­di­ções in­dis­pen­sá­veis ao per­fil pro­fis­si­o­nal de um ver­da­dei­ro pro­fes­sor: co­nhe­ci­men­tos teó­ri­cos e prá­ti­cos in­trin­se­ca­men­te as­so­ci­a­dos à sua área de for­ma­ção; com­pe­tên­ci­as co­mu­ni­ca­ci­o­nais e pe­da­gó­gi­cas ad­qui­ri­das no con­tex­to da di­dác­ti­ca do en­si­no su­pe­ri­or; e com­por­ta­men­to éti­co-pro­fis­si­o­nal ad­qui­ri­do a par­tir de um qua­dro axi­o­ló­gi­co de re­fe­rên­cia.

“Não há en­si­no de qua­li­da­de, nem re­for­ma edu­ca­ti­va, nem ino­va­ção pe­da­gó­gi­ca, sem uma ade­qua­da for­ma­ção de pro­fes­so­res”, afir­ma António Nó­voa e es­te é o nos­so cal­ca­nhar de Aqui­les. O sis­te­ma edu­ca­ti­vo es­tá es­tru­tu­ra­do em três ní­veis de en­si­no (pri­má­rio, se­cun­dá­rio e su­pe­ri­or) e é cons­ti­tuí­do por cin­co sub­sis­te­mas de for­ma­ção: de edu­ca­ção pré-es­co­lar; de en­si­no ge­ral; de en­si­no téc­ni­co­pro­fis­si­o­nal, de adul­tos e de for­ma­ção de pro­fes­so­res. A Lei 13/01 pre­via ape­nas a for­ma­ção de pro­fes­so­res pa­ra “a edu­ca­ção pré-es­co­lar e pa­ra o en­si­no ge­ral, no­me­a­da­men­te a edu­ca­ção re­gu­lar, a edu­ca­ção de adul­tos e a edu­ca­ção es­pe­ci­al.” Pe­se a trans­ver­sa­li­da­de e re­le­vân­cia da for­ma­ção de pro­fes­so­res o que jus­ti­fi­cou a sua cons­ti­tui­ção em sub­sis­te­ma, há que se re­co­nhe­cer que, de fac­to, há uma gri­tan­te au­sên­cia de ins­ti­tui­ções de for­ma­ção de pro­fes­so­res no país.

A no­va Lei de Ba­ses do Sis­te­ma de Edu­ca­ção e En­si­no, re­cen­te­men­te pro­mul­ga­da, já pre­vê a for­ma­ção de do­cen­tes pa­ra os di­fe­ren­tes ní­veis de en­si­no (pri­má­rio, se­cun­dá­rio e su­pe­ri­or). Nu­ma pri­mei­ra fa­se, uma mai­or ofer­ta da for­ma­ção de­ve­rá re­cair ain­da no ní­vel pri­má­rio e no se­cun­dá­rio, já que o seu 1º ci­clo (de 6ª à 9ª clas­ses) pas­sa­rá a ser obri­ga­tó­rio e con­se­quen­te­men­te gra­tui­to. Só, mais tar­de, “o pro­ces­so irá evo­luir pa­ra a for­ma­ção es­pe­cí­fi­ca do en­si­no su­pe­ri­or”. As­sim sen­do, do pri­má­rio ao ter­ciá­rio, irá con­ti­nu­ar a ha­ver fal­ta de ins­ti­tui­ções de for­ma­ção de pro­fes­so­res e con­se­quen­te­men­te de do­cen­tes com a ade­qua­da for­ma­ção pro­fis­si­o­nal ne­ces­sá­ria à me­lho­ria sig­ni­fi­ca­ti­va das apren­di­za­gens em to­dos os ní­veis.

No con­tex­to da ac­tu­al “Es­tra­té­gia Na­ci­o­nal de For­ma­ção de Qua­dros”, pa­ra que o re­sul­ta­do de uma apren­di­za­gem sig­ni­fi­ca­ti­va pos­sa dar fru­tos, tor­na-se im­pres­cin­dí­vel: (i) que os con­teú­dos pro­gra­má­ti­cos dos di­fe­ren­tes cur­sos se­jam se­lec­ci­o­na­dos de acor­do com as ne­ces­si­da­des do mer­ca­do de tra­ba­lho; (ii) que as me­to­do­lo­gi­as e os mei­os de en­si­no se­jam or­ga­ni­za­dos em con­so­nân­cia com os ob­jec­ti­vos ge­rais e es­pe­cí­fi­cos de ca­da cur­so; (iii) que os pro­fes­so­res es­te­jam pro­fis­si­o­nal­men­te ca­pa­ci­ta­dos pa­ra, no que con­cer­ne aos co­nhe­ci­men­tos, com­pe­tên­ci­as e com­por­ta­men­to éti­co-pro­fis­si­o­nal, es­te­jam ha­bi­li­ta­dos a dar res­pos­tas ade­qua­das às ne­ces­si­da­des for­ma­ti­vas dos seus es­tu­dan­tes.

Se a ní­vel do en­si­no su­pe­ri­or (co­mo tam­bém a ou­tros ní­veis de for­ma­ção), in­sis­tir­mos em não dis­tin­guir a pro­mis­cui­da­de ho­je exis­ten­te en­tre o pro­fis­si­o­nal do en­si­no e aque­le que re­me­deia as di­fi­cul­da­des do sis­te­ma edu­ca­ti­vo, dan­do au­las sem a ne­ces­sá­ria for­ma­ção pro­fis­si­o­nal-pe­da­gó­gi­ca, con­ti­nu­a­re­mos a: (i) des­va­lo­ri­zar a re­le­vân­cia do sub­sis­te­ma de For­ma­ção de Pro­fes­so­res no con­tex­to do pró­prio Sis­te­ma Edu­ca­ti­vo; (ii) su­bes­ti­mar o pa­pel das ins­ti­tui­ções de for­ma­ção do­cen­te, co­mo ins­ti­tui­ções for­ma­do­ras de agen­tes de uma apren­di­za­gem sig­ni­fi­ca­ti­va pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to; (iii) ig­no­rar a ne­ces­si­da­de da so­ci­e­da­de an­go­la­na pas­sar a exi­gir um per­fil ade­qua­do pa­ra a for­ma­ção de pro­fes­so­res, que es­te­ja de acor­do com o per­fil uni­ver­sal­men­te jul­ga­do ne­ces­sá­rio; (iv) con­tri­buir pa­ra o des­cré­di­to da pro­fis­são do­cen­te, on­de o es­pí­ri­to de fun­ci­o­na­lis­mo se so­bre­põe ao da for­ma­ção de uma clas­se de pro­fis­si­o­nais com al­gu­ma au­to­no­mia; (v) di­fi­cul­tar a cri­a­ção de um es­ta­tu­to do pro­fes­sor, que ve­nha a dig­ni­fi­car a car­rei­ra do­cen­te; (vi) com­pro­me­ter, lo­go à par­ti­da, a efi­cá­cia da re­for­mu­la­ção de qual­quer sis­te­ma edu­ca­ti­vo, que ve­nha a ser im­ple­men­ta­do em An­go­la.

Mau­ro La­eng cer­ti­fi­ca que se de­ve evi­tar a opinião equí­vo­ca de que qual­quer in­di­ví­duo po­de ser pro­fes­sor, des­de que sai­ba o que vai en­si­nar, ig­no­ran­do por com­ple­to as­pec­tos pró­pri­os da pro­fis­são ma­gis­tral, que só uma cul­tu­ra ade­qua­da (nas ciências hu­ma­nas, prin­ci­pal­men­te psi­co­ló­gi­cas e so­ci­ais, e na pe­da­go­gia e di­dác­ti­ca) e um es­tá­gio apro­pri­a­do po­dem, ge­ral­men­te, de­sen­vol­ver.

Tal co­mo o kim­ban­da, que até po­de cu­rar mui­tas do­en­ças atra­vés do seu co­nhe­ci­men­to em­pí­ri­co, mas por mais que re­sol­va ou mi­ni­mi­ze os pro­ble­mas de saúde de mui­tas pes­so­as, não se trans­for­ma au­to­ma­ti­ca­men­te num mé­di­co, a não ser que fre­quen­te uma ins­ti­tui­ção vo­ca­ci­o­na­da pa­ra o efei­to; em Edu­ca­ção te­mos tam­bém de cha­mar as coi­sas pe­los seus no­mes. O fac­to de ha­ver pes­so­as que dão au­las em ins­ti­tui­ções de en­si­no, sem a ne­ces­sá­ria for­ma­ção pro­fis­si­o­nal, não as trans­for­ma au­to­ma­ti­ca­men­te em “pro­fes­so­res”. Ape­nas dão au­las pe­la es­cas­sez de pro­fis­si­o­nais da do­cên­cia, sen­do, por con­se­guin­te, os kim­ban­das da Edu­ca­ção, que in­de­pen­den­te­men­te do es­for­ço, por ve­zes me­ri­tó­rio de mui­tos, ao man­ter­mos es­se prin­cí­pio aca­ba­mos por não con­cor­rer pa­ra a de­se­ja­da qua­li­da­de de en­si­no.

O que é, de fac­to, exis­te. O que não é, não exis­te e ape­nas se po­de re­me­di­ar. Diz o pro­vér­bio um­bun­du in­se­ri­do no li­vro “Da cri­a­ção po­pu­lar an­go­la­na” de Gon­za­ga Lam­bo o se­guin­te: “Tchi­ke­te wa­vun­da, tchin­dim­ba oku­a­ta v’on­da­lu”, cu­ja tra­du­ção em por­tu­guês é: “Su­ca­ta en­fer­ru­ja­da, o in­cau­to pe­ga no fo­go”. Es­te pro­vér­bio in­se­ri­do na fi­lo­so­fia po­pu­lar cor­res­pon­de, em por­tu­guês, à má­xi­ma “as apa­rên­ci­as ilu­dem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.