Ca­pi­tal da di­plo­ma­cia

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Nas pró­xi­mas ho­ras, Lu­an­da trans­for­ma-se na ca­pi­tal da di­plo­ma­cia sub-re­gi­o­nal com o iní­cio, ho­je, da reu­nião dos mi­nis­tros dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros que in­te­gram o Me­ca­nis­mo Re­gi­o­nal de Su­per­vi­são do Qua­dro de Paz, Se­gu­ran­ça e Co­o­pe­ra­ção pa­ra a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC). Tra­ta-se de um en­con­tro pre­pa­ra­tó­rio pa­ra a Cimeira dos Chefes de Es­ta­do e de Go­ver­no, mar­ca­da pa­ra ama­nhã, que foi pre­ce­di­da de in­ten­sa ac­ti­vi­da­de di­plo­má­ti­ca que con­tri­buiu pa­ra que os ac­to­res po­lí­ti­cos no Me­ca­nis­mo Re­gi­o­nal de Su­per­vi­são do Qua­dro de Paz, Se­gu­ran­ça e Co­o­pe­ra­ção pa­ra a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go con­ver­gis­sem nu­ma pla­ta­for­ma de en­ten­di­men­to.

O acor­do al­can­ça­do en­tre os re­pre­sen­tan­tes do Pre­si­den­te Jo­seph Ka­bi­la e de­le­ga­dos da opo­si­ção foi um gran­de pas­so por­que, além de tra­zer jun­tos o Go­ver­no e a opo­si­ção, per­mi­te ge­rir uma fa­se de­li­ca­da do pro­ces­so po­lí­ti­co e ins­ti­tu­ci­o­nal que o país vai pas­sar a vi­ver. Co­mo va­ri­a­das ve­zes tem si­do de­fen­di­do pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos Santos, igual­men­te nas ves­tes de pre­si­den­te da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre a Re­gião dos Gran­des La­gos (CIRGL), é fun­da­men­tal que os ac­to­res po­lí­ti­cos sai­bam pri­vi­le­gi­ar o diá­lo­go in­clu­si­vo e a con­cer­ta­ção. E a His­tó­ria re­cen­te dos po­vos afri­ca­nos pro­va que sem­pre que um pro­ces­so pa­ra so­lu­ci­o­nar cri­ses po­lí­ti­cas ou mi­li­ta­res abran­ja o mai­or de nú­me­ro de re­pre­sen­tan­tes de to­das as sen­si­bi­li­da­des, mi­ni­mi­zam-se bas­tan­te as mar­gens de der­ra­pa­gem.

Na RDC, in­de­pen­den­te­men­te do ca­mi­nho lon­go ain­da por per­cor­rer na ma­te­ri­a­li­za­ção do acor­do re­cen­te, não há dú­vi­das de que se deu um pas­so fun­da­men­tal pa­ra a ges­tão do pe­río­do que se se­gue. Mais do que iso­lar as for­ças que, por von­ta­de pró­pria, se man­têm à mar­gem do pro­ces­so, co­mo tác­ti­ca pa­ra di­luir os en­ten­di­men­tos al­can­ça­dos, de­ve-se man­ter a por­ta aber­ta pa­ra que es­tas re­con­si­de­rem o la­do er­ra­do em que es­tão.

Além da si­tu­a­ção do Me­ca­nis­mo Re­gi­o­nal de Su­per­vi­são do Qua­dro de Paz, Se­gu­ran­ça e Co­o­pe­ra­ção pa­ra a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, que cons­ti­tui par­te fun­da­men­tal das pre­o­cu­pa­ções das diplomacias e li­de­ran­ças da sub-re­gião, os úl­ti­mos acon­te­ci­men­tos na Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na (RCA), no Bu­run­di e no Su­dão do Sul cons­tam da agen­da.

A União Afri­ca­na e a CIRGL, em par­ti­cu­lar, de­ve­rão pres­tar mui­ta aten­ção aos de­sen­vol­vi­men­tos no Su­dão do Sul, on­de cres­cem as ame­a­ças de de­sin­te­gra­ção do país por ra­zões ét­ni­cas e por cau­sa de con­fli­tos cí­cli­cos. Tal co­mo foi pos­sí­vel o acor­do que en­vol­veu re­pre­sen­tan­tes do Pre­si­den­te Sal­va Ki­ir e do en­tão Vi­ce-Pre­si­den­te, Ri­ek Ma­char, é pre­ci­so que as diplomacias e li­de­ran­ças da sub-re­gião se­jam ca­pa­zes de le­var os sul-su­da­ne­ses a en­ca­ra­rem com se­ri­e­da­de a si­tu­a­ção por que pas­sa o país. Os ac­to­res po­lí­ti­cos na­que­le país de­vem olhar pa­ra os nú­me­ros que co­lo­cam o país à bei­ra da ca­tás­tro­fe, aten­den­do que a paz pre­cá­ria des­de 2011, ano da in­de­pen­dên­cia, não ser­viu pa­ra um re­as­sen­ta­men­to con­dig­no das po­pu­la­ções, pa­ra a im­ple­men­ta­ção de um programa de com­ba­te à má nu­tri­ção que afec­ta a mai­o­ria das cri­an­ças do Su­dão do Sul.

O su­ces­so do pro­ces­so, ain­da que pre­cá­rio, de tran­si­ção e de­mo­cra­ti­za­ção na Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na de­ve con­ti­nu­ar a ser en­co­ra­ja­do, nu­ma al­tu­ra em que o Go­ver­no do Pre­si­den­te Faus­tin Tou­a­de­rá pri­vi­le­gia três pon­tos es­sen­ci­ais da sua pro­mes­sa elei­to­ral, a paz, a re­con­ci­li­a­ção e a co­e­são so­ci­al. O te­ci­do so­ci­al da Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na so­freu gra­ve­men­te com a ins­ta­bi­li­da­de e conflito mi­li­tar, que di­vi­diu a so­ci­e­da­de em li­nhas ét­ni­cas, re­li­gi­o­sas e re­gi­o­nais. É fun­da­men­tal que aos es­for­ços do ac­tu­al Go­ver­no da­que­le país se jun­tem ini­ci­a­ti­vas en­co­ra­ja­do­ras dos seus par­cei­ros pa­ra que a paz, a con­cer­ta­ção in­ter­na en­tre to­das as sen­si­bi­li­da­des, a es­ta­bi­li­da­de e a de­mo­cra­ti­za­ção se­jam ir­re­ver­sí­veis.

No Bu­run­di, é ex­pec­ta­ti­va da União Afri­ca­na e da CIRGL que as au­to­ri­da­des con­ti­nu­em a en­vi­dar es­for­ços no sen­ti­do de uma cor­rec­ta ges­tão dos prin­ci­pais de­sa­fi­os po­lí­ti­cos e so­ci­ais da­que­le país. As pre­o­cu­pa­ções so­bre a si­tu­a­ção por que pas­sa o Bu­run­di de­vem ser le­va­das em li­nha de con­ta pe­las au­to­ri­da­des lo­cais pa­ra que a ten­são po­lí­ti­ca não le­ve à rup­tu­ra dos fun­da­men­tos em que as­sen­ta a cons­tru­ção do Es­ta­do de Di­rei­to.

As ins­ti­tui­ções con­ti­nen­tais e sub-re­gi­o­nais de­vem fa­zer o acom­pa­nha­men­to de­vi­do pa­ra que, à se­me­lhan­ça de ini­ci­a­ti­vas que ser­vem co­mo pa­ra­dig­mas na re­so­lu­ção de con­fli­tos, con­ti­nu­em a ser exem­plo em Áfri­ca.

Em to­do o ca­so, es­pe­ra­mos que na ca­pi­tal an­go­la­na ve­nha a ser ar­qui­tec­ta­do um con­jun­to de es­tra­té­gi­as e pla­no de ac­ção que, di­ri­gi­dos pa­ra os vá­ri­os Es­ta­dos in­di­vi­du­al­men­te, sir­vam a to­dos os paí­ses da sub-re­gião. Os po­vos de to­da a sub-re­gião es­pe­ram por is­so por­que sa­bem que só com paz e es­ta­bi­li­da­de é pos­sí­vel o de­sen­vol­vi­men­to. Aten­den­do ao ní­vel de con­cer­ta­ção e co­or­de­na­ção en­tre as li­de­ran­ças re­gi­o­nais, te­mos es­pe­ran­ça de que os Chefes de Es­ta­do e de Go­ver­no são ca­pa­zes de fa­zer jus às as­pi­ra­ções dos po­vos da re­gião, no­me­a­da­men­te vi­ver em paz, es­ta­bi­li­da­de e com os olhos vi­ra­dos pa­ra o pro­gres­so. É mai­or ain­da a ex­pec­ta­ti­va de to­dos os an­go­la­nos por os pro­ble­mas e de­sa­fi­os que os paí­ses da sub-re­gião en­fren­tam es­te­jam a ser dis­cu­ti­dos em Lu­an­da, nes­ta al­tu­ra a ca­pi­tal da di­plo­ma­cia re­gi­o­nal.

Vi­o­lên­cia nos la­res

Fi­quei sa­tis­fei­to com o fac­to de se ter re­a­li­za­do uma mar­cha de re­pú­dio à vi­o­lên­cia se­xu­al con­tra as nos­sas cri­an­ças. As cri­an­ças de­vem me­re­cer to­da a nos­sa pro­tec­ção. Pen­so que os que co­me­tem ac­tos vi­o­len­tos com­pro­va­dos con­tra me­no­res de­vem ser co­nhe­ci­dos. A so­ci­e­da­de de­ve sa­ber qu­em an­da a cau­sar so­fri­men­to às nos­sas cri­an­ças.

É mui­to do­lo­ro­so sa­ber que os que pra­ti­cam ac­tos de vi­o­lên­cia se­xu­al con­tra cri­an­ças são, em mui­tos ca­sos, pa­ren­tes pró­xi­mos des­tas. A

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.