So­lu­ções ne­go­ci­a­das

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

A bus­ca de so­lu­ções pa­ra as­sun­tos que en­vol­vam es­sen­ci­al­men­te a po­lí­ti­ca e a sua con­ti­nu­a­ção por ou­tros mei­os, a guer­ra, faz to­do o sen­ti­do ho­je em dia. O re­cur­so a mei­os pa­ra pro­vo­car a ins­ta­bi­li­da­de, o uso da for­ça mi­li­tar pa­ra rei­vin­di­car di­rei­tos ou im­por agen­da, en­tre ou­tras prá­ti­cas vi­o­len­tas, é con­de­ná­vel a to­dos os tí­tu­los e em to­do o mun­do. Em Áfri­ca es­ta re­a­li­da­de não po­dia ser uma ex­cep­ção e, fru­to dos ga­nhos e avan­ços fei­tos por mui­tos paí­ses e re­giões afri­ca­nos, há es­pa­ço pa­ra a ac­tu­a­ção de to­dos os ac­to­res po­lí­ti­cos, re­cor­ren­do a mei­os le­gais e de­mo­crá­ti­cos.

Na­da mais jus­ti­fi­ca que se re­cor­ra a mei­os in­cons­ti­tu­ci­o­nais pa­ra a to­ma­da do po­der, a cri­a­ção do ca­os em no­me de um iti­ne­rá­rio po­lí­ti­co, que se des­tru­am vi­das hu­ma­nas e bens ma­te­ri­ais em no­me do jo­go po­lí­ti­co. É por is­so vá­li­da a re­co­men­da­ção do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, quan­do pro­fe­riu o dis­cur­so so­bre o Es­ta­do da Na­ção e de­fen­deu que “nes­te con­tex­to, de­vem ser man­ti­dos e re­for­ça­dos os prin­cí­pi­os da União Afri­ca­na, so­bre o não re­co­nhe­ci­men­to de go­ver­nos re­sul­tan­tes de pro­ces­sos in­cons­ti­tu­ci­o­nais, bem co­mo so­bre os me­ca­nis­mos de acom­pa­nha­men­to e fis­ca­li­za­ção dos pro­ces­sos elei­to­rais”.

Mas, ain­da as­sim, os ac­to­res po­lí­ti­cos pre­ci­sam de abrir es­pa­ço pa­ra o diá­lo­go e en­fren­tar co­ra­jo­sa­men­te a me­sa de ne­go­ci­a­ção, so­bre­tu­do quan­do es­tão em jo­go in­te­res­ses na­ci­o­nais, a paz, a es­ta­bi­li­da­de. Se por um la­do, não se po­de ne­go­ci­ar sob o sig­no do me­do que, co­mo se sa­be, não ge­ra sus­ten­ta­bi­li­da­de e du­ra­bi­li­da­de, por ou­tro não se po­de re­ce­ar ne­go­ci­ar com os ad­ver­sá­ri­os po­lí­ti­cos.

As or­ga­ni­za­ções sub-re­gi­o­nais tais co­mo a SADC e a Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre a Re­gião dos Gran­des La­gos (CIR­GL), acom­pa­nha­das de re­pre­sen­tan­tes da ONU e da União Afri­ca­na, pre­ten­dem em­pres­tar es­te im­por­tan­te pa­ra­dig­ma às ne­go­ci­a­ções. As aten­ções es­tão to­das vi­ra­das pa­ra Lu­an­da, nu­ma al­tu­ra em que se en­con­tram cri­a­das to­das as con­di­ções pa­ra a re­a­li­za­ção da Ci­mei­ra dos Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no.

E faz to­do o sen­ti­do que te­nha si­do es­co­lhi­do a ci­da­de de Lu­an­da, a ca­pi­tal de An­go­la, um país cu­ja ex­pe­ri­ên­cia e tra­jec­tó­ria dos úl­ti­mos 14 anos cons­ti­tui um mo­des­to, mas im­por­tan­te exem­plo pa­ra a sub-re­gião. O al­can­ce da paz, a es­ta­bi­li­da­de, a con­so­li­da­ção das ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas e a con­gre­ga­ção de es­for­ços de to­dos pa­ra de­sen­vol­ver o país pre­va­le­cem co­mo prá­ti­cas pas­sí­veis de ré­pli­ca na­que­les paí­ses que vi­vem ain­da ins­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca e mi­li­tar.

É ver­da­de que os di­fe­ren­tes Es­ta­dos, mer­gu­lha­dos ain­da em fo­cos de ins­ta­bi­li­da­de, pos­su­em re­a­li­da­des dis­tin­tas e, por via dis­so, me­re­ce­do­ras de di­fe­ren­tes abor­da­gens e so­lu­ções. Mas não dei­xa de ser ver­da­de que ba­si­ca­men­te as so­lu­ções que se im­põem pa­ra re­sol­ver os pro­ble­mas na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), na Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na (RCA), no Su­dão do Sul e no Bu­run­di não fo­gem da­que­las que têm si­do ad­vo­ga­das por An­go­la, atra­vés da li­de­ran­ça do Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. E tu­do co­me­ça ou pas­sa pe­lo diá­lo­go e con­cer­ta­ção, dois re­cur­sos aces­sí­veis e, na mai­o­ria das ve­zes, sem­pre dis­po­ní­veis.

Ter ca­pa­ci­da­de pa­ra di­a­lo­gar com to­dos os ac­to­res di­rec­tos ou in­di­rec­tos, man­ter per­ma­nen­te­men­te aber­tas as por­tas da con­cer­ta­ção, dar es­pa­ço pa­ra que os re­pre­sen­tan­tes das vá­ri­as sen­si­bi­li­da­des po­lí­ti­cas, re­li­gi­o­sas, ét­ni­cas e cul­tu­rais se sin­tam par­tes ac­ti­vas do pro­ces­so, são con­di­ções fun­da­men­tais pa­ra o su­ces­so.

Na ver­da­de, não exis­tem op­ções às con­di­ções ou so­lu­ções an­tes des­cri­tas que, fa­zen­do par­te de um pro­ces­so de pa­ci­fi­ca­ção, as­se­gu­ram com sus­ten­ta­bi­li­da­de con­fi­an­ça e êxi­to. Acre­di­ta­mos que a Ci­mei­ra dos Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no vai pri­vi­le­gi­ar a bus­ca de so­lu­ções ne­go­ci­a­das, en­quan­to vi­as por meio das quais se vão ba­se­ar as li­de­ran­ças dos paí­ses cu­ja si­tu­a­ção po­lí­ti­ca e mi­li­tar cons­ti­tu­em o cer­ne des­te en­con­tro.

Ape­sar da di­fi­cul­da­de em ne­go­ci­ar com par­cei­ros pou­co dis­pos­tos a em­bar­car nes­te pro­ces­so e, não ra­ras ve­zes, de­ci­di­dos a frus­trar os es­for­ços de diá­lo­go e con­cer­ta­ção, é pre­ci­so con­tar com aque­les com­pro­me­ti­dos com a paz, com a es­ta­bi­li­da­de e o pro­gres­so.

Os tem­pos de con­fli­to dão ra­pi­da­men­te lu­gar a uma no­va era em que as po­pu­la­ções re­co­nhe­cem fun­da­men­tal­men­te du­as coi­sas, no­me­a­da­men­te a per­da de tem­po com os anos de ins­ta­bi­li­da­de e a ne­ces­si­da­de de se­guir em fren­te com paz. Tra­ta-se de an­sei­os que não po­dem fi­car con­di­ci­o­na­dos por cau­sa da agen­da de um gru­po de pes­so­as cu­jas op­ções po­lí­ti­cas e ide­o­ló­gi­cas co­li­dem com os in­te­res­ses da gran­de mai­o­ria. Na RDC, na RCA, no Su­dão do Sul e no Bu­run­di, pre­ci­sa­mos to­dos de en­ca­rar a bus­ca de so­lu­ções ne­go­ci­a­das co­mo ba­se pa­ra to­do o pro­ces­so de con­cer­ta­ção que le­ve à pa­ci­fi­ca­ção e es­ta­bi­li­za­ção. Es­pe­re­mos que ho­je, os Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no, bem co­mo re­pre­sen­tan­tes de or­ga­ni­za­ções con­ti­nen­tais e mun­di­ais, se­jam ca­pa­zes de lan­çar as se­men­tes pa­ra que os no­vos pa­ra­dig­mas da paz e es­ta­bi­li­da­de pas­sem por so­lu­ções ne­go­ci­a­das.

Os fun­ci­o­ná­ri­os fan­tas­mas

Fa­la-se ho­je mui­to da exis­tên­cia de tra­ba­lha­do­res fan­tas­mas na Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, mas o cu­ri­o­so é que não se diz quem são os res­pon­sá­veis por es­ta si­tu­a­ção que pre­ju­di­cou o Es­ta­do em mui­tos mi­lhões de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.