Com ou sem vis­to de tu­ris­mo

Jornal de Angola - - PARTADA - MANUEL RUI |

Ca­da vez mais o país se en­che de es­tran­gei­ros pa­ra fi­ca­rem por aqui. Uma par­te en­tra com o cha­ma­do vis­to de tu­ris­mo que se des­ti­na a per­mi­tir a en­tra­da em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, de ci­da­dão es­tran­gei­ro em vi­si­ta de ca­rác­ter re­cre­a­ti­vo, des­por­ti­vo e cul­tu­ral. Na “ca­rim­ba­de­la” apos­ta nos pas­sa­por­tes, proí­be­se o por­ta­dor do vis­to de de­sen­vol­ver aqui tra­ba­lho, ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca. Mas is­to são tre­tas por­que uma boa par­te dos “tu­ris­tas” es­tão a tra­ba­lhar aqui nas cal­mas com uma es­con­di­de­la ou ou­tra. Os vis­tos são emi­ti­dos nos con­su­la­dos an­go­la­nos que sa­bem des­ta re­a­li­da­de, tan­to mais que os “tu­ris­tas,” vão e vol­tam a re­no­var o vis­to. Um por­me­nor es­ta­tís­ti­co. Já li fa­lar dos tu­ris­tas que nos vi­si­tam. Per­gun­ta se es­tes con­tam. Se con­tam so­mos um país com um óp­ti­mo ín­di­ce de tu­ris­mo! O que é um em­bus­te. Ou­tra ques­tão, cho­can­te, é ou­vir por­tu­gue­ses di­ze­rem quan­to cus­ta um vis­to. Cla­ro que mui­tos des­tes “tu­ris­tas vêm ocu­par pos­tos de tra­ba­lho que os na­ci­o­nais po­dem de­sem­pe­nhar co­mo car­pin­tei­ros, me­câ­ni­cos, con­ta­bi­lis­tas, etc. Ou­tros são ge­ren­tes. Nós en­tra­mos nu­ma lo­ja de ma­te­ri­ais de cons­tru­ção, tem um por­tu­guês a con­tro­lar o an­da­men­to das ven­das e o di­nhei­ro. Pa­re­ce o do­no. Na­da. O do­no é um li­ba­nês.

Mas, mais pe­la fron­tei­ra nor­te, en­tra-se sem vis­to ou “pa­gan­do” a en­tra­da pe­la fra­gi­li­da­de da po­lí­cia de fron­tei­ras, fe­nó­me­no co­mum a paí­ses com fron­tei­ras ex­ten­sas, ve­ja-se o pro­ble­ma do Bra­sil e a fron­tei­ra com a Ve­ne­zu­e­la.

Uma ob­ser­va­ção aten­ta cons­ta­ta exis­tir uma di­vi­são na­tu­ral do tra­ba­lho. As­sim, “tu­ris­tas” mais ri­cos ob­ti­ve­ram vis­to de re­si­den­te, in­ves­ti­ram aqui. Pa­da­ri­as são com os li­ba­ne­ses. Fo­to­có­pi­as, fo­to­gra­fi­as com di­rei­to a gra­va­ta, pa­ra do­cu­men­tos, é com vi­et­na­mi­tas. Mui­tos des­tes es­tú­di­os tem um an­go­la­no por de­trás e nin­guém sa­be quem au­to­ri­zou a cons­tru­ção de pe­que­nas ca­so­tas em ple­na ci­da­de, qua­se to­das iguais em ta­ma­nho e con­tra-ar­qui­tec­tu­ra. Pa­ra­do­xal: em­pur­ra-se a nos­sa gen­te pa­ra no­vas ha­bi­ta­ções fo­ra da ci­da­de e por ra­zões ur­ba­nís­ti­cas e “há” es­pa­ço pa­ra es­tes pe­que­nos mons­tros de con­tras­te com os ar­ra­nha-céus. Co­mo? Porquê? E Lu­an­da en­cheu-se dis­to co­mo ma­rim­bon­dos.

Unhas, ma­ni­cu­ras e pé­di­cu­res são com se­nho­ras vi­et­na­mi­tas que, por ve­zes, se ins­ta­lam em “ter­ri­tó­rio” de um an­go­la­no na fi­gu­ra de se­nho­rio com re­gras ára­bes (um adi­an­ta­men­to no va­lor cor­res­pon­den­te a seis me­ses, por exem­plo). São pe­que­nas sa­las ou quar­tos com pra­te­lei­ra re­ple­tas de ver­ni­zes e pro­du­tos si­mi­la­res. Os vi­dros das por­tas, sem­pre fe­cha­das, es­tão ta­pa­dos por pa­péis im­pres­sos com a pa­la­vra unhas e de­se­nhos so­bre os ser­vi­ços à dis­po­si­ção. In­te­res­san­te é que se o leitor ti­ver pa­ci­ên­cia vai cons­ta­tar que es­tes pa­péis são to­dos iguais. Unhas e de­se­nhos ape­la­ti­vos. To­do o ma­te­ri­al vem do Vi­et­nam e al­guns des­tes es­tú­di­os tam­bém co­mer­ci­a­li­zam ca­be­lo in­di­a­no. De­ve ha­ver uma or­ga­ni­za­ção sub­ja­cen­te. O fun­ci­o­na­men­to: há uma ou mais ven­de­do­ras an­go­la­nas, vi­zi­nhas sen­ta­das cá fo­ra em ne­gó­cio de pe­tis­cos. Se por aca­so, co­mo eu fiz, ba­ter à por­ta, a ci­da­dã an­go­la­na diz em voz al­ta “não es­tá.” Tem uma por­ta de re­ti­ra­da que dá pa­ra as tra­sei­ras e ca­sas das an­go­la­nas ami­gas que dão abri­go…e a ci­da­dã vi­et­na­mi­ta pi­ra-se.

Mas vão co­me­çan­do a apa­re­cer es­pa­ços de lo­ca­li­za­ção e mo­ra­da de­fi­ni­da mas à mar­gem de qual­quer or­ga­ni­za­ção ur­ba­nís­ti­ca. Há até um bair­ro cu­jos ha­bi­tan­tes são adep­tos do mes­mo clu­be. Ou­tra no­vi­da­de que trou­xe­ram foi a dos gran­des ar­ma­zéns nos ar­re­do­res da ci­da­de.

Sou adep­to da aber­tu­ra do país à re­cep­ção de es­tran­gei­ros com­pe­ten­tes que ve­nham tra­ba­lhar aqui. Mas é pre­ci­so que o fe­nó­me­no não pas­se à mar­gem da le­ga­li­da­de.

Ou­tro es­pec­tá­cu­lo é o de “tu­ris­tas” chi­ne­ses, an­da­rem nu­ma zun­ga de pe­nú­ria, ven­den­do po­ma­das e afro­di­sía­cos. On­de vi­vem, qual o seu “do­cu­men­to”. Es­tes são os po­bres, há ar­ma­ze­nis­tas e di­zem que há ou­tros que ba­tem no­ta al­ta em si­len­ci­o­sa e dis­cre­ta má­fia.

No an­ti­ga­men­te pró­xi­mo, quan­do ha­via uma si­tu­a­ção de ba­gun­ça, ha­via lo­go al­guém que ra­lha­va: “is­to não é um Con­go.”

Mas fo­ram en­tran­do, in­ter­fe­ri­ram nos nos­sos há­bi­tos, os nos­sos mer­ca­dos des­ca­rac­te­ri­za­ram-se, ven­de-se sem re­gra, ba­na­na ao la­do de óleo de tra­vões. Tam­bém trou­xe­ram coi­sas bo­as co­mo a al­fai­a­ta­ria, ex­cep­ção de Ca­bin­da que já era adi­an­ta­da na ma­té­ria com a be­le­za dos al­fai­a­tes e cos­tu­rei­ras tra­ba­lhan­do à va­ran­da das ca­sas.

O não olhar es­te pro­ble­ma com se­ri­e­da­de é con­tem­po­ri­zar com o dei­xa an­dar e os “tu­ris­tas” cha­mam ou­tros e mais ou­tros por­que em An­go­la es­tá cuiá.

En­ten­do que se de­ve­ria re­flec­tir so­bre o vis­to de tu­ris­ta, os es­tran­gei­ros que vi­a­jam pa­ra cá na exe­cu­ti­va, pas­ta di­plo­má­ti­ca na mão, car­ro e mo­to­ris­ta à es­pe­ra, são em­pre­sá­ri­os ou tu­ris­tas. E com que vis­to é que en­tram? Em An­go­la não há tu­ris­mo pois só al­guém mal in­for­ma­do por uma agên­cia de tu­ris­mo vem fa­zer tu­ris­mo na 2ª ci­da­de mais ca­ra do mun­do, a se­guir a Tó­quio no Ja­pão… sem te­le­fé­ri­co pa­ra o so­nho.

A tra­ba­lhei­ra que os an­go­la­nos têm aqui nos con­su­la­dos pa­ra con­se­gui­rem um vis­to?

As coi­sas têm no­me. E é pre­ci­so se­rem de­sig­na­das pe­la sua subs­tân­cia e não por um no­me não coin­ci­den­te com a subs­tân­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.