Mer­ca­do é atrac­ti­vo pa­ra os in­ves­ti­do­res

IN­VES­TI­MEN­TO ES­TRAN­GEI­RO EM ÁFRI­CA Mai­or in­ves­ti­dor ex­ter­no no ano pas­sa­do foi a pe­tro­lí­fe­ra fran­ce­sa To­tal E&P

Jornal de Angola - - PARTADA -

An­go­la foi o sé­ti­mo des­ti­no do in­ves­ti­men­to di­rec­to es­tran­gei­ro em Áfri­ca em 2015, com pro­jec­tos no va­lor de 2,7 mil mi­lhões de dó­la­res, ab­sor­ven­do qua­tro por cen­to do to­tal in­ves­ti­do no con­ti­nen­te afri­ca­no, de acor­do com o re­la­tó­rio “The Afri­ca In­vest­ment Re­port 2016”, pu­bli­ca­do pe­lo “Fi­nan­ci­al Ti­mes”. O mai­or in­ves­ti­dor ex­ter­no em An­go­la foi a pe­tro­lí­fe­ra fran­ce­sa To­tal E&P, com 2,2 mil mi­lhões de dó­la­res, que se tor­nou no ter­cei­ro mai­or em Áfri­ca, em 2015.

An­go­la foi o sé­ti­mo des­ti­no do in­ves­ti­men­to di­rec­to es­tran­gei­ro em Áfri­ca no ano pas­sa­do, com pro­jec­tos de in­ves­ti­men­to no va­lor de 2,7 mil mi­lhões de dó­la­res, ab­sor­ven­do qua­tro por cen­to do to­tal in­ves­ti­do no con­ti­nen­te afri­ca­no, de acor­do com o re­la­tó­rio “The Afri­ca In­vest­ment Re­port 2016”, pu­bli­ca­do pe­lo Fi­nan­ci­al Ti­mes.

O mai­or in­ves­ti­dor ex­ter­no em An­go­la foi a pe­tro­lí­fe­ra fran­ce­sa To­tal E&P, com 2,2 mil mi­lhões de dó­la­res, que se tor­nou no ter­cei­ro mai­or em Áfri­ca, em 2015. De­pois do Egip­to, na pri­mei­ra po­si­ção, com 14,5 mil mi­lhões de dó­la­res, se­guem a Ni­gé­ria (8,6 ), Mo­çam­bi­que (5,1), Áfri­ca do Sul (4,7), Mar­ro­cos (4,5) e Costa do Mar­fim (3,5).

O es­tu­do mos­tra que 495 em­pre­sas in­ves­ti­ram em Áfri­ca, um in­di­ca­dor que tra­duz um um acrés­ci­mo de seis por cen­to, fa­ce ao ano de 2014. Ain­da que os in­ves­ti­men­tos se te­nham vin­do a di­ver­si­fi­car, a in­dús­tria ex­trac­ti­va ain­da li­de­ra, no que res­pei­ta aos in­ves­ti­men­tos efec­tu­a­dos pro­ve­ni­en­tes do ex­te­ri­or, que cor­res­pon­dem a 23 por cen­to do in­ves­ti­men­to di­rec­to es­tran­gei­ro glo­bal.

O mai­or nú­me­ro de pro­jec­tos foi di­ri­gi­do à Áfri­ca do Sul, que cap­tou 118 pro­jec­tos de in­ves­ti­men­to di­rec­to es­tran­gei­ro, ou se­ja, 17 por cen­to do to­tal.

A es­te país, se­gue-se o Qué­nia (12 por cen­to dos pro­jec­tos), Mar­ro­cos (10), Egip­to (oi­to), Ni­gé­ria (se­te), Gha­na (seis), Mo­çam­bi­que (qua­tro), Etió­pia (qua­tro), Costa do Mar­fim (qua­tro), Tan­zâ­nia (três) e Ugan­da (três).

Pe­tró­leo pa­ra a Chi­na

Em Se­tem­bro, An­go­la foi o mai­or for­ne­ce­dor de pe­tró­leo à Chi­na, com 4,19 mil to­ne­la­das de cru­de, mais do que a Ará­bia Sau­di­ta e a Rús­sia, os prin­ci­pais for­ne­ce­do­res da Chi­na. Da­dos ofi­ci­ais das Al­fân­de­gas da Chi­na mos­tram que An­go­la ul­tra­pas­sou em Agos­to do cor­ren­te ano a Rús­sia, tor­nan­do-se, pe­la pri­mei­ra vez, no prin­ci­pal for­ne­ce­dor de pe­tró­leo da Chi­na. Os in­di­ca­do­res dão con­ta que o país de­ve man­ter es­sa li­de­ran­ça até o fi­nal des­te mês. No mês de Se­tem­bro, as im­por­ta­ções da Chi­na cor­res­pon­dem a 1,02 mi­lhões de bar­ris de pe­tró­leo por dia, o que re­pre­sen­ta um au­men­to de 45,8 por cen­to em re­la­ção ao pe­río­do ho­mó­lo­go de 2015.

Ape­sar de os nú­me­ros apon­ta­rem pa­ra uma li­gei­ra re­du­ção em re­la­ção aos in­di­ca­do­res de Agos­to, o pri­mei­ro mês do ano em que An­go­la su­pe­rou a con­cor­rên­cia e se tor­nou o prin­ci­pal for­ne­ce­dor de pe­tró­leo da Chi­na, as pre­vi­sões apon­tam pa­ra uma no­va ace­le­ra­ção ain­da es­te mês. A mai­or pro­cu­ra chi­ne­sa ex­pli­ca-se pe­lo fac­to de o cru­de an­go­la­no ser mais ba­ra­to, ren­den­do uma mai­or quan­ti­da­de de com­bus­tí­veis tra­di­ci­o­nais. Em ter­mos glo­bais, a aná­li­se dos pri­mei­ros no­ve me­ses do ano in­di­cam que, nes­se pe­río­do, An­go­la se con­so­li­dou co­mo o ter­cei­ro mai­or for­ne­ce­dor de pe­tró­leo da Chi­na, de­pois da Ará­bia Sau­di­ta e da Rús­sia.

For­ne­ci­men­to de Ju­lho

Em Ju­lho pas­sa­do, An­go­la ul­tra­pas­sou a Ará­bia Sau­di­ta e man­te­ve uma for­te pres­são so­bre a Rús­sia. Nes­se mês, a Chi­na im­por­tou 4,72 mi­lhões de to­ne­la­das de pe­tró­leo de An­go­la, ou se­ja, 1,11 mi­lhões de bar­ris por dia, nú­me­ro que re­pre­sen­tou um cres­ci­men­to ho­mó­lo­go de 23,3 por cen­to.

No de­cur­so dos se­te pri­mei­ros me­ses des­te ano, as im­por­ta­ções chi­ne­sas de pe­tró­leo an­go­la­no au­men­ta­ram 18 por cen­to, pa­ra 26,94 mi­lhões de to­ne­la­das, ou 923,2 mil bar­ris de pe­tró­leo por dia, fa­zen­do de An­go­la o ter­cei­ro mai­or for­ne­ce­dor, de­pois da Ará­bia Sau­di­ta e da Rús­sia. Em Ju­lho, te­ve lu­gar uma pro­cu­ra mai­or por pe­tró­leo de An­go­la, fa­ce ao rus­so, de­vi­do ao fac­to de o pe­tró­leo an­go­la­no per­mi­tir a ob­ten­ção de uma quan­ti­da­de me­nor de pro­du­tos le­ves por bar­ril, pro­por­ci­o­nan­do às re­fi­na­ri­as uma mai­or quan­ti­da­de de com­bus­tí­veis tra­di­ci­o­nais.

PAULINO DAMIÃO

Ele­va­da ab­sor­ção de ca­pi­tal es­tran­gei­ro es­tá re­flec­ti­da na ex­pan­são do sec­tor imo­bi­liá­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.