Es­ta­dos Uni­dos po­dem en­vi­ar mais ar­ma­men­to aos re­bel­des

Rús­sia acu­sa Oci­den­te de cri­me de guer­ra em bom­bar­de­a­men­tos a ci­vis no Ira­que

Jornal de Angola - - PARTADA - ALTINO MATOS |

Os Es­ta­dos Uni­dos e a Europa, no qua­dro da Or­ga­ni­za­ção do Tra­ta­do do Atlân­ti­co Nor­te (OTAN), man­têm até ago­ra, ape­sar de vá­ri­os en­con­tros, um pro­fun­do afas­ta­men­to po­lí­ti­co e téc­ni­co­o­pe­ra­ci­o­nal da Rús­sia so­bre a me­lhor ma­nei­ra de ter­mi­nar a guer­ra na Sí­ria.

Nos úl­ti­mos di­as, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do dos EUA, John Ker­ry, e o mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res da Rús­sia, Ser­gei La­vrov, con­du­zi­ram en­con­tros de ava­li­a­ção téc­ni­ca da si­tu­a­ção na Sí­ria, mas não con­se­gui­ram apro­xi­mar as po­si­ções dos seus go­ver­nos.

As di­fe­ren­ças po­lí­ti­cas e mi­li­ta­res man­têm-se inal­te­rá­veis. Ker­ry e La­vrov pro­cu­ram am­pli­ar as su­as te­ses e de­mons­trar que es­tão cer­tos so­bre a me­lhor for­ma de ter­mi­nar o conflito. No qua­dro di­plo­má­ti­co, Es­ta­dos Uni­dos, Rei­no Uni­do, Fran­ça e Ale­ma­nha es­tão cen­tra­dos em di­fi­cul­tar ao má­xi­mo os con­tac­tos da Rús­sia so­bre a Sí­ria, a qu­em acu­sam de es­tar a pro­mo­ver con­di­ções de agra­va­men­to da guer­ra.

O jor­nal nor­te-ame­ri­ca­no The Washing­ton Post no­ti­ci­ou que os Es­ta­dos Uni­dos con­si­de­ra­ram a pos­si­bi­li­da­de de for­ne­cer ar­mas pe­sa­das aos re­bel­des, na es­pe­ran­ça de per­mi­tir que a opo­si­ção se de­fen­da da avi­a­ção rus­sa e da ar­ti­lha­ria do Exér­ci­to sí­rio.

O Pen­tá­go­no re­co­nhe­ce, se­gun­do o jor­nal, o al­to pro­fis­si­o­na­lis­mo da For­ça Ae­ro­es­pa­ci­al rus­sa na Sí­ria. Na úl­ti­ma reu­nião do Pre­si­den­te nor­te-ame­ri­ca­no com a sua equi­pa res­pon­sá­vel pe­la se­gu­ran­ça na­ci­o­nal, foi dis­cu­ti­do o as­sun­to se os EUA de­vem for­ne­cer no­vas ar­mas à opo­si­ção sí­ria apoi­a­da pe­la CIA.

O pla­no não foi apro­va­do nem re­jei­ta­do, in­for­mou o The Washing­ton Post. Tal in­cer­te­za nes­te as­sun­to in­di­ca “um cep­ti­cis­mo cres­cen­te na Ad­mi­nis­tra­ção Oba­ma em re­la­ção ao programa se­cre­to da CIA no âm­bi­to do qual os EUA têm trei­na­do e ar­ma­do mi­lha­res de mi­li­tan­tes sí­ri­os nos úl­ti­mos três anos”, lê-se na ma­té­ria. A pro­pos­ta de au­men­to do apoio aos re­bel­des sí­ri­os em for­ma de mei­os de de­fe­sa an­ti­aé­rea, pa­ra ser usa­da con­tra a avi­a­ção sí­ria e a For­ça Ae­ro­es­pa­ci­al rus­sa re­ce­beu o no­me de pla­no B. Su­põe-se, re­za a ma­té­ria, que é uma al­ter­na­ti­va ao pla­no A que con­sis­tia no diá­lo­go di­plo­má­ti­co en­tre a Rús­sia e os EUA so­bre a Sí­ria.

Al­guns po­lí­ti­cos que an­tes eram apoi­an­tes do programa, por exem­plo, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do John Ker­ry, en­ca­ram-no com cep­ti­cis­mo. Ker­ry te­me que o for­ne­ci­men­to de no­vas ar­mas le­ve a que os mi­li­tan­tes ma­tem al­gum dos mi­li­ta­res rus­sos e que is­so con­du­za a uma con­fron­ta­ção com Mos­co­vo. O programa de apoio à opo­si­ção mo­de­ra­da foi o ele­men­to cen­tral da es­tra­té­gia nor­te-ame­ri­ca­na pa­ra der­ru­bar o Pre­si­den­te sí­rio Bashar As­sad. Se­gun­do ci­en­tis­tas po­lí­ti­cos nor­te-ame­ri­ca­nos, ago­ra é pou­co pro­vá­vel que mes­mo uma ver­são am­pli­a­da do programa per­mi­ta aos EUA al­can­çar o seu ob­jec­ti­vo, ten­do em con­ta a in­ter­ven­ção rus­sa no conflito.

Ao mes­mo tem­po, é mui­to pos­sí­vel que Oba­ma pas­se a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­lo des­ti­no des­te programa ao pre­si­den­te se­guin­te.

Vo­os da OTAN

A Or­ga­ni­za­ção do Tra­ta­do do Atlân­ti­co Nor­te (OTAN) pre­pa­ra o en­vio de aviões de vi­gi­lân­cia pa­ra co­la­bo­ra­rem com a co­li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal que com­ba­te o Es­ta­do Is­lâ­mi­co (EI) na Sí­ria e no Ira­que.

Os lí­de­res da OTAN apro­va­ram for­mal­men­te na reu­nião de Var­só­via, em Ju­nho, o au­xí­lio à ali­an­ça con­tra o Es­ta­do Is­lâ­mi­co nos dois paí­ses com in­for­ma­ções re­co­lhi­das pe­las ae­ro­na­ves de vi­gi­lân­cia des­de o es­pa­ço aé­reo da Tur­quia e águas in­ter­na­ci­o­nais do Me­di­ter­râ­neo.

Fon­tes da OTAN ex­pli­ca­ram que os aviões po­dem me­lho­rar a pers­pec­ti­va ge­ral da mis­são da co­li­ga­ção e des­ta­ca­ram que eles não vão es­tar en­vol­vi­dos em missões de com­ba­te.

A ope­ra­ção po­de ar­ran­car ini­ci­al­men­te sem a Ale­ma­nha. No úl­ti­mo dia 12, o Go­ver­no ale­mão apro­vou a par­ti­ci­pa­ção de sol­da­dos seus na ac­ção, mas a de­ci­são pre­ci­sa de ser apro­va­da pe­lo Bun­des­tag, a câ­ma­ra bai­xa do Par­la­men­to, al­go que de­ve ocor­rer em No­vem­bro.

Os aviões Awacs vão par­tir da ba­se tur­ca de Konya e re­a­li­zar vo­os de re­co­nhe­ci­men­to pa­ra ofe­re­cer da­dos em tem­po re­al às ae­ro­na­ves de com­ba­te da co­li­ga­ção. Os Awacs são um dos pou­cos re­cur­sos de pro­pri­e­da­de da OTAN e não dos seus Es­ta­dos-mem­bros.

Cri­me

O Mi­nis­té­rio da De­fe­sa da Rús­sia de­nun­ci­ou, no sá­ba­do, a mor­te de de­ze­nas de ci­vis num bom­bar­de­a­men­to re­a­li­za­do pe­lo Oci­den­te con­tra um fu­ne­ral per­to da ci­da­de de Kir­kuk, que clas­si­fi­cou de cri­me de guer­ra. “Se­gun­do tes­te­mu­nhas, uma mar­cha fú­ne­bre foi con­fun­di­da com um gru­po de guer­ri­lhei­ros. De­ze­nas de ci­vis ira­qui­a­nos, in­cluin­do mu­lhe­res e cri­an­ças, mor­re­ram”, dis­se o por­ta­voz mi­li­tar rus­so, Igor Ko­nashen­ko.

O ge­ne­ral afir­mou que o ata­que ocor­reu na sex­ta-fei­ra na pe­que­na al­deia de Da­kuk, si­tu­a­da a 30 qui­ló­me­tros de Kir­kuk, on­de não há pre­sen­ça de mem­bros do Es­ta­do Is­lâ­mi­co.

Ko­nashen­ko dis­se que es­se ti­po de ata­que mor­tal con­tra re­giões po­vo­a­das apre­sen­ta to­dos os tra­ços de um cri­me de guer­ra e re­pre­sen­ta uma ro­ti­na diá­ria pa­ra a co­li­ga­ção li­de­ra­da pe­los Es­ta­dos Uni­dos.

“Com mui­ta as­si­dui­da­de, os bom­bar­de­a­men­tos da co­li­ga­ção atin­gem ca­sa­men­tos, fu­ne­rais, hos­pi­tais e com­boi­os hu­ma­ni­tá­ri­os”, acu­sou o ge­ne­ral rus­so.

AFP

Aviões da OTAN vão apoi­ar ope­ra­ções da co­li­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal na Sí­ria e no Ira­que

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.