Pre­ço do cru­de re­vis­to em al­ta

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

O Ban­co Mun­di­al ele­vou on­tem a pre­vi­são do pre­ço do pe­tró­leo bru­to de 53 pa­ra 55 dó­la­res em 2017, na sequên­cia da de­ci­são da Or­ga­ni­za­ção dos Paí­ses Ex­por­ta­do­res de Pe­tró­leo (OPEP) que es­ta­be­le­ce uma me­ta li­mi­te de pro­du­ção.

Os pre­ços da ener­gia, que in­clui o pe­tró­leo, o gás na­tu­ral e o car­vão, de­vem dar um sal­to de qua­se 25 por cen­to no pró­xi­mo ano, num au­men­to aci­ma do es­pe­ra­do em Ju­lho. A pre­vi­são re­vis­ta cons­ta da mais re­cen­te ver­são do re­la­tó­rio Com­mo­dity Mar­kets Ou­tlo­ok (Pers­pec­ti­vas dos Mer­ca­dos de Pro­du­tos Bá­si­cos). Pa­ra es­te ano, o BM pre­vê uma mé­dia de 43 dó­la­res por bar­ril, man­ten­do-se inal­te­ra­dos em re­la­ção ao re­la­tó­rio de Ju­lho.

“Pre­ve­mos um for­te au­men­to dos pre­ços da ener­gia, pu­xa­do pe­lo pe­tró­leo, no pró­xi­mo ano”, afir­mou John Baf­fes, eco­no­mis­ta sé­ni­or e prin­ci­pal au­tor do Com­mo­dity Mar­kets Ou­tlo­ok.

“Con­tu­do, as pers­pec­ti­vas es­tão cer­ca­das de gran­de in­cer­te­za, pois aguar­da­mos os de­ta­lhes e a im­ple­men­ta­ção do acor­do da OPEP, que, se con­cluí­do, te­rá um im­pac­to so­bre os mer­ca­dos de pe­tró­leo, não res­tam dú­vi­das.”

A mai­o­ria dos pro­du­tos bá­si­cos de­ve re­gis­tar uma mo­des­ta re­cu­pe­ra­ção no pró­xi­mo ano, com o for­ta­le­ci­men­to da pro­cu­ra e a di­mi­nui­ção da ofer­ta. Os pre­ços dos me­tais e mi­ne­rais de­vem su­bir 4,1 por cen­to no pró­xi­mo ano, uma cor­rec­ção de 0,5 pon­tos per­cen­tu­ais pa­ra ci­ma, de­vi­do a uma mai­or res­tri­ção da ofer­ta.

A pre­vi­são é que os pre­ços do zin­co su­bam mais de 20 por cen­to após o fe­cho de al­gu­mas gran­des mi­nas do mi­ne­ral e cor­tes na pro­du­ção em anos an­te­ri­o­res. O ou­ro de­ve re­cu­ar li­gei­ra­men­te no pró­xi­mo ano, pa­ra 1.219 dó­la­res por on­ça, na me­di­da em que as ta­xas de ju­ros pro­va­vel­men­te se ele­vem e a bus­ca pe­la pro­tec­ção de ac­ti­vos mais se­gu­ros di­mi­nua.

No sec­tor agro-pe­cuá­rio, a pro­jec­ção é que os pre­ços au­men­tem 1,4 por cen­to em 2017, li­gei­ra­men­te abai­xo do es­pe­ra­do em Ju­lho, pois os pre­ços dos ali­men­tos de­vem su­bir mais de for­ma gra­du­al do que o pre­vis­to (1,5 por cen­to) e os pre 0,6 por cen­to) na ex­pec­ta­ti­va de uma gran­de co­lhei­ta de ca­fé. En­tre os ali­men­tos, a pre­vi­são é que os pre­ços dos ce­re­ais te­nham uma al­ta mais for­te do que o es­pe­ra­do, de 2,9 por cen­to, no pró­xi­mo ano, ao pas­so que os pre­ços dos óle­os e fa­ri­nhas su­bam dois por cen­to abai­xo do pre­vis­to.

“Os bai­xos pre­ços dos pro­du­tos bá­si­cos atin­gem du­ra­men­te as eco­no­mi­as emer­gen­tes e em de­sen­vol­vi­men­to que ex­por­tam es­ses pro­du­tos, mas es­se ci­clo pa­re­ce ter che­ga­do ao fim”, dis­se Ayhan Ko­se, di­rec­tor do Gru­po de Pers­pec­ti­vas do Gru­po Ban­co Mun­di­al.

“O cres­ci­men­to nes­se con­jun­to de eco­no­mi­as de­ve fi­car pró­xi­mo a ze­ro no ano. Sem­pre que pos­sí­vel, as au­to­ri­da­des de­vem bus­car es­tra­té­gi­as pa­ra re­for­çar o cres­ci­men­to, co­mo in­ves­ti­men­tos em in­fra-es­tru­tu­ra, saúde e edu­ca­ção, no con­tex­to de um pla­no fis­cal de mé­dio pra­zo con­fiá­vel.”

Es­ta edi­ção do Com­mo­dity Mar­kets Ou­tlo­ok con­tém uma sec­ção es­pe­ci­al que ana­li­sa o re­cen­te anún­cio da OPEP de que pla­neia li­mi­tar a pro­du­ção. His­to­ri­ca­men­te, acor­dos des­ti­na­dos a in­flu­en­ci­ar os pre­ços de pro­du­tos bá­si­cos, co­mo o es­ta­nho e o ca­fé, con­se­gui­ram in­flu­en­ci­ar os mer­ca­dos por al­gum tem­po, mas aca­ba­ram por per­der es­sa ca­pa­ci­da­de e en­tra­ram em co­lap­so.

AFP

Se­cre­tá­rio-ge­ral da OPEP Aba­dal­la Sa­lem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.